Mensageiro Sideral

De onde viemos, onde estamos e para onde vamos

 -

Salvador Nogueira é jornalista de ciência e autor de 11 livros

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Astronomia: O último adeus a Titã

Por Salvador Nogueira

Sonda Cassini faz último sobrevoo de Titã, a maior lua de Saturno, e sela seu destino.

TCHAU, TITÃ
Está chegando a hora do adeus à sonda Cassini. No sábado (22), ela realizou seu último sobrevoo próximo da maior das luas de Saturno, Titã. Foi a última oportunidade na missão, que já dura 13 anos, de conduzir observações desse mundo misterioso.

ESTRANHAMENTE FAMILIAR
Com 5.150 km de diâmetro, Titã é a segunda maior lua do Sistema Solar e a única a ter uma atmosfera densa. É também o único corpo celeste conhecido, fora a Terra, onde se observou o equivalente de um ciclo hidrológico. Só que lá o que forma rios, lagos e mares, evapora e chove, não é água, e sim metano.

SOB A NÉVOA
Em seu sobrevoo final, a Cassini passou a menos de mil km da superfície, sobre a região polar norte. É lá que ficam os dois maiores mares de metano, conhecidos como Kraken e Ligeia. A densa névoa que recobre a lua dificulta a observação, mas a sonda é equipada com radar, capaz até mesmo de medir a profundidade desses corpos líquidos.

NEWTON NO COMANDO
Além de realizar as últimas observações próximas de Titã, o sobrevoo selou o destino final da Cassini. O controle da missão programou a passagem para usar a gravidade da lua de modo a alterar a órbita da sonda ao redor de Saturno. Começa assim o “Grand Finale”.

JOGO SEGURO
A espaçonave está quase sem combustível, por isso a missão vai terminar. E o desfecho não pode permitir que a Cassini acabe à deriva, com o risco futuro de cair em alguma das luas saturninas que têm potencial para abrigar vida, como a pequenina Encélado. O temor é contaminação acidental com bactérias terrestres que possam ter pego uma carona no lançamento.

NOS FINALMENTES
Em sua nova órbita, a espaçonave se aproximará de Saturno como nunca antes, passando no estreito vão entre ele e os anéis. A trajetória arriscada será repetida 22 vezes, semanalmente. E na última passagem, em 15 de setembro, a Cassini mergulhará no planeta, colhendo dados de sua atmosfera até se tornar uma estrela cadente no céu saturnino.

BÔNUS: A última olhada da Cassini na Terra
Na quinta-feira (20), a Nasa divulgou também a última imagem que a sonda Cassini fará do sistema Terra-Lua. Feita no dia 12 de abril, a foto mostra nosso planeta e sua companheira em meio aos anéis de Saturno. Poesia pura.

A Cassini observa o sistema Terra-Lua a partir de Saturno, no último dia 12. (Crédito: Nasa)

A coluna “Astronomia” é publicada às segundas-feiras, na Folha Ilustrada.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook, no Twitter e no YouTube

Blogs da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade