Mensageiro Sideral

De onde viemos, onde estamos e para onde vamos

 -

Salvador Nogueira é jornalista de ciência e autor de 11 livros

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

‘Reprise’ da Estrela de Belém hoje?

Por Salvador Nogueira

Vênus e Júpiter se encontrarão no céu na noite desta terça-feira (30) a menos de meio grau de distância um do outro — tão perto que parecerão uma estrela dupla. A conjunção pode ser observada por volta das 19h, na direção oeste, a mesma em que o Sol se põe, e promete um espetáculo tão encantador quanto democrático — instrumentos ópticos agregam valor ao camarote, claro, mas são desnecessários.

Imagem obtida no dia 29 por Ferreira RA mostra Vênus e Júpiter no céu de Antonina (PR). (Crédito: Ferreira RA)
Imagem obtida no dia 29 por Ferreira RA mostra Vênus e Júpiter no céu de Antonina (PR). (Crédito: Ferreira RA)

Curiosamente, o fenômeno pode ter sido o mesmo que inspirou a lenda da Estrela de Belém, que, segundo os relatos bíblicos, teria informado os reis magos do nascimento de Jesus. Rebobinando a fita da posição dos astros para aquela época, os astrônomos sabem que um trio de conjunções semelhantes entre Vênus e Júpiter — os dois planetas mais brilhantes a olho nu — aconteceu entre os anos 2 e 3 a.C.

Importante que se diga que essa não é a única possível explicação científica para a lenda. Alguns pesquisadores falam que pode ter sido uma supernova que detonou naquela época (alguns registros antigos chineses parecem apoiar essa possibilidade), e outros evocam outras conjunções, como uma entre Júpiter e Saturno em 7 a.C. Também é possível que tenha sido um cometa — quiçá até o Halley, que passou por essas redondezas em 12 a.C. Vai saber.

De todo modo, a proximidade dos dois planetas, evidentemente, é aparente. Vênus está a 90 milhões de km da Terra, e Júpiter, quase dez vezes mais distante, a 890 milhões de km daqui. O que, na modesta opinião do Mensageiro Sideral, torna o fenômeno ainda mais interessante, porque mostra como a profundidade desaparece diante da escala gigantesca do Sistema Solar — que por sua vez é um nada, comparado ao tamanho das distâncias até as outras estrelas.  Além disso, revela como as órbitas dos planetas em torno do Sol parecem organizadas quase exatamente no mesmo plano.

Se você tiver céu limpo, não deixe de observar.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook e no Twitter

Blogs da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade