Mensageiro Sideral

De onde viemos, onde estamos e para onde vamos

 -

Salvador Nogueira é jornalista de ciência e autor de 11 livros

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Quais as chances de Stephen Hawking encontrar uma civilização alienígena?

Por Salvador Nogueira

Desconfio que até os extraterrestres ficaram sabendo do anúncio bombástico, feito na segunda-feira (20), de que o bilionário russo Yuri Milner resolveu gastar US$ 100 milhões num projeto para buscar sinais gerados artificialmente por civilizações em torno de outras estrelas. A iniciativa tem apoio de cientistas de grife, como Stephen Hawking, Frank Drake, Martin Rees, Pete Worden e Geoff Marcy. (E de bônus, a escritora Ann Druyan, viúva de Carl Sagan.) Mas pode ter sucesso? Quais são as chances?

Temos alguma chance de detectar transmissões de rádio ou laser feitas por civilizações alienígenas? (Crédito: Breakthrough Initiatives)
Temos alguma chance de detectar transmissões de rádio ou laser feitas por civilizações alienígenas? (Crédito: Breakthrough Initiatives)

Na entrevista coletiva de ontem, essa foi a primeira pergunta que fizeram a Drake — o pioneiro da era moderna na pesquisa SETI (sigla para Search for Extraterrestrial Intelligence, ou Busca por Inteligência Extraterrestre) e pai da famosa equação de Drake, que estima justamente a probabilidade de encontrarmos outras civilizações comunicativas na galáxia.

Como cientista, ele deu a única resposta concreta no momento. “Não sabemos.” E a razão para isso é que ainda há muitos fatores desconhecidos para estimar a prevalência de vida complexa e inteligente no Universo. “Essa é a pergunta que sempre odiamos responder”, prosseguiu Drake, explicando em seguida que a razão para a frustração é que a dificuldade de estimar as chances de sucesso impede os pesquisadores envolvidos com SETI de sensibilizar as agências públicas de fomento à pesquisa de que vale a pena realizar o esforço.

Mas seria muito triste ficarmos só com “não sabemos”, certo? Então, permitam-me uma pequena viagem na maionese intergaláctica. No fim do ano passado, o Mensageiro Sideral fez um esforço especulativo de calcular os termos da equação de Drake de acordo com palpites informados pelos últimos resultados científicos e chegou a um número bem modesto de civilizações comunicativas — ou seja, usando tecnologias de comunicação compatíveis com as nossas — presentes na Via Láctea num dado ano: 4.

Usemos este número como referência para estimar qual é a chance de que o Breakthrough Listen, o projeto de escuta de US$ 100 milhões financiado por Milner, possa ter sucesso.

Yuri Milner e Stephen Hawking no lançamento da Breakthrough Listen, na Royal Society, em Londres. (Crédito: Breakthrough Initiatives)
Yuri Milner e Stephen Hawking no lançamento da Breakthrough Listen, na Royal Society, em Londres. (Crédito: Breakthrough Initiatives)

O projeto ouvirá 1 milhão de estrelas no nosso entorno, perscrutando bilhões de canais individuais e buscando também possíveis sinais transmitidos por pulsos de laser, em vez das tradicionais ondas de rádio. Um milhão de estrelas pode parecer muito — e é, para um projeto de SETI –, mas a Via Láctea abriga pelo menos 100 bilhões de estrelas. Das quatro civilizações comunicativas “esperadas” a cada ano na Via Láctea, uma delas somos nós. Então, há outras três, em algum lugar lá fora, em meio a 100 bilhões de estrelas, das quais observaremos 1 milhão.

Se você dividir 100 bilhões por 1 milhão, terá 100 mil. Então, a chance de uma das três civilizações estar na amostra do projeto é de 3 em 100 mil, ou 1 em 33 mil.

Ainda que levemos em conta que o projeto também fará uma escuta “sumária” por todo o plano da Via Láctea, além de observar outras cem galáxias vizinhas, e que isso melhore nossa chance por um fator de 100, ainda assim terminamos com 1 em 333, ou 0,3%.

E nem mencionamos o fato de que não basta os extraterrestres comunicativos estarem na nossa amostra. Eles terão de apontar suas transmissões na nossa direção para que sejam detectadas. Então, se você perguntar minha opinião, apostaria que uma década se passará e nada será detectado.

Mas aí voltamos ao que disse Frank Drake. “Não sabemos.” No meu cálculo modesto, imaginei que uma civilização média só permaneceria comunicativa por cerca de 200 anos (nós já temos quase cem). Depois disso, ou ela adotaria tecnologias que estão além da nossa capacidade de detecção — tornando-se, do nosso ponto de vista, não-comunicativa — ou simplesmente desapareceria, provavelmente por autodestruição ou uma catástrofe natural. Mas e se meu palpite estava errado e uma civilização média não se mantém comunicativa por 200 anos, mas sim por 2.000 anos?

Nesse caso, nossa melhor chance, que era de 0,3%, sobe a respeitáveis 4%. Já deixa de ser virtualmente impossível, para ser apenas pouco provável.

Esse é um exemplo do tamanho da nossa incerteza a respeito do tema. Com uma pequena mudança na nossa expectativa sobre como se comportam civilizações tecnológicas, temos uma grande mudança no resultado.

Por isso justamente a SETI é um empreendimento valioso. Ela ajudará a testar premissas e preconceitos. E resultados negativos não são desprovidos de significado. Nossos esforços iniciais — conduzidos desde que Drake fez a primeira busca, em 1960 — já demonstraram que transmissões interestelares artificiais não são exatamente o feijão com arroz da galáxia. Se fossem, já teríamos detectado alguma de forma convincente. Agora, quanto será que custa esse caviar astrobiológico? Milner está tentando comprá-lo por US$ 100 milhões. Será que vai?

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook e no Twitter

Blogs da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade