O último suspiro do Philae?

Salvador Nogueira

Mais um dia de trabalho no cometa Churyumov-Gerasimenko — e pode ser o último. A boa notícia é que o módulo Philae está bem afixado e ativou seu instrumento de perfuração, informou nesta sexta-feira (14) a ESA (Agência Espacial Europeia).

Imagem panorâmica da região de pouso do Philae, na beira de um penhasco. Ops!
Panorama da região de pouso, na beira de um penhasco. Repare as manchas brancas, acima e à dir.: são estrelas, fora de foco!

Os engenheiros não têm certeza se a altura da sonda com relação ao chão permitirá que o solo seja efetivamente escavado pela perfuratriz, chamada de SD2, e amostras sejam encaminhadas para o laboratório interno. Os resultados só virão com o próximo contato entre o Philae e a Rosetta — que pode ou não acontecer.

Depende basicamente de as baterias durarem até lá. Nas últimas simulações de carga, a conta está no limite para que o módulo de pouso permaneça operacional até a Rosetta voltar a sobrevoá-lo para restabelecer contato.

As tentativas de mover o módulo e melhorar a quantidade de radiação solar que chega a seus painéis solares não tiveram resultado. O Philae realmente parece bem preso ao chão e cercado por rochas. Imagens subsequentes das câmeras ÇIVA mostraram que o veículo não se moveu desde que pousou ali, confirmando que ele está bem preso ao solo.

Depois da noite de hoje, provavelmente o Philae irá dormir, sem baterias para permanecer em operação. Existe a possibilidade que ele volte a despertar conforme o cometa se aproxime mais do Sol e o nível de energia que chega ao painel solar aumente. Mas eu não prenderia minha respiração esperando por isso.

SEM CONTATO VISUAL
Em paralelo, a Rosetta segue procurando fazer contato visual com o Philae na superfície. Sua órbita foi alterada para obter as melhores imagens possíveis da região onde ele deve estar.

Esta missão já bateu baixas chances de sucesso antes, então ainda é cedo para dizer que é o fim. Mas, ao que parece, antes que o dia termine o Philae deve estar sem energia, encerrando suas transmissões.

A avaliação dos cientistas, contudo, é bastante positiva. Entre 80% e 90% dos dados que tinham de ser colhidos na missão primária do Philae foram efetivamente obtidos, segundo Stephan Ulamec, gerente do módulo de pouso na DLR (agência espacial alemã).

Uma missão estendida se tornou improvável diante da baixa quantidade de luz que chega aos painéis. Mas quem pode reclamar, quando a chance era grande de que o módulo quicasse e voltasse ao espaço, sem fazer medição nenhuma da superfície?

Não custa lembrar: estamos falando de um pouso num objeto ativo que tem apenas um centésimo de milésimo da gravidade da Terra. Um feito incrível.

A coleta de dados de solo pode acabar hoje, mas as análises darão trabalho aos cientistas por muitos anos. Isso sem falar na própria Rosetta, que continuará a estudar o cometa conforme ele se aproxima do Sol. Ainda tem muito gelo sublimado para rolar por baixo dessa ponte…

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook e no Twitter

Comentários

  1. Salvador…..vou chorar se faltar nutrição ( luz ) e philae realmerte “morrer”……..vc não acredita que ele possa hibernar e daqui a seis meses quando o cometa se aproximar do sol acordar de novo com a luz recebida ?….porque ?…pode explicar para a gente ?…obrigado

  2. Salvador.
    Muito boa a sua cobertura sobre o pouso do Philae no cometa. Sempre entro aqui pra acompanhar. Você sabe a que distância está a Rosetta do cometa?

    abs.

          1. Desculpe, Salva. Ela estava a 22 na penúltima atualização antes das 16hs. Agora a órbita atual da Rosetta é 50 km do 67P. E ela ainda está tentando localizar a Philae pelas imagens feitas da superfície…

  3. Salvador, considerando a escassa disponibilidade de luz solar no local onde a Philae acabou por se ancorar, você sabe se seria uma possibilidade manter o módulo de pouso operando apenas um de seus instrumentos científicos por vez, em um modo de baixo consumo de energia, até que se aproxime mais do Sol?

    1. Tentaram enviar comandos para a Philae entrar em modo de baixo consumo de energia, mas não funcionou. Agora o lander está do lado “oculto” do cometa, sem comunicação. Se conseguir voltar a comunicar com a Rosetta (e consequentemente com a Terra), vai ser ótimo. Porém se não conseguir, todos os dados dos experimentos de perfuração serão perdidos. 🙁

    2. Sabe, fiquei pensando: ta sendo maravilhosa a missao Rosetta e Philae. Mas pensando mais: As Voyager, Cassini, New Horizons, todas que se afastam mais do Sol, enfim missoes ao espaco exterior tem baterias de plutonio! Porque cargas d’agua puseram baterias quimicas solares na Philae?? Gosto da ESA mas ficam fazendo frescura e ouvindo os pseudo ambientalistas ignorantes e fazem uma bobagem desta. A.Nasa, leva vantagem exatamente quando ignora interferencias de desocupados qie se intitulam “salvadores do planeta Terra”

      1. Rui, a questão tem dois lados. Primeiro, desenvolver a tecnologia de painéis solares ao máximo é uma grande contribuição que o programa espacial pode dar à vida na Terra. Segundo, o custo dos RTGs também é alto, o que enseja soluções alternativas sempre que possível. Note que a Nasa mandou a Juno para Júpiter com painéis solares apenas! A Dawn, da Nasa, no cinturão de asteroides, também! E a Rosetta vai muito bem, obrigado! O problema do Philae é que ele pousou num buraco, não que tenha painéis solares! É o imponderável da missão. Ele poderia ter caído no meio de um rochedo, capotado, e o pouso nem teria sido bem-sucedido. Faz parte do fator sorte, que tem um papel a cumprir em praticamente todas as missões espaciais!

  4. Mesmo que o pior ocorra, foi um formidável trabalho de Engenharia. É incrível esse feito obtido pela Ciência Aeroespacial que conseguiu a proeza de fincar o módulo no cometa, obtendo imagens inéditas e informações preciosas. Aí eu me pergunto: não seria mais interessante para a exploração espacial o desenvolvimento de sondas cada vez mais avançadas ao invés de sonhar com o envio de seres humanos para o espaço colocando-os em risco?

  5. Salvador, qual é a expectativa da ESA caso eles soltem a sonda da superfície do cometa? Alguém espera que ela volte a quicar na superfície dele em algum ponto mais favorável?

  6. porra como é que os caras fazem uma façanha dessas e esquecem das baterias??? PQP tem brasileiro no meio disso ai……ficar dependendo de painel solar? TNC….manda uma bateria de plutônio nessa porra….

  7. Companheiros….é com imenso orgulho que vejo a sonda Philae perfurar as entranhas do cometa em busca do desconhecido…a origem da vida..os mistérios do cosmo…precisamos aprender a povoar os planetas…é o destino que nos une como humanidade…e vamos esquecer os pequenos problemas da terra…os escandalos…conpanheiros…estou agora mesmo doando 50 reais para a agência europeia comprar mais pilhas para a sonda…avante…

  8. Um efeito enorme, “acertar” um cometa a esta distância, só tendo uma chance, estão mesmo de parabéns, mas deram uma bobeada nas baterias… Não entendo porque não usaram energia nuclear, como faziam nas sondas da década de 70 (as Voyagers estão funcionando até hoje…), o problema é peso ou só queriam ser “politicamente corretos” ou já “perderam” a tecnologia? (Li, não sei aonde, há um tempo atrás -bem específico- que hoje não conseguem mais fazer um foguete como o Saturno IV, que foi à Lua, parecem que “esqueceram” como se fazia.. será que foi o caso?)

    1. Celso, o Salvador já respondeu em algum comentário por aí, mas lá vai novamente. A ESA não possui domínio da tecnologia RTG (Radioisotope Thermoelectric Generator) que a NASA usa em seus rovers e satélites. Além do que, optaram por não incluir material radioativo em seus objetos a fim de diminuir riscos de acidentes graves (contaminação) em caso de uma eventual falha no lançamento. Seria a primeira opção, ser “politicamente corretos”.

      Sobre a perda da tecnologia, o post em questão seria esse: http://mensageirosideral.blogfolha.uol.com.br/2013/08/23/cinco-provas-da-ida-do-homem-a-lua/

      Mas apenas para complementar a informação sobre o “esquecimento”: imagine que você tem um projeto a ser entregue, este projeto tem um prazo curtíssimo e você precisa desenvolver tecnologias inéditas para isso. Não importa o meio, apenas os fins. Se em um projeto controlado há falhas na documentação, imagine em um projeto deste tamanho, envolvendo mais de meio milhão de pessoas e dezenas de empresas contratadas para o desenvolvimento destas tecnologias.

      Obviamente algumas falhas na documentação ocorrerão (projetos incompletos, versões desatualizadas, etc). Foi o que aconteceu com algumas tecnologias desenvolvidas na corrida espacial. Mas elas não se “perderam” ou “foram esquecidas”, é o fluxo normal da evolução. E mesmo tendo tudo documentado, muitas das “nuances” de um projeto só são possíveis graças às pessoas envolvidas – e pessoas morrem.

      Traçando um paralelo, a humanidade um dia teve tecnologia para desenvolvimento de locomotivas à vapor. E mesmo tendo tudo documentado, se não houverem pessoas que conheçam bem o processo de produção de locomotivas à vapor HOJE, com certeza levariam muito mais tempo para produzir uma locomotiva à vapor do que levariam com engenheiros da época.

      Iriam construir as locomotivas (como construíram as cápsulas Orion, baseadas na tecnologia das Apollo), porém o trabalho seria (como foi) muito maior.

      E convenhamos, se temos Maglevs e TGVs hoje em dia, pra que construir uma velha locomotiva?

      😉

  9. Porque raios os engenheiros não fizeram a sonda com energia nuclear? Já foi feito antes com as Voyagers!
    Algo tão esperado e importante, anos de preparativos, e os caras iram ficar sem energia! Piada!

    1. Porque as Voyagers são da Nasa e a Rosetta é da ESA, que além de não dominar a tecnologia de fontes de energia radioativas, querem evitar acidentes graves em caso de falhas no lançamento.

  10. Respeito a opinião de todos.
    Mas não acredito que temos hoje, tecnologia para tal feito.
    Matérias na TV, nunca mostram filmagens reais. Sempre animações 3d. Fotos sempre escuras, nunca aparece uma foto em que a luz, se assemelhe com a luz de um dia sem nuvens e céu azul.
    E outra coisa, dizem que no espaço não há ar, há vácuo. Como controlar qualquer coisa sem que haja ar? Seja para queimar combustíveis, seja para ter atrito em relação a fuselagem e flaps para que possam direcionar a nave, sonda ou seja lá o que for.

    1. Verdade, é tudo mentira. GPS também não existe, o que temos é um duende muito bom em matemática dentro de cada aparelho.

      E o sinal de satélite que você recebe na sua casa também é mentira, tem um cabo subterrâneo escondido debaixo da sua TV, o prato de satélite apontando pro céu é só de enfeite!

      É tudo mentira, o homem nunca saiu da atmosfera. Diabos, nem existe uma atmosfera, o céu é um grande manto e o Sol é um holofote pendurado no teto! Nunca viu “O Show de Truman”?

      KKKK

    2. Não temos tecnologia para isto? Você quis dizer que o Brasil é que não tem tecnologia para isto, não é? E você pensa isto porque o sistema educacional brasileiro gera batalhões de analfabetos científicos que não entendem nada de ciência e desacreditam de tudo pois eles não tem capacidade nem para entender de fotografia básica.

    3. Desculpe-me, mas você está se esquecendo que motores de foguete não exigem ar para funcionar. Eles funcionam à base de reação química e a energia produzida é lançada em alta velocidade para fora e, pelo princípio de ação e reação, a nave vai para o sentido oposto.

      Foguetes pequenos são usados para dirigir a nave (assista a um filme que mostre esse tipo de ação e verá).

      Não há céu azul num cometa, pois ele não tem atmosfera (o nosso céu é azul por causa do oxigênio da atmosfera, Marte tem um céu avermelhado).

      Veja as fotos do link, para entender melhor o que é o cometa: http://www.planetary.org/blogs/emily-lakdawalla/2014/10271850-a-feast-of-comet-features.html

  11. Olá Salvador! Perguntinha: Se o cometa está em órbita eliptica em relação ao Sol, cedo ou tarde ele deve mudar a face iluminada, não? Ele possui algum movimento de rotação? Em última instância, mesmo que ele se desloque como um projétil quando começar a se distanciar do Sol, a face oposta será exposta, ou estou enganado? Resumindo, o que impede da sonda voltar a funcionar? Aproveitando: Li seu livro Extraterrestres e te devo meus parabéns. Leitura acessível para leigos, com bastante informação, colocada de forma agradável e que prende a atenção. Espero por novos lançamentos.
    Abs,
    Alexandre

  12. Salvador, o cometa possui rotação? A Rosetta possui uma órbita girando ao redor dele ou apenas o “acompanha” enquanto o cometa gira em seu próprio eixo? Se o orbita, é estacionário?? Dúvidas de leigo…

    1. O que caracteriza um cometa é a presença de compostos voláteis, não sua localização. Muitos cometas de curto período passam boa parte do tempo no cinturão de asteroides — sem por isso serem asteroides. O 67P está lá agora, mas seu ponto de origem é nas regiões mais afastadas do Sistema. 😉

  13. Acredito mais no erro da equipe, na votação de onde pousaria a sonda. Escolheram um lugar mais pela facilidade de pouso e averiguação, se ter “se tocado” na quantidade de luz. Sequer fizeram essa pesquisa e análise. Caiu no relevo a 1km do previsto, mas mesmo assim de alto relevo, seja pelo formato da rocha. Poderiam tentar usar seus diminutos propulsores para sai daí, mas parece que está presa mesmo. Ou tentar movimentar o rochedo a longo prazo. mas também acabaria a bateria ate lá. Sobre hibernar ate chegar perto do Sol e ter mais luz, o ângulo será o mesmo a distancia segura, ou seja, sem luz. Mesmo que tenha por um periodo luz boa, ate lá acabou a bateria para se religar. Ou seja, adeus sondinha, tua sorte parou por aí, o que já é muito. Não acredito em resultados dos instrumentos e 2 dias de uso. É só análise orbital mesmo e mais nada.

    1. Eduardo, o local originalmente escolhido era lisinho, e a sonda quicou num raio de 100 metros do ponto desejado. Precisão absurda. Se os arpões tivessem disparado, a sonda teria uma boa quantidade de luz. Esse foi inclusive um dos fatores da escolha do local de pouso.

      1. Na verdade ela quicou duas vezes.Da primeira ela se afastou cerca de um quilômetro de local de pouso programado.Além dos arpões também os jatos que deveriam pressioná-la contra a superfície também falharam.É bom lembrar que ela está há quase uma década no espaço.

      2. Estranharia num orçamento de U$ 1,5bi não terem previsto tal falta de luz por longo periodo. Caso tenha previsto, os equipamento voltarão a funcionar normalmente, mesmo com a bateria zerada (ou perto disso, ou apagada), onde na entrada de energia suficiente, iniciaria o carregamento e logo após religar o sistema todo, ou na última hipotese, o funcionamento da sonda mesmo sem bateria. Se tudo isso foi pensado, pelas contas, em 1 ano estará a mesma distância Sol-Terra, o suficiente para os paineis solares receberem e fazer funcionar os equipamentos mesmo a luz refletida do ambiente, visto não existir atmosfera protetora. Isso SE tiveram previsto essa falta de luz. Pra uma sonda que está a 10 anos navegando, 1 ano a mais não lhe afetará. Daí terá sucesso total, nas respostas “sim, não”, exceto a perfuração, algo impensável numa gravidade dessas e diminuta máquina de lavar (seu tamanho).

          1. Efeito demência: quando alguém nada tem pra fazer, na obsolência e absoluta inutilidade, fica lendo todos os 300 post para apenas fazer comentários do seu nível cerebral: vazios e sem nada a colaborar, ainda mostrando ao planeta todo tal baixo intelecto.

    2. Eduardo, dois dias de obtenção de dados significam dez anos de análise de dados… E como o próprio Salvador ressaltou em uma de suas matérias, o principal instrumento de estudo do cometa é a Rosetta, o Philae é a cereja do bolo.

      Qualquer dado que eles obtiverem já será muitíssimo mais do que se consegue ver por aqui, por meio de telescópios e radiotelescópios.

      Essa missão é um tremendo feito da humanidade!

  14. Essa missão é, por todos os aspectos, MARAVILHOSA! Me sinto orgulhoso e esperançoso na raça humana quando vejo a engenhosidade à serviço do melhor que há! Sucesso absoluto, é como conseguir acertar um alvo com uma flecha a 300km de distância, simplesmente emocionante fazer parte disso tudo. Estive faz 2 meses pela primeira vez no Cabo Canaveral, é o que eu costumo dizer, para um ‘garoto’ de 50 anos essa foi a minha Disneyworld! 🙂 E agora isso…

  15. Salvador, parabéns pelo blog.
    Já é uma realização memorável o fato desta sonda chegar e pousar no cometa, nos próximos meses teremos mais detalhes desta missão, será que teremos surpresas ou novas informações..

    1. Davi, teremos mais algumas informações nos próximos dias, e depois as coisas devem se acalmar, até que os cientistas comecem a soltar as análises dos dados colhidos.

  16. Olá Salvador! Minha maior dúvida é de como funciona este laboratório interno do Philae, a princípio ele irá colher uma amostra do cometa e verificar quais as substâncias encontradas? Como isso pode nos ajudar a entender o surgimento da vida na terra, caso a sonda ache um pedaço de rocha e nada mais?

    Abraço!

    1. Cara, tava lendo sobre isso. Nessa bateria de resultados que (tomara) sobe hoje à noite, talvez venham medidas de um instrumento chamado COSAC, que vai detectar e caracterizar moléculas orgânicas, possivelmente aminoácidos, que existam no cometa. Pretendo escrever mais a respeito se confirmarem que esses dados de fato foram colhidos.

Comments are closed.