Hubble encontra lua “perdida” de Netuno

Salvador Nogueira

Imagens do Telescópio Espacial Hubble encontraram uma lua “perdida” de Netuno — o mais distante dos planetas do Sistema Solar.

Imagem do Hubble, com realce para objetos mais afastados, revela a pequena Naiad (no círculo)

A pequena Naiad havia sido descoberta em 1989 pela sonda Voyager-2 (de saudosa história), em sua histórica passagem por aquele planeta. E desde então a lua nunca mais havia sido vista.

A dificuldade em vê-la da Terra vem do fato de que a lua orbita muito próxima ao planeta, que é 2 milhões de vezes mais brilhante que ela. A equipe de Mark Showalter, do Instituto SETI, na Califórnia, teve de desenvolver uma técnica para bloquear o brilho de Netuno, a fim de enxergar Naiad.

“É o equivalente a enxergar a espessura de um fio de cabelo a 15 metros de distância”, afirma Showalter, que apresentou seus resultados durante a última reunião anual da Sociedade Astronômica Americana (AAS).

Além de redescobrir Naiad, com seus 100 km de largura, com os mesmos dados o grupo também descobriu uma nova lua em Netuno, com no máximo 20 km de diâmetro. O anúncio dessa descoberta foi feito em julho, elevando o número de luas netunianas conhecidas a 14.

As imagens do Hubble, obtidas entre 2004 e 2009, também ajudam os astrônomos a estudar o estranho sistema de aneis e de arcos (algo como aneis incompletos) que haviam sido originalmente observados pela Voyager-2.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook

Comentários

  1. Salvador, vi o filme Gravidade esse fds…achei incrivel os efeitos, porém pergunto: alguem sobreviveria naquela velocidade e temperatura de entrada do modulo na Terra? é possivel? oque vc achou do filme?

    1. Ronaldo, estou doido pra ver este filme, mas ainda não consegui. Sacomé, filho pequeno em casa no fim de semana… 😛

  2. Salvador, uma pergunta de leigo: vivemos num sistema solar com uma unica estrela que é o sol…existe outros sistemas com estrelas muitos maiores que o sol… pergunto? o nosso mais distante planeta nao estaria proxima de um outro sistema a ponto de sofrer com a radiação desse outro sistema? ou são sistemas completamente fechados?

    1. Não, mesmo o mais afastado dos planetas ainda está bem mais perto do Sol que de qualquer outra estrela. Abraço!

    2. Se me permite acrescentar uma angustiante realidade do grande vazio que é o Universo… acompanhe:

      Tomemos a unidade astronômica (U.A.) que é a distância média entre a Terra e o Sol.
      1 U.A. = 150 milhoes de km, e que dá 500 segundos/luz.

      ( Ou seja a luz que é emitida pelo Sol demora 8 minutos e 21 segundos para chegar à Terra. )

      A heliopausa, a borda de nosso sistema solar foi recentemente descoberta pela sonda Voyager, e fica distante cerca de 100 U.A., ou seja, quase 14 horas/luz.

      Próxima Centauri, a estrela que está mais próxima do nosso sistema solar, fica à uma distância de 4,3 anos-luz !!!

      Em miúdos, e sem muitos cálculos… se o Sol fosse uma uma bola de futebol (11 cm de raio) colocada no centro do Morumbi:
      – A Terra seria uma bola de gude (0,5 cm de raio) colocada lá na marca do pênalti,
      – A Heliopausa ficaria lá pelos lados da Berrini…

      – e Próxima Centauri ficaria à 270km de São Paulo !!! Lá para os lados de Ribeirão Preto !!!

  3. Será que o pequeno príncipe vive por lá? Não esquecemos que, caso o vermos, é para avisar seu grande amigo, o aviador Exupéry. Não percamos a beleza do coração e, se o meu questionamento é poético, é exatamente igual àquele que orienta todo estudo em astrofísica (a gente não quer só comida). Muita paz a todos e ao trabalho do Mensageiro Sideral.

  4. Verdade, eu que interpretei errado. Este asteroide recebeu o nome 2013 tb80, pelo que entendi no texto o impacto nao esta comprovado.

    Obrigado pelos esclarecimentos.

  5. Desde há muito os poetas de ofício e os enamorados citam a Lua azul. Ora em elegias aqueles -pela emoção, ora em loas os últimos -pelo paixão. Ah, e os bruxos citam-na pela epifania.
    Cético pela antiguidade, pragmático pela cultura absorvida, ficava puto por jamais ter conseguido visualizar o espectro azul em (e Ñ “do”, certo guru Salvador¹) nosso satélite natural.
    Então, -après bordão radiofônico: “Em 20 minutos tudo pode mudar”, ¿né caro Borges?
    A dificuldade será conseguir o Hubble emprestado para fitar esta nova lua cheia de azul.
    ¹ todo guru é salvador…


  6. Salvador

    1. De quanto em quanto tempo ocorre o “alinhamento” no Sistema Solar (se é que isso existe de fato)?

    2. Nessas ocasiões, qual a distância entre Terra e Marte?

    3. É possível estimar quantos UA tem o raio do Sistema Solar até o limite de assim poder ser chamado? No português bem rasteiro, qual é o seu “comprimento” e a sua “largura”, supondo a ideia de um sistema elipsóide e guardadas as limitações das órbitas planetarias “inclinadas”?

    Abr.
    Elcio
    (ainda tem mais, porém fica pra outro dia – rsrsrs)


    1. Putz… Achei uma matéria sua na Folha a esse respeito. Vou lê-la pra ver se a resposta preenche a minha curiosidade.

      “11/05/2002 – 06h45
      Alinhamento planetário atinge seu ápice
      SALVADOR NOGUEIRA
      da Folha de S.Paulo”

    2. Elcio, você disse já ter encontrado um texto meu falando disso, então nem vou responder ponto a ponto. 😛
      Abraço,
      S.


      1. Foi um alinhamento parcial. O texto fala que “O alinhamento conta com Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno de um lado do sistema e a Terra do outro.” A curiosidade é a respeito de um alinhamento mais amplo, até Plutão (p.ex.). Sem querer ser chato, as demais curiosidades permanecem. São coisas prosaicas que não sei onde encontrar respostas e vejo em vc um interlocutor competente e sem frescuras.

        1. Rapaz, não dá pra Plutão alinhar, porque ele está num plano diferente… sobre os demais, certamente leva muito tempo. Como você viu, esse alinhamento era só aproximado, e mesmo assim é um negócio bem raro.


          1. Bira.

            Eu não conhecia esse “instrumento”. De cara, gostei.
            Já consegui vislumbrar alguma coisa do que eu queria, se não em distâncias efetivas (km/UA) pelo menos ter uma visão proporcional do todo. Algo do tipo como uma visão “capsular” do sistema (uma espécie de uma calota esférica imaginária que contivesse o Sol e os principais planetas).
            Vou explorar melhor o site.

            Tks,
            Elcio

  7. Ainda se descobrem grandes coisas tão “perto” de casa (terra), até sinto um tanto de descredito nas descobertas mais distantes, com certeza, muitas também inexatas, mas um dia essa ciência há de ser madura.

  8. Salvador, pergunta idiota: todos os planetas estão +- no mesmo plano longitudinal, explicado pela forma como o sistema solar foi formado. Até ai blz…
    Minha pergunta idiota é: se nos polos da terra eu enviasse uma nave tipo Voyager, perpendicular a esse plano, qual constelação,estrela, ou sei lá o que ela encontraria, e essa distância seria maior que encontrar a mesma coisa longitudinalmente?
    Todos os mapas mostram sempre na mesma linha…

        1. Abre sim, vc tem que copiar o endereço todo e colocar no navegador, porque porque por algum motivo o link só ficou para parte do endereço.

          Copiei o link inteiro e coloquei no navegador aqui e funcionou.

    1. Luis, me permita contribuir com 5 centavos e iluminar um pouco essa sua dúvida, que não tem nada de tola.

      O plano onde orbitam os planetas e contem nosso Sol é chamado de Eclíptica, como bem sabe a Terra tem uma inclinação de aproximadamente 23 graus com relação à esse plano.
      Bem, a maior concentração de estrelas encontra-se no disco galáctico, outro plano, que é por sua vez inclinado com relação à Eclíptica em 62 graus!
      Sendo assim, para uma nave encontrar planetas ela deve ser lançada no plano da Eclíptica, e para uma nave “encontrar” estrelas (embora isso demore um tanto bom de séculos com nossa tecnologia atual) ela deve ser lançada no plano do disco galáctico.
      Os polos celestes tem pouca densidade “astral”, digamos assim.
      Se me permite ainda uma brincadeira, se você fosse o capitão Kirk saindo em sua missão de exploração de 5 anos com a Enterprise estimo que você deveria se dirigir para algo entre a constelação de Órion e a do Cruzeiro do Sul, que é a direção de nosso braço galáctico e onde estão presentes nossas vizinhas estelares.
      Nas noites de Dezembro e Janeiro um instrumento de pouco aumento revela recantos incríveis nessa região!
      Espero ter esclarecido! S.A.

      1. Siderius, é verdade que no plano galáctico a densidade estelar é bem maior, mas ainda assim, em nossa vizinhança imediata, há estrelas em praticamente todas as direções, porque estamos em meio ao disco galáctico.

  9. Grammar nazis all around. Haja paciência para se dar ao trabalho de trazer notícias para esse povo “culto”. Parabéns pelo blog, Mensageiro.

    1. Hahahaha verdade. Antes de ficarem achando defeitos em astrofotografias ou ficarem ‘derrubando’ descobertas, esse pessoal devia, antes, estudar um pouco de português. Parei de ler os comentários pq tava ficando tensa!

    2. Também fiquei pensando nisso, hehehe. Mas o curioso é como é que eu gosto tanto de ver as besteiras que se comentam depois de uma postagem do Salvador. Eu estudo/observo as respostas inteligentes dele para aprender a lidar com os idiotas que aparecem na vida da gente todos os dias.

      Na internet, existe “o mundo dos comentários” que é muito interessante e que não aparece em nenhum outro lugar. É onde as pessoas geralmente expõem todo seu preconceito, egoísmo, recalques e piores sentimentos, livres da coerção instantânea da sociedade real. Daí vem essas “preciosidades” de cada dia.

      Acho que Salvador se diverte também e isso não atrapalha o prazer dele de compartilhar as novidades do Universo.

      1. Rapaz, eu me divirto sim! Mas estou aprendendo também. E confesso que de vez em quando me abstenho de responder e torço para outro leitor ir lá e falar o que eu não posso/não devo. 😛

  10. Salvador parabéns pelo blog, sou fascinado pelo assunto mas leigo ainda, estou aprendendo muita coisa com você e o Gustavo Rojas da UFSCar no canal : Céu da Semana no YouTube. Por sinal o Gustavo é fera também no assunto ! Valeu.

  11. independente de criticas destrutivas ou construtivas. eu acho que o que eziste no espaço,e pro homem descobrir.
    quem sabe um dia as sondas espaciais vao fotografar seres em outro planeta,ainda que seja de uma outra especie.coisa de outro planeta por exemplo

  12. Não exagera Salvador…Quem tem capacidade e estudo para se formar e ser engenheiro, dificilmente passará fome, ficará sem teto o coisa parecida. Basta ser inteligente e criativo…;)

  13. KKKKKKKKKKKKKKKKKKK Prefiro ficar com a Lua AZUL DE PLASTICO, como disse um amigo anteriormente. rsssssssssssss

  14. Tanto dinheiro jogado fora e tantas pessoas morrendo de fome pelo mundo, sem comida, sem medico, sem moradia e esse povo jogando dinheiro fora..

    1. E aí os engenheiros que projetam veículos como o Hubble estariam sem moradia, sem comida, sem médico, morrendo de fome. E o que dirá dos funcionários das companhias aeroespaciais que constroem esses satélites? O mesmo vale para os astrônomos que fizeram a descoberta com o Hubble… o dinheiro não vai para o espaço, Flávio! Vai para as pessoas que trabalham explorando e estudando o espaço. Elas morreriam de fome se não houvesse essas pesquisas!

    2. Flávio, foi com dinheiro jogado fora dessa forma que foi desenvolvido o submarino (que permitiu descobrir como não sabemos nada do fundo oceânico), os motores a jato para aeronaves, a comunicação por satélite, a fibra óptica, a internet, materiais compósitos como a fibra de carbono de carros de fórmula 1, o fulereno (ou futeboleno) que trará grandes inovações ao nosso mundo e tantas outras descobertas já feitas e muitas outras que estão por vir. Dinheiro só é jogado fora em países onde há interesses diversos ao invés da pesquisa em si. Infelizmente não estaremos vivos quando a partícula de Bóson tiver uso corrente, mas os bilhões de dólares gastos trarão grandes benefícios para as próximas gerações.

    3. Se tivessem parado todo o estudo de matématica, fisica, atronomia,etc… para investir o dinheiro em acabar com a fome/doenças no mundo ainda estariamos doentes, com fome e na Idade Média.
      😉

    4. Eita pensamento de mente pequena… coisa de miserável… compara banana com alface…
      Não sei se pelo fato de ser ignorante ou simplório…

    1. Estamos investindo única e exclusivamente na vida humana! A curiosidade é um aspecto essencial da vida humana. Tanto que até um opositor da exploração espacial como você teve a curiosidade de clicar na matéria e cair aqui! 😉

      1. Salvador, acho que alguns grandes filósofos da humanidade (entre eles Platão) dão suporte ao que você disse.

    2. Acho que não devemos nos ater apenas à nossa vida aqui. Acho que tudo vale a pena. O que não concordo é o gast em armamentos. O universo de uma forma geral(aí me refiro ao mundo popularmente falando) está ai para ser estudado, descoberto. Faz parte da ciência. Se não procuramos entender o universo lá fora acredito que não enteremos muita coisa aqui na terra. Só que um estudo leva a outro, é um efeito dominó, a cada descoberta surge outras a serem feitas. mas entendo o porquê de muita gente achar que o interesse por fenômenos fora da terra é perda de tempo, porque não é tão simples entender a cabeça dos cientistas. A visão deles é bem diferente da visão de uma pessoa que não está no metiê. Apesar de ler pouco sobre o assunto, acho válido o investimento. Só acho que deve se investido aqui também.

  15. Astronomia e astrofísica sempre instigarão o ser humano. Interessante que sabemos que jamais iremos a certos pontos do universo, mas mesmo assim o ser humano quer saber o que há do outro lado.
    Acho que a frase “devemos olhar antes para o nosso umbigo” se aplica aos cientistas. Eles investem milhares de dolares para saber o que há no universo, até mesmo para descobrir lugares que já mais iremos, mas não fazem o mesmo para saber o que há no fundo do mar, por exemplo. Acho que nas profundezas dos oceanos há coisas extremamentes curiosas e muitos segredos para serem descobertos.

    1. Wilson, o oceano também é bastante estudado… e lá fora há de haver um monte de oceanos iguais, então daí você tira uma ideia… 😉

  16. Acho que a exploração do sistema solar em busca de vidas teria que ser focalizada nas luas (satélites), entre os planetas acho que nossa única esperança era Marte mas pelo visto não existe nada lá, Europa me fascina, queria ver um dia um robô anfíbio que possa perfurar a camada de gelo e mergulhar no mundo oceânico. Titã também seria legal ser explorada por robôs, quem sabe um dia !

    1. Apoiado chará,

      Mais ainda gosto mais de Titã, poderiamos enviar não só um robô Rodrigo A, mais até uma missão tripulada. Claro que é muito distante mais isso pro futuro. A gravidade de Titã é semelhante a da lua, e não tem as perigosas tempestades de areia de Marte.
      Seria legal, e também acho que em Titã e Europa ha maiores chances de forma de vida.

      Abraxx…

  17. Salvador, bom dia, me corrija por favor, mas hj as fotos mais utilizadas pela astronomia não são “fotos visíveis ” para a interpretação do olho humano, mas fotos de infravermelho, temperatura e outros tipos que só um computador consegue “ve-las” e identificá-las corretamente, não é isso? e neste caso específico de netuno, não haveria possibilidade de identificar a tal lua nestes tipos de fotografias?
    Abraços.muito legal o site..precisamos de mais, muito mais.

    1. Marcio, infravermelho talvez fosse o melhor para isso. O Hubble trabalha com luz visível e infravermelho próximo, então não chega a ser uma imagem radicalmente diferente daquela que vemos com os olhos. Seu sucessor, o James Webb, vai trabalhar só com infravermelho, e vai ter capacidade bem maior de ver essas coisas.

    1. Rapá, tem que ser, né? Errei, errei. Acontece nas melhores famílias da Inglaterra. 😛
      Valeu pela simpatia! Abraço!

  18. Independente dos comentários que questionam a veracidade da matéria, a Astronomia nos ajuda a entender um pouco mais os sentidos do universo e a vida na Terra. Sabemos que os investimentos são altíssimos. A quem crê cabe a continuidade da crença, quem não crê, que vá cuidar de outros assuntos mais importantes. Rs

    1. A filha de 3 anos de uma amiga disse certo dia: “achado não é roubado”. Olha que ela estuda em uma escola adventista e a família tem ótimas condições financeiras.
      Isso só me comprova que a moral neste país ruiu, só espero que não desabe.

  19. Pena que o Brasil leve o Programa Espacial Brasileiro no banho maria. A Base de Alcântara devia estar produzindo milhões de dólares ao tempo do seu próprio desenvolvimento. Sagres, Cabo Canaveral foram projetos que renderam riquezas a Portugal e aos EUA, em seus devidos tempos. No Brasil tudo é esculhambado. Por isso os americanos já derrubaram tres foguetes brasileiros.

    1. vc acha que esses ladrões dos petralhas vão dar bola para isso?o negocio deles é meter a mão na grana essa cambada só pensa naquilo$$$$$$$$$$$$$$$$

      1. ismael, infelizmente a história mostra que há corrupção no alto escalão brasileiro desde a época da colônia. Atualmente independe de partido, depende apenas da pessoa (ou pilantra) que está representando o povo.

      2. Penso de maneira similar ao Diego: por acaso o governo anterior deu alguma contribuição relevante para o nosso programa espacial?

        Na verdade, independente de partido, nossos políticos é que são uma m…. mesmo. Os que salvam são tão raros que são incapazes de fazer diferença no cômputo final.

    1. Não, Camila. São 14 com o descoberto em julho, citado mais para o fim do texto. Esse “reencontrado” (Naiad) já estava na contagem desde 1989… não havia sido avistado desde a passagem da Voyager-2.

  20. 10 a zero para os americanos! Ja temos mais informações de nosso sistema solar do que do fundo de nossos oceanos. A ciência e tecnologia daquele país caminha em passos largos indiferentemente das noticias que circulam por aqui de sua economia. VALEU !!

    1. Concordo em partes… os americanos são bons, mas os russos sempre estiveram a frente, e eu acredito que ainda hoje eles tem mais capacidade intelectual que os americanos pra qualquer coisa, porém foram prejudicados pela história… se fossem eles no “comando” do mundo hoje, aposto que estaríamos bem mais avançados nessa área… alguém concorda?

      1. ei vc esta fumando o que Ô MANO pelamor, Russia?Cuba,tenha a santa paciencia,não é a toa que os petralhas ladrões estão no poder graças a gente inteligente como vc,pede para c…..a..g..;e cai fora.Russi, Cuba ;145370ksd;..,;;/2936

      2. Marcelo, um grande mestre certa vez me disse que tudo é possível, dependendo apenas dos recursos investidos (tempo, $$ e pessoal).
        A Rússia investiu montanhas de $ durante a guerra fria nos centros de P&D, já os EUA vêm investindo nessa área continuamente até hoje.
        O Brasil (instituições públicas e privadas) tem dificuldade para competir com tais nações porque investe comparativamente pouco em P&D. No dia que as pessoas pararem de pensar em destruir para começar a construir, o Brasil será uma das grandes potências econômica, tecnológica e cultural.

    2. Prezados colegas,
      A vantagem americana na exploração espacial só é mais bem sucedida hoje pelo investimento mais constante dos americanos, os russos são tão competentes quanto, e já provaram isso! No início da exploração espacial quando os investimentos e interesses dos países eram semelhantes os russos até saíram na frente!
      Em 1961 a sonda russa venera 1 foi lançada para estudar Venus e se tornou a primeira missão espacial a um planeta, apesar da missão não ter sido bem sucedida.
      Os americanos responderam com a Mariner 2 se tornando a primeira missão interplanetária com sucesso. Os americanos também fracassaram com a Mariner 1 perdendo a sonda no lançamento.
      Acredito que os dois países estariam em pé de igualdade se não fosse à desigualdade no investimento espacial entre os países.
      P.S: Não consigo parar de rir com o comentário sobre Netuno do Borges. Kkkkk….
      Abraxx…

    1. Ops, só encontrei um erro de digitação (reace em vez de realce) na legenda da foto, mas agradeço o toque.

      1. “afim de enxergar Naiad” deveria ser “a fim de enxergar Naiad”. Afim junto indica afinidade. No caso é sepárado.

        1. Já corrigi lá. Obrigado pelo alerta. Estive “destraído”… (hehehe, foi uma piada, tá?)

  21. Na realidade a frase veio incompleta:
    “Naiad has been an elusive target ever since Voyager left the Neptune system,” said Dr. Showalter. From Earth, Neptune is 2 million times brighter than Naiad, and the two are separated by only one arcsecond. “This is equivalent to the width of a human hair from 50 feet away,”
    É a distancia entre Naiad e Netuno (de aprox 23500 km) que equivale a essa comparação. O diametro de Naiad é de aprox 33 km. Isso daria aprox. um fio de cabelo a 10000 m.

    1. Na verdade Naiad tem formato irregular, e o comprimento maior é de 100 km (na média, nas três dimensões, daria uns 60 km de diâmetro). Mas a questão de “resolvê-la” na imagem tem a ver com o brilho relativo (comparado a Netuno) e a distância, como está no texto. Sobre o fato de a frase estar incompleta, sua própria citação do informativo em inglês disparado pelo SETI Institute mostra que ela está completa. Obrigado pela audiência!

      1. Qualquer tamanho?
        Então cada uma das partículas de poeira que orbitam Saturno (nos anéis) são satélites?

        1. Em tese, sim. Mas os astrônomos os tratam como anéis porque eles têm propriedades dinâmicas conjuntas (como ondulações). Veja só: não há uma definição oficial de satélite, assim como, até 2006, não havia uma definição oficial de planeta. Definiram planeta só quando tiveram de julgar se Éris era planeta, ou Plutão deixaria de ser. Para satélite, ainda não surgiu uma necessidade premente. Os caras sabem no olho dizer se é satélite (qualquer tamanho, em órbita exclusiva), anel (vários “micro-satélites” na mesma órbita) ou arco (pedaço de anel).

          1. Salvador,

            Pegando o gancho, li em um artigo que o astrônomo russo Leonid Elenin (o mesmo que descobriu o cometa Elenin) descobriu um asteróide em órbita com a Terra com cerva de 1 km de diâmetro. Li também que o asteróide esta em queda e ira colidir se com a Terra, impacto que ocorrera daqui alguns milhões de anos.

            Seria então um satélite?

          2. http://astropt.org/blog/2013/10/16/elenin-descobre-asteroide-de-1-km-proximo-da-terra/

            Este blog é muito legal, o cientista Carlos Oliveira me parece sempre bem antenado.

            Segundo o site este é o curriculo dele.

            Carlos Oliveira

            Carlos F. Oliveira é astrónomo e educador científico.
            Licenciatura em Gestão de Empresas.
            Licenciatura em Astronomia, Ficção Científica e Comunicação Científica.
            Doutoramento em Educação Científica com especialização em Astrobiologia, na Universidade do Texas.
            Criou e leccionou durante vários anos um inovador curso de Astrobiologia na Universidade do Texas.
            É actualmente Research Affiliate-Fellow em Astrobiology Education na Universidade do Texas em Austin, EUA.
            Trabalhou no Maryland Science Center, EUA, e no Astronomy Outreach Project, UK, recebeu dois prémios da ESA, e realizou várias palestras e entrevistas nos media.

          3. Isso aí é verdade, mas o asteroide está só numa órbita próxima da Terra, mas girando ao redor do Sol. Não seria um satélite, e sim, como diz o texto, um asteroide próximo à Terra (Near-Earth Asteroid, ou NEA, para os íntimos). Estima-se que, como ele, existam mais de 1.000, a maioria dos quais já identificada.

          4. Salvador,

            Veja se tem base e por gentileza me repasse a informação.

            Aprendo muitas coisas interessantes nesse blog e as informações parece ser bem fundadas.

          5. Salvador,

            Aprendo muitas coisas neste blog e as informações parece ter base. Pode verificar e me responder?

  22. “É o equivalente a enxergar a espessura de um fio de cabelo a 15 metros de distância”
    Acho que alguém comeu alguns “zeros” nesta frase. Qualquer camera fotográfica destas superzoom de 40-50 x de zoom óptico consegue tal façanha.

    1. Como você mesmo já verificou, a citação é acurada. Já sua afirmação de que Naiad tem 33 km de diâmetro não.

    2. Está claro no texto que o cientista se refere o fio de cabelo sendo observado a olho nu a essa distância. Aprende a ler.

      1. Caro, Acho que quem não entendeu foi a vossa sabedoria. Claro que a olho nu eu não consigo ver um fio de cabelo a 15 metros, mas com uma boa camera, ou uma luneta simples eu consigo. Mas não conseguiria ver o planeta com esses equipamentos, como o texto deixou a entender.

        1. Tem q ser bem explícito pra algumas pessoas. O cientista faz uma analogia simples pras pessoas terem uma ideia da dificuldade e nego quer argumentar q consegue enxergar o fio de cabelo com uma luneta… huehuehahauha

  23. Chamar a equipe da Nasa, pra desvendar a roubalheira do Brasil; Pois tá na cara da Justiça e ela não percebe.

  24. Concerteza essa lua é de plástico. O plástico é um derivado de petróleo, que é muito antigo no universo, daí, ele aflorou á superfície dessa lua, formando essa lua de plástico azul, muito bonita.

    1. kkkkkkkkkkkkkkk vc fumou o que?
      O astro azul na foto é Netuno.
      A lua até então desconhecida é o pequeno astro circulado visto ao lado esquerdo de Netuno.
      Petróleo é antigo na Terra. Nada se sabe sobre petróleo fora da Terra. Petróleo é matéria orgânica decomposta, então está longe de ser algo muito antigo se comparado à idade que se sugere ao universo.

      1. kkkkkkkkkkkk, meu caro muito boa sua reswposta, estou aqui dando tanta risada que não aguento…..rsrsrsrsrs

    2. kkkkkkkkkkkk que viagem é essa de plástico azul meu camarada??? Primeiro que o plástico precisa ser industrializado para virar plástico e segundo que a lua em questão aí, Naiad, nem côr aparece de tão pequena (está marcada no círculo) ,O que aparece em azul é Netuno, o planeta, que tem sua coloração azul devido a sua atmosfera mais metano. Viajaste legal hem,,,

    3. A “lua AZUL” a que você faz referência amigo trata-se de NETUNO e a LUA da matéria é a circulada do lado esquerdo.

    4. Detalhe: pra você fazer o plástico você precisa refinar o petróleo, ou seja, destilar, e no caso de precursores de polímeros, precisa craquear (por via térmica ou catalítica) pra produzir olefinas (alcenos). E depois disso ainda tem que passar por outro processo catalítico: o de polimerização.

    5. Minha nossa senhora! Me recuso a acreditar que o comentário foi sério. Quando agente acha que já ouviu de tudo, vem e me aparece uma lua de plástico azul!
      Ganhei meu dia! kkkkkkkkkk O mais legal é o individuo falando que é “Concerteza”!

        1. hehehe eu vi isso, também. Agente Mulder ou Scully? 🙂 E “Concerteza” é duvidoso; mas, “com certeza” é separado. Caraka, too much confusion in my head”. 🙂 Pessoal, vcs não perdoam, né? rsrsrsrs

  25. O que eu acho interessante é, como essas imagens são bem ruinzinhas apesar de serem tiradas aqui, a bem dizer no nosso quintal do sistema solar. Imagina aquelas lá fora próximo a outra estrela, ou que fica vagando pelo espaço. Haja concepção artística para se mostrar algo que nem se tem certeza. Gosto muito da astronomia, mas a impressão que passa é que o que hoje é tido como verdade, amanhã pode não ser. É ficar atento.

    1. Nilton, estude um pouco sobre técnicas de astrofotografia que irá compreender melhor.

      As fotos científicas do Hubble não precisão de boa qualidade. Fotos de boa qualidade só servem para mostrar a beleza do espaço para leigos. Fotos científicas tem a única proposta de revelar e descobrir coisas ainda desconhecidas.

      A foto do meio de Netuno é muito provavelmente uma sobreposição para os leigos entenderem melhor o que é o planeta e o que são as luas.

      Essa foto deve ter sido feita com uma longa exposição, o que satura a imagem mas revela coisas que não são visíveis em uma foto comum (curta exposição).

      As fotos que vemos de nebulosas, galáxias e estrelas distantes também são feitas em longa exposição para revelar detalhes ocultos, já que a luz provinda desses remotos locais do Universo.

      As concepções artísticas são feitas por “artistas” do photoshop para ilustrar algumas descobertas, já que nem o mais pontente dos telescópios é capaz de fazer imagens nítidas dos confins do universo. Mas isso não quer dizer que as descobertas não existem.

      1. Exatamente, Victor! O Netuno no meio é uma foto do Hubble sem frescura, e o arredor é com a técnica que “apaga” o brilho de Netuno para ver o que há em volta!

