Detecção de hidrogênio indica que lua Encélado tem ambiente favorável a micróbios, diz Nasa

A sonda Cassini conseguiu detectar hidrogênio molecular em meio às plumas de água ejetadas da lua Encélado, de Saturno. O achado confirma a hipótese de que o oceano global que existe sob a crosta de gelo desse pequeno astro seria capaz de abrigar formas de vida similares às existentes na Terra. O resultado foi divulgado pela Nasa nesta quinta-feira (13), em entrevista coletiva, e publicado na edição desta semana da revista “Science”.

VEJA A COLETIVA DA NASA COM TRADUÇÃO SIMULTÂNEA

Em 28 de outubro de 2015, a Cassini fez seu mais intenso mergulho pelas plumas que emanam de fissuras no polo Sul de Encélado. Passando a menos de 49 km da superfície da lua, ela usou um instrumento projetado para analisar a composição de moléculas no seu caminho — o Espectrômetro de Massa Neutro e Iônico — para confirmar a presença de hidrogênio (H2) nas plumas.

O achado é importante por diversas razões. Em primeiro lugar, ele é uma confirmação independente de que o oceano subsuperficial de Encélado está em contato com um leito rochoso — como os da Terra — e é palco de atividade geotérmica — como os da Terra. Medições anteriores do conteúdo das plumas já haviam detectado a presença de dióxido de silício, o que era um indicativo claro de que havia forte interação entre água e rocha lá embaixo.

Os cientistas esperavam, contudo, que qualquer atividade de fonte hidrotermal, como as fumarolas que existem no leito dos oceanos terrestres, também pudesse gerar hidrogênio, a partir da interação da água com componentes ferrosos. Na Terra, essa geração de H2 alimenta o metabolismo de algumas das mais antigas criaturas unicelulares da Terra, os metanógenos. São bactérias que combinam hidrogênio e dióxido de carbono, gerando metano como subproduto.

Daí a gana de procurar o gás nas plumas de Encélado. E a busca deu resultado. Analisando os dados, os pesquisadores liderados por J. Hunter Waite, do Instituto de Pesquisa do Sudoeste, em San Antonio, concluíram que entre 0,4% e 1,4% do conteúdo das plumas é H2. Essa quantidade, se refletir o conteúdo do oceano interno, está em desequilíbrio termodinâmico — modo chique de dizer que é necessária uma fonte constante a reabastecer o hidrogênio por lá. Isso, por si só, corrobora a ideia de que a produção do gás tenha relação com atividade hidrotermal no leito oceânico.

Modelo da estrutura interna de Encélado, com seu oceano global descoberto pela sonda Cassini (Crédito: Nasa)

E veja só que interessante: além de detectar o hidrogênio, a Cassini também detectou dióxido de carbono (entre 0,3% e 0,8% do conteúdo das plumas), o que significa dizer que os dois gases essenciais ao metabolismo das bactérias metanogênicas estão presentes no oceano de Encélado. “A abundância relativamente alta de hidrogênio na pluma sinaliza um desequilíbrio termodinâmico que favorece a formação de metano a partir de CO2 no oceano de Encélado”, escreveram Waite e seus colegas na “Science”. Traduzindo do cientifiquês: se houvesse metanógenos por lá, eles iam se refestelar.

Quanta energia exatamente está disponível para ecossistemas em Encélado? Durante a coletiva, Chris Glein, co-autor do estudo, afirmou: “Fizemos a primeira contagem calórica de um oceano alienígena”. Ao ser questionado sobre qual era essa contagem calórica, ele deu uma resposta engraçada: “300 pizzas por hora”.

E quer algo ainda mais intrigante, para fechar a conta? A Cassini também detectou nas plumas 0,1% a 0,3% de metano — o produto do metabolismo dos metanógenos!

Podemos abrir a champanhe então? Detectamos evidência de vida em Encélado? Não, calma lá. Repita comigo o mantra de Carl Sagan: “Afirmações extraordinárias exigem evidências extraordinárias”. É totalmente plausível que o metano detectado não tenha origem biológica — há outros mecanismos que sabidamente poderiam produzi-lo.

Além disso, há uma questão importante sobre a idade de Encélado — recentemente alguns cientistas começaram a suspeitar que a lua possa ser relativamente recente, com coisa de 100 milhões de anos. Ela teria nascido do colapso de um antigo sistema de satélites saturnino, e o mesmo processo, por sinal, teria dado origem aos famosos anéis do planeta. Se esse for mesmo o caso, talvez não tenha havido tempo suficiente para a vida se desenvolver por lá.

O que podemos afirmar com segurança é que, se as conclusões dos cientistas estiverem corretas, Encélado de fato preenche os três requisitos básicos de habitabilidade: água líquida (os pesquisadores estimam que o oceano lá seja um pouco mais alcalino que os nossos, com pH entre 9 e 11, contra cerca de 8 dos terrestres), compostos orgânicos (o metano não nos deixa mentir) e uma fonte de energia (atividade hidrotermal produzindo hidrogênio a partir da água). E isso é uma grande coisa para uma pequena lua saturnina. Quem diria, antes da Cassini, que essa modesta bola de gelo de 504 km de diâmetro, recebendo apenas um centésimo da luz solar que a Terra recebe, pudesse ser um abrigo para a vida?

As plumas de Encélado, além de terem revelado a habitabilidade da lua, ainda podem nos dar acesso facilitado ao conteúdo do oceano interno, de forma que não seria impensável no futuro detectarmos evidências de vida lá, caso ela exista.

Infelizmente, contudo, essa busca terá de esperar. A Cassini, além de não estar equipada para estudar moléculas orgânicas complexas, está chegando ao fim de sua vida útil. Com efeito, a sonda realizou seu 22o e último sobrevoo de Encélado em dezembro de 2015 e terminará sua missão num mergulho espetacular em Saturno em 15 de setembro próximo.

Com isso, os olhos da Nasa se voltam para outra lua-oceano do Sistema Solar: Europa, de Júpiter. Na coletiva da Nasa, por sinal, ela também foi assunto.

Concepção artística das plumas de Europa detectadas pelo telescópio Hubble. (Crédito: Nasa)

AS PLUMAS DE EUROPA
William Sparks, do Instituto de Ciência do Telescópio Espacial, em Baltimore, apresentou os últimos resultados obtidos com o Telescópio Espacial Hubble na tentativa de medir a presença de plumas também na lua Europa, de Júpiter. Já se sabe desde o fim dos anos 1990, graças à sonda Galileo, que ela também abriga um oceano de água líquida potencialmente habitável em seu interior.

A grande novidade recente, contudo, foi a determinação de que ocasionalmente Europa também tem plumas de água sendo ejetadas para o espaço — algo que a Galileo não viu durante sua missão joviana. O Hubble observou traços do que podem ser plumas em 2014 e 2016, e sua localização coincide exatamente com o local da superfície de Europa em que a Galileo detectou uma anomalia térmica — uma região mais quente da superfície. As duas observações juntas dão grande confiança de que, a exemplo de Encélado, Europa também tem ejeções regulares de água para o espaço.

Com isso, aumenta a esperança de que a missão Europa Clipper, que a Nasa pretende despachar para lá no começo da década de 2020, possa analisar as plumas europanas com ainda mais detalhes que a Cassini investigou as de Encélado.

Caso os cientistas estejam certos ao pressupor que o surgimento da vida depende apenas de condições similares às que reinavam no fundo dos oceanos da Terra há 4 bilhões de anos, tanto Europa quanto Encélado são ótimas apostas para a busca por sinais de biologia extraterrestre em nosso Sistema Solar. Se algo será encontrado ou não, ninguém sabe. Esse, afinal, é o sabor da ciência: se soubéssemos de antemão as respostas, nem faria sentido procurá-las.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook, no Twitter e no YouTube

Comentários

  1. Desculpe mestre Salvador, mas não vejo nada relevante nesse fato, afinal o hidrogênio não é a substância mais abundante no universo?

    1. É, mas essa abundância não se manifesta em corpos pequenos, porque o hidrogênio é leve demais e se perde facilmente para o espaço. Ou seja, o hidrogênio molecular detectado pela Cassini não estaria lá a essa altura se ele tivesse sido incorporado à lua durante sua formação. A única explicação para ele é que ele seja gerado em fontes hidrotermais a partir da água, H2O.

    1. Parece-me uma descoberta ainda muita controversa, como a própria reportagem relata, e mostra que, mesmo que vida “animal” (ou seja, de eucariontes, mas não necessariamente multicelular) seja possível num ambiente anóxico, é muito limitada. Acho mais provável que esses organismos estejam pegando oxigênio de algum lugar num ambiente largamente anóxico do que que estejam de fato vivendo sem oxigênio. E esse papinho de “não conseguimos levar a laboratório para estudar” parece bem pouco convincente. Qual é a imensa dificuldade de selar uma amostra e trazer para cima, transplantando para um ambiente desprovido de oxigênio?

      1. E a pressão, Salvador? Há 3500 metros abaixo da superfície, a pressão é imensa… Acho que deve haver tecnologia para trazer uma caixa lacrada com material do lugar, mantendo a pressão interna… Aguardemos a evolução das pesquisas, sempre com o ceticismo científico.

          1. Sei lá, a notícia fala que o ponto da descoberta foi a 3500 metros de profundidade… Ou tem erro aí.
            Concordo com seu ceticismo, seguindo a Lei No. 1 de Carl Sagan “Afirmações extraordinárias tem que ter evidências extraordinárias”. 🙂

            E a fonte da notícia é a BBC, cujo histórico de erros e má informação em ciências, pelo menos nas notícias do UOL, já é conhecido… 🙁

            O pior é que elogiei a notícia no site e a publiquei no Facebook, agora me arrependo…

      2. Salvador, você critica a argumentação dos criacionistas, mas quando foge a tua retórica, você faz o mesmo, como se tudo coubesse dentro do teu caderno de anotações!
        dai digo nem tudo decorre dentro da mesma linha da ciência convencional, já que ate a mesma a emenda quando existe lacunas não “entendíveis!
        (dês-paradigmando)Na verdade nós não precisamos do oxigênio, nos só precisamos do harmônico do O2=12=6+6 , dai o fosforo=P13, si=12+1, que vai se harmonizar no 2H=1He!
        já encontraram moléculas a base de fosforo em um lago do canada como tinha postado antes!
        Por isso que o silício não reage no organismo, assim como usamos , como acidulante a molécula do AS.
        já sei vai dizer que não faz sentido?e nunca passamos da estaca zero!
        estou dizendo do “espirito” da coisa! ir-vir=ação e reação, o verbo “estar” vivo!
        Da mesma forma que o núcleo do DNA e RNA tem 4 bases, 3+3+3+3=12, o genoma esta codificado, e eles nunca vão conseguir decodifica-lo,em quatro letras, enquanto não absorverem o conhecimento da “hexonalidade” da matéria, no caso a duo-hexonalidade.
        dai desenvolverem a matemática quântica computacional, capaz de traduzir todas reações harmônicas possíveis!e decodificar os genomas!ao invés disso eles ficam só manipulando e emendando os harmônicos, sem saber o quê?, pra não dizer! , não estamos entendendo nada disso aqui!
        se esta que; um super computador estaria capaz desse feito!
        Acho que pelo menos dentro de um planeta do tamanho da terra, ele conseguiria!
        ! dai nano tecnologia e Ciborgs!
        Por isso disse la atrás , “AS PESSOAS COSTUMAM ODIAR, AQUILO QUE NÃO CONSEGUEM ENTENDER!”, não me odeiem caros pseudo-salva cientistas! rsrs!

  2. Segundo o astrofísico João Steiner, existem mias de 120 tipos de moléculas orgânicas no espaço interestelar identificados através da emissão de luz em comprimento de ondas particulares e pelo espectro de radiação eletromagnética que cria assinatura e caracteriza uma estrutura fundamental apresentando átomo de carbono ordenados numa única cadeia linear. Essas moléculas são indícios de que são espalhadas através de algum meio e potencializadas nos planetas, que teria dado o surgimento de vidas tanto aqui na terra como porventura em outros planetas fora do Sistema Solar.
    Aos leitores deste blog, gostaria de informar que, hoje sábado às 20:30hs têm Matéria de Capa abordando a descoberta de novos planetas habitáveis, não sei se o Salvador estará sendo entrevistado.

      1. Na verdade o programa fez um mix do conteúdo anterior, acrescentando a matéria acima em questão sobre detecção de hidrogênio molecular na lua Encélado.
        Muito bom a sua participação Salvador, continue sempre assim de forma esclarecedor, sem as quais o programa parece perder a sua identidade.

    1. Pois é Salvador, fui pesquisar na internet e achei uma música chamada “Nem Eu” do seu xará Salvador Sobral. Isso me parece uma paródia acima, ou será que estou enganado! Será que tem alguém trajado de político que fala uma coisa e depois se justifica com outra nesse blog? Não me parece tão estranha a interpretação do texto acima para quem tem mais de três décadas de conhecimento na astrofísica, e ainda contando com João Steiner, o melhor que se tem hoje nessa área. Calúnia para a pessoa não é, mas para a ciência é, com essa letra meio vaga.

      1. Tudo bem Salvador, eu seu que vc estava comentando com outros leitores após esse horário. Fiquei esperando até agora, e nada de vc se manifestar. Já que é assim, não faça mais nenhum tipo de conotação falsa em cima do meu comentário. Nunca fiz nenhum tipo pergunta a vc nem a ninguém, o meu perfil sempre foi fazer comentário baseado na verdade da ciência e não na especulação inútil como muitos andam fazendo poraí.

          1. Vou ver o que é. Não enxergo o contexto aqui na ferramenta de aprovação dos comentários.

          2. Não fiz graça, Mario. Quando disse “Nem eu. rs”, não fazia referência a música alguma, apenas ao fato de que eu mesmo não sabia de fato se ia aparecer no Matéria de Capa. Sei que não gravaram entrevista nova, mas nada impediria que reciclassem uma antiga. Por isso, quando você disse “não sei se o Salvador estará sendo entrevistado”, eu respondi: “Nem eu. rs”

            Às vezes um charuto é apenas um charuto, já dizia Freud. rs

          3. Agora está explicado, Salvador! Se vc tivesse referindo ao comentário do João Steiner sobre a existência de mais de 120 tipos de moléculas orgânicas no espaço interestelar, a minha iterpretação é de que vc não gosta da citação de outros autores nesse meio, já que vc ganhou empatia com Marcelo Gleiser e é fã dele. Então essa frase seria muito pertinente a ponto de ficar na lógia restrita da ciência. Então as pazes estão feitas publicamente aqui somente entre nós. Rs. Mas quanto a entrevista na Matéria de Capa, vc falou do Encélado que é uma matéria recente, convém verificar!!! Abraços Salvador. E como eu te trato sempre, “nobre Salvador”.

          4. Eu falei de Encélado sim, mas foi antes desse anúncio da Nasa. Me fizeram uma pergunta genérica sobre o legado da Cassini, cuja missão está acabando. 😉
            Sobre preconceitos com cientistas, chega a ser paranoia sua. Eu tenho um contato muito mais próximo com o Steiner, por sinal, que me convidou para ser o editor do jornal da Assembleia Geral da IAU que aconteceu no Rio de Janeiro em 2009, do que com o Gleiser, que encontrei apenas algumas vezes em eventos, mas com quem nunca trabalhei em proximidade.

          5. Acho que o Mário tá precisando de um charuto. Lembrando que nem sempre um charuto é apenas um charuto.

  3. Segundo o astrofísico João Steiner, existem 120 tipos de moléculas no espaço interestelar através da emissão de luz em comprimento de ondas particares

  4. Ambiente favorável para alguma coisa existir em algum lugar não significa necessariamente que exista, mas por outro lado, um ambiente desfavorável também não significa que não exista, uma vez que há possibilidade de adaptação a esse ambiente de alguma forma. Resumo da ópera, continuamos exercitando nossa imaginação, sem evidências mais sólidas

    1. Você está perdendo o foco. Estamos aprendendo mais. Se por um acaso descobrirmos no futuro que esses lugares todos têm condições para a vida, mas não têm vida, aprenderemos que não bastam apenas as condições para a vida surgir. E essa é uma informação muito importante, que nos coloca mais perto de entender nossas próprias origens. Você se esquece de que o objetivo principal é entender a natureza da vida no Universo, e não simplesmente encontrar vida ali ou acolá. É entender se fazemos parte de um fenômeno incomum ou comum. Nesse sentido, a descoberta em Encélado é *muito* importante e eu dificilmente diria que ela carece de evidências mais sólidas ou tem relação com a nossa imaginação. A descoberta é muito clara: o oceano de Encélado poderia dar apoio a metanogênese, um dos metabolismos mais comuns e antigos da vida terrestre. Não é uma baita informação concreta essa?

      1. “Se por acaso descobrirmos no futuro que estes lugares todos tem condições para a vida, mas não tem vida, aprenderemos que não bastam apenas as condições, para a vida surgir. E esta é uma informação muito importante…”
        É exatamente neste ponto que os cientistas criacionistas se diferenciam dos demais, pois vai comprovar que só as condições não bastam para terem vida.
        Precisa dá atuação do Elemento mais importante para a vida.
        O único que tem as condições de unir elementos que nunca por si só se uniriam, nunca teriam se fundido.
        Sem criador, gases são só gases, átomos são só átomos, elétrons são só elétrons, distância favoráveis para vida, só são distâncias. Nunca condições favoráveis, distâncias favoráveis, tempo e espaço favoráveis formarão vida. Pois sem Ele nada do que foi feito se fez!!!!!!
        Feliz Páscoa à todos, pois o autor dá vida, Jesus Cristo está vivo!!!!!
        Hj pode vai pessoal!!!!!! Sem estresse e raiva!!!! Kkkkkkkk

        1. Claro que o que você está dizendo é um salto de fé. A vida é um surgimento improvável, logo é preciso um Criador não tem sentido lógico. Porque apenas remete ao problema da origem do Criador, que é igual ao problema da origem da vida. O surgimento espontâneo de um Criador é ainda mais complicado que o da vida, que ao menos é feita de constituintes que sabemos como se formam. Ninguém sabe como Deus poderia se formar, nem isso é passível de estudo. Então veja que você dá um salto enoooorme. Se não encontrarmos vida nos mundos-oceanos, podemos supor que uma outra condição importante é a presença de uma atmosfera (o que aliás é a base de todos os experimentos na linha Urey-Miller). Se não encontrarmos vida em mundos similares ao nosso em outros sistemas planetários, podemos supor que a vida é improvável. Mas improvável, obviamente, não quer dizer impossível (estamos aqui!), o que faz dela apenas rara e não exige de modo algum um Criador (como mencionei antes, supor um Criador cria um problema ainda mais inabordável, que é a origem do Criador; como argumentar que tudo precisa de uma origem e não abordar a origem do Criador da vida?).

          1. Tirando os palavrões, totalmente desnecessários, o vídeo é muito bom. Vale a pena ver até o final, quando o verdadeiro Criador aparece… 🙂

        2. “A ausência de evidência não se constitui, por si só, evidência.”
          Mesmo que depois de estudarmos o universo inteiro descobrirmos que não há vida fora da Terra, isso não quer dizer que, para que a vida surja na Terra é preciso um criador.
          Mas, e se durante o estudo de, por exemplo, Encéladus, contaminarmos o oceano interno da luazinha com bactérias aqui da Terra? Aí seremos nós os criadores ? Seremos deuses ainda que não intencionalmente ? Teremos nós alguma consideração com as colônias de bactérias que inadvertidamente colocamos lá? Ou daremos de ombros ? Pior ainda, se a vida que colocarmos lá evoluir para espécies marinhas comestíveis ? Vamos poder nos alimentar da criação ?

          1. Acho que uma questão interessante para o futuro, se não houver mesmo vida em Encélado, será: devemos implantar vida em Encélado? Nesse sentido, seremos os criadores. Mas ainda assim os futuros cientistas enceladanos terão de se perguntar: se tivemos um criador, quem criou nosso criador? Essa é a pergunta da qual fogem os religiosos, mas que é natural. Se eles defendem que só podemos existir por que fomos criados, como podem permitir que outra classe de consciência surja sem um criador? Nesse sentido, até as religiões pagãs da mitologia grega eram mais consistentes, ao criar gerações de deuses…

          2. Esta é uma pergunta que muitos dos que acreditam em Deus ainda se fazem. Eu ainda me faço, não tenho resposta ainda. Será que Deus é eterno, sem início nem fim? Será que Deus tem início e fim cíclicos e é capaz de se auto-reiniciar? Será que essa pergunta (o que havia antes de Deus) não cabe, pois o tempo é criação do próprio Deus e portanto posterior a ele?

            Creio que são questionamentos que ultrapassam a capacidade da lógica como a conhecemos hoje. Talvez um dia a filosofia se desenvolva a ponto de encontrar POSSÍVEIS respostas a essas perguntas. Talvez não. Até lá, prefiro continuar buscando a resposta enquanto acredito nas hipóteses que creio mais prováveis e mais de acordo com a maneira como observo e entendo o mundo.

          3. Pois é. O meu único questionamento sobre isso é: será que importa? Faz alguma diferença? (É nesse sentido que julgo meio inúteis essas reflexões. Não sou capaz sequer de determinar se Deus existe ou não, que dirá dizer que propriedades Ele tem…)

          4. Para mim, a vida é uma reação químico-física que começou em determinado instante e continuou até hoje e continuará enquanto conseguir suportar alterações no meio-ambiente.Vida como PROCESSO, não vida individual, que sempre tem um início e um fim.

            A vida pode ter se iniciado em pontos diferentes e em momentos diferentes do Universo, pois em todo ele matéria, energia e suas propriedades físicas e químicas são os mesmos.

            Assim, se contaminarmos Encélado e transferirmos vida terrestre para lá, estaremos apenas dando continuidade à vida que conhecemos, não estaremos “criando vida”.

          5. “Estaremos apenas dando continuidade a vida e não criando vida”, boa observação pois migração não é criar vida. Transferir moradores de um lugar e remaneja-los para outro lugar não é criar vida é apenas dar continuidade ao que já existia. Seria apenas um Dubai em algum lugar no espaço!!!!! Voltamos ao paradoxo!!!!

  5. Aos que sempre aparecem aqui criticando o gasto em exploração espacial, com aqueles chavões de fome na África, etc, vão lá na seção “mundo” escrever sobre o gasto anual de 900 bilhões de dólares em armamentos. Não tem nenhum comentário por lá.

    1. O gasto em armamento se justifica da mesma maneira que o gasto em exploração espacial. Na verdade o gasto com ciência aplicada(sim, armamento é ciência aplicada) sempre se justifica se levarmos em conta que não queremos que a espécie humana seja extinta.

    1. Puxa, Marcos Villa, você é o historiador e comentarista do Jornal da Cultura? Muito legal tê-lo por aqui entre nós. Sou seu fã.

      Se não for, continua sendo legal sua participação por aqui, de qualquer forma. Grande abraço!

      1. Aquele da TV Cultura é o Marco Antonio Villa, não Marcos Villa. De qualquer forma, de novo, grande abraço, Marcos!

  6. Uma das melhores notícias para a humanidade, nesse mundo de escândalos e falcatruas.
    Tenho muita esperança que na próxima década, seja confirmada a existência de vida extraterrestre, mesmo que seja, a mais simples possível.
    Um grande trabalho da NASA e uma tradução impecável do Salvador.
    Obrigado por disseminar conhecimento nesse mundo de trevas e obscuridade.
    Parabéns, Salva!
    Abraços!

  7. Salva,

    É possível fonte hidrotermal sem atividade vulcânica?

    Pois, se há calor no manto, com núcleo quente ferroso, é possível que isso tenha se formado há 100 mi? Porque parece muito improvável.

  8. Salvador, maravilhosa notícia. A vida microbiana, com base em água, parece ser mais comum do que se julgava, e pela abundância de corpos com água, poderemos ter tais manifestações de vida no passado, presente e futuro e nos lugares até inesperados. Mas dai a uma vida animal e a uma vida inteligente ainda são outras lacunas gigantescas… E não seria o caso de a NASA repensar no uso de um pequeno orbitador para a Europa? Existe o risco de quando a Europa Clipper passar pelas plumas, a mesma água, após tocar o corpo do “robô”, contaminar e voltar a cair na superfície da lua natural, já que a gravidade, embora 1/7,5 da da Terra, poderia ser suficiente para atrair algumas partículas? Bastante improvável, mas não impossível (e já sabemos que algumas espécies de bactérias são muito resistentes) e duvido muito que o design de um satélite de corpo grande e complexo como Europa Clipper permita uma descontaminação adequada. Esse orbitador seria bem pequeno, fácil de descontaminação, com combustível suficiente para colocar em órbita em torno da Europa, dar umas 6 / 10 voltas e depois se dirigir a Júpiter, mergulhando a seguir na atmosfera joviana? E a Europa Clipper seguiria por órbitas e altitude que evitariam as plumas. Se usarem o SLS, peso e carga não seriam problemas. Seria caso para pensar?

    1. As análises mostram que conseguimos mais com os flybys do Clipper do que com um orbitador dedicado, surrado pela radiação.

  9. Salvador, uma dúvida, o simples e usual microscópio permite a ampliação e visualização de micróbios, por via ótica, em um anteparo com pequena distância do ponto focal. Uma sonda espacial a 49km… certamente é uma distância e tanto para pegar um micróbio na filmagem. Mas a pergunta é qual é a limitação para isso? (máxima distância em que se pode filmar/fotografar um objeto da escala de um micróbio em relação ao ponto focal) é uma fronteira limite ou pode ser vencida?

    1. Ninguém espera, que eu saiba, ver um micróbio com telescópio, em vez de microscópio. O que podemos esperar é colher amostras que possamos ver com microscópios.

  10. “300 pizzas por hora”. Agora sim essa busca faz todo sentido para mim, posto que famigerado.
    Parabéns pelo grandioso trabalho, Salvador. Você é demais! Forte abraço

  11. Simplesmente incrível que num sistema composto por oito planetas, cinco ou seis planetoides e vários cometas e asteroides, a única evidência de vida extraterrestre venha de uma pequena lua de um planeta distante.

    1. Eles estão em marte, abre os links que postei la atrás que tu vê!lesmas procriando!rãns dinossauros!!etc..e também na lua!

          1. É mais do que a perpetuação da espécie, é evitar a ameaça de extinção, senão como que iremos descobrir que existe vida lá? Tanto esforço seria em vão! Precisamos convencer o Tio Sam para adquirir mais verba na pesquisa e chegar o nosso objetivo acima.

      1. Esse GP é falso. O GP verdadeiro, além da loucura, escreve muito mal. Tem algum espertinho aproveitando que ele está sumido pra ficar com a audiência.

      2. Cara, eu disse la atrás, que acredito,que muito destes filmes e seriados , vem baseado nos bastidores da NASA!
        Dai, eu havia me esquecido, O Shrek dos primeiros passos da Spirit, dando risada num dente só, na verdade vários.
        Imagina naquele frio e sol desértico de marte, o Homem envia uma grande lona cobertor” o Shrek tava nem querendo saber , da rover spirit nem nada, tava nem ai pra quela lataria velha de meio bilhao de dolares, Ja estavamso divindades “Deuses” terraqueaos para ele, pela cara que ele fez!rsrsr
        se a Nasa tivesse a intenção de fazer comunicação, talvez o shirek teria ajudado a desatolar a rover spirit da areia movediça, por conta do presente de Natal, O ULTRA Cobertor Tajara mede in USA, deram mole rsrs

    2. Luiz, vamos reformular.

      Simplesmente incrível que num sistema composto por oito planetas, cinco ou seis planetoides e vários cometas e asteroides, com apenas três planetas em zona habitável, mas um deles entrou num efeito estufa infernal, e outro não teve capacidade de manter sua atmosfera, ainda assim se encontram evidências de vida extraterrestre em uma pequena lua de um planeta distante.

      A vida parece ser persistente.

  12. Certidão de nascimento hidrogênio molecular tem , foto do H.M. junto as plumas , ultima chance , entrada do metanógeno no hospital apos afogamento no oceano global da encelado tem , ENTÃO NÃO ME VENHA COM CHORUMELAS.

  13. Esta é uma grande notícia. Nota-se uma satisfação enorme nos cientistas. Felizes!
    Há muito por fazer e assim virão mais recursos. Os resultados positivos atraem investimentos.
    Novas missões com objetivos e equipamentos projetados para detectar, analisar e comprovar formas de vida.
    E agora José, a festa começou! rsrs

      1. Mas, pode ser dessalinizada ! Esse equipamento é simples e já tem em diversos tamanhos…Já vi aparelho de osmose reversa do tamanho de um gerador pequeno numa feira em Dubai.

  14. Excelente notícia, Salvador! Espero que a descoberta incentive a NASA a enviar um robô até lá!

    1. Na coletiva o Jim Green falou de uma chamada pro programa New Frontiers a ser anunciada neste ano e tem todo jeito de Encélado entrar na mira. 😛

  15. Grande coisa, o Sol também tá cheio de hidrogênio, será que tem vida por lá?

    Brincadeirinha, rê rê rê.

    Salvador, imagina que tu só tens uma última ficha pra apostar. Hoje tu colocarias ela em Encélado ou em Marte?

      1. Tá bom seu chato, tu tens duas fichas, uma pra vida presente e uma pra vida pregressa. Onde você aposta cada uma delas?

          1. Cara, os cientistas acham metano e H2 e já acham que pode ter vida…. o que dizer de um satélite que tem jipes, bandeiras, módulos e mais um monte de cacarecos? Isso só pode signifcar vida!

            Se ainda não acredita, veja nos links abaixo 10 PROVAS de que nossa Lua já abrigou vida, ainda que por breves períodos:

            http://mensageirosideral.blogfolha.uol.com.br/2014/01/15/mais-cinco-provas-da-ida-do-homem-a-lua/
            http://mensageirosideral.blogfolha.uol.com.br/2013/08/23/cinco-provas-da-ida-do-homem-a-lua/

          2. Ah sim, a Lua já abrigou vida por breves períodos. Mas, primeiro, pensei que estávamos discutindo vida de origem extraterrestre. Segundo, a Lua em si não tem — e jamais teve, por tudo que sabemos — um ambiente favorável à vida. Então, mesmo “transplantada”, a vida não se deu bem lá e proliferou. Em Marte, a vida terrestre teria condições muito melhores, e SABEMOS que houve transferência de material entre a Terra e Marte. Então, mesmo para contaminação terrestre, Marte (que já tem um monte de jipes terrestres também, por sinal) é um candidato melhor que a Lua. 😉

  16. Antes da missão Cassini, Encelado era apenas o objeto com maior albedo do sistema solar, ou seja ele refletia a maior parte da luz que incidia sobre ele. Nos telescópios ela aparecia como um pontinho bem proeminente orbitando o gigante anelado, mas as “atrações principais” do sistema saturniano eram os anéis e a lua Titã. Suspeitava-se que ela tinha alguma relação com os anéis do planeta, dando estabilidade ao anel mais externo ou “reabastecendo” este anel com material. Agora com esta descoberta ela se tornou um dos corpos celestes mais interessantes do Sistema Solar, pena que qualquer missão para observa-la melhor custa caro e demora muito.

    1. É o mesmo que eu penso. Antes da New Horizons, quem imaginava toda beleza e complexidade de Plutão? Deu pra sentir a empolgação dos cientistas, hoje. Só que esses caras são metódicos e realistas. Vide o Salvador, a gente fala: deve ter até salmão por lá. Daí, ele mór chato diz: não é bem assim, tem muito hidrogênio nas plumas, blá, blá, blá…

      1. Não sei exatamente o que você pensa, mas para mim ceticismo ignorante é tão inútil e desagradável quando cocô de cachorro grudado na sola do sapato e é coisa de analfabeto científico. Ceticismo embasado em provas e não em achismos eu respeito, caso contrário não.

        1. Achei o seu primeiro comentário interessante, pois fala sobre o quanto podem ser surpreendentes as descobertas por meio de novas tecnologias. Mas, não podemos confundir otimismo com `achismo`. Até um dos cientistas da NASA brincou: tem camarões? Todos sabemos que com os dados que temos no momento é impossível ter vida complexa ali – se tiver, deve ser bem diferente de tudo que já vimos -, porém não temos todas as informações pra cravar. A lua é jovem? Evidências, até o momento, indicam que sim. Futuras missões e estudos vão dizer. Acredito na ciência, só que fico muito empolgado com as possibilidades. Não sou `achista`. Se caso, escrevi algo que você não gostou, mil perdões. Flw!

  17. Parabéns, Salvador pela tradução desse vídeo da detecção de hidrogênio na lua Encélado de Saturno pela sonda Cassini que por ora está se preparando para mergulhar definivamente nesse imenso planeta gasoso. Esperamos que tenha mais novidade com relação ao planeta até o meado de setembro. Certamente essa foi a missão mais importante na busca da evidência de vida dentro do Sistema Solar. Sabemos pela biologia que o CHONPS que são elementos químicos essenciais na formação dos seres vivos, são abundantes no nosso planeta, e que a interação com a molécula de alguns elementos lá possa ter potencializado na formação talvez de um outro gênese na esfera do planeta gasoso.

  18. Muito bom saber o que desde há algum tempo vinha sendo cogitado. A NASA, como sempre, muito cautelosa vêm dando as notícias sobre vida extraterrestre a conta gotas. Só não sei o porquê disso. A NASA já está careca de saber que existe vida extraterrestre no sistema solar. Só não divulga de uma vez porque não quer ou talvez por estar sendo impedida.

    1. Ao contrário do que você diz, a Nasa não tem nenhuma informação segura sobre vida extraterrestre, dentro ou fora do Sistema Solar. É o tipo de segredo que não dá para guardar, mesmo que se queira. Nem o “segredo” de hoje, que nem era um grande segredo, eles conseguiram guardar. É essa mania de misturar a busca por vida extraterrestre com boataria de discos voadores e conspirações governamentais. A primeira é feita por cientistas, e cientistas não costumam participar de conspirações, porque o ambiente da ciência é de abertura. O cientistas não quer descobrir algo e guardar segredo, pois isso o impede de evoluir na carreira e receber reconhecimento. E a descoberta de vida extraterrestre certamente valeria um Nobel, só para começar.

    2. Não divulga de uma vez porque não quer ou talvez por estar sendo impedida?
      Fala sério!! O que a NASA mais quer é mostrar que a verba de US$ 19,3 bilhões (acho que é isso) está sendo bem aplicada e apresentando resultados.

    3. Eu não estou careca de saber que existe vida extraterrestre no sistema solar por dois motivos: um, eu ainda tenho cabelo 🙂 dois, porque vida no sistema solar talvez tenha, talvez não. Já considerando lá fora, é óbvio que tem né, convenhamos.
      Quanto ao conta-gotas, é mesmo, já está na hora de baixar o embargo de Roswell.

      1. Mas o que Roswell tem a ver com a Nasa? Ainda que tenha tido um acobertamento de acidente com alienígenas, envolveu os militares, não a Nasa. A Nasa nem existia em 1947, a propósito.

        1. É verdade, mas segundo a teoria da conspiração dos que pensam como o Cesar, tudo que a Nasa descobre de “perigoso” vai pra Área 51 🙂

    1. Isso. As plumas podem gerar “exosferas” (que são basicamente atmosferas muito, muito tênues), mas atmosfera mesmo não tem.

      1. Essas plumas, localizadas apenas na região do polo sul, apesar de fracas, não têm energia suficiente para funcionar como foguetes, ou seja, por reação, propulsionar o satélite rumo ao “norte”?

  19. Valeu! Tradução simultânea show de bola! Achei mór divertido a maquete de Encélado e o cara sobrevoando com a Cassini, queria brincar também, haha. A lua pode ser jovem, mas que tem vida lá, isso tem.

    1. Sobre a maquete, épica! Quero uma pra mim, com direito a fumacinha… rs
      Sobre vida, acho complicado. O fato de que há tanto hidrogênio nas plumas meio que joga contra, porque indica que, se há microrganismos lá embaixo, eles estão consumindo muito menos do que Encélado oferece. E isso é estranho. Normalmente microrganismos vão se reproduzir e consumir todos os recursos disponíveis em pouco tempo, até atingir um equilíbrio entre a fonte e o consumo. Isso deixaria muito pouco hidrogênio na pluma.
      A idade potencialmente jovem (100 milhões de anos) já jogava contra a vida, e esse excesso de hidrogênio parece também sugerir isso. Por outro lado, podemos de repente pegar a vida “no começo” lá, antes de se otimizar para consumir a joça toda. É fascinante.
      Para vida desenvolvida, contudo, aposto em Europa. Vamos torcer por essas plumas serem reais também.

      1. Qual a temperatura que está esse oceano???
        Temperaturas baixas levam para uma atividade biológica baixa…
        O que poderia justificar esse desequilíbrio no hidrogênio aí…

        1. Começando pelo fim, atividade hidrotermal. Quanto à temperatura do oceano, não pode ser muito abaixo de zero Celsius para ser líquido. E na região das fontes, deve ser bem mais quente.

          1. Opa!!!! A água pode sim ser liquida a temperaturas abaixo de zero Celsius, pois depende muito da pressão!

          2. Sim, pode ser líquida abaixo de zero Celsius, não só pela pressão, mas pela salinidade. Mas não muuuito abaixo de zero. Foi o que eu disse. 😉

          3. Vou tentar explicar melhor…
            Oceano em locais polares a água do fundo estará a 4ºC… Ok…
            Próximo das fontes hidrotermais haverá temperaturas elevadas, provocando uma espécie de corrente marítima, onde a água quente sobe e a fria desce, dispersando os nutrientes e possibilitando a manutenção de cadeias alimentares…
            A questão é, quão frio será esse oceano em média, pois talvez as áreas com temperaturas mais elevadas (acima de 0ºC) sejam muito confinadas, o que impediria que as formas de vida existentes consumissem todo esse H2 mencionado aí, explicando o porque da sobra de H2…

          4. É uma ideia interessante para explicar — supor que a maior parte do oceano seja “inabitável”.

  20. Salva! As perguntas pareciam muito boas e as respostas mais ainda.. seria uma boa ter colocado como Bônus no post! 🙂

    Parabéns pelo trabalho, sempre impecável, tava esperando muito, vlw!

  21. Como assim tao rápido Salva? :O

    Muito booom!
    Já tava dizendo aqui – Caraca, tem muita coisa pra escrever kkk

Comments are closed.