Mensageiro Sideral

De onde viemos, onde estamos e para onde vamos

 -

Salvador Nogueira é jornalista de ciência e autor de 11 livros

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Documentário conta história de corrida para a Lua

Por Salvador Nogueira

Manja “Corrida Maluca”, o desenho animado? Neste momento, algo muito parecido está rolando entre grupos aeroespaciais privados — uma corrida para a Lua. E estamos agora na reta final, marcada para dezembro de 2017. O prêmio para o vencedor? US$ 30 milhões, oferecidos pelo Google.

Este é o Google Lunar X Prize, que acaba de ganhar um documentário produzido pelo mais novo queridinho de Hollywood, J.J. Abrams (responsável por outras sagas espaciais do cinema como o reboot de “Star Trek” e a última continuação de “Star Wars”), com direção de Orlando von Einsiedel.

Dividido em 9 curtas, com duração total de 50 minutos, “Moon Shot” será exibido no Google Play no dia 15 e no YouTube no dia 17. O trailer foi divulgado nesta quinta-feira (3), exatamente às 11h, e você pode ver (e se arrepiar) aqui.

O GLXP (sigla inglesa para Prêmio X Lunar Google) é uma competição cujo objetivo é lançar um pequeno veículo não-tripulado capaz de pousar em nosso satélite natural, obter imagens em alta resolução de sua superfície e avançar pelo menos 500 metros pelo solo com seu robô.

O prazo para vencer a competição expira no fim do ano que vem, e duas equipes já têm contratos para lançamento de seus veículos, a israelense SpaceIL e a americana Moon Express. São, portanto, as favoritas à conquista, dentre as 16 equipes inscritas (havia inclusive um time brasileiro, o pessoal da SpaceMETA, que até já tinha um acordo assinado para voar no primeiro foguete ucraniano Cyclone-4 que decolasse de Alcântara, huohuohuhoh).

Confira os 16 times na disputa:

SpaceIL (Israel)
Astrobotic (EUA)
Team Italia (Itália)
Moon Express (EUA)
Stellar (internacional)
Independence-X (Malásia)
Omega Envoy (EUA)
Synergy Moon (internacional)
EuroLuna (internacional)
Hakuto (Japão)
Part-Time Scientists (Alemanha, a da foto acima)
Team Puli (Hungria)
SpaceMETA (Brasil)
Plan B (Canadá)
Angelicvm (Chile)
Team Indus (Índia)

Dessas equipes todas, cinco venceram prêmios de ínterim por demonstrar marcos tecnológicos significativos, como o teste de tecnologias de pouso, mobilidade e imageamento. O Google já distribuiu US$ 6 milhões, entre os grupos Astrobotic, Team Indus, Moon Express, Hakuto e Part-Time Scientists.

Criada pela Fundação Prêmio X e bancada pelo Google, a disputa segue os moldes do primeiro Prêmio X, que tinha por objetivo alavancar o turismo espacial em voos suborbitais e foi vencido em 2004 pela equipe da empresa Scaled Composites, liderada pelo engenheiro Burt Rutan. Na ocasião, a premiação era de US$ 10 milhões, bancados pela milionária iraniana Anousheh Ansari. A tecnologia desenvolvida para vencer o prêmio é a mesma que levou ao desenvolvimento das naves privadas da companhia Virgin Galactic, que pretende iniciar voos comerciais em 2017.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook, no Twitter e no YouTube

Blogs da Folha