Mensageiro Sideral

De onde viemos, onde estamos e para onde vamos

 -

Salvador Nogueira é jornalista de ciência e autor de 11 livros

Perfil completo

Publicidade

Astronomia: Fotografando um buraco negro

Por Salvador Nogueira

Projeto inicia observações para tentar fotografar o buraco negro no centro da Via Láctea.

FOTO DO INVISÍVEL
Já começou um esforço sem precedentes para realizar um dos objetivos mais ousados da história da astronomia: fotografar um buraco negro. O projeto se chama Event Horizon Telescope e seu principal alvo é conhecido como Sagitário A* — nome que os astrônomos dão ao buraco negro gigante que mora no coração da Via Láctea.

UÉ?
Você pode estranhar a ideia de fotografar um objeto desses. Não é verdade que os buracos negros são astros de onde nem mesmo a luz pode escapar? Como então os astrônomos poderiam ver algo que não emite luz? Bem, tudo isso está certo. E, tecnicamente, o que eles querem ver não é o buraco negro em si, e sim a fronteira a partir de onde a luz não pode mais escapar — o chamado horizonte dos eventos. Em essência, uma bolota preta.

GRANDE, MAS PEQUENO
Não será fácil. Sagitário A* está a 26 mil anos-luz daqui e tem massa de 4 milhões de sóis. Apesar disso, seu diâmetro é modesto: menos de 40 vezes o do Sol. Complicado enxergar uma bolota preta desse tamanho a 26 mil anos-luz de distância.

AS PISTAS
E como sabemos que ele está lá, para começo de conversa? Bem, além de ele emitir rádio conforme mais matéria cai em seu interior, podemos calcular sua massa pela órbita das estrelas que giram ao redor dele, no centro da galáxia.

INTERFERÊNCIA
O Event Horizon Telescope pretende combinar diversos radiotelescópios, como os do VLA, nos EUA, e os do Alma, no Chile, com uma técnica chamada interferometria. Na prática, é como se as diferentes antenas gerassem uma imagem equivalente à que seria obtida por uma parabólica gigante, do tamanho da Terra. Para ter uma ideia do poder, a resolução seria suficiente para enxergar a costura numa bola de beisebol a 12 mil km de distância.

EM BREVE
Claro que combinar todos os dados brutos para gerar a imagem vai dar um trabalhão. Por isso, embora as observações já tenham começado, os cientistas esperam só ter a primeira fotografia de um buraco negro, se tudo der certo, no começo do ano que vem.

BÔNUS
Confira a entrevista que o Mensageiro Sideral fez com João Paulo Guerra Barrera, 7, ganhador do concurso da Nasa sobre colonização espacial.

A coluna “Astronomia” é publicada às segundas-feiras, na Folha Ilustrada.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook, no Twitter e no YouTube

Blogs da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade