Você acredita na Terra plana? Duvida da ciência? Veja a resposta de Neil deGrasse Tyson

Salvador Nogueira

Diante de um movimento cada vez mais intenso de rejeição à ciência e permeado por “teorias da conspiração”, empurrado sobretudo pelas redes sociais, o astrofísico americano Neil deGrasse Tyson diz não se incomodar com as pessoas que dizem professar crenças bizarras como a de que a Terra é plana — contanto que esses indivíduos não estejam em posição de impor sua visão míope e retrógrada aos demais.

O cientista e diretor do Planetário Hayden, em Nova York, se tornou famoso no mundo todo após protagonizar a nova versão da série “Cosmos”, originada por Carl Sagan, e agora está lançando um novo livro no Brasil. “Morte no Buraco Negro” (Editora Planeta, 432 págs., R$ 49,90) é uma coleção de ensaios que abordam os mais variados temas, entre eles a percepção pública da ciência. Por conta disso, Neil gentilmente concedeu cerca de 50 minutos de seu tempo para conversar com o Mensageiro Sideral.

“Eu não ligo realmente para o que as pessoas acreditam ou pensam — isso é mais ou menos o que significa viver num país livre”, disse Tyson. O perigo, afirma ele, é quando temos uma população cientificamente iletrada, que pode ser manipulada com facilidade.

“Se a alfabetização científica permeia a sociedade, não há chance de alguém votar em alguém que pense que a Terra é plana. Eles serão vistos como, ‘bem, esse é o mundo pessoal deles, mas eles são incapazes de liderar o resto de nós, que temos âncoras em conhecimento objetivo e verdadeiro sobre o mundo’.”

Estamos longe de chegar a esse nível ideal de disseminação do conhecimento, é verdade, mas o astrofísico americano rechaça que seja papel exclusivo dos cientistas tentar reverter esse quadro. “É o trabalho de todos nós ganhar algum nível mínimo de alfabetização científica, de forma que todo mundo possa participar e todo mundo possa julgar o que é científico lá fora e o que não é. E então levar a vida pessoal que quiser, mas sabendo que não deve impô-la a outros.”

O astrofísico Neil deGrasse Tyson (Crédito: National Geographic Channels/Scott Gries)
O astrofísico Neil deGrasse Tyson (Crédito: National Geographic Channels/Scott Gries)

Ao longo da conversa, Tyson fala sobre temas como a experiência de conceber e filmar a nova versão de “Cosmos”, as perspectivas de uma nova temporada do programa, sua relação de amor e ódio com Hollywood e, pasme!, “Star Trek” versus “Star Wars”.

Retornando à seara científica, ele especula sobre quais serão as próximas grandes revelações que a astronomia deve propiciar num espaço de duas décadas e oferece sua visão sobre o que espera do futuro da humanidade.

E termina debatendo uma ideia controversa: pode a ciência testar a hipótese de Deus? Confira abaixo a íntegra do bate-papo (e no vídeo acima um clipe com os melhores momentos, legendado).

***

portada_morte-no-buraco-negro_neil-degrasse-tyson_201607062240Mensageiro Sideral – O sr. está lançando um novo livro no Brasil, chamado “Morte no Buraco Negro”, que foi publicado originalmente em 2007 nos EUA. E uma das coisas que impressionam no livro é a vasta gama de assuntos abordados, que vão desde como a astronomia produz conhecimento até o modo como o público percebe a ciência – muitas vezes de maneira equivocada. E esse é um tema especialmente quente atualmente, com um movimento crescente anticiência. Vinte anos atrás, era impossível, por exemplo, imaginar que um movimento em favor da ideia de que a Terra é plana pudesse ganhar algum tipo de atenção. E agora… O que está acontecendo?

Neil deGrasse Tyson – Isso apenas significa que eu sou um fracasso. (Risos) Significa que somos todos uns fracassados. (Risos) Não, talvez signifique que tudo seria muito, muito pior se não fosse pelas pessoas sempre travando a luta. Então, num país livre, eu não ligo realmente para o que as pessoas acreditam ou pensam – isso é mais ou menos o que significa viver num país livre. O que importa – e aí que distinções importantes precisam ser feitas – é que há vários tipos de verdades lá fora. Uma delas, vamos chamá-las de verdades objetivas. Verdades objetivas são coisas que podem ser estabelecidas a despeito de quem faça o experimento. Então, são a natureza da realidade. Então há coisas que uma pessoa pode chamar de verdades pessoais. E isso é, se você acredita que Jesus é seu salvador, ou que Maomé poderia mover uma montanha. Suas verdades pessoais são coisas que você preza muito, talvez, e você sabe que são verdade em sua alma, mas, para fazer com que alguém concorde com você, você tem ou de fazer lavagem cerebral nelas ou convertê-las à força. E verdades pessoais nem sempre estão de acordo umas com as outras, conforme você viaja pelo mundo. Então, de novo, eu não tenho problemas com a crença pessoal de cada um. Mas, se você ascender ao poder, e você quiser criar leis, e legislação, e se você agora as basear em suas verdades pessoais, em uma sociedade pluralista, como o Brasil, multicultural, pluralista, este é o começo do fim da sociedade livre. É o começo de uma teocracia, ou de qualquer governo que é estabelecido dogmaticamente. Então, não teria de ser uma teocracia. Há certos exemplos de estados com ditaduras totalitárias, até alguns dos primeiros estados comunistas, em que o governo estabelece a verdade, e você tinha de aceitá-las. Portanto, liberdade de expressão não era permitida. E isso impedia debate, impedia que novas ideias chegassem. Então, se você quer pensar que tem uma Terra plana, tudo bem, mas se então você se torna um líder e começa a promulgar leis, esse é um tipo diferente de país.

Mensageiro Sideral – O sr. acha então que essa é a coisa mais problemática com o fato de as pessoas não entenderem a ciência, o fato de elas então tentarem impor esses tipos de visão pessoal sobre as demais.

Tyson – E esse é o fim de uma sociedade livre. Isso está certo. Porque E=mc2 é verdade, quer você acredite ou não, certo? Eu sou citado por dizer isso, que “a ciência é verdadeira, quer você acredite ou não”. E o que eu quis dizer é, claro, uma vez que a ciência estabelece uma verdade objetiva, ela não está sujeita à opinião de ninguém. E o livro “Morte no Buraco Negro”, a despeito do título, é basicamente sobre como a ciência funciona, como e por que a ciência funciona. E eu fiquei feliz de você ter notado a gama de assuntos lá, porque é uma celebração da curiosidade e da descoberta.

Mensageiro Sideral – Meio em tom de brincadeira, o sr. brincou que era um fracasso, que cientistas estavam fracassando em divulgar a ciência para o público. E eu queria falar sobre isso. O sr. sente que isso, em parte, é culpa dos cientistas, que talvez eles não estejam se esforçando o suficiente ou talvez não haja um número suficiente deles fazendo divulgação?

Tyson – Não, acho que é mais profundo que isso. Acho que, se você olhar para qual papel a alfabetização científica tem na sociedade, quando as pessoas são cientificamente alfabetizadas, primeiro, elas podem fazer uma decisão informada sobre se elas querem ser cientistas ou não, porque sabem o que é a ciência. Mas, se você escolhe não ser cientista, e ainda assim é alfabetizado cientificamente, você pode se tornar um artista cientificamente alfabetizado, por exemplo, e talvez você se torne o artista que produz a próxima onda de filmes de ficção científica. Artista com A maiúsculo. Então você pode ser um escultor, um pintor, escritor, produtor de cinema, esse tipo de coisa. Talvez sua arte possa ser tocada pela fronteira móvel da ciência. Se você quiser ser advogado, talvez você seja o primeiro a decidir, ou pensar nas leis de mineração que terão de ser escritas, sobre a extração de recursos naturais de asteroides – essa é uma fronteira que poderia se beneficiar de pensamento legal. Então, se a alfabetização científica permeia a sociedade, não há chance de alguém votar em alguém que pense que a Terra é plana. Eles serão vistos como, “bem, esse é o mundo pessoal deles, mas eles são incapazes de liderar o resto de nós, que temos âncoras em conhecimento objetivo e verdadeiro sobre o mundo”. Então, eu não vejo que seja o trabalho dos cientistas livrar o mundo de sentimentos anticientíficos. É o trabalho de todos nós ganhar algum nível mínimo de alfabetização científica, de forma que todo mundo possa participar e todo mundo possa julgar o que é científico lá fora e o que não é. E então levar a vida pessoal que quiser, mas sabendo que não deve impô-la a outros.

Mensageiro Sideral – Uma das coisas mais divertidas do livro é quando o sr. lista todas as maneiras pelas quais o Universo pode – e no fim das contas vai acabar por – nos matar.

Tyson – (Risos) É. O universo é um lugar perigoso.

Mensageiro Sideral – Bem, mas, agora, neste momento, qual é o maior risco existencial à humanidade: um asteroide, uma supernova ou Donald Trump?

Tyson – (Risos) Não. Então, um elemento interessante do sistema americano, como descrito na Constituição – e pode ter saído assim só por resistência a reis, porque havia um rei da Inglaterra que também era o chefe da Igreja [Anglicana], e os fundadores [dos EUA] escaparam disso. Eles não iam criar outro país que tivesse reis e teocracias, então criaram uma sociedade onde o poder – sim, o presidente tem mais poder que qualquer outra instância, mas ele não tem poder definitivo, ele tem mais poder, mas não o poder definitivo. Então, se um presidente começa a fazer coisas que ninguém gosta, as pessoas que você elegeu para o Congresso podem resistir a isso, e as Cortes podem julgar que talvez o que você tenha dito é inconstitucional. Se um presidente sai dos trilhos, tem um limite de quão longe ele pode sair, como líder do país. Então, para mim, a problema não é o que as políticas de cada candidato são, o problema é o eleitorado. O eleitorado é suficientemente informado para votar em favor de seus próprios interesses, de entender causas e efeitos das decisões que a pessoa que eles elegeram terão? Como educador, minha meta é educar o público, em vez de perseguir políticos pelo que quer que tenham dito.

Mensageiro Sideral – A pergunta foi quase uma piada, mas a ideia era se referir a algo que o sr. não aborda no livro, que é a noção de que talvez o maior risco aos humanos agora sejam os próprios humanos, com tecnologias tão poderosas e devastadoras como as que já temos.

Tyson – Uma parte implícita daquele capítulo era de que, sim, nós somos realmente bons, particularmente com tecnologia moderna, a civilização moderna está particularmente bem equipada para nos extinguir. Então, toda a lista de perigos que vêm do espaço que explorei, eles presumem que seremos sábios o suficiente para não nos matarmos. (Risos) Que usaremos nosso poder cerebral para nos proteger de ameaças cósmicas em vez de ameaças que traremos para nós mesmos.

Mensageiro Sideral – E o sr. é otimista? Acha que podemos superar isso?

Tyson – Nossos próprios desafios?

Mensageiro Sideral – Sim.

Tyson – Bem, eu estou na fronteira entre um pessimista e um realista. Eu gosto dos dados recentes que mostram que somos mais gentis uns com os outros, a despeito do que a mídia reporta, somos mais gentis uns com os outros na média do que jamais fomos como civilização. Um exemplo: considere as 80 e poucas mortes que aconteceram no sul da França quando um ônibus passou por cima de uma multidão – um ato terrorista. Aquilo fez manchetes ao redor do mundo por vários dias. Mas 70 anos atrás, 70 e poucos anos atrás, estávamos lutando a Segunda Guerra Mundial. Se você olhar os números disso, o que você verá é que, de 1939 a 1945, mil humanos morriam por hora, de todas as horas daquela guerra. E isso por si só não fazia manchetes. Havia só aquela coisa maior: “Estamos lutando uma guerra, e é a luta nobre do bem contra o mal.” Nosso modo de pensar era todo diferente. “Precisamos fazer isso por um mundo melhor.” Mil pessoas por hora. Então, agora vivemos num mundo em que 80 pessoas morrem em um incidente, e é manchete no mundo inteiro. Essa é a melhor evidência que você jamais encontrará de que vivemos num mundo mais pacífico. Podemos ter a impressão de que vivemos num mundo particularmente violento, mas comparado ao mundo em que nossos avós viviam, esse não é o caso. Então, tenho algum otimismo nisso, de que essa tendência continue. Talvez manchetes do futuro sejam “Um gato ficou preso numa árvore”. E isso vira notícia mundial, porque não costuma acontecer. Então, a natureza e a escala das mortes que reportamos fica mais e mais obscura, e essa é a evidência contínua de que nós estamos, de modo geral, na média, mais gentis uns com os outros do que jamais fomos.

Mensageiro Sideral – Mas, por outro lado, nossa tecnologia está se tornando tão poderosa que até mesmo por acidente poderíamos acabar com uma catástrofe global.

Tyson – Sim, isso é verdade. E eu não sei se estamos num risco maior hoje de um erro levar a uma catástrofe do que estávamos durante a Guerra Fria, quando havia armas especificamente concebidas para esse propósito, enquanto agora há menos armas do que antes, e ninguém está pensando, “nós vamos aniquilar o mundo”. Isso não é nem um pensamento. Então, acho que ainda pode acontecer por acidente, mas meu medo do que poderia acontecer por acidente era muito mais alto durante a Guerra Fria do que qualquer coisa que acontece hoje. Então, acho que nisso eu sou um otimista, mas não um otimista desvairado. Acho que estamos indo melhor, a despeito de relatos da mídia, nós temos experiências de países que decidiram criar leis baseadas em dogma. Temos apenas de lembrar as pessoas que querem criar leis baseadas em o que quer que seja seu livro sagrado, e fazer com que isso afete todo mundo… Bem, você pode criar um país, suponho, que seja apenas a sua religião, apenas a sua visão de mundo dogmática, e convidar apenas as pessoas que tenham essa visão para ir ao seu país. Claro que você pode fazer isso, mas você não estará em posição de inventar novas ideias e inovar, porque inovação flui da liberdade de pensamento, não da contenção do pensamento que acontece quando você precisa aderir a doutrinas prescritas.

