Mensageiro Sideral

De onde viemos, onde estamos e para onde vamos

 -

Salvador Nogueira é jornalista de ciência e autor de 11 livros

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Philae restabelece contato!

Por Salvador Nogueira

Mais um milagre do pequeno Philae: suas baterias resistiram e ele restabeleceu contato com a sonda Rosetta. A ESA confirmou um contato inicial às 20h19, seguido por alguma intermitência. O sinal se firmou dez minutos depois e os dados fluíram. Logo saberemos se os experimentos foram realizados a contento durante o silêncio de rádio. Mas o módulo drenou as baterias durante a derradeira sessão de comunicação e foi colocado em modo de espera (stand-by) para economizar a pouca energia que restou.

Tela mostra os dados do Philae chegando ao centro de controle da ESA!
Tela mostra os dados do Philae chegando ao centro de controle da ESA!

Além de executar os comandos e colocar para funcionar todos os instrumentos, inclusive aqueles que exigiam esforço mecânico, o Philae rotacionou em 35 graus, numa esperança de melhorar a incidência de luz sobre os painéis solares. “Parece um cometa novo desse ângulo”, brincou a ESA, emulando o próprio módulo de pouso, em conta que a Agência Espacial Europeia mantém para ele no Twitter.

Ainda assim, o prognóstico para o futuro imediato não melhorou. Essa última sessão provavelmente deve encerrar as operações do Philae, pelo menos por ora. Talvez, quando o cometa Churyumov-Gerasimenko se aproximar mais do Sol, as baterias sejam recarregadas e ele volte da hibernação para nos contar como vão as coisas por lá.

Equipe de um dos instrumentos deseja "boa noite" ao Philae recém-adormecido!
Equipe de um dos instrumentos deseja “boa noite” ao Philae recém-adormecido!

A BROCA E A VIDA
Na tela acima você vê indicações dos arquivos referentes ao instrumento COSAC. É um dos experimentos que dependiam da perfuratriz SD2 atingir o solo do cometa e trazer amostras de volta para dentro do Philae. E tenho certeza de que você ficará encantado quando eu disser o que ele faz.

Em linhas gerais, o COSAC vai buscar compostos orgânicos no cometa. Até aí, nada demais. Já sabemos desde outros carnavais que cometas têm compostos orgânicos, inclusive aminoácidos — moléculas que servem como tijolos para a formação das proteínas e, por isso mesmo, são essenciais à vida.

Contudo, existe uma coisa curiosa a respeito dos aminoácidos. Seus átomos podem se arranjar de duas maneiras, formando duas versões espelhadas de uma mesma molécula. A esse fenômeno os cientistas dão o nome de quiralidade. E agora o detalhe que faz a diferença: por alguma razão misteriosa, todos os seres vivos só usam uma das versões do aminoácido. A vida, ao menos na Terra, é canhota.

O COSAC, pelo menos em teoria, não só vai detectar aminoácidos, como será capaz de identificar qual forma quiral eles têm. Ou seja, vai poder contar quantos canhotos e quantos destros estão por lá. Se as moléculas têm origem não-biológica, o instrumento deve detectá-los mais ou menos em quantidades iguais. Contudo, se os aminoácidos forem produto de alguma forma de vida, deve haver uma quantidade maior de uma versão do que de outra.

E agora, você não está curioso para saber o que o COSAC detectou? Torçamos para que (1) a broca tenha alcançado o solo; (2) o solo tenha chegado ao experimento; e (3) o experimento tenha funcionado. “Recebemos todos os dados do COSAC, embora não tenhamos ideia do que há neles”, disse Stephan Ulamec, gerente do projeto do módulo na DLR, agência espacial alemã.

ENQUANTO ISSO, EM ÓRBITA…

O antes-depois do primeiro pouso do Philae. Daí ele quicou e foi parar a 1 km de distância.
O antes-depois do primeiro pouso do Philae. Daí ele quicou e foi parar a 1 km de distância.

A equipe da Rosetta divulgou imagens do antes e depois do primeiro local de pouso do Philae. É uma demonstração incrível da precisão da manobra orbital. A indicação em verde é do local planejado para o pouso, e a mancha cinza revela onde o módulo quicou. E note que essas imagens são da Navcam, a câmera “braçal” da sonda orbitadora. Estou muito curioso para saber o que a OSIRIS, câmera de alta resolução, enxergou lá.

A busca pela localização atual do Philae nas imagens orbitais ainda não deu resultado, mas essas imagens ajudarão a calcular em qual direção o pequeno robô foi depois de tocar o solo.

Que incríveis dias estamos vivendo!

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook e no Twitter

Blogs da Folha