Mensageiro Sideral

De onde viemos, onde estamos e para onde vamos

 -

Salvador Nogueira é jornalista de ciência e autor de 11 livros

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Fly Me To The Moon, China!

Por Salvador Nogueira

Como se diz “Fly Me To The Moon” em chinês? A sonda tecnológica C5-T1, lançada na última quinta-feira, já está contornando a Lua, a cerca de 60 mil km da superfície lunar, e mandou esta foto aqui.

Aquele planetinha ali ao fundo somos nós. À frente, o lado afastado da Lua.
Aquele planetinha ali ao fundo somos nós. À frente, o lado afastado da Lua. (Crédito: CAST/Divulgação)

Uau. A Terra ao fundo, nosso querido pálido ponto azul, com o lado afastado da Lua em primeiro plano. A espaçonave está testando tecnologias que, na próxima década, poderão trazer astronautas de volta do nosso satélite natural. Oficialmente, o projeto tem por objetivo pavimentar o caminho para o retorno robótico de amostras do solo lunar, marcado para 2017. Mas o fato de a cápsula ser apenas uma versão reduzida da usada na Shenzhou, nave tripulada chinesa, não deixa ninguém se enganar.

DICA: Você se interessa pelo tema da busca por vida alienígena? Clique aqui e baixe uma amostra grátis do meu novo livro, “Extraterrestres: Onde eles estão e como a ciência tenta encontrá-los”

Para a reentrada na atmosfera terrestre, marcada para o final desta semana, a nave usará uma técnica em que ela primeiro “quica” na camada superior de ar, perdendo velocidade, para depois fazer seu mergulho final e descer no deserto da Mongólia.

É emocionante ver a humanidade prestes a retornar à Lua, após quase meio século de ressaca pós-Apollo.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook e no Twitter

Blogs da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade