Mensageiro Sideral

De onde viemos, onde estamos e para onde vamos

 -

Salvador Nogueira é jornalista de ciência e autor de 11 livros

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

A fúria do Sol ao vivo

Por Salvador Nogueira
Início de erupção solar registrada em várias frequências no dia 24 de fevereiro pelo satélite SDO
Início de erupção solar registrada em várias frequências no dia 24 de fevereiro pelo satélite SDO

O satélite SDO (Solar Dynamics Observatory) registrou o início de uma furiosa erupção solar, ocorrida ontem, por volta das 9h (de Brasília). É mais um indício de que estamos numa época de “máximo solar”, em que nossa estrela atinge seu pico de atividade, num ciclo de 11 anos. Mas não há razão para (muita) preocupação. Mesmo quando vem diretamente na nossa direção (o que não é o caso), uma erupção dessas não ameaça a vida na Terra, embora possa danificar satélites em órbita e interferir com o funcionamento de redes elétricas.

A Nasa monitora cuidadosamente o Sol com uma flotilha de espaçonaves. O mais recente é o satélite Iris, que detectou uma erupção solar no dia 28 de janeiro, mas bem menos intensa que a atual. Além do Iris e o SDO, a Nasa também opera o bom e velho Soho (no espaço desde 1995!) e a dupla de satélites da missão Stereo. Quando se tem uma estrela por perto, todo cuidado é pouco!

Curiosamente, apesar desses eventos explosivos, o Sol anda num momento particularmente manso, com poucas manchas solares e raras erupções. Isso faz alguns pensarem que ele está entrando num nível de atividade tão baixo quanto numa época entre 1645 e 1715 que ficou conhecida como “mínimo de Maunder”. Esse período coincidiu com a chamada “pequena era do gelo”, o que faz supor que talvez — apenas talvez — o Sol esteja contribuindo para amansar o aquecimento global nos últimos anos, apesar de todos os esforços que a humanidade tem feito para que ele se torne cada vez pior.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook

Blogs da Folha