Mensageiro Sideral

De onde viemos, onde estamos e para onde vamos

 -

Salvador Nogueira é jornalista de ciência e autor de 11 livros

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Astronomia: O cérebro dos astronautas

Por Salvador Nogueira

Estudo mostra que o cérebro dos astronautas se transforma quando eles estão no espaço.

PESO DE ESTAR SEM PESO
Levar astronautas a Marte em duas décadas, como defende a Nasa, exigirá que compreendamos em detalhes o que ocorre com o organismo humano quando submetido a longos períodos sem a sensação de gravidade. Depois de mais de 50 anos de voo espacial, já conhecemos bem diversos desses efeitos.

INSUSTENTÁVEL LEVEZA
Sabemos que a ausência de peso faz com que os viajantes cósmicos sofram perda de massa muscular e óssea. Também há relatos de problemas oculares, possivelmente por conta do aumento da pressão no crânio quando ele é exposto a condições de microgravidade.

E O CÉREBRO?
Curiosamente, até hoje, ninguém estudou o que acontece num voo espacial ao mais importante dos órgãos humanos, o cérebro. Eu disse “até hoje”. Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Michigan, nos EUA, acaba de fazer a primeira investigação a esse respeito, com resultados intrigantes.

VOOS CURTOS E LONGOS
Os pesquisadores usaram ressonâncias que a Nasa costuma fazer em seus astronautas, antes e depois de voos espaciais. Para a pesquisa, o grupo de Rachael Seidler selecionou os dados de 27 astronautas, dos quais 13 fizeram missões de até duas semanas nos ônibus espaciais e 14 passaram cerca de seis meses na Estação Espacial Internacional.

MENOS MASSA CINZENTA
O estudo mostrou mudanças significativas no cérebro — e elas são mais acentuadas em quem passou mais tempo no espaço. O volume de massa cinzenta se reduz em vastas regiões do cérebro, conforme ele tem de lidar com a redistribuição de líquido por conta da ausência de peso.

MAIS MASSA CINZENTA
Há também áreas cerebrais em que há crescimento de massa cinzenta — as responsáveis por processar os sentidos e coordenar os movimentos. Provavelmente isso é resultado do intenso processo de adaptação a que os astronautas estão sujeitos durante a microgravidade. Algum desses efeitos é preocupante e pode nos impedir de ir a Marte? Não dá para saber até que os entendamos com clareza. Esse foi só o primeiro passo.

A coluna “Astronomia” é publicada às segundas-feiras, na Folha Ilustrada.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook, no Twitter e no YouTube

Blogs da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade