A origem dos ‘Pilares da Criação’

Salvador Nogueira

Eles são uma das mais famosas e magníficas estruturas astronômicas já registradas: os chamados “Pilares da Criação”. Agora, um astrônomo acredita saber explicar como eles surgiram. E o processo parece ter menos a ver com criação do que antes se imaginava.

Imagem clássica do Hubble revela os Pilares da Criação, na Nebulosa da Águia.
Imagem clássica do Hubble revela os Pilares da Criação, na Nebulosa da Águia.

Scott Balfour, pesquisador da Universidade de Cardiff, apresentou seus resultados na semana passada, durante a Reunião Nacional de Astronomia organizada pela Royal Astronomical Society, no Reino Unido.

Os Pilares da Criação foram registrados pela primeira vez em 1995, numa imagem feita pelo Telescópio Espacial Hubble. Localizados no coração da Nebulosa da Águia, a 6.500 anos-luz de distância, eles são parte de um berçário estelar — uma região do espaço rica em gás e cheia de estrelas jovens.

Mas o que exatamente forma as protuberâncias gasosas visíveis na imagem? Segundo Balfour, tratam-se de esculturas produzidas pela emissão de radiação de estrelas massivas do tipo O, muito maiores e mais quentes do que o Sol.

Essas estrelas são marcantes pelo brilho azulado intenso e pela vida curta. Muito grandes, elas consomem seu combustível em alguns poucos milhões de anos, antes de explodir como supernovas. Pode parecer muito, mas é uma ninharia em comparação com o tempo de vida do Sol, que já brilha há 4,6 bilhões de anos e está apenas em sua meia-idade.

Balfour criou um modelo de computador da ação das estrelas do tipo O sobre o gás nas proximidades, simulando a evolução do sistema durante 1,6 milhão de anos. Claro, no computador esses anos passam bem mais depressa que na vida real. Ainda assim, foram necessárias várias semanas de tempo de computador para mastigar os dados e reproduzir o comportamento do gás ao longo do tempo.

Um dos desfechos possíveis, ele descobriu, é a formação de pilares como os vistos na Nebulosa da Águia. “O modelo reproduz belamente os mesmos tipos de estruturas vistos pelos astrônomos na imagem clássica de 1995, confirmando a ideia de que as estrelas de tipo O têm um efeito grandioso ao esculpir seus arredores”, diz Balfour.

Resultado da simulação após 1,6 milhão de anos -- um "pilar digital da criação".
Resultado da simulação após 1,6 milhão de anos — um “pilar digital da criação”.

E o que talvez seja mais interessante é que esse processo de evolução induzido pelas estrelas massivas em geral desfavorece o surgimento de outros astros na mesma região. Portanto, estruturas como os Pilares da Criação não costumam ser sintomas de um ambiente particularmente criativo, apesar de novas estrelas estarem se formando neles.

“Se eu estiver certo, isso significa que estrelas de tipo O têm um papel muito mais complexo do que antes imaginávamos ao conduzir uma nova geração de irmãs estelares à vida”, comentou o pesquisador.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook

Comentários

  1. Bastou chamar alguma coisa de “pilar da criação” que os fanáticos religiosos de sempre já fazem uma interpretação literal do nome e defendem o sentido original usando todo tipo de argumento sem sentido como se ele fosse algo sagrado. “Pilar da Criação” é somente um nome que os astrônomos mais ligados a religião deram as estruturas que parecem um pouco com pilares, mas se vistos de outro ângulo, não são. De algum outro ângulo certamente eles se pareceram com qualquer outra coisa, até mesmo uma nebulosa escura difícil de ser ver.

  2. NA MINHA OPINIÃO , ESTES ASTRONOMOS NÃO SABEM É NADA ! TUDO CHUTE ! SABEM A TEORIA DA VARREDORA DO OBSERVATORIO ? NÃO SABEM ? NA MINHA OPINIÃO SE ELA ELABORAR UMA TEORIA BASEADA NA CRIAÇÃO DO UNIVERSO PELO CABO DA VASSOURA NUM VAPT VUPT , VALE TANTO QUANTO ESTAS AFIRMAÇÃOES ESTAPAFURDIAS ! SAINDO FORA DO SISTEMA SOLAR E NAS IMAGENS DO HUBLE , ELES NÃO SABEM NADINHA DE NADA !!
    SÓ CHUTE , ASSIM ATÉ EU !!
    AC BOGO

    1. Difícil é fazer um programa de computador que mostre um Universo nascendo de uma varrida…

      1. Para estas pessoas que se acham os “experts” e fazem comentários depreciando o estudo das pessoas, aconselho ir um dia em uma Universidade e conhece-la, participar de uma aula e pedir para ver os materiais que os professores trabalham com os alunos, visitarem suas bibliotecas e os que tiverem um pouco mais de condição, visitar um ambiente onde se realizam pesquisas. Só assim vão começar a entender e parar de escrever tanta tolice depreciando o trabalho alheio.

        1. Porque devo estudar conceitos que no futuro estarão ultrapassados, mal resolvidos ou pouco aplicavel? Como é o caso do heliocentrismo, discutiu-se tanto o assunto e hoje praticamente não serve pra nada, a não ser pra contar os dias errados do ano e depois ter que ficar inventando dia a mais pra fechar a conta…
          “Há ma isto serve pro desenvolvimento, é uma iniciação no mundo do conhecimento”. Na verdade enfiam guela abaixo aquilo que acreditam ser verdade, mesmo conceitos pré-concebidos através da visão cientifica experimental podem estar errados e passar gerações até que se prove o contrário. Pois não somo ensinados a contestar, ou melhor só apredemos um pouquinho disto a partir do mestrado, mas poucos chegam lá e normalmente já abastados de cacoetes intencional a acreditarem no pré-concebido, e quando um iluminado aparece normalmente é sacrificado pela massa emburrecida e sedenta de controle intelectual.

          1. Ele postou da primeira vez só o primeiro parágrafo, onde respondi. Depois repostou com um segundo parágrafo.

    2. O sujeito escreve em caixa alta e começa com “na minha opinião”, e um monte de gente se dá ao trabalho de ler e responder a sério? Pra quê?? Ignora isso, minha gente. Eu sei que não li, e nem me interessa.

  3. interessante, temos duvidas quem fez as pirâmides. e ocara sabe como se formou um negocio a 4 ou 5 bilhões de anos. ele é fantástico ou idiota. a ciência deveria responder coisa mais palpável.

    1. Se você tem dúvidas sobre quem criou as pirâmides, azar o teu. Não nos inclua na sua falta de conhecimento.

      1. Não inclua todas as pessoas em seu mundo de ignorância, sabe-se perfeitamente quem criou as pirâmides e qual o objetivo das pirâmides.

      2. O problema amigo, “NÃO É QUEM CRIOU AS PIRAMIDES” e sim “COMO CONSTRUIRAM AS PIRAMIDES?” Só vejo teorias vazias e sem sentido para tecnologia da época. Aliás hoje em dia seria extremamente trabalhoso construi-las. Duvido que alguma empreiteira assumisse uma missão tão complexa como essa.

  4. sei que nao é o post propicio .. mas gostaria de sua opiniao sobre uma materia que li onde afirmam que quanto mais distante a galaxia, mais rapido ela se distancia em relaçao a nos …..Quanto mais longe quer dizer, “na borda” do universo a expansão é mais rápida ou quanto mais longe de um ponto específico? (ex. da Terra pra borda do universo a expansão é gigantesca, mas para dois corpos que estejam na mesma região da borda, a expansão seria mínima?
    A partir do nosso ponto de vista, quanto mais longe está a galáxia, mais rápido ela viaja, mas se levarmos isso em consideração estaríamos no centro do universo (ou próximo do centro), o que não acredita-se que seja verdade. Existem vários estudos contraditórios a respeito desse tema…….. oque tens pra mim ?

    1. Sim, quanto mais distante a galáxia, mais rapidamente ela se afasta. Isso é resultado de que o espaço entre as galáxias é que está se expandindo. Os objetos mais distantes têm, portanto, mais expansão acumulada, e por isso se afastam mais depressa. Essa é a primeira evidência concreta obtida em favor do Big Bang.

      1. acho que não fiz entender …. essas galáxias a que vc se refere .. ( distantes ) faz entender que nos estamos próximo .. e eu pergunto .. próximo ao big bang ? próximo ao centro de algo ? de um suposto inicio ? longe da borda cósmica ?? pois segundo sua afirmação nossa galaxia tem uma velocidade menor que as distantes ..ou a pespectiva que teríamos estando nessas galáxias distantes…ao olhar para a nossa galáxia seria de que a nossa galáxia é que estaria se distanciando rapidamente !? …

        1. Não importa a galáxia onde você esteja, você vai observar o mesmo fenômeno: todas as galáxias se afastando de você, e as mais distantes se afastando mais depressa que as mais próximas.

        2. Christian, se considerarmos a possibilidade de o universo ser infinito então podemos dizer que, para todos os efeitos, estamos no centro dele. Entretanto isso não quer dizer que estamos na origem do Big Bang.
          Embora o Big Bang seja descrito como uma “explosão” o efeito é diferente da explosão de uma bomba.
          Não existe centro no caso Big Bang porque o início não estava no espaço e sim era o próprio espaço. #MindBlowing

  5. O interessante é que para que esse processo possa acontecer é necessário uma energia altamente controlada pelas leis da natureza. Ai é que está a pergunta: “Quem estabelece e controla essas leis?” Isso até hoje não foi explicado, é como se você falasse do nascimento de uma criança sem mencionar o papel dos pais.

    1. Não basta apreciar a beleza de um jardim, é preciso também acreditar que há fadas nele?

      1. Usando sua metáfora:

        Não fadas, mas pelo menos um jardineiro… A não ser que a formação profissional das fadas seja paisagismo…

        Se tratando que o universo anda em conformidade com o princípio do caos, a tendencia de um “jardim” virar um matagal é mais provável que um matagal virar jardim, não sem a presença de um jardineiro.

        Seja lá o que ou quem for o “jardineiro” ou a “fada” (não estou defendendo religião nenhuma), porque ter tanta dificuldade de entender uma coisa tão simples?

    2. Caro amigo, jamais teremos respostas a muitas perguntas. E devemos saber conviver com isto.
      Porém é interessante considerar que devemos dar grande força para aqueles que buscam o conhecimento verdadeiro da nossa realidade.
      E principalmente, jamais se deixar levar por estorinhas inventadas por pessoas cuja única vontade é de dominar os outros e viver como parasitas, sem contribuir com nada. Estes parasitas, cuja única vontade é de domínio e poder, se dizem representantes de poderes mágicos, sem qualquer fundamento, e distribuem medo para os outros, para dominá-los para sempre.
      Qual é o problema em responder eu não sei? Esta resposta não torna ninguém menor. E, ao invés de acreditar em mitos, lendas e estorinhas antigas, devemos pensar em fatos e comprovação. E alimentar a curiosidade o máximo possível. Porém sem deixar-se levar por lendas escravizantes.

    3. O seu argumento é tratado pela ciência como o Deus das lacunas e este não é um bom caminho para querer mostrar evidências para um criador, pois, embora hoje não se conheça algum processo, não se esqueça que anteriormente não se conhecia o que era a gravidade, então os religiosos diziam é Deus quem mantem as coisas, até que veio Einstein e mostrou como se dava este processo de gravidade. Quer defender uma religião não use a ideia do deus das lacunas, pois cada século que passa, essas lacunas estão sendo compreendidas e a religião com seus deuses ficando fora dela.
      Se você tem parentes católicos de idade e que moraram em lugares pequenos antes da década de 50, verá que acreditavam que a sombra na Lua era o cavalo de São Jorge.

      1. Prezado, a gravidade é apenas uma das mais de 100 constantes e leis físicas que mantém o universo e a vida aqui em fino ajuste e harmonia.

        Qual é mais fácil, atribuir isso a um Criador Inteligente ou a entidades inexistentes como: nada, acaso, sorte?

          1. Não, eu faço questão. Ilumine-nos com sua vasta sabedoria. Afinal de contas, meus parcos conhecimentos eu já desfilo nos posts e nos comentários. Agora é a sua vez de nos contagiar com sua infinita sapiência!

          2. Negativo. A Net está aí, quem quiser q procure por elas…

            Mas é significante o que diz o famoso astrofísico Stephen Hawking no livro “Uma Breve História do Tempo”:

            “O fato notável é que os valores destes números (ou seja, as constantes da física) parecem ter sido finamente ajustados para tornar possível o desenvolvimento da vida”. “Por exemplo”, Hawking escreve, “se a carga elétrica do elétron tivesse sido apenas ligeiramente diferente, as estrelas teriam sido incapazes de queimar o hidrogênio e o hélio, ou então não teriam explodido.Parece claro que há relativamente poucos intervalos de valores para os números (para as constantes), que permitiria o desenvolvimento de qualquer forma de vida inteligente. A maioria dos conjuntos de valores daria origem a universos que, embora pudessem ser muito bonitos, não conteriam um capaz de admirar a sua beleza “.

            Hawking, em seguida, continua a dizer que ele pode apreciar, tendo esta prova possível de “um propósito divino na criação e na escolha das leis da ciência (por Deus)” (ibid., p. 125).

          3. Cícero, não estou dizendo que o Universo não tem uma sintonia fina. Mas Martin Rees referiu-se a ela como “apenas seis números”. Se há mais de 100, eu adoraria saber. E só para complementar: Hawking nessa passagem o princípio antrópico, que pode ou não ser atrelado a Deus.

    4. Leis da aleatoriedade. Mecânica estatística quântica. Ninguém controla as leis da natureza e elas são o que são, apenas leis naturais que influenciaram uma quantidade gigantesca de matéria distribuída aleatoriamente num espaço muito grande e durante um período de tempo muito longo. Não tente atribuir tais leis a um “ser superior” que você cometerá o erro de muita gente que atribui causas naturais e aleatórias a alguém que controla tudo, como se suas próprias vidas fosse muito importantes perante a natureza e o “ser superior” se importasse com elas.

    1. Nem terminei de ler a matéria… estou procurando baldes para encher de lágrimas e um bom pedaço de bife pra colocar na cara depois do tapa pra aprender a pesquisar mais antes de se empolgar…

    2. Ok. Li a matéria até o final.
      Ainda existe esperança rsrsrsrs. Mas a matéria que eu li a principio (no tecmundo) não falava de nenhuma garotinha russa, só do Harold White e do artista Mark Rademaker, que idealizou a nave. A gente vai aprendendo quem é confiável e quem não é.

  6. Bom dia Salvador!

    Esta e a “cabeça de cavalo” são as imagens (icônicas) do Hubble que justificam mais e mais investimentos tecnológicos, isto sem desmerecer a milhões de outras que nos fazem ficar de queixos caídos.

    Parabéns pela matéria e imagens.

  7. Afirmar que os Pilares da Criação não costumam ser sintomas de um ambiente particularmente criativo, apesar de novas estrelas estarem se formando neles não é paradoxal ?

  8. A origem de tais estruturas, tambem conhecidas como “trombas de elefantes”, consequencia de “choques de ionização” produzidos por estrelas quentes, foi proposta ha decadas por Stuart Potasch. E’ pena que pesquisadores mais jovens não tenham o costume de olhar a bibliografia com mais de 10 anos

    1. Exato Pacheco!
      A teoria de Regiões Fotodissociadas é antiga…. e observações sobre essas estruturas também, embora sem a qualidade/resolução das recentes. Mas a ideia já estava lá atrás no passado. Naturalmente muitos detalhes ainda estão em aberto, como a estrutura espacial de diferentes tipos de moléculas, perfil de temperatura, etc.. Neste sentido, no refinamento dos modelos, é que os trabalhos atuais têm seu papel dominante.

      Diego

      1. É isso, acredito que o valor da demonstração dinâmica, por modelos de computador, é justamente colocar essas hipóteses antigas à prova.

Comments are closed.