Observatório brasileiro caçador de asteroides perigosos faz vaquinha para não parar

A vida não está fácil para ninguém, nem mesmo para quem defende o planeta contra o perigo dos asteroides. Para se manter em operação até 2018, o Observatório SONEAR, principal caçador de bólidos ameaçadores à Terra no hemisfério Sul, está tendo de recorrer a uma vaquinha virtual. Se não tiver sucesso, podemos ficar às cegas para fazer o rastreamento de um bom pedaço do céu, inacessível por telescópios instalados no hemisfério Norte. Um apagão do céu austral.

“A manutenção dos equipamentos é cara, e gastamos cerca de R$ 9 mil por ano com ela”, diz Cristóvão Jacques, líder do projeto que opera desde o final de 2013 e foi responsável, entre outros feitos, pela descoberta do primeiro cometa “brasileiro” (ou seja, encontrado no Brasil, por astrônomos brasileiros, com telescópio nacional).

Cobertura do céu nos últimos 30 dias por todos os projetos de busca de asteroide. As áreas em branco são as do SONEAR. Repare como ele reina solitário no extremo Sul celeste. (Crédito: IAU/Minor Planet Center)

Construído em Oliveira (MG), o SONEAR (sigla de Southern Observatory for Near-Earth Asteroid Research, ou Observatório Austral para Pesquisa de Asteroides Próximos à Terra) é um projeto de astronomia amadora, financiado 100% por recursos particulares de Jacques e outros dois “sócios”, João Ribeiro de Barros e Eduardo Pimentel. Os resultados, contudo, são bem profissionais.

Entre 2014 e 2017, o SONEAR descobriu 6 cometas, 28 asteroides próximos à Terra, 3 “Mars Crossers” (bólidos cuja órbita cruza a órbita de Marte) e 23 asteroides no cinturão principal, localizado entre Marte e Júpiter.

“Desde que entramos em operação, o SONEAR foi o mais produtivo de todos os observatórios amadores do mundo para a descoberta de asteroides próximos à Terra, em todos os anos”, contou Jacques ao Mensageiro Sideral.

Sorte? Só se for na definição clássica de Milton Neves: a combinação da competência com a oportunidade. Além de adotar equipamentos e estratégias de observação eficazes, o grupo do SONEAR tem a vantagem de avançar praticamente sozinho sobre o céu do hemisfério Sul.

“Existem, neste momento, apenas dois observatórios no Sul voltados para esse tipo de pesquisa, e um está parado à espera de peças de reposição para o equipamento”, afirma Jacques. Por um lado, isso é bom para o SONEAR, que tem um número maior de potenciais descobertas. Para o planeta, contudo, não é uma boa notícia — se o SONEAR também tiver de parar, por falta de recursos, ficaremos às cegas para asteroides que trafeguem exclusivamente por regiões do céu visíveis apenas do lado de cá da linha do equador.

Para manter a bola rolando, a equipe do SONEAR espera arrecadar R$ 17 mil até o final do ano. A vaquinha virtual você pode encontrar clicando aqui.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook, no Twitter e no YouTube

Comentários

  1. Contribuição feita. Bom saber que já está a 2/3.
    Sou admirador do trabalho de vocês. Impressionanteo resultado que vocês tem obtido com suas pesquisas, mesmo com todas as dificuldades e falta de incentivo oficial.
    Desejo muitas noites de céu limpo pela frente.

    Grande abraço e Força SONEAR !!!

  2. Primeiramente gostaria de agradecer ao Salvador pela publicação deste post em seu blog sobre a nossa campanha. Com esta divulgação, demos uma boa alavancada e atingimos quase 2/3 da meta final.

    Em segundo lugar, eu me decepciono profundamente com os comentários que são feitos não somente deste post, mas em outros que acompanho no Mensageiro Sideral. Claro que cada um fala o que quer, mas ao invés de se falar sobre o post, seja uma crítica direta ou elogio, fala-se mais de outro assunto que acaba por atrair 80% de outros comentários que não ajudam em nada a resolver o problema, sem falar quando a coisa caminha para uma agressão mútua. Por isto acho que as pessoas deviam gastar seu tempo e energia em comentários mais úteis e diretos.

    1. Cristovao,

      Acho que esta situação apontada por você espelha o pouco interesse que assuntos científicos despertam em nossa sociedade. Ou mesmo a pouca compreensão a respeito de ciências. Eu já comentei aqui, anteriormente, que uma das coisas que me impressionou ao começar a acompanhar o Mensageiro, foi justamente a dispersão de ideias quando se começa um debate científico e a não unanimidade em relação à importância de se desenvolver ciências. Mas acho também que o Mensageiro Sideral tem provocado um impacto bem positivo em estimular esta discussão. A postura democrática do Salvador em não tolher a palavra, ajuda a não varrer o problema para debaixo do tapete. Mas é fato que tem de ter muita paciência com aqueles que aparecem apenas para perturbar o espaço.

  3. Como sempre o Salvador (e outros aqui) com o conceito certo. Já que este post incitou esta discussão “filosófica” sobre quais os limites da ação individual das pessoas, um país não chega a lugar algum se não fortalecer e respeitar as leis e as instituições. Marcar alguém como criminoso é um ato bárbaro sim. E quem tatuou tem que pagar por isso. Independente de culpa ou não do tatuado. O errado no Brasil são as leis. Outro dia li que quem é pego no Brasil portando um fuzil pega uns 4 anos de cadeia. Por bom comportamento sai em menos de 1 ano. Quem está na rua portando um fuzil não tem boas intensões. Então uma lei desta não é efetiva. Não coíbe ninguém. Mas OK, vamos fazer uma lei super rigorosa e colocar todo este pessoal na cadeia. Tá….E como manter o sistema carcerário que já está falido? O buraco é mais embaixo e a solução não é trivial. É só ver os custos desta ação no Rio, estimada em mais de 2 bilhões de reais.

    A solução é uma só: educação e inclusão. Mas não estas políticas demagógicas de educação e inclusão que só aparecem em ano eleitoral. Incluir é dar oportunidade. Quem realmente tem oportunidade não cai para o lado do crime. Agora quando recebe influência do crime, diariamente, quando é “educado” pelo crime, ai fica difícil reverter.

    Quanto aos valores arrecadados pelo pessoal do Sonear, é uma característica deste tipo de campanha. As pessoas leem, se solidarizam mas efetivamente não contribuem. Parece que o problema é dos outros. Já o rapaz tatuado causou um impacto maior por ser um assunto que causou interesse numa parcela significativamente maior da população.

  4. Não quero trazer discussão política para este distinto blog. Mas que é triste ver um projeto destes definhando por falta de recursos enquanto em Brasília fica evidente que o dinheiro público está sendo usado para garantir poder e a perpetuação no poder, etc… sem distinguir partidos, resta evidente que todos os “grandes” estão nessa jogada… queria ver essa movimentação política e engajamento por mais educação, mais saúde, mais cultura e mais ciência…

  5. parece que eles acreditam que 90% dos asteróides com tamanho pra dizimar a humanidade já foi descoberto, então a maior parte desses 10% restantes deve estar escondido no campo de visão do extremo sul, faz sentido pensar assim?

    1. Não necessariamente. Note que é possível ter asteroides que alternem entre os hemisférios Norte e Sul, com órbitas inclinadas com relação à eclíptica. E alguns asteroides podem ter “escapado” até agora por estarem em posições desfavoráveis para observação, não necessariamente no hemisfério Sul celeste.

  6. Juro que qnd vejo notícias como essa, ou com o custo do rádiotelescópio da china (não comparando escala e valores rs)…tudo que eu penso é como nosso estádio Mané Garrincha foi uma boa idéia.
    Será que essa falta de monitoramento pode ocasionar a queda, sem prévio aviso, de um meteoro em Brasília?

    1. Se cair, terão de construir outro Mané Garrincha — com o nosso dinheiro. Tem certeza que é boa ideia?

  7. Eu gostei da COMPARAÇÃO feita pelo Augusto, mais q justa! Poderíamos fazer tantas outras!
    Um erro não justifica outro (caso da tatuagem)……más uma coisa é certa como a morte……quem procura acha…..aquilo q vc planta vc colhe! Lugar de bandido é na cadeia e não como vítima….por favor né!!!!
    Deixar de contribuir com um instrumento de tamanha importância para toda a terra é um completo absurdo!

    1. Sim, mas as pessoas também são inocentes até prova em contrário, quem decide isso é a Justiça, e quem tinha antecedentes criminais não era o tatuado e sim o tatuador.
      Ninguém está defendendo a liberdade de criminosos, e sim criticando o vigilantismo em arrepio dos direitos constitucionais de todos os cidadãos. Até hoje não vi prova de que o tatuado realmente havia roubado alguma coisa. Você viu?

      1. Pelo seu discurso, posso presumir que você é contra a prisão do Eduardo Cunha, do Aécio Neves e contra o afastamento do Temer… afinal, inocentes até prova em contrário.

        1. Eduardo Cunha já foi julgado e condenado.
          Aécio Neves deveria ser preso, pois foi pego em flagrante. A Constituição, que prevê o flagrante, infelizmente também prevê uma série de proteções a políticos em cargos eletivos, o que tem permitido que ele escape momentaneamente. Mas, claro, em algum momento será julgado e, uma vez julgado e condenado, espero que vá preso.
          Lula (que você não citou, não sei por quê), estou contando os dias para o julgamento em segunda instância e a prisão. Mas não defendo que seja preso até que seja julgado pela segunda instância, pois esse é o entendimento legal vigente.
          Temer deveria ser afastado para ser JULGADO. Mais uma vez, a lei dá uma brecha para o Congresso adiar o julgamento. Mas, nem que seja após o fim de seu mandato, ele será julgado. E, se condenado, deve ir preso, como diz a lei.
          Simples assim.
          Por outro lado, a lei não diz que um cidadão pode punir outro cidadão por *achar* que ele está violando a lei. Não posso tatuar na sua testa “REAÇA” só porque acho que você está incitando vigilantismo, que é comportamento criminoso.

          1. Por favor, aponte onde eu incitei vigilantismo. Aponte qual lei criminaliza o vigilantismo.

          2. Você postou um comentário sugerindo tatuar “ladrão” nos políticos. Isso é vigilantismo.
            E a lei que criminaliza o vigilantismo é a Constituição Federal.
            Art. 5o, XXXVII: “não haverá juízo ou tribunal de exceção”.
            Ou seja, ninguém pode julgar ou condenar, salvo o sistema judiciário constituído pela lei. Qualquer coisa diferente disso é “tribunal de exceção” e, portanto, uma violação da Constituição.

          3. Arlindo e Salvador:

            1. O Salvador disse que o Aécio deveria estar preso porque foi pego em flagrante. Concordo. Mas o ladrãozinho que foi tatuado também foi pego em flagrante. – o que nos leva ao ponto n. 2

            2. Concordo que é errado o que fizeram com o ladrão. Mas não acho absurdo. A sociedade não agüenta mais a impunidade e o descarceiramento. Bandidos são presos e soltos em seguida. Imagine que um assaltante entra na sua casa, armado, disposto a matar para roubar. Você consegue desarmá-lo e ele se rende. Você chama a polícia, mas, sabendo que ele vai ser solto amanhã, que ele pode voltar a atacar você, sua família, ou outro trabalhador, acaba atirando nele mesmo rendido. Errado? Pela letra da lei, sim. Absurdo? Não.

            3. A situação deve ser analisada sempre dentro do contexto em que está inserida (até mesmo ‘pensadores’ mais obtusos como Foucault e Sartre concordam com isso). Eu vejo no tatuador uma vítima oprimida que um dia reage contra o agressor – como aquele vídeo viral do gordinho que de tanto sofrer bullying deu um kataguruma no valentão.

            4. No caso, a vítima (o cidadão que teve a bicicleta roubada) não tinha antecedentes. Quem tinha antecedentes era o amigo que ele chamou pra ajudar a tatuar a testa do ladrão vacilão.

          4. 1. Quem faz o flagrante é a polícia, não outros cidadãos. Você ver alguém cometer um crime não é flagrante; flagrante é se a polícia identificar o crime em curso. No caso do moleque, até agora não vi evidência convincente de que ele cometeu crime, salvo o depoimento dos criminosos que o tatuaram. Em compensação, já é sabido que o menino tinha problemas mentais. Essa história é tão brutal que me sinto mal até de pensar que precisamos discutir quem tem razão no caso, mesmo que todos concordemos no fim.

            2. Na verdade, bandido que escapa da cadeia é o que tem costas quentes. A maioria passa anos na prisão sem julgamento. Se você for ver o percentual da população carcerária que não teve julgamento (o número circulou esses dias), é brutal. Além disso, as cadeias estão cheias de gente que praticou crimes não violentos. Outro dia o Supremo (o Supremo!!) mandou para a cadeia a mulher, reincidente, que furtou ovo de Páscoa. Pelamor, né? Aplica uma pena alternativa nela e não manda a mulher pro calabouço que transforma pequenos meliantes em criminosos violentos. Essa luta pela “punição” às vezes é burra; o crime organizado só tem o poder que tem hoje porque mandamos qualquer traficante pé-rapado pra cadeia. Tem muita coisa a repensar aí, e sinceramente só vejo impunidade para crimes do colarinho branco ou para crimes não solucionados. Mas o cara entra na sua casa, te ameaça, rouba, e depois é preso pela polícia, não sai tão cedo da cadeia, não. Cite aí casos conhecidos de criminosos de homicídio ou latrocínio que saíram da cadeia na maciota.

            3. Você deve estar de brincadeira. Só se foi opressão policial. O tatuador tinha passagem pela polícia. Ele era o criminoso, e reincidiu de forma óbvia e cristalina.

            4. Precisamos definir antes de tudo se uma pessoa com problemas mentais que pega uma bicicleta deve ser chamada de criminoso. Na sua opinião, sim? E qual foi o bem que foi subtraído da vítima? Qual foi o mal cometido? O menino era da vizinhança, era conhecido. Juro que não consigo entender como alguém pode sequer “compreender” essa barbárie.

          5. “Eu vejo no tatuador uma vítima oprimida que um dia reage contra o agressor”

            A Bicicleta roubada não era do tatuador, nem do amigo que ele chamou para ajudar. Então não existe isso de vítima oprimida.

            Outra, essa tal reação só ocorreu porque o ladrão era um ladrãozinho pé-de-chinelo. Fácil ser “vigilante” quando o criminoso é um adolescente, usuário de drogas. Porque a tal “vítima oprimida” não foi reagir contra traficantes, policiais corruptos, políticos. A indignação desses vigilantes parece ser bem seletiva.

            O que eu vi foi uma pessoa torturando outra, se divertindo com isso e usando como justificativa para sua barbárie a desculpa de que está punindo um criminoso.

  8. Vergonha ,típico de país de cultura de pedinte para tudo, o povo tem que aprender, exigir e cobrar das autoridades que façam a sua obrigação e não se acomodar.

    1. Eu discordo redondamente. Aliás, prefiro muito mais projetos que desoneram o estado, movidos por voluntarismo, do que projetos que são mantidos por governo e têm desempenho muito inferior. Compare o desempenho do SONEAR, privado, com o do IMPACTON, do Observatório Nacional. Ainda que atuem de maneira diferente, os resultados do primeiro — a custo zero para o governo — são muito melhores que o do segundo — que, apesar de todas as boas intenções, competência e verba pública envolvida, jamais decolou.

    1. Eu não entendo. Tem só dois jeitos de fazer a coisa: pedindo pras pessoas darem dinheiro ou tomando o dinheiro delas via impostos, sem dar voz sobre onde eles devem ser gastos. Você acha a segunda opção mais honesta que a primeira, é isso?

    2. Carlos,

      Puro preconceito seu. Crowdfunding é bem diferente de esmolar. É uma maneira independente e democrática de arrecadar recursos e de permitir a participação de pessoas interessadas em um projeto. E como sempre estamos atrasados. Nos EUA e Europa esta forma de arrecadação já permitiu alavancar projetos muito interessantes. Empresas estabelecidas usam este meio para, também, testar uma ideia nova junto ao público.

  9. Parabéns Jacques, João Ribeiro e Eduardo Pimentel por manter esse observatório SONEAR, com recursos totalmente da iniciativa privada. Segundo astrofísico João Steiner, os astrônomos amadores tem feito uma contribuição enorme na pesquisa do campo observacional. Não é fácil manter o equipamento em funcionamento, porque a lente de um telescópio, além de ser muito sensível, é cara! Por isso vai a meu dindim de 300 reais como lance!

  10. Todos que puderem ajudem, os dinossauros não tinham projetos como esse e sabemos o destino deles. A verdade é que não só de meteoros e cometas com potencial de extinção e massa que estamos falando, mesmo os menores com potenciais de destruir uma cidade ou causar um maremoto que matem milhares de pessoas estão incluidos nessa iniciativa. Voce e seus descendentes merecem essa proteção.

  11. Ta de sacanagem ne??? Em 10 dias, eles arrecadaram apenas cerca de 1400 reais… Agora, a vitima da sociedade que teve a testa tatuada, em 3 dias, conseguiu mais de 20 mil… Isso que eh inversao de valores. Pqp… Brasil uma patria educadora. Brasil, o pais do futuro. Brasil, a essencia do termo republiqueta das bananas

    1. Bem, vamos combinar que o lance da tatuagem na testa foi mesmo um absurdo. Uma violência terrível.

      1. Se tatuassem todo ladrão na testa, seria mais fácil identificá-los. Acho uma boa idéia. Sugiro, aliás, começar por Lula, Aécio e Temer.

    2. Augusto, vamos combinar que no inicio vôce foi bem, mas depois foi mal.
      As duas coisas, a falta de incentivo e o ato de tatuar são inadmissíveis.

Comments are closed.