Mensageiro Sideral – Em certo ponto do livro, o sr. menciona que os astrofísicos estão sempre atônitos com alguma coisa, e toda vez que eles declaram isso, a mídia de algum modo acha que isso é incomum, sendo que é o estado usual dos cientistas diante de fenômenos físicos. E um desses casos mais recentes que ganhou a atenção da imprensa foi a da chamada Estrela de Tabby, um astro descoberto pelo satélite Kepler que está piscando de uma forma incomum, e alguns defendem que isso seja fruto de uma megaconstrução alienígena, algo como uma esfera de Dyson, sendo feita lá. É algo como uma repetição da “síndrome de Lowell” [em referência a Percival Lowell, que no começo do século 20 acreditava ter visto obras de engenharia marcianas ao telescópio]?

Tyson – Não, Lowell realmente acreditava ter visto. Essa ideias são hipóteses, hipóteses não testadas, para explicar os dados. Então, acho que o que o público precisa reconhecer é que a maior parte de tudo em que pesquisadores trabalham é desconhecida. Há coisas desconhecidas por todo lado. E apenas alguns desconhecidos fazem manchetes, e quando acontece, as pessoas dizem, “nem mesmo os cientistas sabem o que é!”. E então o que acontece é que há esse impulso, para as pessoas, de bolar uma explicação extraordinária para isso. Não sabemos o que é, logo são alienígenas construindo! É Deus! É uma energia espiritual! Bem, vamos olhar para a história das coisas que não entendíamos no passado. A explicação acabou sendo Deus, ou alienígenas ou energia espiritual, ou o que quer que seja? Não! Então, a história desse exercício é uma em que a explicação mais extraordinária para responder pelo que não sabemos tende a ser a menos provável. É divertido especular. Talvez sejam alienígenas. Mas se eu fosse um apostador, não seria aí que eu colocaria meu dinheiro. Eu colocaria meu dinheiro em algum fenômeno cósmico que ainda temos que descobrir, que logo será revelado como uma nova coisa que acontece no Universo.

Mensageiro Sideral – E isso é empolgante por si mesmo, certo?

Tyson – SIM! Sim! Estamos o tempo todo atônitos, como você disse.

Mensageiro Sideral – Eu vi sua ponta no filme “Batman vs. Superman”. A propósito, achei aquela a melhor parte do filme.

Tyson – (Risos) Outras pessoas já me disseram isso.

Mensageiro Sideral – Mas confesso que achei estranho, porque parece que o sr. tem essa relação de amor e ódio com Hollywood. O sr. vive apontando os erros científicos em filmes, e aí, surpreendentemente, lá está você, falando de um homem que pode voar, a despeito de tudo que sabemos sobre física. Como isso foi acontecer?

Tyson – Eu acho que eu sou incompreendido a respeito de minhas críticas a Hollywood. As pessoas me veem… acho que eu pareço rude, severo e um estraga-prazeres. “Você não o leva junto porque ele estraga a experiência para todo mundo.” Aparentemente, é assim que eu sou percebido por muitas pessoas. Mas não é essa a minha intenção. Minha intenção é destacar coisas que acontecem num filme que talvez pudessem ter sido melhores, se eles soubessem a ciência de verdade. E, deste modo, a experiência do espectador com o filme pode ser aprofundada. Você poderia dizer: “Uau, essa poderia ter sido uma cena melhor, mas vamos segui-la e ver onde eles a levam.” Mas estou sendo visto como alguém que estraga todos os filmes. E então, como essa não é a minha intenção, e eu não sei como passar a intenção correta, eu posso simplesmente parar de criticar filmes, porque as pessoas não estão recebendo isso do jeito que eu queria. Mas eu dei uma palestra inteira, chamada “Um astrofísico vai ao cinema”, e há filmes que eu destaco, filmes que eu critico, filmes que eu destaco porque são divertidos, eles destacaram algo legal de ciência, mas então eles entenderam tudo errado. Então eu os aplaudo por chegarem lá e os achincalho por não terem feito um par de ligações telefônicas para fazer direito. Então, eu vejo como uma espécie de playground de como contar uma história. E fico feliz em relatar que o autor do livro “Perdido em Marte”, que se tornou o filme com Matt Damon, “Perdido em Marte”, ele disse que, quando estava escrevendo o livro, imaginava que eu estava olhando sobre o ombro dele. “O que Neil Tyson diria sobre esta cena? Não, melhor eu consertar e deixar ainda melhor.” Então, eu respeito profundamente o que os artistas fazem, sempre que eles buscam a ciência para tentar contar uma história.

Mensageiro Sideral – E dá para acreditar. Tem um vídeo de você elogiando a nave estelar Enterprise! Então percebe-se que sua pegação de pé é bem intencionada…

Tyson – E este é o meu ponto. O fato de você ficar surpreso de me ouvir dizer coisas boas sobre a Enterprise faz de você uma das pessoas que presume que eu fosse anti-Hollywood. Então você era uma das pessoas com quem eu não consegui comunicar corretamente minha intenção.

Mensageiro Sideral – E seu livro “Morte no Buraco Negro” dá pistas de por que você é entusiasmado com “Star Trek”, porque ela retrata humanos, nós, no futuro, usando ciência e tecnologia para resolver problemas e desvendar o desconhecido. Não é como um garoto que usa uma força mística e uma espada laser e sai pelo Universo, certo?

Tyson – Certo, certo.

Mensageiro Sideral – Então o sr. gosta de “Star Trek”?

Tyson – “Star Trek”, sim. Porque tem uma premissa com algumas âncoras em ciência e tecnologia reais, enquanto em “Star Wars” não há essa premissa. Eles simplesmente inventam tudo e aquele é o mundo.

Mensageiro Sideral – Não funciona para o sr. como um trabalho de ficção?

Tyson – É um trabalho de fantasia para mim. Eu não chamaria “Star Wars” de ficção científica. Talvez fantasia. Não usaria a palavra “ciência” aplicada a ela. Não há nenhuma. (Risos)

Mensageiro Sideral – Voltando à ciência, eu queria falar um pouco sobre a “questão Plutão”.

Tyson – Você é que começou!

Mensageiro Sideral – Sei do seu papel nisso, da sua decisão de tirar Plutão da lista de planetas no Planetário Hayden [em Nova York], antes de todo mundo. E na época havia a sensação de que “tinha algo estranho com Plutão”. Ele não parecia planeta, mas também não parecia cometa, talvez algo entre os dois. Desde então, a IAU criou uma definição estrita de planeta, e Plutão ficou de fora. Minha pergunta é: o sr. está satisfeito com a definição ou acha que acabaremos revisitando-a mais tarde para aprimorá-la?

Tyson – Eu acho que a decisão deles foi sensata, diante do que sabemos sobre objetos no Sistema Solar. Porque era uma lista de três pontos, é grande o suficiente para ser uma esfera, o objeto primário a orbitar o Sol – de forma que a lua [Caronte], embora fosse grande o suficiente para ser uma esfera, não seria um planeta, porque ela estaria girando em torno de Plutão, e Plutão estaria girando ao redor do Sol. E o terceiro critério era de que ele tinha de limpar sua órbita. Então, eu não tenho problemas com isso. Entretanto, eu penso que o que devia ter acontecido é que nós nos livramos da palavra “planeta” de uma vez por todas. Porque não é mais útil. Se eu disser que achei um planeta orbitando outra estrela, você tem de brincar de “Quem eu sou?”. É grande? É pequeno? É rochoso? É gasoso? Está na zona habitável? Pode ter vida? Quão quente é? É frio? Não tem luas? Fico a pensar que estamos com uma necessidade desesperada de um outro vocabulário para descrever a variedade real de objetos que orbitam uma estrela. O fato de que, na nossa nomenclatura atual, a palavra “planeta” pode descrever tanto a Terra como Júpiter me diz que o termo não é mais útil.

Mensageiro Sideral – Então a ideia seria abandonar a palavra planeta e ter alguma outra coisa totalmente diferente?

Tyson – Não seria ótimo se em uma única palavra nós soubéssemos se o planeta está na “zona verde”, na zona habitável de sua estrela? Não seria um ótimo identificador para um planeta no seu vocabulário? Pense nas palavras que temos só para descrever água. Temos uma palavra para descrever água vaporizada que flutua sobre a sua cabeça – é uma nuvem. Mas agora suponha que a água vaporizada esteja agora, não sobre a sua cabeça, mas no chão. Há uma palavra diferença: neblina. Agora, o que acontece se a umidade do ar condensa durante a noite e forma uma gota d’água em plantas? Temos uma palavra diferente para isso: orvalho! Mas é tudo água. Então, eu acho que o léxico para planetas é subdimensionado, dada a necessidade de que temos para que sirva à nossa exploração.

Mensageiro Sideral – Por falar em exploração, o século 21 está recheado de promessas de grandes descobertas, indo desde exoplanetas até ondas gravitacionais. Quais são suas grandes expectativas para os próximos anos? O que o empolga mais?

Tyson – Eu diria, não nos próximos anos, mas na próxima década ou duas, acho que saberemos com certeza se Marte já teve vida. Certamente não há vida na superfície agora, porque há raios ultravioleta muito danosos vindos do Sol, e não há proteção de uma camada de ozônio como temos aqui, não há oxigênio livre na atmosfera marciana que serviria a esse papel. Então, se houver vida lá hoje, estará no subsolo. Acho que nos próximos 20 anos nós saberemos se já houve vida em Marte e se houve – e mesmo se há ainda hoje – vida na lua Europa, de Júpiter. Então esse será um teste de vida proliferando em nosso Sistema Solar, no nosso quintal, fora da superfície da Terra. Eu também gostaria de resolver de uma vez por todas os mistérios da matéria escura e da energia escura. A matéria escura é o problema mais velho não solucionado da astrofísica, e a energia escura está por aí desde 1998 como um fenômeno medido que precisa de uma explicação. Então, eu gostaria de saber que nos próximos 20 anos teremos resolvido esses três pontos.

Mensageiro Sideral – O sr. acha que temos chance real de matar o mistério da energia escura em 20 anos? Porque no momento parece tão misterioso…

Tyson – Sim, e essa é a parte divertida, é o motivo pelo qual está atraindo tantos pesquisadores. Eles querem se afundar na ignorância que prevalece toda vez que você pensa e explora matéria escura e energia escura.

Mensageiro Sideral – O sr. virou um nome bem conhecido aqui no Brasil depois da exibição da série “Cosmos”.

Tyson – Oh, excelente. Ela foi exibida dublada ou legendada?

Mensageiro Sideral – Tivemos as duas opções. E depois a série entrou na Netflix, com dublagem e legendas, então cada um podia escolher. E admito que o primeiro episódio me deixou de olhos marejados, quando o sr. fala de Carl Sagan e de como foi seu primeiro contato com ele, e eu fiquei a imaginar como foi ter de, por assim dizer, calçar os sapatos dele na nova versão da série. O sr. se sentiu pressionado?

Tyson – Não, porque eu nunca cometi o erro de tentar calçar os sapatos dele. Porque eles eram os sapatos dele. Tudo que eu podia fazer era calçar os meus próprios sapatos. Se eu tentasse calçar os sapatos deles e falhasse, eu teria falhado tentando fazer o que ele fez. Enquanto, se eu calçasse os meus sapatos e falhasse, então eu só teria me atrapalhado. Porque eu poderia ser o que eu sou em meus próprios sapatos. Foi assim que eu encarei a coisa. Eu já tinha uma experiência de vida significativa falando com o público, escrevendo, sendo entrevistado, então, eu achei que tinha uma boa fundação de onde eu pudesse ascender ao manto que ele construiu para a série. Então, se eu fosse falhar, queria falhar em meus próprios sapatos, não tentando usar os de outra pessoa.

Mensageiro Sideral – E isso é perceptível. A linguagem do novo “Cosmos” é bem diferente em abordagem e estilo, e igualmente excelente.

Tyson – Obrigado. Mas eu queria dizer que eu teria concedido essa entrevista mesmo que você não tivesse gostado, só para você saber. (Risos)

Mensageiro Sideral – Mas eu realmente gostei. Eu sou meio que um “space geek”, então não havia nada lá que eu pudesse não gostar…

Tyson – Certo.

Mensageiro Sideral – E eu fico imaginando como se deu o processo de desenvolvimento da nova série. Nos créditos ao menos, os roteiros são atribuídos a Ann Druyan e Steven Soter. Ainda assim, eles têm a sua “voz”, por assim dizer, em toda parte, coisas que se relacionam a você pessoalmente. Como foi o processo criativo para desenvolver a série?

Tyson – No comecinho havia três de nós. Havia Ann Druyan e Steve Soter – dois dos três roteiristas do “Cosmos” original, a propósito, o terceiro era o Carl Sagan –, e nós três estávamos lá, pensando sobre roteiros, e eu comecei a perceber que Ann Druyan e Steve Soter são uma dupla de escrita, eles já escreveram juntos antes. De fato, aqui no Planetário Hayden, em Nova York, eles escreveram as duas novas apresentações espaciais de nossa nova instalação. Então eu comecei a perceber que eu era como a terceira roda de uma bicicleta – eu não era realmente necessário, e podia então focar em outras coisas, como conteúdo e tópicos científicos, esse tipo de coisa. Então eles se tornaram os roteiristas da série. Mas ainda tinha de soar como se estivesse vindo de mim. Então, eles fizeram muita lição de casa, vendo meus vídeos, lendo meus textos. Então é uma mistura do que eu teria dito, deixado por mim mesmo, mas profundamente injetado com o sentimento e a humanidade que Ann Druyan traz à mesa, assim como o papel histórico que cientistas famosos tiveram no passado. Steve Soter é um grande fã da história da ciência e do papel que ela pode ter no processo narrativo. E isso explica por que você tem tantos toques históricos, um por episódio.

Mensageiro Sideral – E para provar que eu gostei mesmo, queria saber se há chance de uma segunda temporada!

Tyson – Estamos em tratativas. Há muito no prato de todo mundo agora. Se eles quiserem arrumar outro apresentador, não tenho problema com isso. Então a tradição seria de que cada “Cosmos” teria um novo apresentador, como em “Doctor Who”, sabe, você reencarna. (Risos) A reencarnação de alguma meta-alma de um cientista cético. Então, há conversas. Mas nada aprovado.

Mensageiro Sideral – Estou torcendo para que aconteça e espero que o sr. esteja nele, porque foi incrível.

Tyson – Obrigado, eu aprecio isso.

Mensageiro Sideral – O sr. termina o livro “Morte no Buraco Negro” num tema controverso, que é o conflito entre ciência e religião. E você diz exatamente o seguinte: “Que não haja dúvida de que, na forma como são atualmente praticadas, não há concordância entre ciência e religião.”

Tyson – Não há questão sobre isso. Nada mais verdadeiro poderia ser dito que esta sentença.

Mensageiro Sideral – O que eu achei interessante é a parte “na forma como são atualmente praticadas”. Fico a me perguntar se, no futuro, esse conflito pode desaparecer, ou é algo fundamental, inevitável.

Tyson – Ei, espere, tem duas coisas diferentes juntas nessa pergunta. Você pode perguntar qual é a probabilidade, ou a receptividade, que a religião tem à ciência. E algumas religiões são mais receptivas à ciência que outras. Então, existe harmonia entre ciência e religião? Acho que sim. Mas o que significa é que a religião estará aquiescendo às descobertas da ciência. E se você quer chamar isso de harmonia, então, claro. O que eu estava me referindo a “na forma como são atualmente praticadas”… você pode ler a sentença de novo, para eu falar precisamente?

Mensageiro Sideral – “Que não haja dúvida de que, na forma como são atualmente praticadas, não há concordância entre ciência e religião.”

Tyson – Sim, concordância, confluência [“common ground” é o termo na versão em inglês do livro, em português saiu como “concordância”]. Confluência implica que a religião traz algo à mesa, ciência traz algo à mesa, e temos um novo entendimento do mundo dessa união. Isso é o que é confluência. Mas se você é a religião e está só absorvendo as descobertas científicas, isso não é confluência, é a religião aquiescendo ao que a ciência está descobrindo. E é isso. É só o que eu quis dizer. Se você é religioso e concorda com tudo que a ciência diz, isso é confluência? Não, isso é meio como “desistimos, a verdade vai ser a ciência, não o que diz o meu livro sagrado”. Depende de você e de sua religião decidir se você quer lutar contra isso. Muitas religiões lutam. Mas se você não luta e abraça e aceita, eu ainda seria hesitante de chamar isso de confluência. Porque é uma mão única. Ciência influenciando religião. Não religião influenciando ciência.

Mensageiro Sideral – Entendo. Mas também pode haver o sentido inverso, por que há alguns cientistas, não muitos, mas há alguns que usam o fato de que se pode explicar o mundo natural para dizer que não há Deus ou não há uma instância religiosa. E isso não é verdade, certo? Porque, em princípio, Deus não é uma hipótese que você possa testar. Então também tem o lado de a ciência aceitar que essa é uma questão que ela não pode esclarecer, certo?

Tyson – Isso não é verdade.

Mensageiro Sideral – O sr. acha que não é verdade?

Tyson – Ah sim, isso não é verdade.

Mensageiro Sideral – A ciência pode provar que não há Deus?

Tyson – A ciência pode testar se há um Deus, baseada nas afirmações que você faz sobre o seu Deus. Então, a ciência nunca prova nada sobre nada. Você geralmente não verá um cientista usando a palavra “prova”, não é o que fazemos. O que fazemos é: nós temos uma ideia, e nós a testamos. E se a ideia sobrevive ao teste e fazemos outros testes e fazemos outras pessoas verificarem, então estabelecemos uma nova verdade sobre o mundo, baseada na série de testes que fizemos. Então passamos à próxima questão, e se temos o suficiente dessas juntas, produzindo um entendimento maior e mais profundo, então temos uma teoria. Teoria da evolução, teoria da gravidade, teoria quântica. Uma teoria é um entendimento profundo do que sabemos que acontece no Universo e que oferece uma fundação para o que predizemos que será verdade no Universo. Então, aqui vai como isso iria funcionar. Você diz: “Eu acredito em Deus”. Eu digo: “Tudo bem. Se Deus existe, como ele se manifestaria nesse mundo?” E você diria: “Pessoas que rezam terão suas preces atendidas.” Ou “Pessoas que ficam doentes e que recebem orações têm mais chance de melhorar.” Você pensa em fenômenos testáveis que, segundo você, se seu Deus existe, deveriam ser testáveis.

Mensageiro Sideral – E se a minha premissa é: “Acredito em Deus e acredito que Ele se manifesta quando quiser e não podemos predizer quando isso vai acontecer.” Como o sr. testa isso?

Tyson – OK, eu perguntaria: quando Deus já se manifestou no passado? Eu só perguntaria isso. Se você não pode predizer o futuro, certamente você pode identificar Deus no passado.

Mensageiro Sideral – Mas eu não precisaria, porque é uma questão de fé para mim. Veja, não estou dizendo que eu seja religioso. Estou apenas fazendo o papel de advogado do diabo para ver até onde vai.

Tyson – Não, você está fazendo o papel de advogado de Deus. (Risos) Veja, essa não é a pergunta. Você está dizendo que Deus pode se manifestar a qualquer tempo e qualquer lugar, mas você não pode predizer. Mas isso significa que, em algum ponto do passado, Deus já se manifestou. Então eu pediria uma lista das vezes em que isso aconteceu. E se Deus só se manifestou para você, então é uma verdade pessoal, e não tenho nada que eu possa dizer sobre isso.

Mensageiro Sideral – Sim, isso é verdade. Mas…

Tyson – Mas veja, a maioria das pessoas que é monoteísta diria que Deus opera em todo lugar e pode ter impacto em todo mundo. E eles estão tirando Deus de dentro deles mesmos e fazendo afirmações por outros. E há aqueles que dizem que eles estão fazendo a vontade de Deus – o que quer que seja que estão fazendo a outras pessoas. No cristianismo, eles querem convertê-lo, porque aparentemente Deus não pode fazer isso sozinho. Então eles têm de fazer. Tudo que eu estou dizendo é, se você tem de ser o intermediário para Deus, então você não está em posição de dizer para mim o que Deus já fez. Tudo que estou dizendo é, se seu Deus tem certos poderes e você tem certeza de que esses poderes se manifestam neste mundo, tudo que você tem a fazer é mostrar isso para mim, e então podemos testar. É assim que eu posso explorar se seu Deus é real. É assim que você pode fazer. Agora, se você disser, “Deus está apenas dentro de mim e em nenhum outro lugar”, então não posso testar. Bem, posso meio que testar. Posso testar suas sinapses neurais no cérebro, ver quais partes delas disparam e descobrir que aquele pode ser o centro de “crenças”, o centro da “religião”, e lá ficam as coisas em que as pessoas acreditam sem evidência, e inclui as pessoas que têm certeza de que fadas existem, que têm certeza de que duendes existem, que têm certeza de que há mil outras coisas em que as pessoas já acreditaram, e tudo isso acontece no mesmo centro do seu cérebro, logo, você não pode alegar a singularidade do que você acredita e que vem desse centro do seu cérebro, relativamente a todo mundo que tem outras coisas em que acreditam sem evidência.

Mensageiro Sideral – Sim, mas você poderia em princípio usar esse “centro” para acreditar em coisas sem evidências que são reais também. Então não é de fato um teste.

Tyson – Nós não temos os dados ainda, que isso possa vir de uma parte específica do cérebro, mas você pode imaginar que haja uma parte do cérebro que é o centro de crenças. E poderia haver futuros experimentos que mostram que é assim que pessoas acreditam em coisas sem evidência, e então você passa pela história da civilização, e há mil coisas que as pessoas acreditavam que também vinham desse centro, o que dá uma evidência muito fraca de que seu Deus seja real, comparadado ao duende de outra pessoa.

Mensageiro Sideral – Então, de forma definitiva, o sr. acredita que a ciência pode testar ideias como Deus e outras que não tenham base na própria ciência.

Tyson – Se suas crenças têm consequências no universo físico, sim, podemos testá-las. É isso que a ciência é. É como ela foi inventada. É tudo que ela é. Então, se seu Deus não tem consequências testáveis no universo físico, então eu perguntaria qual é o papel de Deus para você. E você diria, “é profundamente espiritual e pessoal”. Então eu diria: “OK, beleza. Você não vai sair por aí e tentar descobrir como o Universo funciona.”

Mensageiro Sideral – Para terminar, queria abordar algo que você menciona no livro, que é o chamado princípio copernicano – a noção de que não ocupamos um lugar especial no Universo. Muita gente se incomoda com a ideia porque acha que isso mostra o quanto somos pequenos e irrelevantes. Mas existe também uma interpretação com sinal invertido. Não é incrível que uma espécie comum num planeta comum em torno de uma estrela comum numa galáxia comum seja capaz de compreender a incrível complexidade de um Universo gigantesco e maravilhoso?

Tyson – Não poderia concordar mais, A. B, as pessoas que ficam tristes ou incomodadas por essa revelação, acho, abordam essa questão com um ego injustificavelmente grande. Se você aborda sem ego, e você ouve essa informação, uma forma alternativa de ouvir isso é: “Oh, meu Deus, nós somos feitos de átomos que podemos encontrar no Universo inteiro. Nós temos moléculas proteicas e DNA que é encontrado em todas as formas de vida na Terra. Oh, meu Deus, estamos conectados com o cosmos. Nós somos um com o cosmos, de um modo que me dá um significado profundo sobre o Universo.” Esse é outro modo de abordar a mesma informação, mas não envolve o ataque ao seu ego. Você entra sem ego nenhum e sai iluminado, encantado.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook, no Twitter e no YouTube

Comentários

  1. Oh My God!!

    Salvador, my friend, bela entrevista, que por algum motivo me tinha passado batida. Gosto demais do Tyson, sou doido pra voltar a NYC. prioritariamente para conhecer o Planetário que ele administra.
    Na boa, juro por todos os santos (!!!!), até agora achava que essa história de terra plana era piada. Que todas as menções a essa expressão eram parte do anedotário politicamente (não gosto disso….) correto, tipo uma forma relativamente carinhosa de se referir aos cegos desinformados apedeutas científicos, ou coisas do gênero.
    Mas lendo alguns comentários aqui, percebo que o que o nosso (ex)apedeuta mor não está sozinho, quando comentou em viagem à África de que a poluição saía da parte de baixo da Terra para a parte de cima, ou alguma estupidez similar (confesso que nunca li nada que preste emanada desse ser), dando a entender que sua “ciência” é bem diferente da realidade, e que o nosso “letrado” tem mais adeptos.
    Ou seja, eles existem!! Apedeutas, ignóbios, mentecaptos, ou mesmo meros ignorantes, cientificamente falando.
    Não sei porque ainda me surpreendo. Tem maluco pra tudo. Mas terra plana a essa altura do campeonato…. Credo!!

    Pessoalmente, adoro ciência. Amo de paixão as ficções científicas, em especial os bons filmes, os livros inesquecíveis. Os que eu gosto muito, ou releio. Os que adoro, assisto novamente, alguns deles várias, muitas vezes.
    E rezo todo santo dia antes de dormir.
    Nenhum conflito entre a minha fé, o meu Deus, e o meu conhecimento, principalmente o científico. Absolutamente nada.

    Existem situações que haverão de ter algum tipo de explicação.
    Por exemplo, como entender um aperto no coração de uma mãe por um filho, a milhares de quilômetros de distância, no mesmo instante em que ele sofre um grave acidente?
    Ou mesmo aquela sensação de deja vu que por vezes ocorre em que a pessoa está conhecendo um local em que nitidamente tem a sensação de já ter estado por lá?
    Só para ficar por aqui, hoje não existem porque a ciência não nos explica porque.
    Ora, a mesma ciência ainda não entende completamente como um tubarão, se deslocando no mar, viaja milhares de quilômetros de um oceano a outro, faz o que tem que fazer, e retorna ao mesmo ponto de partida. E isso todo ano. Reparem que a ciência “ainda” não tem todas as respostas. Mas alguém duvida que chegará lá? Eu não.

    Voltando às situações ainda inexplicáveis, a ciência, no que tange a esse tipo de percepção, avança rapidamente.
    Locais do cérebro até então desconhecidos estão sendo continuamente entendidos e trabalhados. Alguns até precariamente reproduzidos, mas com resultados auspiciosos. Basta ler algo sobre o Watson, inteligência cognitiva da IBM, que a continuar evoluindo, promete novos patamares de IA simplesmente espetaculares.
    Se vão ser úteis conforme desejado, basta reler o que disse Stephen Hawkings há pouco tempo quando perguntado sobre o tema. E refletir continuamente sobre os resultados, lições aprendidas, novos resultados, melhoria contínua, chavões que de tão óbvios que são por vezes são difíceis de enxergar com a simplicidade com que devem ser vistos.
    Em resumo, tem muita coisa por vir, isso é inegável. De coração, SDQ, espero estar vivo para curtir tudo isso!!

    Gde abraço,
    Alex

  2. O Tyson é meio cansativo…além daquele jeitão meio high, (my personal truth… I hold it dearly, however. Does not he seem to be drunk? Golly!!! But since it does not affect him…I am lucky!!!) ele, que é tão incisivo na abordagem cientifica, parece ser ignorante em Sociologia e Filosofia. Vou em dois pontos para economizar tempo e redação.
    1 – Ciencia representa um processo contínuo de descoberta, de desenvolvimento de teorias, de elaboração de conceitos e compreensao de leis. Se simplesmente aceitamos o estabelecido sem questionar o desconhecido cessamos o processo cientifico. Esse desejo humano de saber, entender, conhecer, não deve ser contido, deve ser estimulado, mas demonstra que a ciencia em si é morta. As leis que regem o universo existiam antes da criação do homem e em busca da compreensao dos mesmos foi que estabelecemos a milenar jornada cientifica. Pois bem, foi o homem e nao a ciencia que elaborou a questão. A ciencia NAO DETERMINA NADA, ela busca uma explicacão para o fenomeno. Mas uma vez, ALGUEM ESTABELECEU e nós questionamos o que, porque, pra que, como e quando. ESSE ALGUEM sim é o causador, a fonte da qual emana tudo inclusive a beleza da ciencia.
    2 – O Tyson (ufa, esse sujeito me cansa) mencionou que a segunda grande guerra matou 1.000 pessoas por hora de 1939 a 1945. Mas o sujeito, ignorante que deve ser em Sociologia e Filosofia (né nada, está apenas vendendo o conceito que sustenta a sua propria religiao, filosofia e sociologia = a ciencia), parece desprezar o impacto das verdades pessoais ( essas que definem o comportamento humano; as que me habilitam a servir, ajudar, suportar a adversidade ou as que me habilitam a abusar, escravizar e a impor adversidade sobre outros) sobre a terra em que vive. Ele – “jênio” – tentou empurrar “goela” abaixo exatamente aquilo que condena (penso, logo existo! Eu realmente nao acredito que ele tentou usar esse argumento). Ora, a verdade pessoal dele é exatamente a que ele pensa ser e a que vende na entrevista. Isso afeta minha vida? Ainda nao! Assim como a verdade de Hitler nao afetava os Judeus e a Europa até que ele se tornou o “My Fuhrer”. O poderoso Tyson, conseguiu soltar um microfone em uma outra entrevista para demonstrar a força da gravidade (será que a beldade estava impaciente e por isso fez o que fez ou será que o vocabulário dele não permitia demonstrar a lei da gravidade sem ser tão agressivo). Me borrei todo de “meda”!!! Se esse espírito impaciente se torna presidente e eu vou daqui contemplando a terra plana…posso concluir por inferência que ao invés de me educar ele vai preferir demonstrar a lei da gravidade através da guilhotina. Que “meda” de novo!!!Então, a verdade pessoal pra ele nao importa porque nao afeta a sua vida, mas importa porque se for eleito para o Executivo posso querer impor minha verdade pessoal sobre a dele. Afinal, verdade pessoal importa ou nao? Será que devo pedir ao Tyson pra perguntar ao milhoes de Judeus que morreram no holocausto ou aos milhoes que morreram no segundo grande conflito mundial? Peraí, os caras morreram por causa de verdade Objetiva ou Pessoal? Deixa o Tyson tentar explicar isso com qualquer metodo cientifico que ele quiser escolher. Pode isso Arnaldo???

    1. Ah!!! Me esqueci de comentar que ha um video no Youtube “An Open Letter to Neil DeGrasse Tyson Regarding the Flat Earth or Global Earrth” com 12 perguntas cientificas. Estou esperando ansiosamente pela resposta do Dr. Tyson, mas acho que o Salvador pode ajudar o Dr. Tyson, respondendo às 12 questoes afinal a carta é aberta e o Salva…esse sim, é gênio.

      1. Sobre Terra plana, só vou discutir se alguém desse movimento ridículo conseguir me explicar como eclipses lunares e fusos horários são possíveis num modelo Terra plana.

        1. oras bolas, mas a explicação é simples!!!! é tudo culpa do espaço-tempo curvo modificando a trajetória da luz do sol, obrigando-a a sempre iluminar apenas metade do disco terrestre, enquanto o sol descreve deu movimento circular ao redor do centro norte, na abóbada celeste… bom, espero que tenha percebido meu sarcasmo, hehehehehe!!!

    2. Acho que ele é bem claro. Quanto à ciência, é obviamente uma criação humana — uma forma sistemática de aprender sobre o mundo. Tyson certamente não defende que a ciência antecede ao homem. Mas as leis naturais que ela revela, essas sim antecedem ao homem.
      Sobre o lance verdades pessoais/verdades objetivas, a distinção é bem clara. As primeiras não podem ser verificadas de forma independente, as segundas sim. E por isso ele defende, não sem razão, que qualquer tentativa de impor as primeiras a outras pessoas está fadada a ser injusta e pode até mesmo prejudicar o avanço social.
      Um comentário sobre ele derrubar um microfone para demonstrar a gravidade (o que eu achei bem divertido): 1, era um programa de humor; 2, ele gastou mais tempo que do que eu acho que os terraplanostras merecem ali.

  3. Há interessantes fenômenos ou até objetos que podem ser estudados pela ciência ortodoxa que representam um importante link entre crenças religiosas e ciência, mas que por interesses diversos, raramente (ou sequer são mencionados) são abordados em publicações científicas renomadas, como uma espécie de tabu. Só para citar alguns exemplos, temos as famosas experiências de quase morte, sendo várias delas vividas até por ateus, e médicos (um especial é neurologista, que chegou a publicar um livro), as misteriosas e inexplicáveis imagens em Guadalupe no México e Turim, na Itália, (estas exaustivamente estudadas por especialistas de diversas áreas do conhecimento),o fenômeno solar testemunhado por muitos em Fátima,Portugal,1917 e as aparições em Zeitoun,Egito, nos anos 60. Há muitos outros, tanto atuais quanto antigos (o Alcorão, por exemplo, cita seres celestiais que se deslocavam a uma velocidade que convertida em números atuais equivale à velocidade c da luz, muito antes dela ser medida)

    1. O que você chama de “experiência de quase-morte” é isso, QUASE morte, portanto, o que se passa no cérebro da pessoa depende apenas de seus neurônios ainda vivos. Depois da morte REAL, não tem mais como analisar mais nada, além dos materiais do cérebro, pois o cérebro deixou de funcionar. Não há tabu aí, só na sua imaginação.
      Quanto às “misteriosas e inexplicáveis imagens”, existe um fenômeno bem conhecido, PAREIDOLIA, no caso de pessoas normais, e ESQUIZOFRENIA PARANOIDE para os doentes e INTERESSES POLÍTICOS para muitos. Jogos de luz e sombra podem até ser fotografados e darem a impressão de formas conhecidas (de novo, a pareidolia).
      Quanto às citações bíblicas e em outros livros sagrados, lendas e mitos, não há evidências reais de que ocorreram.

  4. O cara dá uma entrevista bacana, mas os caras fazem questão de meter uma ironia com a terra plana no meio.

    Por que essa verdade amedronta tanto?

    1. Huhauahuua, você acredita em Terra plana? Que LINDO!
      Explica aí os eclipses lunares na Terra plana, que ninguém até hoje conseguiu me explicar.
      É a possessão demoníaca dos astros mesmo? rs

      1. explique VOCÊ: se a Terra é redonda, como é que quem está embaixo não cai? hein? Ah, a sua ‘força da gravidade’ puxa pra cima e não pra baixo. Ok. Tá certo.

        1. A força da gravidade puxa na direção do centro da Terra. Então, não importa em que lugar do globo você está, ela puxa para o chão, porque é nesse sentido que se chega ao centro da Terra.
          Pronto, já expliquei. Agora explique você o eclipse lunar na Terra plana. Estou ansioso. 😛

          1. Quer dizer que quem está lá embaixo, a gravidade empurra pra cima? Como é que pára no chão então?

          2. Não. Quer dizer que “para baixo” é na direção do centro da Terra. Pra cima é na direção contrária. E isso vale aqui, vale no Japão, na Antártida e na casa do Papai Noel, lá no polo Norte. Em todo lugar, “para baixo” é na direção do centro da Terra, e “para cima” é na direção oposta.
            Já explique o óbvio DUAS VEZES e ainda estou à espera da explicação dos eclipses lunares na Terra plana. Se não próxima você não responder vou presumir que você já concluiu que eles são impossíveis na Terra plana e já descobriu que só um idiota pode acreditar que a Terra é plana. 😉

          3. A ciência explica que é a força da gravidade que segura todos os objetos no chão. Essa força imensa seguraria também a descomunal massa oceânica, inclusive quando o oceano está na parte baixa da Terra, ou seja, de “cabeça para baixo”. A força de atração teria de ser extraordinariamente grande para conter presa no solo uma enormidade de massa d’água que chega, em alguns pontos, a ter 5 km de profundidade e centenas de largura. A força da gravidade manteria todo esse volume de água preso, colada no chão, mesmo que de cabeça para baixo e também nas “laterais” do globo, numa inclinação de 90 graus em relação ao horizonte. São milhões de toneladas de água presa, neste caso, a um solo perpendicular ao horizonte, ou seja, em uma parede vertical. Levando-se em consideração que essa poderosa força de gravidade tem o condão de “pregar” o mar nas “laterais” da Terra e também na sua de baixo, ficando o mar, neste caso, colado na Terra de “cabeça para baixo”, independente do grau de inclinação, indago: POR QUE ESSA MESMA FORÇA DE GRAVIDADE NÃO CONSEGUE SEGURAR, COLADA NO CHÃO, UM RIO, UM RIACHO OU UM PEQUENO VOLUME DE ÁGUA, QUE SEMPRE CORREM PARA A PARTE MAIS BAIXA, OBEDECENDO O DECLIVE DO SOLO? SE ESSA PODEROSA FORÇA CONSEGUE PRENDER NO SOLO IMENSOS OCEANOS OCEANOS, AINDA QUE VERTICAL OU MESMO DE “CABEÇA PARA BAIXO”, COMO NÃO CONSEGUE PRENDER AO SOLO, IMÓVEL, QUALQUER VOLUME DE ÁGUA DERRAMADA EM UM SOLO INCLINADO?

          4. Você não entendeu. O rio está descendo JUSTAMENTE porque a gravidade o puxa para a parte mais baixa. Da mesma forma, os oceanos são cheios debaixo para cima. Você não vai encontrar uma parte seca no fundo do oceano, porque a gravidade puxa a água para preencher primeiro os espaços vazios mais baixos e só depois os que estão por cima.

        2. O Eclipse é a sombra da Terra sobre a lua e é redonda porque o Sol é redondo e a Lua também. Você é que não convenceu ainda, se a Terra fosse redonda só a metade de cima parava em pé, o resto já tinha caído, seria muito engraçado. Como é que a Terra ia puxar todo mundo pra cima? Não faz o menor sentido isso.

          1. Mas não dá. No modelo da Terra plana, a Lua e o Sol giram sobre nossas cabeças sempre. Se não for assim, não tem como explicar os fusos horários. Então, na Terra plana, você precisa escolher: ou os eclipses lunares são impossíveis, ou os fusos horários. Fique à vontade para pensar nisso. 😛

          2. Marta, amiguinha, nao ligue para esses boboes. Titio Salva nao sabe como falar com as criancas. Nao se preocupe! La pela 4a. ou 5a. Serie voce vai aprender sobre uma forca magica maravilhosa, conhecida como gravidade. Ela eh responsavel por muitas coisas interessantes, mas explicar pra voce agora fica complicado, pq vc nao esta com o cerebro (viu? Cerebro, nao celebro) desenvolvido suficientemente…

        3. Marta, faça um teste com um imã e com um clips de metal… O imã puxará o clips para cima, pra baixo, para o lado, sempre o puxará para ele. A força magnética é responsável pela atração do clips. Do mesmo modo, opera a força gravitacional. No espaço, não existe “em cima” e “em baixo”, os corpos massivos atraem outros do mesmo modo, para si, qualquer que seja a posição do corpo atraído. Uma pessoa no Brasil “cai” para o centro da Terra e, do outro lado, uma pessoa no Japão também cairá para o centro da Terra. Se não fosse o chão, as duas se encontrariam no centro do planeta…

    2. O cara dá uma entrevista bacana, mas os caras fazem questão de meter uma ironia com a terra plana no meio.

      É o assunto da moda, que os idiotas ignorantes científicos vêm vociferando. Inclusive, caso você não se lembre, o Tyson foi o protagonista ATIVO da LINDA ENRABADA CIENTÍFICA que o acéfalo do B.O.B tomou depois de BOSTEJAR alguma anedota sobre a Terra ser plana.

      Por que essa verdade amedronta tanto?

      A única verdade é essa:

      https://media.giphy.com/media/3o7ZeoHrOtqif5U3Ek/giphy.gif

      GRAVIDADE, BITCH!

      CHOLA MAIS

    3. basta usar um pêndulo que você percebe que a Terra gira, amarre em uma ponta um peso e na outra prenda o pêndulo ao teto, depois empurre-o e vá marcando suas posições. Perceberá que o pêndulo vai mudando de lugar e isto prova a rotação da Terra. No mar a superfície é mais plana e não é atrapalhada por montanhas, então, em grandes distâncias quando um barco se aproxima nós somos capazes de ver primeiro a sua parte superior (como o mastro) e aos poucos enquanto esse mesmo barco se aproxima é possível enxergar o convés, portanto, se estivéssemos em um planeta plano seria possível enxergar TODO o barco mesmo que fosse apenas uma formiguinha de tão distante.

      não existe para cima, convencionamos isso para facilitar a vida, como no caso do relógio que marca o tempo e o calendário. Nada no universo tem função em obedecer nossas convenções de medição. A gravidade vem da massa, quanto mais massa, maior a gravidade e, portanto, você é puxado na direção do que tem maior massa. A melhor maneira de compreender é ficar em uma grande cama elástica, quando uma pessoa sobe nessa cama elástica ela cria uma deformação e isso pode ser chamado de gravidade que essa pessoa tem. Quando um elefante sobe na mesma cama elástica por ter maior massa criará uma deformação muito maior do que uma pessoa comum, e se essa mesma pessoa estiver apenas alguns metros de distância do elefante ela (a pessoa) começará a rolar na direção desse elefante (por ser mais pesado e ter provocado uma deformação maior na cama elástica). Agora, se a pessoa estiver mais distante ela praticamente nem sentirá que um elefante está do outro lado. A gravidade decai ao quadrado da distância entre os objetos.

    4. Crentes da terra plana nunca poderão pilotar aviões ou navios que façam viagens ao redor da Terra.

      Eles se perderiam no caminho !

      Simples assim.

      Crentes da terra plana só podem andar a pé.

      1. Morro de medo que os crentes da terra plana destruam as faculdades de Engenharia Cartográfica.
        Os crentes da terra plana poderiam também explicar como funciona o GPS de seus celulares.
        Ou eles só podem usar celulares sem GPS ?
        Ou só telefone com fio ?
        Ou nenhum tipo de telefone ?

    5. Marta, deixa eu adiantar um possível questionamento seu:
      Estrelas não são pedrinhas preciosas que Deus colou no céu e estrelas cadentes não são pedrinhas que perderam a cola!

    6. Salvador, boa tarde! É a primeira vez que comento no seu espaço. Não pude deixar de comentar pois essa “discussão” foi a coisa mais surreal que já li na minha vida. Algum ser humano, que sabe se comunicar escrevendo, não entendendo como a gravidade funciona. Meus parabéns por ser tão polido e paciente.

    7. observando as coisas hoje, um ano depois, a preocupação é válida: a coisa cresceu de um jeito que eu, particularmente, nunca consideraria possível…

  5. Salvador, para mim quando a humanidade se des-paradgimar, e passar a investigar Olhos físicos(ondulatoria-optica) que eclodem em montanhas-lesmas jurássicas , pelo prisma cientifico duo-hexacimal, de Luis blogrie, estaremos mais aproximado de entender o D de D’eus , do passado(antropologia).
    Vejamos o que o método cientifico das incidências podem nos evidenciar:
    1-Como já mostrado existe “algo” por de traz daquela tarja preta em órion,>>2- em órion existe três estrelas em alinhamento>>3- que são chamadas o cinturão do D’eus, órion(“mito”),>>4-de onde tiramos a antropologia da palavra Horus=HOrar, >>5- da hora que dedicamos para D’eus. >>6-a Bíblia traz referencia ao povo do egyto.
    7->Bom a antropologia da bíblia liga o passado ao egyto=(cristais=prisma=plasma=óptica- ondulatória),>>8- que por si traz a antropologia de que as piramides(egyto) fazem um alinhamento referente ao cinturão de orion. >>9-A bíblia faz referencia, a Túnicas,>>-10 espécimes da lua, parecem vestir túnicas->>11 como as de marte também->>>12- A bíblia cita a aliança das nuvens em referencia ao arco-ires>>>13-(óptica ondulatória duo-hexacimal),>>14- após o diluvio, como a coluna de nuvens a qual cobria D’eus no êxodo.
    bom voltando ao alinhamento de órion, más agora pesquisando em marte,>>15 lá existem Também na região equatoriana ,>>16- três grandes crateras em alinhamento,fazendo analogia ao cinturão de órion,>>>17- e dentro de uma destas crateras, vemos vestígio de civilização e tecnologia,>>18- como quatro animais gigantes,>>19 e algo semelhante a um homem e uma mulher com uma criança no colo, pode estar um busto ou não, já que estão monocromáticos.>>20-também em marte como na lua, nas entradas(crateras) de mundo intro-terrenos, espécimes penduradas de cabeça para baixo>>21- vestindo túnicas.
    bom voltando ao planeta terra, vejo aqui diversas vezes observado,>>>22- ‘pareidolias” nas nuvens, uma espécime de fenômeno repetidas vezes(faces), inclusive quando estava procurando mais vestígios de civilizações na Amazonia, >>23-“vi” nitidamente dois olhos gigantes por debaixo das nuvens.
    >>>24-Em relação ao dilúvio, digamos num tempo da pangeia, onde a América estava unida a Africa, o grande rio eufrates descia ate a >>>25-Amazonia( GrAM Ph-arará-th).>>>-26 digamos que em um diluvio , a tendencia pela rotação da terra uma embarcação a deriva tenderia vir para o Oeste e não para o Leste,>>>27 dai como encontrei aquela nave e aquele annannuky no(Grão Ph-arará-th) e a bíblia fala que a arca atracou no monte arará,>>28
    Bom tudo isso, me levou a acreditar na possibilidade, de uma estrutura que encontrei pelo google>>medindo 300 covados, em formato de uma embarcação(google earth)na Amazonia , próximo destas evidencias de civilizações, estarem na possibilidade de estar a arca de NOE.
    Acredito que todas estas incidências evidenciam que estamos nos aproximando da antropologia do nosso D’eus do passado presente futuro.
    assim como estas incidências evidenciam algo, mutas outras surgirão
    e podemos testa-las como método cientifico e outras método da fé.

  6. Usar a ciência para provar que Deus existe é o mesmo que usar a matemática para saber o valor numérico do infinito.

  7. O deGrasse é uma espécie de ser híbrido. Uma mistura de pop-star, ator, apresentador, palestrante, charlatão, escritor e um astrofísico teórico.

    Longe dos laboratórios de pesquisas, acomodou-se como administrador do planetário Hayden de NY., + bicos na TV + palestras, um clone perfeito de Carl Sagan.

    Gosto do cara pela sua pluralidade, mas ficaria mais empolgado com uma entrevista com físicos de verdade, tipo: Takaaki Kajita, François Englert, Peter Higgs, Alexander Kashlinsky, Arthur Bruce McDonald, Ira Thorpe, entre outros gênios.

    ATENÇÃO!
    Só aceito réplicas do mano Salva.
    Assim sendo, que a tropa de choque se contenha, .. kkkk!

    1. Acho injusto desmerecer cientistas porque se dedicam à educação científica. Há um mérito enorme, sobretudo nessa sociedade cientificamente iletrada que vivemos. E, como ele disse na própria entrevista, todos nós devemos fazer um esforço para melhorar essa situação deplorável de ignorância, terreno fértil para os verdadeiros charlatões e manipuladores que nos cercam.

    2. “ATENÇÃO!
      Só aceito réplicas do mano Salva.”

      Crie um blog seu, modere os comentários, e seja feliz. Se postar aqui, vai ter resposta, Nycole. Não adianta cholar e pedir “não postem aqui, mimimi, porque sou floquinho de neve que não pode ser contrariado”.

      C-H-O-L-Ã-O

        1. Ui, que criativo! Se eu tivesse sentimentos, eles estariam feridos agora.

          Como não tenho, caguei pra você e pra Nicole, dois cholões!

          AHHAHAHAHA

  8. Dizem que o universo conhecido é composto de 26% de matéria escura, 70% de energia escura e apenas 4% de matéria conhecida, tipo: planetas, estrelas, galáxias e outros detritos espaciais.

    Pergunto:

    1 – Como andam as pesquisas inerentes a matéria escura e energia escura?
    2 – Já se tem uma ideia das propriedades físico-química dessas duas entidades?

    1. 1 – Tem várias coisas em andamento, mas ainda não chegamos a conclusões definitivas. Há detectores de matéria escura na Estação Espacial Internacional, experimentos feitos em aceleradores de partículas e, claro, observações astrofísicas que revelam propriedades e ação da matéria escura em grandes escalas. Sobre energia escura, mesma coisa — vários surveys, que lidam desde com a radiação cósmica de fundo até com a medição das velocidades de recessão das galáxias, assim como modelagens teóricas que pudessem explicar o comportamento observado. Mas, nos dois casos, ainda nos faltam experimentos conclusivos.

      2 – Sim, sabemos o que elas NÃO podem ser, o que dá uma ideia do que sejam. No caso da matéria escura, são candidatas principalmente partículas hoje desconhecidas que não interajam com a matéria convencional senão pela gravidade. E, no caso da energia escura, a principal hipótese é a da constante cosmológica de Einstein — a energia do próprio vácuo.

  9. Excelente entrevista com um entrevistado de primeira. Parabéns Salvador. Precisamos de mais pessoas como você, divulgando ciência de forma acessível e inteligente.

  10. Prezado Salvador, por favor, não responda para certo cretinos, fanáticos religiosos. Você perde tempo, fica aborrecido e consequentemente não nos brinda com o melhor de você, que é nos informar de forma objetiva, o melhor da astronomia.

  11. Salvador já que você acha uma perda de tempo falar de Deus muda a inscrição da chamada para: “A ciência pode testar Fadas” e veremos o que acontece?????????

    1. Não conheço muitas pessoas que acreditem em fadas, então estaríamos limitando muito o interesse. Mas se trocássemos por “crenças religiosas sem evidência”, acho que funcionaria igual, só que com muito mais palavras.

      1. religiosos aceitam a tese “comprovada” (por peidos) de que é impossível testar a existência de Deus, mas o pai do Diabo existe (sabe comé, veio das flatulências).

        no fim a galera corre para o hospital afoita atrás da cura científica, depois, dá uma rezadinha. Se a coisa dá certo, atribuísse a cura ao (peido fedido) de deus (com letras minúsculas, como fadas). Ah, mas deus pai do diabo vai lá te castigar (engraçado que eu nem fico nessa torcida, pois, se desejar um asteroide caindo aqui para provar a minha “fé” eu não estaria sendo “cruel” e arrogante? sendo um ditador de uma fada inexistente?)

        a questão é que há um movimento muito forte contra a ciência. Para piorar, o conhecimento costuma ser algo da Elite, o verdadeiro Deus Dinheiro.

        Aproveitando, queria que cientistas como Tyson escrevessem mais das equações matemáticas usadas para descobrir a ciência em suas obras (livros ou séries televisivas), seria bem legal, apesar de mais difícil de entender. Fazer livro apenas para leigo com desenho é bom para ganhar alguma notoriedade e público, mas deixa de mostrar como é o trabalho de fato, as dificuldades e o quanto é demorado se tornar um bom cientista.

        como ele coloca, o que NÃO EXISTE (Deus) nunca pode ser testado, mas a matéria escura pode ser testada mesmo sendo algo que não nos “toca” e não podemos ver, ainda assim somos atravessados por zilhões de toneladas de partículas de matéria escura. É como a matemática onde 1+2 = 3, por mais que queira mudar isso 0+1+0+1+0+1 ; simbolicamente 0+0+0; 2+1; 1+1+1 e tantas outras formas, resultam a mesma coisa. Ficar bitolando inverdades é coisa de gente que ama uma ditadura e a tortura contra os outros, o famoso “não me toquem, mas eu posso massacrar vocês.”

        por fim, gastamos muito com palhaçada de gente gritando e louvando fadas, querendo curas do céu e correndo pra fila da vacina (quando em centenas de anos alguém descobre). Falam em milagre e o que conseguem é aumentar o sofrimento da coletividade. Um fato é que eu pensava em tentar compreender a cura do câncer, mas vindo de uma família pobre e sem interesse por estudos (meus pais ignoram por completo e até davam o luxo de me criticar por lutar pela ciência) e cercado por professores incompetentes desde o jardim de infância, passando pelo fundamental e médio, chegando aos inexplicavelmente orgulhosos professores universitários (que nunca foram ou ganharam um Nobel), fica difícil chegar em algum lugar. Daí o que fazem? Apontavam o dedo para mim e diziam: você é que é burro! Mas, hoje sou burocrata e ganho mais que um professor sem levar prova para corrigir. Realmente eu fui burro, tentei consertar o mundo, acabei levando uma vassourada.

        Ainda bem que vivemos em um País onde a Constituição é Laica, fazer exageros em nome da fé sem respeitar a opinião dos outros não traz direito algum. E aqui não é um blog sobre religião.

      2. Minha sobrinha de seis anos acredita em fadas! Por favor, Salvador, faça o teste e prove cientificamente para eu mostrar a ela!!

        1. Nah, não vamos estragar. Meu filho, quando tinha seis anos, também acreditava em Papai Noel. Acho incrível o pensamento mágico e a forma que as crianças têm de ver o mundo. Elas não conhecem as leis da física, logo não entendem como algumas coisas podem ser impossíveis. Tudo bem, deixa ela. Não estrague a infância dela.

          Agora, se ela chegar aos 18 anos acreditando em fadas, siga a receita do Neil deGrasse Tyson. “Você acredita em fadas?”, “Sim, acredito.”, “Certo, então que efeitos as fadas produzem no mundo que podemos observar?” E aí ou ela apresenta alguns efeitos e vocês podem realizar uma observação para ver se esses efeitos acontecem mesmo ou não, ou ela diz que os efeitos só acontecem para ela, e aí você pode dizer: “Tudo bem, então as fadas existem dentro de você, e você pode seguir acreditando nelas, mas não tente me convencer de que isso é verdade, porque elas não existem dentro de mim, nem no mundo que partilhamos.”

          E c’est fini.

        2. isolar uma criança da realidade não faz bem, corre-se o risco do aprendizado ser traumático e incorrer em erros pode levá-la ao ridículo futuramente quando uma nova experiência de vida acontecer próximo a colegas da mesma idade enquanto ela cresce.

          imagine se você começa a dizer para seus filhos pequenos aceitar tudo que um adulto desconhecido fizer com elas. Então, como fica a burrice paterna e materna em achar lindo tudo que criança faz e anda aprendendo?

        3. Minha filha, aos seis anos de idade, pediu para eu deixar a câmera ligada no quarto dela a noite toda, porque ela queria “ver” a fada do dente.
          Como bom pai, atendi ao pedido da criança e ela viu minha mulher indo lá, pegando o dente e deixando as moedas.
          Resultado: Apanhei das duas !

          1. Hehehe, cruel da sua parte. Mas muito inteligente da sua filha, que bolou um “experimento” para testar a existência da fada. Claramente, você a está educando muito bem. 😉

  12. Slavador, onde ele irá lançar o livro? Haverá algum evento, autógrafos, etc? Pode informar? Sou, como todos, muito fã do cara 🙂

    1. Ele não estará no Brasil. Quando eu digo está lançando, é a editora que está lançando o livro dele — mas ela aqui, e ele lá. 😉

  13. Acho interessante um cientista que não acredita em Deus preocupar-se com um capitulo do seu tão relevante livro a discutir esse assunto, o mesmo alegou que Deus e as fadas poderiam ser a mesma coisa, porque então não dedicou o capitulo ao livro a discussão da não existência das fadas……. Não teria relevância não é mesmo? acho que quer somente vender livro!!!

    1. Na verdade, é uma das sete seções do livro (a menor delas, verdade, com apenas três capítulos), e tem como título “Ciência e Deus”. Ele não perderia tempo falando só de Deus, mas sim do conflito entre religião e ciência.

      1. O equívoco é sempre os mesmo: físicos se metendo a filósofo! Enfim … tem gente que acredita nele, pois a fé na ciência tem que ser cega.

      2. Francis Collins, assim como 50% da comunidade científica atual, e grande parte dos cientistas que CRIARAM e FUNDAMENTARAM a ciência moderna, não veem conflito entre o cristianismo e ciência.
        Quem é Neil deGrasse Tyson? Que contribuição prática ele trouxe para a ciência?
        Seria a opinião dele mais importante do que 50% da comunidade científica atual e 90% dos cientistas que CRIARAM e FUNDAMENTARAM a ciência? 😛

        1. Veja, eu também não vejo conflito entre ciência e religião. Mas acho que cada uma tem de ficar no seu quadrado. A religião fala de metafísica. Ciência fala do mundo natural. Se uma não meter o bedelho na outra, tudo certo. Neil não concorda, e me surpreendi com isso. Mas veja que ele mesmo admite que, se você disser que Deus não tem impacto nenhum no mundo natural, tudo bem, não há nada que ele possa falar contra isso.

          1. Salvador, creio não ser o caso de ele “admitir”. Só podemos testar algo que interaja com a física. Acho que todos “admitimos” isso.

          2. Salvador, até o momento não consegui compreender a sua frase “ficar no seu quadrado”. Tu insinuas que apenas os naturalistas é que deveriam expor suas idéias “científicas” e que todos os que se opõe, deveriam calar-se?
            Se há um posicionamento criacionista embasado cientificamente, porque não divulga-lo?
            O Naturalismo é uma posição FILOSÓFICA assim como o CRIACIONISMO.
            Quem determinou que a ciência deverá ser restrita ao Naturalismo filosófico?
            Nem mesmo os seus CRIADORES foram naturalistas (a maioria era criacionista e ainda por cima, CRISTÃOS)

          1. O cientista só faz algo porque a ciência foi CRIADA.
            Ou tu, irracionalmente também CRÊ que a ciência surgiu ao acaso, por processos naturais não guiados? 😀

          2. Nada contra o homem criar coisas. Ninguém diria que faltam evidências concretas de que o homem existe.

          3. Que evidência concreta tem que eu existo? Como sabe que não está a conversar com letras aleatórias, aparecidas ao acaso?

          4. Mesmo que fossem letras aleatórias, elas seriam evidência de que você existe. Aliás, por vezes, parecem quase aleatórias. Só não são totalmente aleatórias porque têm uns “DEUS” no meio. rs

          5. Sei que a tua desonestidade intelectual (e talvez o desejo de se enganar) o faz fugir da questão, mas isso não funcionará comigo. 🙂

            Perguntarei novamente:
            Qual é a tua evidência “concreta” que tens, a favor de minha existência, sendo que somente possui um aglomerado de letras, na frente de seu computador?
            Consegues responder HONESTAMENTE Salvador, ou tentarás fugir da questão?

          6. Sabendo como funcionam computadores e internet, sei que letras não emergem espontaneamente em blogs de ciência. Então, temos aí uma evidência de que ALGUÉM colocou as letras aí.
            A pergunta seguinte é: é um ser consciente ou uma máquina? (Sabemos, pelo funcionamento de computadores e da internet, que máquinas podem postar comentários aqui… se você visse quanto spam de bot eu barro aqui todo dia, não teria dúvida disso.)
            O fato de você estar interagindo comigo demonstra que não se trata de resposta autômata. Não é, portanto, um bot da internet. (Embora, por vezes, a repetição de temas pareça sugerir diferente.)
            Agora, estabelecemos que você é um ser consciente, e não uma máquina, mas ainda não posso dizer que você é humano. Deduzo isso pelo fato de não conhecer nenhuma outra criatura na face da Terra (e com acesso à internet) capaz de produzir as respostas que você está dando.

            Logo: a sua mensagem é evidência de que (1) você não é um robô, (2) você é consciente e (3) você é humano.

            Não é tão difícil assim. Isso se chama raciocinar. Vá em frente, você consegue! 🙂

          7. Vamos lá, Basicamente o seu argumento para “provar” a minha existência são estes:

            º Disseste que “letras não emergem espontaneamente em blogs de ciência” logo “ALGUÉM” colocou uma letra aí.
            Sabemos que informação CODIFICADA não emergem espontaneamente na natureza (somente uma MENTE inteligente é capaz de produzi-la). Tu, porém, não infere o “ALGUÉM” como fonte geradora do DNA.
            Vemos claramente DOIS PESOS e DUAS MEDIDAS em sua “análise”

            º Disseste “O fato de você estar interagindo comigo demonstra que não se trata de resposta autômata”
            Basicamente, utilizaste a APERIODICIDADE de minhas falas como “prova” de que ALGUÉM está afalar contigo
            Pois bem, qualquer informação CODIFICADA é aperiódica. Mesmo o DNA possuindo este tipo de informação tu não o faz como prova de que ALGUÉM a escreveu.
            Outro exemplo de DOIS PESOS e DUAS MEDIDAS em sua “análise”

            º Disseste “”Deduzo isso pelo fato de não conhecer nenhuma outra criatura na face da Terra (e com acesso à internet) capaz de produzir as respostas que você está dando””
            Sabemos também que NÃO HÁ NADA no UNIVERSO, além de uma mente INTELIGENTE capaz de produzir informação em CÓDIGOS.
            O DNA possui este tipo de informação, porém mesmo sabendo que SOMENTE uma mente inteligente é capaz de produzi-lo, tu não faz inferência a ALGUÉM
            E vemos mais outro exemplo de DOIS PESOS e DUAS MEDIDAS em sua “análise”

            Basicamente, caro Salvador, resumiste a análise comum utilizada pelos proponentes do design inteligente.
            Com o RACIOCÍNIO e análise lógica, tu consegues identificar uma PESSOA apenas por palavras em um computador assim como identificamos uma “PESSOA” apenas pela análise da vida e natureza.
            Se consideras a sua análise uma prova concreta de minha existência, então temos prova concreta da existência de um Designer inteligente, para o universo e para a vida.

            Eu sei que raciocinar não é difícil, porém o mais difícil é um fanático deixar de SACRIFICAR a lógica e a razão, com o uso irracional de “dois pesos duas medidas”, apenas para continuar cego na fé contraditória. 😉

          8. Não, não é verdade. Eu não disse que informação codificada não emerge naturalmente. Eu disse que não emerge naturalmente em computadores. Há uma diferença fundamental.

            Eu adoro como posso te responder lendo só as duas primeiras linhas do seu comentário e ignorando todo o resto. 😛

          9. Ops, tinha respondido no local errado.
            Segue o redirecionamento………

            ========================================================================

            kkkkkkkkkkkkk
            Nada a haver a sua resposta com meu argumento.
            A tua fé de que informação codificada pode surgir na natureza ao acaso (conjectura SEM NENHUMA OBSERVAÇÃO, com várias observações CONTRÁRIAS que a refuta), é irrelevante aos comentários que realizei

            Se não fosse tão preguiçoso em ler apenas duas linhas e tão arrogante em achar que mesmo com esta preguiça a entenderá por inteira, certamente teria uma resposta mais contundente.

            P.S: Mesmo que adorasse ser preguiçoso, eu jamais declararia isso em público, como fizeste.
            De onde vens a preguiça é uma honra?

    2. Neyl De Grasse Tyson é, além de cientista, um educador. Como existem bilhões de pessoas que acreditam em deuses, fadas, anjos, e bilhões que não acreditam, há que sempre educar na questão das crenças e das ciências.

      E ele demonstrou que não tem importância que você acredite em Deus, só não o obrigue a acreditar. O mesmo digo eu.

  14. Como sempre incrível Salvador! Tyson é um sujeito de fala rica, que consegue apresentar ao mundo, de maneira simples, todo a ciência e descobertas existentes por trás de cada “ação” do universo.
    Um sujeito que conseguiu trazer iluminação científica a um homem fervorosamente crente no criacionismo (meu pai). Torço para que outras pessoas se inspirem em seu trabalho, assim como o mesmo se inspirou em Segan!
    Abraços,

  15. Resumo relâmpago sobre RELIGIÃO:

    1 – A religião surgiu através da soma de todos os medos do desconhecido.

    2 – Líderes tribais viram nisso uma ferramenta infalível de intimidação, dominação e $$$$. Ex: os judeus criaram até mesmo um deus dos exércitos “só pra eles” e, quem não era da raça, eram considerados idólatras, impuros, demônios, que deveriam ser dominados e exterminados, vide o pentateuco (torá), um verdadeiro código de conduta ditatorial.

    3 – Todos os denominados “livros sagrados”, sejam, do hinduísmo, egípcios antigos, judeus, cristãos, muçulmanos, possuem um “Algo em comum”, ou seja, são livros “inspirados” e transmitidos por uma entidade divina. No caso dos judeus, essa função ficava por conta da tribo dos levitas, cujos velhinhos, trabalhavam arduamente, mais que no congresso nacional nestes últimos dias, na criação e redação de seus textos.

    4 – Nunca na história deste país, .. isto é, .. quero dizer, .. deste PLANETA, algo ou alguém matou mais gente que a religião em suas diversas modalidades.

    1. Este seu resumo “relampago” está mais para um resumo “meia boca”. kkkkk

      1º Não existe “A RELIGIÃO”. Existe Religiões. Existe alguma evidência de que TODAS ELAS surgiram por medos do desconhecido, ou é uma simples declaração de sua FÉ?

      2º Como que o cristianismo, uma religião que sofreu perseguições e mortes, poderia ser uma ferramenta infalível de intimidação, dominação e $$$$? Poderia explicar a sua “lógica”?

      3º Qual é a lógica em alegar que pelo fato de TODAS religiões se dizerem inspiradas, isso significa que TODAS são falsas?

      4º A visão ATEÍSTA, expressa na ideologia COMUNISTA, matou muito mais em SEMANAS do que TODAS AS RELIGIÕES JUNTAS em SÉCULOS.

      1. Quem perseguiu os cristãos? … quem? quem? quem?
        Ah! lembrei de um entre miríades e que resume tudo. SALADINO!
        Motivo? antagonismo religioso e disputas territoriais.
        Claro que os cristão também perseguiram muita gente e nem preciso falar na “Santa Inquisição”. Santa? … kkkk!

        1. Quem perseguiu os cristãos? Sério mesmo que está a me perguntar isso?
          Percebemos com este comentário que és um pleno leigo no assunto.
          Nos três primeiros séculos, os cristãos eram perseguidos pelos Judeus e pelos Romanos.
          A partir do terceiro século até o renascentismo, os cristãos eram perseguidos pelos CATÓLICOS ROMANOS (pseudos-cristãos).
          Isso mesmo, os católicos romanos PERSEGUIAM os cristãos. (pesquise sobre os anabatistas e os Valdences).
          Somente com a reforma protestante os cristãos tiveram mais alívio. Porém, a custo deste alívio, a ideologia cristã tem sido contaminada com o sincretismo e com o naturalismo filosófico.

          1. Os católicos romanos não eram cristãos? De onde você tirou esta imensa idiotice? Você se acha mais cristão do que todos os outros? Bem arrogante você, hein?

          2. Idiotice mesmo é não saber que a Igreja católica NÃO COLOCAVA EM PRÁTICA os ensinamentos de Cristo.
            Somente idiotas não sabe diferenciar os ensinamentos de Cristo com as práticas daquela “igreja”.
            Ademais, mesmo com estes pseudos-cristãos que NÃO SEGUIAM OS ENSINAMENTOS DE CRISTO, somado com Maomé e outros extremistas JUNTOS, nem de perto chegariam as atrocidades cometidas por líderes ateístas. 😉

          3. Colocar em prática 100% é impossível. Porém há uma diferença enorme em não seguir pontos secundários (como a polêmica do dízimo, uso de véu, guardar 7º dia, etc..) ou não seguir os pontos primários (não assassinar ou roubar NINGUÉM) A Igreja católica não “pecou” em pontos secundários, ela pecou em pontos PRIMÁRIOS, distorcendo completamente o que Cristo e os apóstolos ensinaram.

          4. Eu não conheço nenhuma linha cristã que siga os ensinamentos de Cristo. Até por que os ensinamentos de Cristo entram em flagrante contradição com os do Velho Testamento. Pelo Velho Testamento, tudo bem assassinar ou roubar alguém, contanto que não sejam fieis a Deus. 😛

          5. Como eu disse, seguir 100% o que Cristo ensinou é IMPOSSÍVEL. Porém, grande maioria das linhas cristãs divergem em pontos SECUNDÁRIOS. Poucos delas (como espírita, católica, etc.) divergem em ponto primário.
            Quanto o Deus do A.T, acho interessante o termo “roubar e assassinar” utilizado por ti, visto que o teu agnosticismo\ateísmo não te dá parâmetro para dizer justificar como errado o roubo e o assassinato.
            Ué, segundo naturalismo estes dois comportamentos deveriam ser “bons”, pois eles levam a espécie mais capacitada (Forte) sobreviver.
            O que dizer então? Qual parâmetro OBJETIVO utilizas para dizer que matar e roubar são errados se no darwinismo naturalista estes comportamentos são vantajosos a espécie (assim como a eugenia, estupro e adultério)?
            Tu utilizas a moral OBJETIVA de CRISTO como base? ;-P

          6. Mentira. Não preciso de Deus para me dizer que roubar ou assassinar é errado. Aliás, se fosse seguir as pistas de Deus, olhando para o mundo natural, aí sim eu acharia que tudo bem roubar ou assassinar — de leões a lagartixas, os bichos vivem “assassinando” outros bichos. E, segundo você, tudo isso aí foi projeto do Criador. Então, veja só o que o Criador estaria nos dizendo…

            Sou agnóstico, o que significa dizer que não descarto nem garanto a existência de Deus, mas para mim está claro que Deus não impõe, ou mesmo sugere, moralidade alguma. A moralidade é um conceito humano, provavelmente nascido da nossa capacidade de empatia (colocar-se no lugar do outro), que por sua vez emana da racionalidade (ninguém consegue instintivamente se colocar no lugar do outro, até onde sei; você precisa de uma teoria da mente para isso, que sabemos que, além dos humanos, alguns animais têm, inclusive, o que reforça que a inteligência é um fenômeno de gradação e não simplesmente de “tem” ou “não tem” no reino animal que nos inclui). Então veja: um primata não-humano é perfeitamente capaz de sentir compaixão. Um cão é capaz se sentir compaixão! E não acho que eles acreditem em Deus — um conceito que serve muito mais ao controle de grupos humanos sob uma autoridade central do que realmente para nos tornar menos violentos, ou morais, ou algo do tipo. Mesmo os ateus seguem um código de moralidade. Aposto que uma pesquisa entre presidiários sobre religião indicará que muitos deles são religiosos, outros não são, e todos roubaram ou mataram do mesmo jeito. Claramente a religião não serve como grande baliza nesse sentido.

            É muito tosco imaginar que você precisa acreditar e temer a Deus para não querer ferir e trapacear o próximo. É mais um sintoma de que, a despeito de ser religioso, a moralidade, a empatia e a tolerância defendidas por Jesus Cristo não são o seu forte. 😉

          7. Acho que o Diogo Morelli não leu o livro “Malleus Maleficarum”.
            Indico com empenho!
            Foi escrito em 1484 pelos monges dominicanos Heinrick Kramer e Jacobus Spreng, e devidamente deferido e proclamado pelo papa “Inocêncio” VIII.
            Uma verdadeira máquina de matar inocentes com as bençãos de Roma.

          8. Mentira? Tu negas que na cosmovisão ateísta assassinar ou doar um órgão a alguém são moralmente similares?
            Tu negas que no ateísmo, o bem e o mal são subjetivos ao desejo pessoal ou coletivo, e que se uma sociedade decide como “certo” enviar os filhos mais fracos as montanhas para morrerem (como espartanos) ou sacrificarem os primogênitos (como os Midianitas), estes comportamentos serão moralmente “bons”?
            Quanto designer na natureza, misturaste alhos com bugalhos. Pela ciência, verificamos que o universo e a vida foram CRIADOS, e só.
            A personalidade do designer cabe as RELIGIÕES explicar e não a ciência.
            O fato de haver animais “matando-se”, não significa que eles não foram criados, porém este comportamento animal, na cosmovisão cristã, é muito bem explicada.
            Quanto a “clareza” do que Deus impõe ou não, pergunto, como podes ter clareza de algo que tens dúvida? Está a ser contraditório neste sentido.
            Na tua fé que a moralidade surgiu do próprio ser humano, pergunto, se a “evolução” é o seu deus, então porque a moralidade não foi moldada conforme este deus? Porque não vemos o estupro, adultério, incesto, eugenia como algo “bom”? Não seria estes comportamentos úteis na cosmovisão que adotaste como fé?
            Se a evolução naturalista fosse um fato e se não houvesse Deus para determinar o que é certo ou não, a “evolução” da moralidade deveria ser O CONTRÁRIO do que temos hoje, ou seja, o estupro, incesto, adultério, assassinato, roubo, eugenia, etc.. seriam comportamentos “bons” que faria o ser humano evoluir e se propagar mais rápido. Não é isso que acontece no reino animal? Não é isso que favorece os mais capacitados sobreviverem?
            Quanto a religião servir de baliza….. percebo que não entendeste o argumento.
            A diferença não está no que o ser humano acredita ou deixa de acreditar. A diferença está na moralidade INTRÍNSECA na qual um Deus poderia proporcionar a cada um.
            Não existindo Deus, não há moralidade objetiva. Não havendo moralidade objetiva “tudo é permitido”
            Quanto sua alegação do cão, supostamente sentir “compaixão”, pergunto, qual é a evidência e corroboração científica que comprove esta tua FÉ? Algum cão já declarou que teve compaixão de alguém?
            Quanto meu compromisso com Jesus, pergunto, quem és tu para julgar-me, visto que nem mesmo em Jesus tu acredita? Não acha este comportamento HIPÓCRITA?
            Pelo visto, os teus “atributos” além da mentira e deturpação, é a hipocrisia.
            Puxa Salvador, realmente esperava mais de ti (na verdade, não esperava não rsrsrs) 😉

          9. Não vou ler a coisa toda. Fico só na primeira linha. Qual lógica diz que assassinar e doar um órgão é a mesma coisa?
            Já estabelecemos que a moralidade vem da capacidade de empatia — de se colocar no lugar do outro e reconhecer o direito dele às mesmas coisas que você deseja, vida, bem-estar, liberdade etc. Não tem nada a ver com um deus cagando regra na sua cabeça. Embora, claro, os sociopatas, incapazes de empatia, talvez só possam ser mantidos sob controle por ameaça de punição (divina ou terrena, tanto faz). Espero que não seja o seu caso.
            Assassinar significa violar os direitos do outro (que, pela empatia, estabelecemos como iguais aos nossos). Logo, mesmo sendo ateu, é uma coisa bem, bem errada.
            Doar um órgão é salvar a vida do outro (que, pela empatia, tem o mesmo direito à vida que qualquer um de nós). Logo, mesmo sendo ateu, é uma coisa bem, bem certa.
            E digo tudo isso não sendo ateu. Como digo e repito, sou agnóstico — acho que é a única posição defensável filosoficamente. O resto é dogmatismo (ser ateu é tão dogmático quanto ser religioso, na minha modesta opinião).
            Só quero estressar que a moralidade NÃO DEPENDE de ter um Deus cagando regra. Até porque, vamos combinar, Ele nunca fez isso pessoalmente até onde podemos provar — os textos religiosos do mundo inteiro foram escritos por humanos, ainda que você acredite que a inspiração é divina. E mesmo Jesus, seu ídolo, teve de assumir forma humana para falar — maior demonstração de que Deus não fala sem um intermediário humano não pode haver, o que torna a existência Dele de saída duvidosa. Por que Deus precisa de você ficar aqui defendendo essas pataquadas todas? Ele não pode me convencer ele mesmo, poupando assim os leitores desses comentários intermináveis? 😛

      2. O ateísmo nada tem a ver com o comunismo, isto é um visão distorcida dos anticomunistas brasileiros para desmoralizar e isolar os comunistas. Muito antes de haver socialismo ou comunismo, já haviam ateus na Europa e nos EUA.

        1. Dizer que o Comunismo não tem nada a haver com o ateísmo seria o mesmo que dizer que o Islamismo, Cristianismo ou Judaísmo não tem nada a haver com o TEÍSMO.
          As religiões são ideologias assim como o comunismo. A diferença é que no comunismo a cosmovisão é ateísta e em qualquer religião a cosmovisão é teísta.
          Com outras palavras, o comunismo é como se fosse uma “religião” do ateísmo. por isso vocês erram ao generalizar as religiões como se fosse uma só. Seria o mesmo que eu generalizar o ateísmo como se TODOS ateus fossem comunistas.

      3. Huahuahuahua!
        O carinha não gostou do “resumão” do Nyco que eu já anuí e assinei embaixo.
        Só o Morelli não sabe que, a mais de dois mil anos (sem intervalo), os ditos religiosos se matam entre si e, pior, continuam a se exterminar movidos pela intolerância religiosa, vide a situação da Síria, Iraque, Israel, Palestina, Paquistão, Afeganistão., etc ..
        Claro que, os odiosos ditadores comunistas mataram muita gente, mas nada se compara com mais de dois mil anos de mortandade entre as diversas religiões.

        1. Nada se compara mesmo. MILÊNIOS de guerras entre religiosos equivalem a SEMANAS de atrocidades cometidas por líderes ateístas 😉

          1. Achar que violência ateísta é melhor ou pior que violência religiosa é patético. É tudo violência e é violência HUMANA. O pomto a enfatizar é: a religião não ajuda em nada a conter a violência humana. Nem o ateísmo. Precisamos, para isso, de uma moralidade não-religiosa que dite que a violência não é justificável em circunstância alguma, seja por diferenças de credo, opinião, etnia ou grupo político. Ainda estamos longe disso.

          2. Jamais acharei uma violência melhor do que outra. Apenas lembrei os ateus desinformados, que a violência cometida por líderes ateus “não fazem cócegas” na violência de outros religiosos NÃO CRISTÃOS (visto que cristo ensinava a PAZ e não a guerra).
            Quanto a Religião não ajudar em nada em conter a violência, eu discordo de ti. Primeiro que há religiões e religiões (parece que tu ainda cometes o erro de generaliza-las), mas falando do cristianismo (puro, aquele que busca seguir os ensinamentos de Cristo), não são poucos os casos de pessoas que se converteram e modificaram radicalmente suas vidas. Temos ex-traficantes, ex-assassinos, ex-ladrões, ex-prostitutas, ex-adúlteros, ex-etc…
            Agora o que devemos ou não precisar, tente imputar uma “moralidade não-religiosa (que é o mesmo que uma moralidade ATEÍSTA) que dite que a violência não é justificável” a estes “ex-criminosos” acimas e vejam se terá resultado.
            Tente dizer, conforme a sua moralidade ateísta (não religiosa), o seguinte a um deles: “Deus não existe, o bem e o mal é relativo a cultura (tornando o comportamento de mascar chicletes ou canibalizar mulheres grávidas, semelhantes), Madre Tereza de Calcutá e Adolf Hitler são iguais, portanto pare de praticar crimes” e veja se eles pararão ou não de comete-los 😉

          3. Acho que, se você lembrar que o ateísmo é uma coisa relativamente recente, e decidir somar todas as atrocidades, fazendo o cálculo de mortes por percentual da população (o dado usual é quantas mortes por cem mil habitantes), ainda vai descobrir que os ateus são relativamente inofensivos, comparados aos guerreiros religiosos. (Talvez só por uma questão de tradição mais curta; com mais mil anos e a eventual predominância do ateísmo no mundo, talvez os ateus se tornem mais perigosos que os religiosos.)

          4. É exatamente o contrário. O Comunismo (doutrina exclusivamente ateísta) matou muito mais em um período curtíssimo de tempo, do que “guerreiros religiosos” (não cristãos, por sinal) em milênios.
            Se nesta proporção o regime comunista se estendesse o tempo em que as religiões guerreiras (não cristãs) se estenderam, o número de mortes seriam incalculáveis.

          5. Mas não foi o comunismo que matou esses caras todos, e sim o stalinismo, o totalitarismo. E isso pode acontecer entre cristãos e não-cristãos. Se for ver, aconteceu mais vezes entre cristãos do que entre não-cristãos. A diferença é que havia menos gente para matar na época em que os cristãos tinham estados totalitários. Os cristãos nasceram perseguidos e se tornaram perseguidores. Nas cruzadas, o que se matou em nome da religião não foi brincadeira. Mas havia menos gente no mundo, então os números absolutos eram menores.
            O ponto é: não dá para falar, “ah, as Cruzadas mataram só umas centenas de milhares, enquanto a revolução comunista russa matou milhões”. Ambos são horrorosos e só provam meu ponto: tanto faz ser religioso ou não para ser um assassino sanguinário. O que importa é ter moralidade e defender a não-violência. E isso passa pela tolerância. Sua discriminação ao ateísmo mostra que você ainda não chegou lá. Quer perseguir os ateus pelos horrores de Lênin e Stálin. Certo. Estamos de olho, meu caro cristão violento e reacionário. 😉

          6. Violento e reacionário???….. HAHAHAHAHAHAHAHAHA
            O que mais eu sou? estuprador de virgens? assassino e canibal de bebês? kkkkkk
            Está a utilizar o mesmo método que pseudos-cristãos e não cristãos utilizavam para perseguir e matar os cristãos primitivos (mentira, calúnia e deturpação)?
            Apesar que este teu comportamento não é de se impressionar (e particularmente, previsível) visto que ele reflete a base moral que possui (provavelmente a naturalista, onde certo e errado são subjetivos ao desejo individual e coletivo)

            Quanto teus comentários, a ideologia ATEÍSTA comunista não somente matou, como MATA (nos países comunistas) mais do que qualquer ideologia teísta.
            O Livro: “O Livro Negro do Comunismo” assim como a história ATUAL, retrata muito bem a quão “inocente” é este regime ATEÍSTA.

            Quanto a tua frase: “Os cristãos nasceram perseguidos e se tornaram perseguidores” pergunto: Que parâmetros utiliza para definir um cristão de um não-cristão?
            Provavelmente tu deves definir um Cristão por aquele que SE DIZ seguir a Cristo, correto?
            Eu defino um cristão por aquele que BUSCA SEGUIR a Cristo.
            Agora pergunto, quem está certo?

            Pois bem o FUNDADOR do cristianismo já respondeu há mais de 2000 anos atrás:
            “”Por que vocês me chamam ‘Senhor, Senhor’ e não fazem o que eu digo? “”(Lucas 6:46)
            “”No entanto, Ele vos afirmará: ‘Não vos conheço, tampouco sei de onde sois. Re-tirai-vos para longe de mim, vós todos os que viveis a praticar o mal! (Lucas 13:27)””

            Portanto, conforme o FUNDADOR do Cristianismo, posso, sem sombra de dúvidas, separar os cristãos dos pseudos-cristãos.
            Que bases utilizas para colocar todos no mesmo balaio? Quem está certo quanto a definição de quem é ou não um Cristão, tu ou JESUS CRISTO (criador do cristianismo)? 🙂

          7. Não, só violento e reacionário mesmo. Você prega contra a ciência e prega contra o ateísmo — como se não fosse direito de cada ser humano acreditar no que bem entender.

          8. Nem um nem outro, pois está a mentir.
            Eu não prego contra a ciência (pelo contrário, eu a desejo que ela seja livre dos dogmas naturalistas, que a prendem) e contra o ateísmo, não há muito o que se pregar contra, visto que esta cosmovisão e sua história se entrega sozinha.
            Acabaram os seus argumentos, Salvador? Está agora de mimimi e mentirinhas?
            Nem parece ter os 37 anos que possui, pelo contrário, este teu “argumento” é típico em adolescentes de 15 anos.
            Esperava mais de ti.

          9. Se você diz que todas as evidências em favor da evolução não são evidências, você está pregando contra a ciência. Não adianta disfarçar, dizendo que gosta de ciência, mas só de “ciência criacionista”. rs
            E, seguindo na linha de argumentação de 15 anos, como você é chaaaaaaato! rs

          10. Na verdade és tu que está a negar a ciência. Eu disse que a “evolução” NÃO É a única explicação para evidências que possuímos. Tu porém fica prezo a esta doutrina NEGANDO as demais explicações científicas NÃO EVOLUCIONISTA. Isso o torna anti-científico.
            Não adianta disfarçar, dizendo que gosta de ciência, mas só de “ciência naturalista”. rs
            😛

          11. É a única explicação. Evolução é a ÚNICA explicação. Fósseis de espécies extintas são demonstrações cabais contra a ideia criacionista. Ou Deus perdeu a receita dos dinossauros? Tirou de linha por quê? rs

          12. Viu só, e ainda diz que EU é que sou contra a ciência. Tu colocas a tua FÉ sobre tudo, dogmatizando uma “teoria” e descartando as demais explicações contraditórias a ela, mesmo que sejam científicas (e muitas vezes empiricamente comprovadas).
            Sendo a evolução um mito (o que certamente é) tu NUNCA chegarás a VERDADE, por esta tua ideia “ciêntífica”
            A Evolução NÃO É a única explicação para as evidências encontradas. Como eu disse e torno a repetir, as MESMAS evidências possuem explicações diferentes, como por exemplo os fósseis e os tecidos “moles” encontrados neles, que são demonstrações cabais de dum catastrofismo hídrico GLOBAL a um tempo NÃO MUITO DISTANTE. (isso sem cotar os registros históricos de povos DISTINTOS que dizem a mesma coisa.

      4. Segundo Freud, em suas obras Totem e Tabu e O Mal Estar na Civilização, o Diogo Morelli está muito mais correto que o Nyco. Depois Jung, sem apelar para o misticismo como querem alguns críticos que não conseguiram entender sua obra, aprofundou (muito) o estudo.

      5. a maioria das religiões pregam a humilhação do próximo porque ele crê em outra fé. Quem não lê a história oficial e aceita o vômito de pastores, dá nisso, todo dia se converte para a nova fé e acha bonito “sacrificar” quem não está no bonde da maldade, digo, fé.

        eu não acredito em deus algum, ainda mais no pai do diabo safado. Mesmo assim não acho justo rogar praga nos outros, mas tem tanto doido cuspindo praga por aí e se achando o santo, tantos outros pensam que estão convertendo o pobre desgraçado sem alma.

        então, se deus pai do diabo existe porque o povo vai ao hospital? fica somente na igreja e pronto.

  16. Que entrevista maravilhosa !!!!!!!!!!
    O entrevistador e o entrevistado fazem parte dos meus “Top 25” da atualidade.
    Obrigado e parabéns pelo teu trabalho.
    Abraços

  17. AFF que banca o inteligente mais aposto que nunca leu nem metade da biblia. E quando ia pro culto fingia que tava prestano atençao. Irmão que assiste esse blog nao caia nessa

    Já viram o nome dele: >>>>SALVADOR? pq ele escolheu esse nome??? pra engana a gente que é de Cristo.

    Faiz uma pergunta dificil pra ve se ele sabe: tipo se o barro que Deus fez agente era integral ou foi processado?

    1. Huahuahau, meu bisavô se chamava Salvatore. Meu pai se chama Salvador Neto. E eu sou Salvador. Nascemos em meio à tradição cristã, então faz certo sentido. Mas não, eu não quero enganar ninguém dizendo que sou de Cristo. Acho que Cristo, a propósito, nunca se considerou DONO de ninguém, e o mesmo vale para o Pai dele — daí o livre arbítrio.

    2. Mais um evanjegue cholão! Eles estão se multiplicando como coelhos! (afinal usar camisinha é pecado, então até que faz sentido…)

      AHAHHA

      Chola mais.

      1. Acho que aí pegou pesado. Não precisamos ofender as pessoas, apenas criticar/refutar as ideias. Natural que religiosos fiquem bravos com o que o Neil disse. A verdade dói. 😛

        1. Mas vc gosta de por lenha na fogueira, Salva… Tinha que perguntar pro Neil sobre deus? Acho que ele deve tar de saco cheio de responder sobre esse assunto hehhe.
          Mas deixando essa parte, gostei muito da entrevista, parabens. 9/10
          🙂

          1. Ele ESCREVEU sobre isso no livro. Se eu estou falando sobre o livro, seria absurdo eu não mencionar um dos tópicos mais abordados nele. 😛

          2. É, imaginei que fosse esse o motivo.
            Mas como eu escrevi, acho que eh muita lenha pra fogueira religiosa. Acho que ja foi gasto muito recurso (por exemplo, o seu tempo, Salva) respondendo e comentando sobre esse tema. Acho que eh hora de simplesmente ignorar…

    3. Você poderia diminuir seu tempo lendo a bíblia e ler um pouquinho mais algo sobre português. Acho que seria mais útil a você na atual circunstância que se encontra.

    4. Pedro, eu até já tentei ler a Bíblia, mas desisti e parei de ler naquela parte que diz assim: “No princípio criou Deus o céu e a terra…”

  18. Ótima entrevista! Muito obrigado por disponibilizá-la! Adorei particularmente a forma pela qual Tyson entra no debate ciência e religião. Ainda que não concorde com a opinião dele (soa meio arrogância científica acreditar que apenas pode haver convergência entre os dois se a religião se “render” à ciência, e nunca a ciência aceitar princípios religiosos verificáveis mas ainda não comprováveis – possibilidade que ele mesmo aceita existir) gostei demais do modo como ele entende que Deus pode ser comprovado. Legal mesmo! Ajuda a entender o modo como ele enxerga o universo. Salvador, poderia ter feito alguma pergunta sobre o “Deus” de Einstein, acho que teria sido bacana neste ponto da conversa!

    Também gostei demais da parte sobre liberdade de expressão. Aqui não poderia concordar mais com ele. Demais!! E seu blog cada vez melhor, parabéns! E reforço o pedido que alguém fez, se fosse possível disponibilizar o vídeo cru, sem legenda mesmo, já seria muito legal! Pelo menos quem entende inglês já poderia se deliciar com as ótimas tiradas do Tyson. Quem não entende ficaria com a entrevista transcrita que está muito bacana também!!

    Valeu, Salvador! Abraço!

    1. Vamos ver, Vitor. Talvez eu use o vídeo todo mais adiante, assim como o do Buzz Aldrin. Por enquanto, fiquem felizes com o que aí está. 😛

    2. Faça da ciencia sua religiao!
      Cientologia…? Ops, melhor nao 🙂
      Mas falando serio, pq nao tratar a ciencia como o mesmo fervor que a religiao? Por que sempre tem que ter um deus no meio? Fica mais facil de aceitar que nao sabemos muita coisa.
      Ps.: so respondi seu comentario pq vc parece esclarecido, comentario de fanaticos nao respondo 😉

      1. Sobre Deus a verdade é que não sabemos nada! E particularmente gosto disso. Minha posição pessoal é que ciência e religião deveriam andar juntas, nunca separadas. Trata-se de modos de apreender a realidade muito mais complementares do que se pensa em geral. Na verdade o divórcio entre os dois têm data definida (séculos do Iluminismo) e motivo definido (ruptura da crescente burguesia com a nobreza, a Igreja e os dogmas que ambos impunham à sociedade). Bem, acredito que nunca deveria ter acontecido tal divórcio. A humanidade sem dúvida ganharia muito mais com o diálogo franco e aberto entre cientistas e religiosos, sem fanatismo algum de parte a parte, de modo que não existisse um ou outro, mas sim que todos usassem de todas as ferramentas – sensóreas, extra sensóreas e racionais – pra explicar o universo. Minha opinião. E também só lhe respondi porque a pergunta foi feita com respeito e sem fanatismo. Realmente não tenho paciência alguma pra dogmatismos, também.

    3. “princípios religiosos verificáveis mas ainda não comprováveis – possibilidade que ele mesmo aceita existir”
      Por obséquio, pois não sou tão bom em interpretação de texto: Em qual parte ele diz isso?
      Obrigado por compartihar conosco Salvador. Foi uma das entrevistas mais objetivas do Neil sobre religião que já li.
      Ps. A poucos dias atrás, um repóter conservador mexeu com ele, e levou um esfregão daqueles.

      1. Bem, se entendi corretamente, a partir do momento em que ele diz que existem verdades abstratas que não necessariamente são verificáveis no mundo físico, mas que são convincentes o suficiente pra fazer uma pessoa crer em qualquer coisa ainda que não se possa comprovar porque (adorei essa parte em que ele diz algo como “a menos que estudemos as ligações neurais…” As tiradas dele são ótimas!) então, sim, acho que ele está falando de algo verificável a ponto de um ser humano crer mas não comprovável, uma vez que não necessariamente atua no mundo físico. Acho que é isso na minha humilde opinião

  19. Grande entrevista Salvador, sem palavras,
    Pena que ainda não saiu na home da UOL
    Muito mais interessante é saber quem a Rihanna está pegando.

  20. Muito bom. Parabéns!
    … mas achei meio exagerado esse negócio de deus e religião.
    Parece que o conceito (deus) perturba demais nossa sociedade, falar sobre o assunto é como assoprar as brasas de uma fogueira moribunda. Você acaba por reacende-la.

    1. A última parte do livro dele aborda isso. Eu seria desonesto se não tocasse no assunto. Mas tentei representar um contraponto e tornar o debate interessante, em vez de meramente dizer amém. Não devemos tratar qualquer assunto como tabu, mas temos a obrigação de apresentar sempre o contraditório. 😉

  21. Concordo que você deve respeitar a “opinião” do outro e até mesmo o direito que este tem de divulgar seu ponto de vista. Acredito que devemos nos ater aos nossos princípios, mesmo sendo retrógrado mas também devemos estar abertos, ter mente aberta e a sensatez de perceber que estamos errados e nos retratar. De fato, a VERDADE LIBERTA e nos fortalece, tornando-nos menos manipuláveis. Mas a verdade é que o homem é um verdadeiro manipulador de palavras e verdades. Se DEUS nos quisesse ignorantes não nos teria abençoado com as inteligências e o bom senso.

  22. Ótima entrevista! A alfabetização científica é algo realmente fundamental, e cientistas como ele e o Brian Cox são especialistas nisso.

    Salvador, a entrevista foi tão descontraída quanto pareceu?
    Parabéns!

    1. Foi divertida! Ele é um cara com bom humor e tentei fazer perguntas engraçadas de vez em quando.

  23. mas essa primeira foto do tyson foi sakanagem hein??????? kkkkkkkkkkkkk

    parece um gayzão véio………………………kkkkkkkkkkkkkk

    1. É um meme conhecido, por isso usei. Ela é usada justamente pra satirizar idiotas que se acham fodões. 😛

    2. kkkkkkk..faz sentido, sempre achei que o mensageiro era gay……..kkkkkkkkk…….

      e sua claque acompanha….kkkkkkkkkkkkk

      1. CHOLA MAIS, Júnior, CHOLA!

        AHHAHAHA

        Você deve ser muito masoquista, odeia o que o Salvador escreve, mas não só perde tempo pra entrar aqui e LER como também COMENTA!

        Você se odeia, fala a verdade!!!

        CHOLÃO!

        1. Caras, acho que vocês têm um lance aí mal resolvido. Mas tudo bem, cedo ou tarde essas coisas se resolvem. 😉

          1. Isso se chama PROJEÇÃO. Bando de viado que deve ter paixonite reprimida por você, e ficam falando que os outros que são gays.

            Típico. Eu explico.

  24. Simplesmente sensacional, ri e reli umas 5 vezes esse texto nesta manhã! Eu AMO esse cara, a forma dele falar é extremamente cativante, não canso de ver vídeos de aulas e palestras dele (também sou muito fã do brian greene e do laurence kraus).

    Salvador eu estou no trabalho e aqui é bloqueado o acesso a vídeos, como vc costuma responder antes de eu chegar em casa a noite, mate minha curiosidade!

    A entrevista foi pessoalmente ou via conferência (skype)? Se foi pessoalmente (ou virtual também vai) tinha mais alguém junto? Pergunto isso pois lendo a entrevista fiquei imaginando como seria fantástico estar com vcs durante esse bate-papo! Então se por ventura algum afortunado veio a ter esse privilégio, foi um sujeito de sorte!

    A propósito, existe a possibilidade de vc disponibilizar o vídeo (ou audio) completo da entrevista?

    No mais, muito obrigado por nos presentear com mais esse conteúdo!

    1. Ítalo, foi via skype, só havia nós dois na ligação e não pretendo soltar o áudio ou o vídeo completos, pelo menos a priori, porque exigiria legendagem para se tornar inteligível ao público, o que daria um trabalhão.

      1. Obrigado pela resposta Salvador, mas pensa com carinho na possibilidade de soltar o vídeo completo, acredito que o resultado valeria muito a pena o trabalho da tradução!

  25. quando ele diz que: “;…. eu sou um fracasso”.

    Concordo plenamente! Esse cara é um mané mesmo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! kkkkkkk

      1. Acredito que ao acusá-lo de ser um cópia “paraguaia” do Carl Sagan, você está sendo racista. E antes foi homofóbico. Continue assim. Quem sabe você vai preso até o fim do dia? 😛

        1. kkkk……e você provavelmente vai junto para cela….com seus comentários preconceituosos contra chineses (ching ling…..etc…..) lembra?????????????????????????

          kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk…telhado de vidro…….kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

          1. Não fiz comentário preconceituoso nenhum. Eu fiz uma piada. Na ocasião, estava ELOGIANDO a missão chinesa. Mas você claramente está criticando. Ademais, concordo com o EuTM. Deve ser triste vir aqui todo dia — e seu comentário relembrando a Chang’e 3 mostra que vem mesmo — e me odiar. Espero que você encontre alguma medida de felicidade e bem-estar na sua vida em algum ponto do futuro.

          2. Entendemos. Se o Apolinário viesse toda vez que surta já teria perdido o crédito por aqui…
            JR faz bem o papel…

      2. Então é masoquista, porque odeia o cara, odeia o blog, odeia o Salvador, mas cá está, todos os dias LENDO, VENDO OS VÍDEOS e COMENTANDO!

        Além de CHOLÃO é DOENTE MENTAL!

  26. Adorei toda entrevista,pois tornou minha manhã bem melhor.Adorei também o trecho onde o entrevistado diz:”…porque inovação flui da liberdade de pensamento,não da contenção do pensamento que acontece quando você precisa aderir a doutrinas prescritas.”.Simplesmente lindo!
    Os seres humanos ainda precisam aprender muito sobre o Universo em que se encontram.
    Abraços para você,Salvador!

Comments are closed.