Mensageiro Sideral

De onde viemos, onde estamos e para onde vamos

 -

Salvador Nogueira é jornalista de ciência e autor de 11 livros

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Astronauta Peggy Whitson se torna recordista americana de permanência no espaço

Por Salvador Nogueira

A astronauta Peggy Whitson acaba de bater o recorde americano de tempo total de estadia no espaço. Ela já passou 534 dias e uns quebrados em órbita e deve chegar a mais de 650 dias quando concluir sua atual missão, como comandante da Estação Espacial Internacional.

Com doutorado em bioquímica, Whitson já está acostumada a marcas pessoais importantes. Em 2008, tornou-se a primeira mulher a comandar a estação, em 2009 tornou-se a primeira mulher a comandar o escritório dos astronautas da Nasa e no começo deste mês se tornou a primeira mulher a comandá-la por um segundo turno.

Modesta, em ligação telefônica com o presidente Donald Trump, Whitson disse: “É uma honra enorme quebrar um recorde como esse, mas é uma honra para mim basicamente representar todo o pessoal da Nasa, que tornou esse voo espacial possível e permitiu que eu quebrasse esse recorde.” (Veja o vídeo inteiro da ligação, em inglês, cortesia da Nasa.)

O recordista anterior dos Estados Unidos era Jeff Williams, que passou 534 dias, duas horas e 48 minutos no espaço.

A marca mundial, contudo, ainda está um pouco distante: o cosmonauta russo Gennady Padalka já passou 879 dias em órbita, distribuídos ao longo de diversas missões. O recorde de tempo máximo que um humano passou ininterruptamente longe da Terra pertence ao russo Valery Polyakov, que entre 1994 e 1995 passou pouco mais de 437 dias em órbita, na antiga estação russa Mir.

Parabéns à Dra. Whitson pelo novo recorde!

Peggy Whitson assinando seu nome a bordo da Estação Espacial Internacional. (Crédito: Nasa)

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook, no Twitter e no YouTube

Blogs da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade