Mensageiro Sideral

De onde viemos, onde estamos e para onde vamos

 -

Salvador Nogueira é jornalista de ciência e autor de 11 livros

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

O céu de Plutão é azul!

Por Salvador Nogueira

As últimas de Plutão: imagens da New Horizons revelam que o céu plutoniano é azul. Segundo Alan Stern, cientista-chefe da missão, foi uma surpresa. “Quem teria esperado um céu azul no cinturão de Kuiper? É lindo”, disse, em nota divulgada pela Nasa.

Imagem feita pela New Horizons que se aproxima do que veríamos com os próprios olhos revela a atmosfera azulada de Plutão. (Crédito: Nasa)
Imagem feita pela New Horizons que se aproxima do que veríamos com os próprios olhos revela a atmosfera azulada de Plutão. (Crédito: Nasa)

Tão interessante quanto foram os últimos dados espectrográficos, que sugerem a presença de gelo de água exposto na superfície plutoniana. Já sabíamos, com base nas observações iniciais e no conhecimento que temos da física em baixas temperaturas, que as grandes cadeias de montanhas vistas no solo de Plutão eram feitas primordialmente de gelo de água. Contudo, é sempre bom obter validação por observações, e o espectrógrafo Ralph revelou a assinatura de água em suas detecções.

Curiosamente, as regiões com gelo de água exposto coincidem com algumas das áreas mais avermelhadas na superfície. Ainda será preciso quebrar a cabeça para entender o que está dando essa coloração ao gelo.

Regiões marcadas em azul indicam a presença de gelo de água exposto na superfície. (Crédito: Nasa)
Regiões marcadas em azul indicam a presença de gelo de água exposto na superfície. (Crédito: Nasa)

Quanto ao céu azul, ele parece estar relacionado com a forma como certos compostos orgânicos gerados pela reação do metano e do nitrogênio primordiais com a radiação ultravioleta do Sol produzem material particulado — provavelmente de cor cinza ou vermelha, mas capaz de espalhar a luz dando a tonalidade azul ao tênue invólucro de ar em torno de Plutão.

O estudo da cor da atmosfera ajudará a determinar exatamente a natureza, a densidade e o tamanho dessas partículas suspensas no ar.

A essa altura, a sonda New Horizons já está a milhões de quilômetros de Plutão, mas segue transmitindo alguns de seus mais bem-guardados segredos, fruto do encontro rápido entre os dois, ocorrido em 14 de julho. Fique de olho, que vem muito mais por aí. O livro definitivo sobre o “ex-planeta” ainda está por ser escrito!

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook e no Twitter

Blogs da Folha