A misteriosa origem dos disparos rápidos de rádio

Um grupo internacional de astrônomos encontrou uma série repetitiva de estranhas transmissões de rádio provenientes das profundezas do cosmos. Eles não sabem o que pode estar gerando o fenômeno, mas uma coisa é certa: pelo menos nesse caso não se trata de um evento cataclísmico, que acontece uma vez só, como a explosão de uma estrela em supernova ou o nascimento de um buraco negro. É algo que se repete.

Os pesquisadores partiram da detecção de um disparo rápido de rádio (FRB, na sigla em inglês) feita em 2012, no Observatório de Arecibo, em Porto Rico. Esse é um dos misteriosos sinais detectados nos últimos anos, vindos de regiões muito distantes. Há poucos dias, o Mensageiro Sideral abordou o primeiro sinal do tipo que teve sua galáxia de origem determinada — o que permitiu aos pesquisadores medir a densidade de matéria convencional no espaço que nos separava dela. (O resultado, você há de se lembrar, batia com a estimativa de que apenas 5% do Universo é feito das partículas conhecidas, componentes da chamada matéria bariônica, cujos representantes mais famosos são os prótons, nêutrons e elétrons.)

A questão é que ninguém havia visto um sinal como esse, altamente energético e com duração de uma mínima fração de segundo, se repetir numa mesma localização. Até agora. Ao monitorar novamente a mesma região do espaço em que fora detectado o FRB 121102, o grupo de Jason Hessels, do Instituto para Radioastronomia da Holanda, detectou outros dez outros pulsos semelhantes, cuja posição é consistente com a do original. Ou seja, o disparo muito provavelmente é repetitivo.

Região do céu de onde vieram os pulsos repetitivos, marcada por um círculo.
Região do céu de onde vieram os pulsos repetitivos, marcada por um círculo. (Crédito: Rogélio Bernal Andreo/DeepSkyColors.com)

“Pulsos repetitivos descartam modelos envolvendo eventos cataclísmicos — como a colisão de estrelas de nêutrons ou o colapso de estrelas de nêutrons supermassivas”, escrevem os pesquisadores, em artigo publicado na “Nature”.

Um dos candidatos mais prováveis a gerar os sinais, segundo os pesquisadores, seriam pulsares fora da Via Láctea capazes de produzir emissões gigantes.

A descoberta ainda gera uma dúvida adicional: será que todos os pulsos são repetitivos? Os pesquisadores destacam que Arecibo é bem mais sensível do que Parkes ou Green Bank, os outros observatórios a estudar os FRBs. Dos dez pulsos repetitivos detectados em Arecibo, só dois seriam potencialmentemente detectados em Parkes. O que levanta a possibilidade de que todos os FRBs sejam de natureza repetitiva, faltando-nos apenas a capacidade de detectar múltiplos pulsos na maioria dos casos.

Alternativamente, os FRBs poderiam ser gerados por objetos astrofísicos diferentes, de forma que alguns produzissem sinais repetitivos e outros não.

Ou seja, apesar da detecção de pelo menos um pulso repetitivo, ainda estamos muito longe de saber exatamente do que se tratam esses eventos.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook, no Twitter e no YouTube

Comentários

  1. Oi Salvador, o que temos de novidade sobre os neutrinos? Forma atual de detecta-los ou medi-los? Obrigado.

    1. Tem um papo muito recente e interessante sobre um quarto neutrino, sobre o qual pretendo escrever em algum ponto futuro — dei uma roçada no assunto uns dias atrás, quando falei da aceleração da expansão cósmica.

  2. Olá! Parabéns pela reportagem! Tenho uma dúvida sobre esse observatório de Arecibo! Como ele é fixo na terra ele só consegue “enxergar” uma parte do céu? Por exemplo, se você quiser virar o radiotelescópio alguns graus para direita, ou esquerda, acima ou abaixo, isso seria impossível?

    1. Sim, ele só vê o que está acima dele. Ele precisa esperar a Terra girar para “apontá-lo”. 😉

      1. Poxa vida, essa informação me causou um certo desapontamento! Logo esse radiotelescópio que eu acho tão charmoso!

  3. Salvador, impressão minha ou estão cada vez mais frequentes as descobertas astrofísicas? Muito emocionante isso!
    Alguma possibilidade dos sinais de rádio captados serem Wesley Safadão?

    1. Flavio, sim, temos cada vez mais sondas no espaço, cada vez mais cientistas, cada vez equipamentos melhores e uma compreensão mais refinada do cosmos. Estou acompanhando a área há 16 anos e posso te dizer que estamos numa progressão geométrica mesmo.

      Agora, sem chance de ser o Wesley Safadão — ou mesmo o Wextraterrestrey Safadão. 😛

    1. Precisa estar concentrado numa faixa estreita do espectro (algo que fontes naturais não fazem), precisa se repetir (para que se possa confirmar sua origem e estudar sua natureza) e, de preferência, precisa ter algum padrão que denote inteligência (por exemplo, pulsos formando os números primos, como no sinal do filme “Contato”). O sinal Wow! cumpriu a primeira premissa, mas não a segunda (e a terceira nem sabemos porque ele foi ouvido apenas por uns poucos segundos).

  4. Olá Salvador, por acaso vc sabe mais ou menos quanto tempo dura cada repetição? Por exemplo: 1 a cada 2 meses. Ou não existe padrão?

    1. Gostei da mente aberta e imaginação do Alfredo, porém, tem outros por aqui que ainda estão presos ao “haja luz!!!”.

  5. o cientistas brasileiros estavam inventando um aparelho para mandar um pulso na via lactea
    ai o eles mandaram de volta um tambem !
    vamos aguardar.

  6. Quando descobrirmos a formula de fazermos clorofila (obrigado plantinha por nos dar seus frutos), alimentados podemos sobreviver por mais 72 horas. Produzir vida artificial ou sabermos porque os insetos existem e vivem nos infectando, sem contar os viros, bactérias e fungos que nos comem vivos.
    Se aqui na terra e difícil sobreviver ate aos 90 anos imagina quando os ETs chegarem se forem autodestrutivos como nos habitantes deste magnífico planeta mesmo agora eles poderiam nos ajudar a construir uma nova civilização uma nova sociedade ou seja algo so imaginado pelas religiosas anjos e arcanjos.

  7. Pensar que somos os únicos serem inteligentes ou existentes no universo como?
    se existimos a pouco milhões de anos enquanto o universo existe a bilhões de anos.

  8. Gente se existe sinal e porque existe uma fonte ou seja onde existe fumaça e simplesmente assim lembranças de quando pensavam que o centro do universo era a terra.

  9. É improvável que saibam o que seja se for realmente um pulsar, supernovas ou outro fenômeno astronômico; no entanto se for uma mensagem constatariam cedo ou tarde.

  10. Caro Salvador
    Enquanto alguns cientistas buscam um possível contato com seres extraterrestres, há aqueles que consideram isto arriscado pois não haveria garantias de um comportamento ético ou pacífico de tais seres, mesmo que muito avançados tecnologicamente. Qual sua opinião a respeito?
    Abs!

    1. Daniel, acho que seria muito fácil eles saberem da nossa existência sem que travemos contato direto com eles, de modo que, se eles quiserem mesmo vir para o pau, já ferrou para nós. rs

  11. Seria este o motivo pelo qual os chineses também estão construindo sua própria versão da antena de Arecibo? Se a fonte for próxima (umas dezenas de anos-luz) vale a pena detectar de onde ela vem, não é? E como está descrito na postagem, a antena de Arecibo é sensível o suficiente para detectar tais transmissões, com duas semelhantes é possível saber de onde elas vem com melhor precisão.

  12. Impressionante a foto do observatório de Arecibo. Uma antena gigantesca construída na cratera de um vulcão extinto, no meio de uma floresta tropical. Mostra a capacidade do homem de progredir e construir equipamentos mais modernos. Li uma matéria sua Salvador na superinteressante falando da singularidade tecnológica e vejo que a humanidade está caminhando exatamente nesta direção. Se um dia a tal singularidade se tornará realidade é um mistério, mas que a evolução caminha numa escala geométrica isso é uma realidade. Só imagino quão mais rápido poderia ser o progresso tecnológico, se não vivêssemos em um mundo tão consumista em que se desperdiça recursos em preciosos em bens supérfluos. Se fôssemos uma sociedade inteligente não empregaríamos recursos humanos, insumos, equipamentos e tempo na construção de tantos bens desnecessários e inúteis, concentrando os recursos do planeta em investimentos em ciências e novas técnicas. Nesse sentido de eficiência no emprego dos recursos escassos acredito que nossa sociedade ainda evolui muito lentamente.

    1. Na verdade o motor do progresso tecnológico é o consumo. Se a tecnologia evoluiu tanto é pq existe um mercado para consumir. É graças ao consumo de produtos “inúteis” que muito do que temos hoje como essenciais existem.
      Por exemplo: os computadores residenciais. Quando surgiram eram inúteis, mas encontraram um mercado, olha no que deu.

      1. Acrescento que antes de culpar o consumo deveríamos colocar na equação o quanto de recursos são desperdiçados (quanta comida se perde do campo até a mesa!) ou mal alocados por decisões políticas (ex: guerras).

  13. Salvador, percebi que vc está mais focado em somente responder aos comentários pertinentes ao objetivo da sua coluna. Estou correto? Filosofia e ficção são excelentes, animam nossa fé e nos fazem sonhar, mas não cabe aqui.

    1. Não tenho preconceito sobre o que responder. Minha única restrição atual é que não respondo mais ao Oswaldo. 😛

      1. Lembrei da minha saudosa avó, sempre que alguém estava me perturbando, ela dizia:
        ” _ Congela ele”.

      2. Eu??? Mas porque?? O que eu fiz Salvador??? Sempre respeitei muito o blog e principalmente você!!!

        1. Não você, meu querido. O Oswaldo Gil. E, se quiser saber por quê, leia os comentários dele. 😉

  14. Salvador, percebi que vc está mais focado em somente responder aos comentários pertinentes ao objetivo da sua coluna. Estou correto? Filosofia e ficção são excelentes, animam nossa

  15. Uma relação viável entre o futuro e o presente vai tomando forma no meu pensamento. No passado éramos inúteis aspirantes ao conhecimento. Inúteis porque não tínhamos as combinações necessárias para frequentarmos à ‘imaginação do futuro’. Hoje estamos sobrevivendo aos vírus de plantão e vamos caminhando para uma graduação na escala cósmica, vivendo mais e observando o universo através dos novos olhos, com mais imaginação e… Vai surgindo ai, no ‘meu modo de pensar’, uma nova possibilidade.

    A minha ideia veio de um vídeo sobre a antena de Arecibo, a antena que ‘recebeu’ uma resposta inteligente do espaço, dando asas a imaginação,… A minha imaginação!!!

    No meu modo de pensar uma grande nave espacial, do tipo que pairou sobre Nova Iorque no filme – Independence Day – poderia ser comparada a um imenso shopping de nossas cidades. Um shopping muito maior que acomodasse muito mais gente e com as características de um shopping, onde a segurança, comodidade e racionalidade fossem pontos fundamentais de existência do empreendimento. Nestas condições, a nave bisbilhoteira do filme, não seria nada além de uma cidade espacial livre e solta no espaço, com poderes de viagens infinitas, que necessitassem apenas de abordar planetas aqui e ali em busca de certos reabastecimentos. Os seus tripulantes, ‘habitantes?’ – não pertenceriam mais a nenhum planeta, não teriam pátria, essa coisa de povos melhores ou piores com suas respectivas bandeiras, que infelizmente é um modo de pensar que existe na terra. Seriam seres nascidos para viverem numa experiência diferente de tudo que tenhamos imaginado até aqui. Ocorreu-me que os habitantes do ‘espaço’ resolvessem capturar, por exemplo, as novelas da Globo. Entretenimento muito chato que as pessoas assistem para passar o tempo. Filmes para fazerem dormir e… Vai por ai. Tudo pronto para eles, restando apenas capturar e usar. Enquanto isto o povo da terra se destrói em função de fazer a novela da própria existência.

    A resposta vinda do espaço para a antena de Arecibo definiu no mesmo código binário (em resposta), a todas as questões enviadas pelo homem e, sobre a localização do planeta de origem a resposta foi alguma coisa que me pareceu evasiva, pois o palestrante – Pedro de Campos – que explicou o possível, talvez tenha interpretado de outro modo o que eu interpretei.

    Tais naves, chamadas pelos ufólogos de “naves mãe”, por serem imensas, seriam cidades independentes, vivendo seus habitantes, uma vida muito mais livre – longe das ameaças que nós vivemos na terra, onde ‘beduínos’ aborrecidos aparecem com bombas amarradas ao corpo, ou asteroides preconizados queiram nos derreter. Tais naves não dependeriam de órbitas regulares, não teriam paradeiro. Seriam viajantes despreocupados no espaço, com capacidade de se defenderem, mudando suas rotas com rapidez e eficiência. Não estariam sujeitos a Tsunamis, terremotos, fendas, ataques atômicos, governos corruptos e corruptores. Apenas viajando de um lado para o outro e, claro, com funções pessoais trabalhando nas ‘cidades’, dando manutenção a tal escolha de vida. Tudo isto, é claro, não está ao nosso alcance, mas, já esteve mais distante.
    Nossa doce terra não tem mais o que oferecer e o futuro está em jogo, dependendo desse novo homem, capaz de criar um determinado futuro antes que ele desapareça.

    Nesse momento tenho a impressão que matei uma charada.

    1. Gostei do seu “approach”. Bem interessante. E como gostaria de viver em uma dessas hipotéticas naves…
      Enquanto isso, aqui mesmo em nossa nave Terra,… estamos nos destruindo e provavelmente vamos acabar como na animação Wall-e, sendo nosso planeta apenas um depósito de entulhos.
      Abraços.

    2. Esqueceu de dizer que fariam parada em hortas, em rios e oceanos, nas plantações, em confinamentos de gado, em granjas, etc. de quando em quando para se reabastecerem, ou, viveriam de alimentos sintéticos?

    3. Legal o teu “TCC”… O Clarke iria gostar da tua tese. Parabéns….
      Na hora lembrei do livro dele “O Fim da Infância”. Vai ver que o sinal recebido vem da estrela NGS 549672 onde vivem os “Senhores Supremos”… rssss

  16. Ainda não sabemos o que é pois não conhecemos quase nada do universo. Como disse o filósofo: só sei que nada sei. Podem ser pulsares ou outras estrelas que ainda nem sabemos o que são ou como são, pode ser um tipo de emissão de matéria ou energia escuras, um ou mais buracos negros e muito, muito mais segredos desconhecidos.

  17. Cara, vocês ainda não se tocaram que, na verdade, nós somos apenas micróbios vivendo no interior de alguma célula de um ser gigantesco? Somos tão insignificantes que esse ser nem sequer sabe ou sente a nossa existência. O que chamamos de colisões entre galáxias, buracos negros super massivos, quasares etc etc, não passam de sinapses entre as células nervosas desse ser! Think about!

    1. Eh mesmo estranho eu também as vezes penso assim
      Mas como somos feitos de partículas infinitas e imensuráveis do universo fica impossível ao certo.

    2. José Fernandes, essa sua tese já foi defendida por mim nos anos 60 em um grupo de “aspirantes” a astrônomos (éramos 26 participantes). Ela faz todo sentido e responde a todas as perguntas sobre vários enigmas do universo. É a teoria do “infinitamente pequeno x o infinitamente grande”.

    3. Achei que esta idéia fosse só minha, mas encontrei finalmente alguém que pensa como eu. É exatamente isso. Somos algum vírus que está dominando esse ser o qual habitamos. Contaminamos esse ser enorme para nós, e ficamos aqui brincando de entender o que há lá fora. Não existe lá fora. Os buracos negros nada mais são que espinhas deste imenso ser que de vez em quando expulsa substância tóxicas ao seu organismo. E o lá fora para nós deve haver outros seres desse que habitamos. O dia em que a civilização desses seres descobrirem o antídoto contra nós, estamos todos mortos. Sobrarão alguns, pois como os insetos, os fungos, os vírus e as bactérias, nunca um veneno mata 100%, portanto, aí vem a frase da Bíblia: muitos serão chamados mas poucos serão escolhidos.

    4. Já q são sinapses nervosas, então o cérebro desse ser é muito vazio e esta inchando. A cabeça dele deve ser uma bexiga. Interessante….

  18. Salvador, mesmo sabendo da distancia entre realidade e ficção, é impossível não lembrar de contato do Carl Sagan, não? rs

    1. Cara, eu acho Contato e as perspectivas abertas pela SETI fantásticos. Mas esses FRB nunca me pareceram artificiais. Aliás, os artificiais eram os perytons, produzidos por um forno de micro-ondas! 😛

  19. Salvador, deixo uma pequena correção no terceiro parágrafo: “detectou outros dez outros pulsos”.

    No mais, outro excelente artigo! Se tivesse uma lâmpada mágica pediria um post novo todos os dia no blog, rsr.

    Abraço.

    1. Em muito. Primeiro, o Wow nunca se repetiu. Segundo, o Wow estava numa banda estreita, como manda o figurino para uma transmissão artificial. Terceiro, pela potência do Wow, ele provavelmente era originário em nossa galáxia, não fora dela. Abraço!

  20. NÃO SERÃO ALIENS QUE ESTÃO MANDANDO SINAIS ? ELES BEM QUE PODERIAM LEVAR A DILMA E O LULA PRA OUTRA GALAXIA,COITADOS DOS ETS DE LÁ, SERÁ UM ATRASO PRA ELES,PRA NÓS TERRAQUEOS SERA EXCELENTE !

    1. NÃO SERÃO ALIENS QUE ESTÃO MANDANDO SINAIS ?

      Não.

      ELES BEM QUE PODERIAM LEVAR A DILMA E O LULA PRA OUTRA GALAXIA,COITADOS DOS ETS DE LÁ, SERÁ UM ATRASO PRA ELES,PRA NÓS TERRAQUEOS SERA EXCELENTE !

      Também não.

    2. Alexandre Cesaretto, já percebeu que ninguém aqui relacionou o assunto em questão (técnico e científico, diga-se de passagem) à política, muito menos em caixa alta (ou seja, gritando)?! Portanto, fica a dica: procure um médico e vai se tratar antes que seja tarde!

    3. Tem gente que não se cansa de passar vergonha… principalmente os eleitores do playboyzinho noiado em cocaína!!!

  21. Algum reptiliano que não assina HBO está hackeando nossa internet esperando o torrent do T06E01 de game of thrones.

  22. Salva, boa tarde. Alguém sequer considera a hipótese, mesmo que improvável, de artificialidade?

    1. Não. É impossível descartar no momento, uma vez que não sabemos o que é, mas não faria o menor sentido (sem falar que exigiria uma quantidade brutal de energia para produzir um sinal sem sentido que viaje por bilhões de anos-luz).

      1. Me explique por favor…
        Você cita que o Sinal tem que ser Brutal em termos de energia… Então minha dúvida é a seguinte… um Sinal simples como de Radio Comunicação por exemplo, ele tem um limite de distância no espaço, ou seja, ele viaja certa distância e depois “morre” ?
        Pois eu pensava que qualquer onda de Radio lançada ao espaço viajaria eternamente a velocidade da luz.

        1. A potencia do sinal decresce na razão inversa do quadrado da distancia. Uma hora fica tão fraco que se torna imperceptivel. Por isto vc nao conecta no Wi-Fi da sua casa estando no escritorio 🙂

        2. Oswaldo, você está certo. O que o Salvador disse (suponho eu) é que o sinal ia perder tanta energia que não ia ser detectável. O que acontece é que o sinal é atenuado com a distância e obstáculos. Assim, numa distância tão enorme, é inimaginável a gente produzir um sinal com energia suficiente pra atravessar todo essa distância e ainda assim ter energia pra ser detectado por um aparelho.

        3. Não existe rendimento 100% amigo. Não vou me alongar, mas pesquise sobre as leis da termodinâmica.

      2. Pois é, eu sei disso, parece que você comentou em outro post que um único pulso desses (que dura microssegundos) precisou de energia equivalente à gerada pelo Sol durante 48 horas para ter capacidade de atravessar bilhões de anos-luz.

        Creio que as chances de algum fenômeno natural, porém ainda de natureza desconhecida, explicar este fenômeno é de 99,99%, mas sabe como é, enquanto a conta não fecha nos 100% a pulguinha continua atrás da orelha… kkkk

    2. Artificial, creio que pode ser: alguns cientistas montaram uma parafernália que emitisse alguns sinais voltados para captadores de outros e devem estar “na moita” afim de desenvolverem alguma teoria, ou alguns conseguiram, dado a capacidade dos equipamentos pegar a emissão de ordens para drones teleguiados, ou como as ondas andam em linha reta, cruzaram as linhas de rádio (rádio mesmo), ou estão fingindo que pegaram.

      1. Improvável. Dado que para isso estes cientistas teriam que ser charlatões ou muito burros… São carreiras inteiras em jogo e com credibilidade não se brinca, perca-a uma única vez e nunca mais a terá de volta…

  23. Salvator, se me permite abusar da paciência…

    1- Se só 5% do universo é composto por matéria “clássica”, o resto é matéria e energia escura somente, ou certamente tem mais coisa aí?
    2- Nesse cálculo é levado em conta o vácuo? Onde há ausência de matéria pode ter os outros 95%?

    1. O resto é energia escura e matéria escura, mas note que há um raciocínio circular aí, porque esses são os componentes que inserimos no modelo para fechar a conta. O vácuo, em tese, não soma nada.

  24. Olá Salvador. Ai vai: quais as chances desses sinais de rádio serem transmitidas por alienígenas? Outra pergunta: nós, terráqueos emitimos sinais de rádio não intencionais para o universo? como?

    1. Eu diria que próxima de zero a chance de ser sinal alienígena. Sobre nós emitirmos sinais, sim, um monte, com nossas transmissões de rádio e TV. Mas o que “vaza” é bem pouco, então o ET que quisesse ouvir ia precisar ter um “orelhão”. rs

  25. Salvador, boas…
    Uma Dúvida. Sabe me dizer se alem desses pulsos serem repitivos, existem algum padrão neles, tipo o tamanho da onda, o tempo que são enviados, etc?
    E qual a distância de onde acredita-se que estejam sendo emitidos?

    1. Oswaldo, não sabemos a distância justamente por não podermos apontar o local exato de origem (o que foi feito só uma vez, no link indicado). Mas podemos estimar que a fonte é extragaláctica, ou seja, está fora da Via Láctea. Sobre padrão, eles pegaram apenas 11 pulsos, a contar o original, e eles não acontecem com periodicidade regular.

  26. É maravilhoso que tenhamos sido capazes de registrar esses eventos… Com o refinamento dessas detecções, que virá, com os cientistas se debruçando no aperfeiçoamento dos equipamentos, incentivados que estão pelas primeiras descobertas, poderemos saber sua fonte.

    Tomara que peguem alguma em código Morse! 🙂

      1. Se nosso código Morse fosse emitido, alienígenas ouviriam e diriam:”–Que código cafona é este?” Poxa, apolinário, você já foi mais esperto!

        1. Código binário são números, 0 e 1, que tem que ser reunidos de uma forma lógica que emissor e receptor compreendam, o código Morse seria um bom exemplo (0 = ponto, 1 = traço). Claro, há outros bons exemplos.

      1. Que eu saiba, não tenho nenhum irmão chamado Oswaldo, agora se a física quântica me provar algum dia, que tenho um irmão chamado Oswaldo Gil de Souza, vou então ter certeza que você se referiu a mim no seu comentário, e, nesse dia, concordarei com a sua afirmação.

    1. Radoico… Não ligue para estes comentários idiotas desta “Molecada” que nem imagina o valor simbólico do código Morse no evoluir do processo de comunicação humana, processo este que só nós tivemos o privilégio de assistir ao vivo.

      1. huuummm….deixa ver, o código morse foi desenvolvido em 1835 e foi padronizado em 1865, concluo então que para assistir ao vivo este desenvolvimento você deve ter mais de 150 anos…..

        1. A criação e a padronização NÃO! Mas, a difusão e utilização como principal meio de comunicação durante e após a segunda guerra mundial SIM!
          Com certeza nem você e nem o boçal do seu pai “Oswaldo” tenham vivido esta época!
          E a título de diminuir a sua ignorância, até o fim da década de 1960 ou os meados da década de 1970 era impossível um vôo trans oceânico com segurança, sem um radiotelegrafista a bordo.

          1. TÓIN!

            Esse é o Alfredo, lobo em pele de cordeiro, só descendo lenha nos beócios acéfalos!

        2. kkk….fica chateado não meu velhinho…..o código morse já está obsoleto, assim como você e como os Ets do radoico que só tem capacidade para se comunicar com radioamadores…..kkk

    2. Se houver alguma civilização com capacidade de detectar sinais de rádio fracas nas proximidades de algumas dezenas de anos-luz da Terra, o primeiro sinal que detectarem provindo daqui será em código Morse e se eles quiserem se comunicar conosco, o mais simples seria usar a mesma linguagem. .-. .- -.. — .. -.-. — –··– — .- .–. — .-.. .. -. .- .-. .. — . — — … .– .- .-.. -.. — … .- — -.-. …. .- – — … -.. . –. .- .-.. — -.-. …. .-

      1. Geraldo, ajuda aê… tentei traduzir (claro que com um tradutor online) e consegui apenas fragmentos:

        RADOICO–··– OAPOLINARIOEOO… WALD— … A— C…. A– — … DE–. AL— C…. A

        Deve ser zoação com os gloriosos Apô e Wadinho, mas não consigo “ver” o resto…

        1. Um par de pontos ficou em cima dos traços e os traços parecem unidos, fora o retorno de carro que há no meio dela. A frase é “radoico, o apolinario e o oswaldo sao uns chatos de galocha”
          .-. .- -.. — .. -.-. — –..– — .- .–. — .-.. .. -. .- .-. .. — . — — … .– .- .-.. -.. — … .- — ..- -. … -.-. …. .- – — … -.. . –. .- .-.. — -.-. …. .-

Comments are closed.