Nasa apresenta sonda que vai para o Sol em 2018

Após décadas de ansiosa espera da comunidade científica, a Nasa está pronta para despachar uma espaçonave não tripulada destinada a realizar voos rasantes sobre o Sol.

A sonda, chamada Solar Probe Plus, tem lançamento marcado para meados de 2018. Ela será colocada numa órbita bastante alongada em torno do Sol, similar à de um cometa de curto período. Com a ajuda de passagens de raspão por Vênus, ela irá pouco a pouco ajustando seu periélio para que ele chegue mais e mais perto do Sol.

No ponto de máxima aproximação, sua trajetória deve levá-la a cerca de 6 milhões de quilômetros da superfície de nossa estrela-mãe — dez vezes mais perto dela que Mercúrio, o mais interno dos planetas.

Nesta quarta-feira (31), a agência espacial americana realiza um evento na Universidade de Chicago para divulgar detalhes do projeto, que tem basicamente dois objetivos: compreender a dinâmica da nossa estrela num nível de detalhamento sem precedentes, estudando em particular a coroa solar, e com isso ajudar a proteger a Terra de supertempestades solares — eventos que, em princípio, poderiam afetar nossos equipamentos elétricos e causar trilhões de dólares em prejuízos.

Um dos maiores enigmas que a sonda poderá decifrar é o porquê de a atmosfera solar ser milhões de graus mais quente que a fotosfera — a superfície do Sol, que tem relativamente modestos 5.600 graus Celsius.

Há muito tempo os cientistas vêm querendo investigar isso, mas para tanto precisam enviar uma sonda até lá. E só agora a tecnologia chegou a um ponto em que a Nasa se sente confiante de que poderá realizar a missão com sucesso.

Os equipamentos da Solar Probe Plus — uma câmera e diversos sensores de partículas e campos magnéticos — estão todos escondidos atrás de um avançado escudo térmico feito de materiais compostos de carbono. Enquanto o lado voltado para o Sol enfrentará uma fritura de cerca de 1.400 graus Celsius, os sistemas eletrônicos estarão em temperatura ambiente.

Isso se tudo der certo.

Independentemente do sucesso, graças à poderosa gravidade solar, a sonda será a mais rápida a viajar por essas bandas — em sua passagem mais próxima pelo Sol, ela estará voando a inacreditáveis 720 mil km/h! São 200 km a cada segundo, o equivalente a 0,07% da velocidade da luz!

O objetivo da missão é realizar 24 órbitas ao redor do Sol, entre 2018 e 2025. E ela não estará sozinha. A ESA (Agência Espacial Europeia) também está planejando uma sonda dedicada a observar nosso astro-rei de perto. Chamada de Solar Orbiter, ela deve decolar em outubro de 2018, mas não chegará tão perto quando a Solar Probe Plus.

Em ambos os casos, contudo, como toda espaçonave a voar por território desconhecido, espera-se que elas tragam não só muitas respostas a velhas perguntas, mas sobretudo novas perguntas que nos guiem na investigação dos segredos mais íntimos do Sol e das estrelas.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook, no Twitter e no YouTube

Comentários

  1. CEREMONIA DEL SOL

    Carlos Páez Vilaró

    Hola Sol …! Otra vez sin anunciarte llegas a visitarnos. Otra vez en tu larga caminata desde el comienzo de la vida.

    Hola Sol…! Con tu panza cargada de oro hirviendo para repartirlo generoso por villas y caseríos, capillas campesinas, valles, bosques, ríos o pueblitos olvidados.

    Hola Sol…! Nadie ignora que perteneces a todos, pero que prefieres dar tu calor a los más necesitados, los que precisan de tu luz para iluminar sus casitas de chapa, los que reciben de tí la energía para afrontar el trabajo, los que piden a Dios que nunca les faltes, para enriquecer sus plantíos, y lograr sus cosechas. Es que vos, Sol, sos el pan dorado de la mesa de los pobres. Desde mis terrazas te veo llegar cada tarde como un aro de fuego rodando a través de los años, puntual, infaltable, animando mi filosofía desde el día que soñé con levantar Casapueblo y puse entre las rocas mi primer ladrillo.
    Recuerdo que era un día inflamado de tormenta, el mar había sustituido el azul por un color grisáceo empavonado, en el horizonte un velero escorado afinaba el rumbo para saltear la tempestad, el cielo se llenaba de graznidos de cuervos en huida, la sierra se peinaba con la ventolera alborotando a la comadreja y al conejo.

    Pero de golpe como un anuncio sobrenatural el cielo se perforó y apareciste vos. Eras un sol nítido y redondo, perfecto y delineado, puesto sobre el escenario de mi iniciación con la fuerza sagrada de un vitreaux de iglesia. Desde ese instante sentí que Dios habitaba en ti, que en tu fragua derretía la fe y que por medio de tus rayos la transmitía por todos los sitios donde transitabas. Los mismos brazos de oro que al desperezarte iluminan el cielo, al estirarse a los costados entibian las sierras, o apuntando hacia abajo laminan el mar.
    Hola Sol…! Cómo me gustaría haber compartido tu largo trayecto regalando luz, porque a tu paso acariciaste la vida de mil pueblos, compartiste sus alegrías y tristezas, conociste la guerra y la paz, impulsaste la oración y el trabajo, acompañaste la libertad e hiciste menos dura la oscuridad de los presidios.

    A tu paso sol, se adormecen los lagartos, despiertan los girasoles y los gallos cacarean. Se relamen los gatos vagabundos, los perros guitarrean, y el topo se encandila al salir de la cueva. A tu paso sol, hay sudor en la frente del obrero y en los cuerpos de las mujeres cobrizas que alcanzan el cántaro de la favela. Con tus latidos conmueves el mar, das música a la siembra, la usina y el mercado.
    A tu paso corrieron en estampida búfalos y antílopes, desperezó el león, se asombró la jirafa, se deslizó la serpiente y voló la mariposa. A tu paso cantó la calandria, despegó el aguilucho, despertó el murciélago y emigró el albatros.

    Hola Sol…! Gracias por volver a animar mi vida de artista. Porque hiciste menos sola mi soledad. Es que me he acostumbrado a tu compañía y si no te tengo, te busco por donde quiera que estés. Por eso te reencontré en la Polinesia, cuando te coronaron rey de los archipiélagos de nácar y los arrecifes dentellados de coral, o también en Africa, cuando dabas impulso a sus revoluciones libertarias y te reflejabas en el espejo de sus escudos tribales para inyectarles coraje. Te estoy mirando y veo que no has cambiado, que sos el mismo sol que reverenciaron los aztecas, el mismo de mi peregrinaje pintando por América, el que envolvió la Amazonia misteriosa y secreta, el que me alumbró los caminos al Machupichu sagrado del Perú, el de los valles patagónicos o los territorios del Sioux o del comanche. El mismo sol que me llevó a Borneo, Sumatra, Bali, las islas musicales o los quemantes arenales del Sahara.
    A diferencia del relámpago que apenas proyecta en la noche latigazos de luz, desde tu reinado planetario, tus destellos continúan activos, permanentes.

    Alguna vez la travesura de las nubes oculta tu esplendor, pero cuando ello ocurre, sabemos que estás ahí, jugando a las escondidas.

    Otras veces, en cambio, te vemos sonreír cuando las golondrinas o las gaviotas te usan de papel para escribir las frases de su vuelo.

    Gracias Sol, por invadir la intimidad de mi atardecer y zambullirte en mis aguas.
    Ahora serás la luz de los peces y su secreto universo submarino. También de los fantasmas que habitan en el vientre de los barcos hundidos en trágicos naufragios.
    Gracias Sol…! Por regalarnos esta ceremonia amarilla. Gracias por dejar mis paredes blancas impregnadas de tu fosforescencia.

    Entre ventoleras y borrascas, cruzando ciclones y tempestades, lluvias o tornados, pudiste llegar hasta aquí para irte silenciosamente frente a nuestros ojos.
    Porque tu misión es partir a iluminar otros sitios. Labradores, estibadores, pescadores te esperan en otras regiones donde la noche desaparecerá con tu llegada.
    Y como respondiendo a un timbre mágico despertarás las ciudades, irás junto a los niños a la escuela, pondrás en vuelo la felicidad de los pájaros, llamarás a misa.

    A tu llegada, se animará el andamio con sus obreros, cantarán los pregoneros en las ferias, la orilla del río se llenará de lavanderas y entrará la alegría por la banderola de los hospitales.
    Chau Sol…! Cuando en un instante te vayas del todo, morirá la tarde. La nostalgia se apoderará de mí y la oscuridad entrará en Casapueblo. La oscuridad, con su apetito insaciable penetrando por debajo de mis puertas, a través de las ventanas o por cuanta rendija encuentre para filtrarse en mi atelier, abriéndole cancha a las mariposas nocturnas.

    Chau Sol…! Te quiero mucho…

    Cuando era niño quería alcanzarte con mi barrilete. Ahora que soy viejo, sólo me resigno a saludarte mientras la tarde bosteza por tu boca de mimbre.
    Chau Sol…! Gracias por provocarnos una lágrima, al pensar que iluminaste también la vida de nuestros abuelos, de nuestros padres y la de todos los seres queridos que ya no están junto a nosotros, pero que te siguen disfrutando desde otra altura.

    Adiós Sol…! Mañana te espero otra vez. Casapueblo es tu casa, por eso todos la llaman la casa del sol. El sol de mi vida de artista. El sol de mi soledad. Es que me siento millonario en soles, que guardo en la alcancía del horizonte.

  2. Salva, hoje de manhã, num jornal da globo falaram que no final da missão a sonda vai mergulhar no Sol. Procede?

    1. Talvez, Fernando. Não consegui ver a coletiva hoje de manhã. É certamente uma das opções para o fim da missão.

  3. Salvador, pensando nas imagens, pela proximidade ao Sol dá para dizer que haverá um excesso de luz que prejudicará as fotos ou esta visão de claridade se dá apenas na Terra?

    1. A câmera certamente é projetada para lidar com isso. Só esperemos que nenhum medieval fora de época peça para ver outras estrelas ao fundo… 😛

  4. Mano Salva, tenho dúvidas!

    1 – Qual o sistema de propulsão e qual a velocidade de cruzeiro da sonda Parker Solar Probe?

    2 – Na minha singela visão, esses 720 mil km/h são artificiais, porém reiais, pois ainda se valem de fatores gravitacionais de outros astros, isto é, ainda dependemos do efeito “catapulta” para ganhar velocidade.

    1. 1- A sonda não tem lá grande propulsão. O trabalho todo vai ser feito pelo foguete Delta IV Heavy e, depois, pela gravidade de Vênus. Importante notar que isso vale para praticamente todas as sondas, salvo as equipadas com motor iônico. Nas tradicionais, quem faz o serviço é o foguete. A sonda depois só executa trajetórias em queda livre, propelida somente em pequenos ajustes de curso.

      2- Talvez você queira dizer justamente o contrário: os 720 mil km/h são NATURAIS, uma vez que é a natureza que os confere à sonda. Artificiais seriam se fossem propelidos por um motor construído por humanos. 😉

    1. Acho excelente. Mas falarei disso com mais vagar — até porque nada disso aí pode acontecer correndo. Primeiro tem que ter um acordo de salvaguardas pronto (não tem ainda), depois o Congresso (de lá e de cá) tem de aprovar (não tende a ser rápido, na atual conjuntura). E só aí podemos ter algum acordo concreto de uso da base (que não será negociado instantaneamente), que certamente terá de envolver anos de obras para construção de infra e sítio de lançamentos adequados ao foguete, para finalmente vermos alguma coisa subindo de Alcântara para a órbita terrestre e rendendo algum dinheiro ao Brasil.

  5. UAU! Seis milhões de km da superfície solar? Não é perto demais? Lembro que no filme “Solaris” (EUA) a temperatura na órbita de Mercúrio já era inimaginavelmente quente para a nave, que tinha uma blindagem gigantesca.

  6. Salvador, existe imagens ¨3-6-12D em VR; 3D e 360°,criadas do sol, referente as imagens obtidas das sondas (SOHO/StereoA/stereoB).
    Você podia montar um vídeo delas para delírio da galera .

      1. Existe. Mas só dá para calcular na notação duo-hexacimal 2(6), usando os conectores NOR, XOR.

        1. Então, eu havia Passado esta analogia de interação(síncrona harmônica (1/3+1/3+1/3+1/3)=2HX em relação ao prisma recursivo.(matemática da matéria).
          as coincidências por incidências podem trazer uma evidencia por probabilidade.
          se chama (intervalo diminuto), harmônico uníssono. 4 bases (-3) +4 harmônicos
          :DNA; RNA;ADN,ARN= 4 bases + 4 bases( recursivas).cada base com três filamentos(conjunto de átomos base 2HX (síncrono/ assíncrono)
          Sistema solar; 4 planetas telúricos +4 planetas gasosos(gigantes).=4 bases
          código genético, 4 letras.=4-bases
          Camadas eletrônicas( KLMN) e( GaugeBosons) 4 Bosons(6-Leptons(3+3)+6-Quarks(3+3)).
          quatro camadas de elétrons(k,l,m,n)as outras recursivas harmônicas mais a JHidrogênio(OPQJ).
          Dai R da esfera=1/4 a fração de JPI3.2HX(x)2HX.((144)1-sol,4 telúricos, 4 gasosos)
          Da para se entender que dentro da esfera do sol existe uma razão de pi radiando/3, no valor de HDiminuta=1/3+1/3+1/3+1/3=2X =12 = 24-36 dias.

          Corrigida.

          1. Gilberto não quis dizer breakpoint?
            Como seria representado o endereço 0x0 em duo-hexa?
            Daria page fault nessas condições?

        2. Gilberto e Salva, embora reconheça a tentativa que vocês tem de manter seu debate em alto nível, devo dizer: Tudo o que vocês falam é duo-hexacimalmente chutístico, para não dizer que seja anainssicrético e antieletrônico.

          1. Mas isso só se você levar em conta o conector lógico XOR. Se for XAND, muda tudo. 😛

    1. Sim, as de 12D principalmente farão todo mundo delirar. Naipe Pokemon epilético. rs

  7. Salvador.. uma duvida pessoal sobre o sol.. Do que é composta a superfície dele ? Algo parecido com lava de um vulcao ? parecendo um oceano liquido inflamável ? Ou algo gasoso ? E qual é a temperatura das zonas mais frias dele ? Abraço.

    1. Plasma. Igual ao que você tem na TV de plasma. Plasma, em essência, é gás ionizado. 😉
      (A região mais fria é justamente a fotosfera, a superfície visível, que tem uns 5.600 graus Celsius. Nela, as manchas solares são um cadinho mais frias.)

  8. Pensando no conceito de calor aplicado no vácuo, está certo?:
    1- Se não tem propagação de calor no espaço, não acontece o mesmo que na Terra com os materiais submetidos ao calor (deformar p ex)?
    2- Quando estiver na aproximação máxima, as partículas dos escudos vão estar bem agitadas, certo? E as do material atrás em “temperatura ambiente” estarão “suaves na nave”?
    3- Raios gama não vão atravessar, certo?
    4- Vamos imaginar que fosse tripulada, se o escudo fosse uma camada justo acima das paredes da nave, não esquentaria nada do lado de dentro, certo?

    1. 1- Não entendi a pergunta. Materiais aquecidos, ou seja, com calor, emitem radiação infravermelha (e com isso esfriam), e a radiação, ao bater em outros objetos, os aquece. Então o calor se transfere, só não *se propaga* no vácuo. O que se propaga é a radiação térmica.
      2- Tão agitadas quanto sua estrutura molecular permitir. O charme do carbono são as ligações fortes que ele pode produzir em estrutura cristalina. Vide: diamante. As que estiverem atrás, livres da radiação térmica, estarão sossegadas.
      3- Acredito que outras formas de radiação podem passar pelo escudo. Mas não sei quanto delas, teria de ver as propriedades do material contra essas radiações ionizantes — UV em diante.
      4- Do lado de dentro não esquentaria. Mas não sei se uns prótons não poderiam passar e causar sérios danos à saúde dos astronautas.

  9. Em que mundo voces vivem?
    Mais um episodio da novela: como manter o Gado alienado. NASA é uma instituicao que consome 20Bilhoes de dolares anualmente para gerar ilusao, imagens feitas por computador e lancar foguetes que logo caem no mar, no triangulo das bermudas. Hora de sair da Matrix.

    1. Isso, continue espalhando a ignorância. Quem sabe a gente volta à Idade Média, né? Lá não tinha Nasa. Você ia ser bem feliz lá. Hora de sair da Idade Média. 😉

      1. Acho que 90% desse pessoal do “a Nasa Mente!” fala isso só para ser do contra. O que não dá para entender são universidades e instituições sérias fazendo congressos e outros tipos de eventos para discutir coisas como o criacionismo… tratando esse tipo de coisa como se fosse ciência…

      2. Salvador, acho que na outra reencarnação tu foi o Giordano Bruno, vivem querendo te lançar na fogueira.. hahahaha

        1. A Idade Média já acabou, felizmente. Mas a mentalidade daquela época continua surrealmente viva em algumas pessoas.

  10. Poxa Salvador. Eu fiz um comentário com 6 perguntas. Ele apareceu e desapareceu . Que aconteceu ?

    1. Calma Emerson! Você viu que uma hora ele aparece. Enquando a suas perguntas foram enviadas às 6:51, o Salvador formulou as respostas e as enviou às 7:11, é quase uma hora de espera. Às vezes demora para aparecer, principalmente quando os comentários são feitos de manhã, todos aparecem só de uma vez lá por volta das 13:00hs. Hehehe!!!! Isso é normal porque tem muitos entusiastas do Salvador aqui! Rs.

      1. Mário tá esperto até nos meus horários. Depois das 13h já deixei meu moleque na escola e posso — no mais das vezes — sentar para aprovar comentários. Hoje, infelizmente, não deu, e só cheguei agora. Mas tamos aí. 😉

  11. Salvo por algumas respostas “indignas do senhor Salvador”, acho este cara brilhante. Nos apresenta a superfície e nos mostra possibilidades de aprofundamento. Gosto muito disso, lembra-me Pavarotti, popularizando a música clássica. Paciência de Jó. Alma nos textos. Mais que revelar, parece-me que o objetivo é que o leitor aprenda: generosidade. Seus comentários são como aulas, professor. Além de muito gentil com as pessoas. Taí outra coisa que curto muito: elegância. Parabéns pelo trabalho, parabéns pelas informações, parabéns.

    1. Fico muito honrado por seu comentário. Obrigado. Mas não sou professor, não. Sou só um curioso, igualzinho a vocês. 😉

  12. Se a Coreia do norte entrar em conflito com os EUA podemos contratar engenheiros norte coreanos para construir lançadores de satélites, como os americanos fizeram com os alemães?

    1. Não precisamos de engenheiros para construir lançadores. Precisamos de investimento governamental. Menos propina, mais foguete, é o que eu sempre digo. 😛

      1. Se foguete não dá propina, perdem o interesse… Preferem construir hospitais gigantescos e, depois, deixam lá a estrutura, abandonada (depois de construído, a fonte de propinas também se reduz).

  13. Boa tarde Salvador
    Algumas dúvidas.
    1-)Voce disse que a sonda terá uma órbita bastante alongada. Seria uma órbita elíptica ?
    2-)Voce disse que graças à poderosa gravidade solar, a sonda será a mais rápida a viajar por essas bandas . 720 mil km/hora . Ela tem que viajar a essa velocidade para não ser atraída pelo Sol ou a gravidade do Sol é que faz ela atingir essa velocidade independente do que os cientistas querem ?
    3-) Serão 24 órbitas entre 2018 e 2025. E depois ? O que acontece com ela ? Mergulha para a morte no Sol ou se perde no espaço profundo ?
    4-) Uma vez chegando no destino final os cientistas ainda podem fazer manobras ou o combustível acaba assim que chega e é posicionada ? Usa hidrazina como combustível para manobras ?
    5-)A energia elétrica é retirada de painéis solares ? Perto do Sol terá muita energia para captar. Não sei se painéis solares resistiriam ao calor extremo.
    6-) Última pergunta. São 720 mil km/h. 17,2 milhões de km por dia. 6,3 bilhões de km por ano e 50,4 bilhões de km durante os 8 anos do projeto. São 24 órbitas portanto cada órbita tem 2,1 bilhões de kilometros . Ta certo isso ? Não é muita distancia pra uma órbita ? Desse jeito quase sai do sistema solar ..

    1. 1) Isso. Uso alongada pelo mesmo motivo que uso “espaçonave não tripulada ao Sol”; nem sempre as pessoas dominam os conceitos. Mas o mais preciso é elíptica. E elíptica altamente excêntrica, para ser ainda mais exato.
      2) A gravidade é que faz ela atingir essa velocidade, mas ela convém aos cientistas; eles calcularam a trajetória para que ela tenha essa velocidade ali.
      3) Depois provavelmente ela terá uma missão estendida. Mas não há planos feitos publicamente para ela.
      4) Não sei se usa hidrazina para ajustes de órbita. Teria de olhar as especificações técnicas, e não as encontrei numa primeira sapeada no site oficial da missão.
      5) Sim. E os cientistas esperem que eles aguentem — são praticamente as únicas partes, além dos booms para medir campo magnético, a ficar expostas ao Sol no periélio.
      6) Você está presumindo velocidade constante. Lembre-se da terceira Lei de Kepler: numa órbita elíptica, objetos varrem áreas iguais em tempos iguais. Na prática, a sonda anda muito rápido quando perto do Sol, e muito devagar quando longe dele. No fim, levando isso em conta, a distância percorrida será bem menor que essa aí que você calculou. 😉

      1. Obrigado por responder. Eu tinha feito um outro comentário perguntando porque meu comentário tinha sumido mas então desconsidere. Um abraço

      2. No item 6, você não está se referindo à Segunda Lei de Kepler? A Lei das Áreas? Abraço!

Comments are closed.