        1. Pelo que me parece e pelas observações corretas que fazes, você só pode ser o grande Salvador Nogueira, que escreveu o excelente “Rumo ao Infinito”. Gosto de astronomia e leio tudo que se escreve sobre o assunto, em português e inglês. Digo-lhe com sincerridade: livros do nível do seu em astronomia, só os de Carl Sagan, Marcelo Gleiser, Isaac Azimov e Robert Jastrow. Você precisa nos brindar com outra obra prima do mesmo níivel.

          1. Rapaz, sou eu mesmo, e fico lisonjeado pelo seu comentário! Valeu! (E em breve haverá livro novo vindo aí!)

      2. A foto original foi feita tampando-se totalmente o planeta Netuno. Neste caso, haveria um círculo totalmente escuro encobrindo o planeta. Alguém colocou uma sobreposição do planeta para dar uma ênfase a reportagem. Essa técnica está sendo aplicada para descobrir planetas em estrelas distantes. Se alguém quiser saber como funciona, basta olhar para uma lâmpada (fraca, de preferência para não irritar os olhos) com um dos olhos e esticar o dedo até encobri-la. Repetindo várias vezes esse encobrimento e olhando diretamente para o brilho da lâmpada irá perceber a diferença de objetos ofuscados pelo brilho e quando a lâmpada é tampada. Tente e perceberá a lógica deste experimento.

      3. Exatamente isso Victor, a palavra a sobreposição… O que dá a aparência de um pixel queimado, se traduzido para nossas câmeras fotográficas. Essa mesma técnica Mark Showalter utilizou em 1991 para descobri um satélite de apenas 10 km de raio nas entranhas do anel A de Saturno (Falha de Encke) o que veio a ser comprovado por pela sonda Cassini no início dos anos 2000. A técnica é aplicado quando do trânsito do objeto junto ao seu planeta.

    2. Jura mesmo “nilton”??? Nem acredito que perdi alguns segundos da minha vida lendo o seu comentário, e muito menos acredito que estou perdendo tempo em responder o seu comentário…Bom, num preciso dizer mais nada sobre o que penso em relação ao seu comentário, um tanto quanto, ignorante, em todos os significados que existem na a palavra “ignorante”…

    3. “… mas a impressão que passa é que o que hoje é tido como verdade, amanhã pode não ser. ”

      Caro Nilton,

      Você acaba de descrever como a ciência funciona! É isso mesmo. O conhecimento científico não é dogmático, mas evoluiu através do método científico. Então, se for provado cientificamente que um conceito está incorreto, ele é corrigido. Exemplos: quando Plutão foi descoberto, estimou-se que ele era maior do que a Terra; hoje, depois de medições mais precisas, sabemos que ele é menor do que a Lua. Até o início do sec XX, achava-se que a Via Láctea era o universo inteiro; hoje sabemos que não é. E assim caminha a ciência…

    1. Será que eu fugi das aulas de Geografia… fala que Netuno é o mais distante planeta do sistema solar NAO SERIA O PLANETA DO PLUTO … PLUTÃO.

      1. Plutão não é planeta. Foi reclassificado como planeta anão. Você não fugiu das aulas de geografia; só as frequentou antes de 2006. 😉

        1. Um planeta anão continua sendo um planeta. Plutão apenas foi rebaixado da “sequência principal”.

          Bora planeta Plutão!

          1. Plutão continua sendo um planeta, mesmo sendo “anão” e por isso é o planeta mais distante do sistema Solar.

          2. Não, Rui. Se esse é o critério, Éris também é planeta (só que anão) e está mais longe que Plutão…

      2. Pra falar a verdade eu ainda axo que os cientistas vão mudar a nomeclatura, quando Plutão foi rebaixado planeta anão ouve muita discórdia entre os cientistas, e sinceramente ainda não senti firmeza.

      3. Luciano, para você entender melhor: plutão é que nem o vasco, hoje está na primeira divisão, mas no ano que vem, estará na segunda divisão! Entendeu?

    2. Ué.. anão, ou não, ainda é um planeta…rs
      xiii… acho que to ficando véio..rsrsrs. Se fosse assim Nelson Ned não é um homem…rsrsrs

        1. Bom, ai devo admitir que não sei… eu realmente estou desatualizado nesse assunto. mas com atnta mudança na astronomia, acho que se a gente ficar uns 6 meses sem ler algo sobre o assunto ficamos anos luz desatualizados.

          1. Por enquanto é só objeto transnetuniano, mas a tendência é que seja confirmado planeta anão.

Comments are closed.