Mais quatro mundos habitáveis

Concepção artística de um dos planetas recém-descobertos, em torno de uma estrela anã vermelha
Concepção artística de um dos planetas recém-descobertos, em torno de uma estrela anã vermelha

Um grupo internacional de pesquisadores, fuçando dados de arquivo de busca por planetas fora do Sistema Solar ao redor das menores e mais comuns estrelas do Universo, encontrou oito novos candidatos, dos quais possivelmente quatro são mundos habitáveis.

Todos entram na categoria das “superterras” — planetas maiores que o nosso, mas mais modestos que Netuno, o menor dos gigantes gasosos em nosso Sistema Solar. O mais próximo está a apenas 17 anos-luz de distância, uma ninharia em termos cósmicos. (Um ano-luz é a distância que a luz atravessa em um ano, cerca de 9,5 trilhões de quilômetros.)

Ele orbita a estrela Gliese 682 e tem uma massa mínima 4,4 vezes a terrestre — o que faria dele um planeta com 1,5 vez o diâmetro do nosso planeta, se tivesse a mesma composição. Ele completa uma volta em torno de seu sol a cada 17 dias terrestres.

O sistema mais interessante dentre os recém-descobertos, contudo, pertence à estrela Gliese 180, a 38 anos-luz de distância. Lá, dois planetas diferentes se encontram na chamada “zona habitável” — a região do sistema planetário em que um planeta do tipo terrestre seria capaz de preservar água em estado líquido na superfície. Trata-se da condição mais essencial para a vida como a conhecemos. O mais interno deles dá uma volta em torno de seu sol a cada 17 dias, e o mais afastado completa um ano em 24 dias.

Finalmente, o quarto mundo habitável descoberto pela equipe liderada por Mikko Tuomi, da Universidade de Hertfordshire, no Reino Unido, gira em torno de Gliese 422 e completa uma translação em 26 dias.

Não é o caso de estranhar que todos esses mundos, apesar de receber radiação mais ou menos equivalente à que a Terra ganha do Sol, completem seus giros anuais tão mais depressa que nosso mundo, que executa uma volta a cada 365 dias. O Sol é uma estrela amarela, bem maior que as anãs vermelhas a que o estudo diz respeito. Quanto menor a estrela, mais perto dela fica a zona habitável.

O estudo, feito com dados colhidos pelos instrumentos HARPS e UVES, ambos do ESO (Observatório Europeu do Sul), no Chile, foi publicado no periódico “Monthly Notices of the Royal Astronomical Society”.

Para descobrir os oito novos planetas e confirmar a existência de outros dois já apontados por outro grupo, a equipe analisou dados de 41 estrelas anãs vermelhas. Uma análise estatística sugere que planetas de baixa massa — muitos deles possivelmente réplicas da Terra — são extremamente comuns ao redor desses astros. Os resultados sugerem que cada uma dessas estrelas deve ter pelo menos um planeta de baixa massa, e possivelmente muitos mais.

A notícia é sobretudo animadora porque as anãs vermelhas representam 76% de todas as estrelas da Via Láctea. Deve haver Terra para tudo quanto é lado na nossa vizinhança. E as atmosferas desses mundos poderão em breve ser estudadas pelo Telescópio Espacial James Webb, que a Nasa quer lançar em 2018 para suceder o Hubble. Talvez daí venham os primeiros sinais de vida extraterrestre. A busca está esquentando.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook

Comentários

  1. É…
    Estava difícil de responder aquele pergunta sobre “como se sabe que o meteoro é de Marte.”
    Mas aqui está mais mais difícil ainda!!! 😀

    Ótimo post. Aguardamos o que o Gaia irá nos mostrar!

  2. Impressionante a imaginação do ser humano.

    Quanto aos candidatos a mundos habitáveis, fico pensando em Carl Sagan vivendo nos tempos de hoje.

  3. O desespero dos religiosos e místicos está aumentando porque se um dia descobrirmos alguma civilização extraterrestre usando a ciência ou pelo contato direto, muitas das coisas que eles acreditam vão todas pelo ralo abaixo. E se existe alguma civilização que já nos observa, ela não entra em contato conosco de modo definitivo porque ela deve supor que o impacto desde contato na nossa civilização pode ser destrutivo, porque há muitos de nós que ainda estão na fase de acreditar em seres universais e estórias místicas sem fundamento, revelando um atraso civilizatório muito grande. Alguns inclusive podem se tornar perigosos para a humanidade pois vão tentar sabotar ou esconder o contato, tentar desviar os esforços dos cientistas para outras áreas não relacionadas, desmoralizar completamente a ciência ou o pior, manter o povo na total ignorância somente com o intuito de mante-lo controlado. Basta ler os comentários de muitos neste espaço que podemos inferir algumas destas coisas.

    1. Geraldo, penso diferente: sempre dá para “torcer” um pouco mais a mensagem “bíblica”… vide exemplos acima.

      Na casa do pai existem várias moradas… só que não foi feita uma referência direta à exoplanetas…

      Atualmente, muitos identificam “anjos” como “seres que vivem em outros mundos”, ou seja, extraterrestres…

      E por aí vai. Essa é a vantagem de se ter “verdades” escritas na forma de metáforas, e com duplo sentido: sempre se pode “torcer” ou distorcer as coisas, para que elas se encaixem nas novas descobertas. E quem quiser, que siga acreditando.

      Como dizem: se apararmos as bordas do quadrado, ele se torna um círculo.

      1. Metáforas são construções de linguagem que pode ser extremamente difíceis de entender, principalmente para quem não se esforça para pensar em nada muito complexo, tem poucos conhecimentos e aceita a explicação de outros que alegam ter interpretado o texto metafórico sem questionar se a explicação destes outros não tem alguma outra intenção escondida.

          1. Caros Miguel e Geraldo: não entendí bem a que livro foi feita a referência, ainda mais no quesito “exatidão”.

            Supondo que seja “aquele”, que ninguém ao certo sabe quem escreveu; que foi escrito “segundo” o que pessoas disseram que pessoas disseram, que pessoas disseram… e que ainda “admite” várias traduções e “interpretações”, permito-me discordar.

            Sejam ensinamentos, sejam comandos, sejam orientações que venham de um “ser superior” que se encontra em um “plano superior de existência” (apenas para ser bem abrangente), defendo que eles seriam compreensíveis para qualquer pessoa, em qualquer tempo, lugar ou nacionalidade.

            O que foi “ditado” pelo poder superior seria em uma forma de comunicação que qualquer um entenderia. Sem traduções, sem interpretações, e; principalmente, sem preencher as lacunas com os fatos mais recentes.

            E curioso: as correntes de pensamento, a respeito (entenda-se: religiões), além da fé, possuem outro ponto em comum: a entidade superior (dêem o nome que quiserem) não gosta de interagir diretamente com os seres que criaram: sempre precisam de quem as registre, traduza ou interprete! E estas “obras” costumam coincidir com os interesses daqueles “escolhidos” para recebê-las e divulgá-las…

            Curioso e muito conveniente, não é mesmo??? 😉

  4. Em muitos lugares do cosmos deve ter muitos seres inteligentes fazendo a mesma pergunta: “Estamos sós no universo”? O essencial, é procurar planetas onde exista oxigênio, pois sem ele, não existe fogo, e sem fogo, não dá pra existir uma civilização tecnológica. O único meio de comprovar a existência de aliens inteligentes, seria captando ondas de rádio, e se, algum desses planetas chegou ao ponto de produzi-las, só pode ser um mundo onde exista oxigênio.

  5. Talvez a terra seja a unica vom vida em todo o universo, acredito que nem mesmo bacterias existem em outros lugares, esses meteros que chegam na terra e dizem ser de marte, na verdade eles se enganaram, é tudo da terra mesmo, pode ser pedra que algum vulcão da terra soltou e foi parar na antartida ou em outro lugar da terra, aqui na terra foi o unico lugar possivel onde foi possivel formar uma combinação exata de algum ser biologico unicelular ate chegar em algo complexo como uma ameba, acredito sim na avolução das especies ate chegarem a nossa forma complexa.

  6. Nossa Terra é apenas um dos 7 000 000 000 000 de Planetas Habitáveis.

    A Organização dos Superuniversos

    (167.2) 15:2.11 Superuniversos. . . . . . . . . .7
    (167.3) 15:2.12 Setores Maiores. . . . . . . . . .70
    (167.4) 15:2.13 Setores Menores. . . . . . . . . 7 000
    (167.5) 15:2.14 Universos Locais. . . . . . . . 700 000
    (167.6) 15:2.15 Constelações. . .70 000 000
    (167.7) 15:2.16 Sistemas Locais. . . . . . . 7 000 000 000
    (167.8) 15:2.17 Planetas Habitáveis . 7 000 000 000 000
    (167.9) 15:2.18 Cada um dos sete superuniversos é constituído, aproximadamente, como se segue:
    (167.10) 15:2.19 Um sistema abrange aproximadamente. . . . . . . . . . .1 000 mundos
    (167.11) 15:2.20 Uma constelação (100 sistemas). . . . .100 000 mundos
    (167.12) 15:2.21 Um universo (100 constelações). . 10 000 000 de mundos
    (167.13) 15:2.22 Um setor menor (100 universos). . . . . . . . 1 000 000 000 de mundos
    (167.14) 15:2.23 Um setor maior (100 setores menores). . . . 100 000 000 000 de mundos
    (167.15) 15:2.24 Um superuniverso (10 setores maiores). . . 1 000 000 000 000 de mundos
    (167.16) 15:2.25 Em síntese, todas essas estimativas são aproximadas; pois novos sistemas estão constantemente evoluindo; e ao mesmo tempo outras organizações, temporariamente, estão deixando de ter existência material.

    Continuação: http://www.urantia.org/pt/o-livro-de-urantia/documento-15-os-sete-superuniversos

    A Evolução dos Universos Locais

    (357.1) 32:0.1 UM UNIVERSO local é obra pessoal de um Filho Criador do Paraíso, da ordem dos Michaéis. Consta de cem constelações, das quais cada uma abrange cem sistemas de mundos habitados. Cada sistema conterá, afinal, aproximadamente mil esferas habitadas.
    (357.2) 32:0.2 Esses universos do tempo e do espaço são todos evolucionários. O plano criador dos Michaéis do Paraíso segue sempre o caminho da evolução gradual e do desenvolvimento progressivo das naturezas e capacidades físicas, intelectuais e espirituais das múltiplas criaturas que habitam as variadas ordens de esferas compreendidas em um universo local.
    (357.3) 32:0.3 Urântia pertence a um universo local cujo soberano é o Deus-homem de Nébadon, Jesus de Nazaré e Michael de Sálvington. E todos os planos de Michael para esse universo local foram integralmente aprovados pela Trindade do Paraíso, antes que ele embarcasse na suprema aventura do espaço.
    (357.4) 32:0.4 Os Filhos de Deus podem escolher os domínios das suas atividades de criador; essas criações materiais, contudo, foram originalmente projetadas e planejadas pelos Arquitetos do Universo-Mestre do Paraíso.

    Continuação: http://www.urantia.org/pt/o-livro-de-urantia/documento-32-evolucao-dos-universos-locais

    As Constelações

    (485.1) 43:0.1 EM GERAL referimo-nos a Urântia como sendo o 606 de Satânia, em Norlatiadeque de Nébadon, significando o seiscentésimo sexto mundo habitado do sistema local de Satânia, situado na constelação de Norlatiadeque, uma das cem constelações do universo local de Nébadon. As constelações são a primeira divisão de um universo local; os seus governantes fazem a ligação dos sistemas locais de mundos habitados com a administração central do universo local em Sálvington, e, por refletividade, com a superadministração dos Anciães dos Dias em Uversa.
    (485.2) 43:0.2 O governo da vossa constelação está situado em um agrupamento de 771 esferas arquitetônicas, das quais Edêntia é a mais central e maior de todas, sendo a sede da administração dos Pais da Constelação, os Altíssimos de Norlatiadeque. A própria Edêntia é aproximadamente cem vezes maior do que o vosso mundo. As setenta maiores esferas que rodeiam Edêntia têm cerca de dez vezes o tamanho de Urântia,(Terra) enquanto os dez satélites girando ao redor de cada um desses setenta mundos são aproximadamente do tamanho de Urântia. Essas 771 esferas arquitetônicas são equiparáveis em tamanho às de outras constelações.

    Continuação: http://www.urantia.org/pt/o-livro-de-urantia/documento-43-constelacoes

    A Ilha Eterna do Paraíso

    (118.1) 11:0.1 O PARAÍSO é o centro eterno do universo dos universos, e o local de morada do Pai Universal, do Filho Eterno, do Espírito Infinito e dos Seus coligados e coordenados divinos. Esta Ilha Central é o corpo organizado mais gigantesco de realidade cósmica em todo o universo-mestre. O Paraíso é uma esfera material, bem como uma morada espiritual. Toda a criação inteligente do Pai Universal é domiciliada em moradas materiais; portanto, o centro de controle absoluto deve também ser material, físico. E, novamente, deve ser reiterado que as coisas do espírito e os seres espirituais são reais.
    (118.2) 11:0.2 A beleza material do Paraíso consiste na magnificência da sua perfeição física; a grandiosidade da Ilha de Deus é demonstrada nas realizações intelectuais esplêndidas e no desenvolvimento da mente dos seus habitantes; a glória da Ilha Central é manifestada no dom infinito da personalidade espiritual divina — a luz da vida. A profundidade da beleza espiritual e as maravilhas desse magnífico conjunto estão além da compreensão da mente finita das criaturas materiais. A glória e o esplendor espiritual da morada divina são inacessíveis à compreensão dos mortais. O Paraíso existe desde a eternidade; não há registros, nem tradições a respeito da origem dessa Ilha, núcleo de Luz e Vida.

    Continuação: http://www.urantia.org/pt/o-livro-de-urantia/documento-11-ilha-eterna-do-paraiso

    1. Se é para acreditar em fantasias e nesses contos de fadas “sagrados” (biblia, urantia, alcorão e outras bobagens) prefiro então seguir o Pastafarianismo. Pelo menos eles são tolerantes e com senso de humor.

      Leia o Evangelho do Monstro do Espaguete Voador e arrependa-se !!!

      Ele está voltando, com muito molho.

    2. Ricardo: vc esqueceu dos hiperuniversos. E dos megahiperuniversos. E dos supermegahiperuniversos. Aí a conta chega em 7 porrilhões de planetas.
      Obs.: 1 porrilhão é igual a um milhão de bestilhões.

    3. O livro de Urântia é uma obra de ficção científica interessante, mas eu prefiro a obra da britânica J. K. Rowling constituída por sete livros por ser bem mais criativo e fascinante, é um grande best-seller, já foram vendidos mais de 2 bilhões de livros no mundo todo.

      O mundo está cheio de grandes escritores de ficção, mas não confunda ficção com realidade. Deixe a realidade para a ciência porque ela está aqui para isso.

    4. Ricardo, na boa, vc. aperfeiçoou a equação de Frank Drake, desenvolvida em 1961, e chegou num número redondinho: sete quatrilhões, é isso?

      A essa cifra “fabulástica” podemos somar toda a mística em torno do número 7, não é mesmo? ficou perfeito demais! Tanto, que chego a duvidar de sua veracidade. Se estiver enganado, me desculpe.

      Agora, citar o livro de Urântia (o texto seguinte foi copiado da Wikipédia) é entrar em terreno perigoso: “A identidade dos autores divinos é estabelecida no próprio livro, e a pessoa que serviu de intermediária não é identificada. O Livro refere que é assim para que nenhum humano possa ser proclamado “profeta” ou admirado de alguma forma por tal obra literária.” Implica nos mesmos dogmas de qualquer outro tipo de crença: aceitação e fé.

      E ainda, a pessoa responsável pelas “revelações” é desconhecida. Ora, sem saber quem foi o autor (ou transcritor, como preferir), como confiar na obra? Será que tal “escolhido”? não colocou nada de sua visão de mundo nas revelações? Pois, ao que parece, quem “dita” suas vontades parece não se incomodar com uma ou outra “modificação”.

      Qualquer semelhança com outro livrinho famoso, mais parecido com uma colcha de retalhos mal costurada, será mera coincidência?

  7. Poderosos telescópios terrestres e espaciais, sondas que irão cada vez mais longes (a Voyager I já está praticamente fora da bolha heliosférica – se é que já não esteja). Homens já estão a todo vapor mergulhados nos projetos de missão tripulada a outro planeta ainda neste século, mesmo que lá não encontre resultados muito animadores.

    Por tudo isso (que é notório) e por outros motivos que, hoje, são apenas conjecturas, sinceramente, somente um alienado não pode ver o quão próximos estamos de provas cabais da vida que pulsa em outro lugar no cosmos não muito distante da nosso pequenino planeta-água.

    Das viagens dos celebres desbravadores, Vasco da Gama e Cristóvão Colombo, podemos tirar o quanto, para eles. era temerário adentrar nos mares infestados de “monstros”. Afinal, esta era a visão que os viventes tinham em meados de 1400 e tempos mais remotos. Mas atravessaram e acharam “outros mundos”.

    Já estou convicto! Talvez não consiga ver a tempo a notícia estampada nos jornais e neste respeitável Blog. Mas ela virá! É fato!
    Só não sei se posso esperar que os humanos destes novos tempos serão menos gananciosos que os de ontem…

    1. Manassés, muitos que negam essa realidade descrita por vc. ainda pensam e vivem como em 1400… nunca saíram, nem das trevas, nem daquela época!

  8. 1- Estamos a milhões e não milhares de anos na frente.

    2 – Queremos seu planeta para quê? O universo é rico em tudo. Basta estendermos nossas oito mãos e pegaremos tudo que quisermos.

    3- Esferas métalicas de Klerksdorp, fui eu quem fez. Ficaram bonitas, mas esqueci aqui na minha terceira viagem.

    4 – zoiudos!! zoiudos??? zoiudos??? zoiudos não, vocês que tem olhos pequenos! E outra coisa também.

    1. Oito mãos? Dá para comer churrasco com talheres e beber cerveja ao mesmo tempo! Genial, vocês evoluíram muito.

  9. ÉÉÉ, Salvador! Esse post não rendeu nada. Nem um comentário digno do seu trabalho. Se botar fogo , nem
    cinza sobra. Mas como água em pedra dura….vamos em
    frente. Quem sabe amanhã ?

    1. EvAldo, acho que vc. não leu todos os comentários, não.

      Alguns até renderam boas considerações, notadamente aqueles replicados pelo Salvador.

      Achar que se queimar não sobra nem cinza é muito pessimismo, compadre. No mínimo, um comentário medíocre rende uma boa risada… e isso é bom!

    2. Esse comentário seria uma forma disfarçada de detonar o post dos outros? Além do que, também não agregou nada.

  10. Tantos comentários se queixando e perguntando “pra que” descobrir outros planetas, vida, etc…
    A resposta é muito simples: por que sim… diferentemente desses que perguntam existem pessoas como esses cientistas que têm prazer em SABER… mais nada… não precisa ter aplicação prática. Afinal, a vida nada mais é do que a busca de prazeres.
    Assim como é um PRAZER ler os posts do blog.
    Infelizmente esses reclamões são incapazes de sentir prazer com conhecimento. Preferem Lepo Lepo…

  11. Com nossa tecnologia…Os ETs estão milhares de anos á nossa frente se quizessem já poderiam ter nos destruido ou até tomado a nossa terra. Já circulam por acá desde que a terra ainda era uma sopa quente,temos sorte
    que uma especie de confederação deles não
    permitiu que tomassem e implantassem outro
    sistema aqui.Umas tres especies queriam aliás
    ja teem outros mundos sob seus controles e
    são poderosos…Esses nem Obama nem Putin com suas armas nucleares podem com eles. Se não acertar-mos acordo com os ETs
    do outro lado não sei oque sera de nós.
    Vejam no youtube,sobre as esferas de
    Klerksdorpe,rolamentos de material desco
    nhecido…já eram fabricados a tres mil anos
    quando aqui estavam formando as primeiras algas e liquens não havia nada ainda…Bom
    notem que esses zoiudos ETs já estavam
    procurando ouro aqui naquela epoca.

    1. É a pura verdade.
      Eu represento o planeta Grhyuzwer. Estou aqui desde que o macaco-homem pulava de galho em galho. Aliás, fui eu quem forçou esses macacos a descerem das árvores com o meu pzerteron (uma espécie de estilingue que atira pequenas esferas de yuyretan). Quanto ao ouro deste planeta, ele não tem a pureza necessária para a fabricação de nossos kreahntillions. Continuo procurando algo de valor por aqui.

      1. milton, lembra de mim? Fui teu estagiário quando você ensinou aos egípcios a construção das pirâmides. Foi você quem me indicou para aquele cargo da Federação de assistente da supervisão do quadrante Beta. Já fui quatro vezes ao teu planeta, mas você nunca está, sempre passeando por aí e ensinando os macaquinhos. Abraço.

    2. Amigo, na boa: de onde veio tanto “conhecimento” e tanta “informação verdadeira” assim??? 🙂

  12. O homem nem destruiu este planeta e já procura outro com condições de habitar. Se existem outros planetas habitáveis tenham certeza que não foram criados para nos acolher.Fomos criados para habitar este planeta, egoísmo prepotência e arrogância humana é o que vejo na maioria dos comentários.

  13. Antes, uma reclamação: Por que este espaço para o comentário não está na parte superior? Se os comentários crescem pra baixo, o lógico é que fique em cima. Perdi um tempo enorme para localizá-lo!
    Mas, vamos ao que interessa: É tudo uma questão de valores. No ser humano se dá a exacerbação do sofrimento, e talvez seja isso a causa de sua redenção, enquanto em outras espécies de vida isto não ocorre. Além do fato de que o ser humano é extraordinariamente egoísta: a ele não pode, nem deve acontecer algo de ruim, mas com outras formas de vida que dividem consigo o espaço nesta terra, não dá a mínima, chega até ao extremo de criá-los para depois matar para saciar os seus desejos pervertidos (o boi, a galinha, a baleia, o camurupim). Se segue numa estrada e, no meio do caminho, encontra um formigueiro, trata logo de destruí-lo friamente, sem se preocupar no grande mal que está causando à colônia de formigas com repercussão para as suas famílias, que têm o mesmo direito de viver quanto o seu algoz. É uma cena dantesca, sob o ângulo de visão de uma formiga, e que deve levar real desespero e sofrimento às pobres vítimas, diante da destruição de toda a sua cidadela! Até há algum tempo, quando se via uma cobra, corria-se para pegar um pau e procurar-lhe acertar a cabeça; e que dizer da pobre aranha, da majestosa caranguejeira, que, ao se ver uma, corria-se a pegar querosene para atear-lhe fogo?
    Já progredimos alguma coisa, e hoje já se concede perdão a esses pobres animais que, por infelicidade cruzam os nossos caminhos, deixando-os ir embora.
    Mas isso não o torna menos egoísta.

    1. Acho muito estranha esta lógica de que matar animais para se alimentar ou defender é uma crueldade humana. Nunca vi uma onça pastando ou pedindo licença pra alguém sair do seu território.

      Obviamente nós humanos precisamos melhorar muito nossa relação com as demais espécies do planeta. Mas essa ideia de que os animais são “bons selvagens” e nós o bicho papão não me parece muito justa.

      1. Allison, também é bom lembrar que a turma dos “natureba” que defendem a parada das mortes de animais para alimentação, por ser cruel contra a vida dos tais, se esquecem que os “vegeta” se alimentam de plantas, e plantas também são seres vivos!

        Ou seja, é menos cruel “matar” um pé de alface para comer, do que um frango, ou um porco? Em termos de vida, seria cruelmente igual.

        Estendendo ainda mais o conceito, esses “ecochatos” deveriam inclusive parar de tomar medicamentos quando ficassem doentes. Sim, pois bactérias, vírus (num sentido mais estrito) e outros parasitas também são formas de vida. Logo, matá-los seria cruel.

        Então, a vida vai sobreviver de quê?

    2. Papai “Modesto” Sabetudo, imagino, humildemente, que o Salvador pensou em colocar o espaço para comentários ao final dos próprios para evitar questionamentos ou pronunciamentos repetidos…

      Coisa que, a propósito, não deu muito certo, pois em um outro post “n” pessoas indagaram como saber se um meteoro veio ou não de marte…

    3. Sabe porque ?
      Para preguiçosos como voce, ler o texto inteiro, entender e depois comentar!

  14. E outra coisa: se o universo está em expansão estas distâncias serão cada vez maiores e portanto jamais chegaremos ao destino pretendido. Oh, humanidade, contente-se com o Sistema Solar !

  15. Quando Jesus disse que no céu há muitas moradas, quis dizer que lá tem casa para todo mundo morar. Entenderam, seus panacas?

    1. Outra metáfora para explicar tudo!! E a gente que é panaca. hauauau

      Ainda dizem pra dar a outra face. Esse aí já saiu batendo. hauauauaaua

    2. Então sugiro que vc escolha um desses planetas aí da matéria e se mude pra lá. Hoje ainda, por favor.

      Tchau

  16. Olá Salvador,

    Há alguma novidade sobre a situação do satélite Kepler? Existe algum plano para repará-lo ou a missão foi abandonada?

    1. Está em revisão sênior uma nova proposta para seu uso, denominada K2, que seguirá na busca de exoplanetas, mas em outras regiões do céu. Quando for aprovada, escreverei a respeito!

      1. Ótima notícia,

        Caso aprovada existe alguma previsão de quando ele voltaria a funcionar?

  17. E interessante que nos ultimos tempos estamos vendo varias reportagens de descobertas de outros mundos,a nossa terra vem enfrentando varias mudanças tão rápidas que logo será preciso encontrar um outro local habitavél para a humanidade.Algo esta acontecendo e mais rápido que o esperado pelas classes dominantes do nosso mundo,os cientistas sabem e já estão se mexendo a procura de algum lugar para continuidade da especie humana.
    Prestem atenção e saibam entender as entrelinhas.

  18. Sigam as experiências, as viagens, as pesquisas e as brilhantes opiniões que se lê aqui.
    Sócrates já disse: “Saber que nada se sabe é a maior sabedoria…”

Comments are closed.