Mensageiro Sideral

De onde viemos, onde estamos e para onde vamos

 -

Salvador Nogueira é jornalista de ciência e autor de 11 livros

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Astronomia: Busca por planetas em Alfa Centauri

Por Salvador Nogueira

Telescópio passa por atualização para procurar planetas terrestres em Alfa Centauri.

ALÔ, VIZINHO
A busca por planetas em Alfa Centauri, o sistema estelar mais próximo do nosso, a 4,3 anos-luz daqui, está prestes a entrar numa nova e empolgante fase. Um instrumento instalado no VLT (Very Large Telescope), o mais avançado observatório óptico do mundo, no Chile, será modificado para tirar fotos de possíveis planetas que existam por lá.

A CONTA, POR FAVOR
As modificações necessárias no instrumento Visir, um imageador e espectrômetro de infravermelho, serão bancadas pelas Breahthrough Initiatives, um conjunto de ações financiadas pelo magnata russo Yuri Milner para buscar evidências de vida fora da Terra e desenvolver as tecnologias requeridas para missões interestelares ainda nesta geração.

O MUNDO DE PROXIMA
O ano passado já foi empolgante para os fãs de Alfa Centauri, quando cientistas descobriram um mundo de porte similar ao da Terra ao redor de Proxima Centauri. Conhecida também como Alfa Centauri C, ela é a menor das três estrelas do sistema. Agora, a ideia é usar o VLT para buscar mundos parecidos com o nosso nas duas irmãs maiores de Proxima, Alfa Centauri A e B.

SEM GIGANTES
Observações anteriores já descartaram a existência de planetas gigantes por lá, como Júpiter ou Netuno. Mas astros menores ainda podem existir. Será? A distância entre as duas estrelas é de cerca de 11 unidades astronômicas — mais ou menos a mesma que separa o Sol de Urano, o sétimo planeta da família solar. Talvez a proximidade tenha atrapalhado a formação de planetas. Talvez não.

NOVA TEMPORADA
A busca já dura décadas, e teve alguns quases. Em 2012, um grupo chegou a anunciar a descoberta de um planeta com o tamanho da Terra em uma órbita rápida em torno de B. No fim, rolou um “desculpe, foi engano”. Em 2015, o Hubble foi usado e ofereceu pistas de um possível planeta, de órbita mais longa. Mas o resultado foi inconclusivo. Com as modificações no VLT, finalmente teremos respostas. A expectativa é que o sistema esteja pronto para iniciar observações em 2019.

A coluna “Astronomia” é publicada às segundas-feiras, na Folha Ilustrada.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook, no Twitter e no YouTube

Blogs da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade