Mensageiro Sideral

De onde viemos, onde estamos e para onde vamos

 -

Salvador Nogueira é jornalista de ciência e autor de 11 livros

Perfil completo

Publicidade

Astronomia: O sinal ‘Wow!’ decifrado?

Por Salvador Nogueira

Após 40 anos de mistério, cientista americano reabre caso e decifra origem do sinal ‘Wow!’

NA ESCUTA
Em 15 de agosto de 1977, o sinal mais intrigante da história da busca por inteligência extraterrestre foi detectado pelo radiotelescópio da Universidade Estadual de Ohio, nos EUA. Proveniente de uma região indistinta da constelação de Sagitário, ele tinha todas as marcas de uma potencial transmissão alienígena.

WOW!
O sinal era centrado na faixa de 1,42 GHz, a frequência de emissão da transição do hidrogênio, tida como uma sintonia preferencial para comunicações interestelares. A detecção durou 72 segundos _o tempo em que a antena ficou apontada para o mesmo ponto do céu_ e depois sumiu. Ao ver o registro, o radioastrônomo Jerry Ehman marcou à margem do papel: “Wow!”.

MISTÉRIO
O sinal não se enquadrava em qualquer explicação conhecida e, por 40 anos, permaneceu sem repetição, um genuíno mistério. Houve até quem achasse que era mesmo uma transmissão artificial extraterrestre.

RECONSTITUIÇÃO
No ano passado, Antonio Paris, um ex-analista do Departamento de Defesa dos EUA, decidiu reabrir o caso, voltando à “cena do crime”. Lá, ele descobriu algo muito suspeito: dois cometas, 266P/Christensen e 335P/Gibbs, estavam perto de onde partiu o misterioso sinal em 15 de agosto de 1977.

CONECTADO À NUVEM
Na época, ninguém poderia saber disso; os dois cometas só foram descobertos em 2006 e 2008. Mas o que os convertia em suspeitos é o fato de que esses astros costumam ser envolvidos por grandes nuvens de hidrogênio. Não seria inconcebível que pudessem gerar um sinal de rádio como o que foi observado há 40 anos.

CONFIRMAÇÃO
A hipótese de Paris era boa. Mas seria preciso testá-la. E foi isso que ele fez em janeiro último, quando o 266P/Christensen passou novamente pela mesma região do céu do sinal “Wow!”. Lá estava a emissão de 1,42 GHz. Observações de outros três cometas selecionados aleatoriamente mostraram que esse padrão de emissão é comum. Ou seja, nada de alienígenas. Em 1977, tudo não passou de um sedutor canto de sereia de um cometa, em sua viagem ao redor do Sol.

BÔNUS: MAS NÃO TÃO DEPRESSA
Astrônomos estão questionando o resultado de Antonio Paris; dizem eles que a posição dos cometas não era a alegada por ele e que o sinal detectado, ainda que verdadeiro, não seria similar ao “Wow!”. Por fim, questionam a publicação de seu artigo científico num periódico obscuro, da Academia de Ciências de Washington. Tudo isso deixa a solução do mistério ainda sub judice.

BÔNUS 2: CONVERSA COM BIAL
A quem interessar possa, o Mensageiro Sideral será um dos entrevistados do “Conversa com Bial”, na Globo, nesta segunda-feira (12), após o “Jornal da Globo”.

A coluna “Astronomia” é publicada às segundas-feiras, na Folha Ilustrada.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook, no Twitter e no YouTube

Blogs da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade