Mensageiro Sideral

De onde viemos, onde estamos e para onde vamos

 -

Salvador Nogueira é jornalista de ciência e autor de 11 livros

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

SpaceX anuncia voo de cápsula a Marte para 2018

Por Salvador Nogueira

Elon Musk não cansa de nos chocar. Nesta quarta-feira (27), sua empresa aeroespacial SpaceX anunciou que vai começar a enviar cápsulas Dragon 2 para Marte a partir de 2018. Caso você não tenha notado, é daqui a dois anos apenas. Seria a primeira missão privada ao planeta vermelho, e as naves são as mesmas projetadas originalmente para levar astronautas à Estação Espacial Internacional (ISS).

A iniciativa é fruto de um acordo com a Nasa. O veículo, batizado de Red Dragon, deve levar um conjunto de instrumentos científicos e compartilhar os dados com a agência espacial americana. Mas não há transferência de recursos do governo para a empresa.

“Em troca dos dados de entrada, descida e pouso em Marte da SpaceX, a Nasa irá oferecer suporte técnico para os planos da empresa de tentar pousar uma Dragon 2 não-tripulada em Marte”, disse a vice-administradora da agência, Dava Newman. Esse suporte naturalmente deve incluir acesso à Deep Space Network (a “internet” interplanetária mantida pela Nasa para receber dados de suas naves espalhadas pelo Sistema Solar) e o uso de satélites alocados em Marte como retransmissores da telemetria da nave da companhia.

A SpaceX tem revolucionado as tecnologias espaciais com os primeiros foguetes capazes de realizar voo orbital e retornar à superfície de forma controlada para um pouso. A perspectiva de reutilizá-los pode baratear enormemente o custo de acesso ao espaço. Segundo Musk, em última análise, pode levar a uma queda de preços por um fator de 100. (Veja um desses pouso no vídeo abaixo.)

O empresário e dublê de Tony Stark nunca escondeu que o objetivo final de sua companhia era iniciar uma colônia em Marte — garantindo assim a sobrevivência da humanidade mesmo em caso de uma grande catástrofe global na Terra. A arquitetura final para essas missões de colonização ainda não está pronta, mas o primeiro passo é o uso das Dragons 2 para voos até o planeta vermelho.

Musk a essa altura revolucionou três indústrias gigantes, indo na contramão de lobbies fortíssimos: a automobilística, com os carros elétricos da Tesla Motors, enfrentando o poder do petróleo; a espacial, enfrentando o pequeno cartel de empresas lançadoras de satélites com a SpaceX; e a da geração de eletricidade, criando a companhia SolarCity, que instala painéis solares em domicílios e empresas e distribui a energia limpa produzida. Em todas elas, o fio da meada é permitir que humanidade sobreviva ao século 21. Não por acaso, é um dos biografados no meu novo livro, “25 Grandes Gênios da Humanidade — e como a vida deles pode inspirar a sua”, que em breve estará nas bancas e livrarias de todo o país. 🙂

VERSATILIDADE
A cápsula Dragon 2 foi originalmente desenhada para levar astronautas à órbita terrestre baixa, mas, com seu sofisticado sistema de interrupção emergencial de lançamento, que também serve para fazer pousos propulsados, ela pode viajar a muitos destinos. “A Dragon 2 foi desenhada para ser capaz de pousar em qualquer lugar do Sistema Solar”, disse Musk, via Twitter. “A missão Red Dragon Mars é o primeiro voo-teste.”

A cápsula voará sem tripulação, claro. Uma jornada até Marte é longa demais para que uma Dragon 2 sirva de transporte até lá. Faltaria espaço e suprimentos para sustentar um grupo de astronautas. “Eu não recomendaria transportar astronautas além da região Terra-Lua [com ela]”, completou Musk. “Não seria divertido para jornadas mais longas. O volume interno é do tamanho de um SUV.”

A versão final da cápsula deve estar pronta para testes já no ano que vem, quando realizará a primeira missão de transporte de astronautas à Estação Espacial Internacional. (Pode ou não ser a primeira missão comercial a devolver a capacidade de voo espacial humano aos Estados Unidos desde a aposentadoria dos ônibus espaciais, em 2011; a Boeing, com sua cápsula CTS-100 Starliner, está na briga para chegar lá antes.)

Mas para a Dragon ir além da órbita da Terra, ela precisará de um foguete mais poderoso que o Falcon 9, atualmente usado nas missões de transporte de carga à ISS. Ela dependerá do Falcon Heavy, um novo lançador da SpaceX que deve realizar seu primeiro voo de teste até o fim deste ano. Ele será o foguete mais poderoso já construído, à exceção do Saturn V, usado para as missões tripuladas à Lua entre 1968 e 1972.

Concepção artística do Falcon Heavy, que deve ter seu primeiro lançamento até o fim do ano. (Crédito: SpaceX)
Concepção artística do Falcon Heavy, que deve ter seu primeiro lançamento até o fim do ano. (Crédito: SpaceX)

Não custa lembrar que seria relativamente simples fazer um voo ao redor da Lua com o par Dragon 2/Falcon Heavy, e o Mensageiro Sideral ficará muito surpreso se a SpaceX não fizer isso nos próximos anos, a despeito de não esconder de ninguém que seu grande alvo é Marte. Quem viver verá.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook, no Twitter e no YouTube

Blogs da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade