Mensageiro Sideral

De onde viemos, onde estamos e para onde vamos

 -

Salvador Nogueira é jornalista de ciência e autor de 11 livros

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Cometa Ison se aproxima do Sol; veja vídeo

Por Salvador Nogueira
Imagem da sonda Stereo mostra o Ison (cometa maior), o Encke (cometa menor), Mercúrio e a Terra

É chegado o momento da verdade. Às 16h25 de amanhã, o cometa Ison passará a 1,2 milhão de km da superfície do Sol. Será que ele sobreviverá a esse encontro fervente com o astro-rei? Os cientistas não sabem o que vai acontecer, mas seguem monitorando a situação minuto a minuto, graças à incansável ação de diversas espaçonaves distribuídas pelo Sistema Solar.

Veja, por exemplo, o espetacular vídeo montado por Emily Lakdawalla, da Planetary Society, juntando imagens colhidas por uma das espaçonaves gêmeas Stereo, da Nasa.

[youtube bAMs7mcFlNQ nolink]

Ambas as sondas estão na mesma órbita que a Terra ao redor do Sol, uma avançando à frente de nosso planeta, e a outra atrás. Uma das coisas curiosas disso é que ela consegue registrar nosso mundo nessas imagens, além do planeta Mercúrio. No caso, a imagem é da Stereo-A, que orbita à frente do globo terrestre. O Sol está do lado direito da imagem, e um outro pontinho em movimento no vídeo é o cometa Encke, que também está de passagem por essas redondezas.

Por falar em Mercúrio, a sonda Messenger está em órbita dele e também fotografou o Ison conforme ele ultrapassou a órbita do mais interno dos planetas. Veja só.

Câmera da sonda Messenger registrou o Ison no dia 20 de novembro

O destino do cometa ainda está em aberto. No dia 23, o astrônomo colombiano Ignacio Ferrín, da Universidade de Antioquia, se encantava com o fato de que o Ison não havia se desintegrado como ele originalmente esperava. Em compensação, ontem, ele reuniu evidências preliminares de que o núcleo do objeto pudesse ter se rompido. Nada é definitivo, e as próximas horas podem ser decisivas.

Dada a proximidade com o Sol, o Ison está invisível para observadores em terra. Somente pelo monitoramento feito por espaçonaves saberemos se ele sobreviverá à passagem pelo Sol para se tornar o esperado “cometa do século”.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook

Blogs da Folha