Mensageiro Sideral

De onde viemos, onde estamos e para onde vamos

 -

Salvador Nogueira é jornalista de ciência e autor de 11 livros

Perfil completo

Publicidade

Fazer contato com uma civilização tecnicamente superior é arriscado, diz Reinaldo José Lopes

Por Salvador Nogueira

Estabelecer contato com outra civilização que seja tecnologicamente muito superior — seja ela terrestre ou extraterrestre — tende a ser extraordinariamente perigoso para quem está na ponta mais fraca. É o que sugere o jornalista científico Reinaldo José Lopes, depois de fazer um intenso mergulho na história do Brasil pré-colonial.

Em entrevista ao Mensageiro Sideral, Lopes não se recorda de episódio histórico em que um contato entre civilizações com tecnologias e modos de pensar díspares tenha acabado bem para ambos os lados, o que reforça a tese de algumas sumidades no mundo da ciência, como o físico inglês Stephen Hawking, segundo o qual um contato com extraterrestres pode ser uma péssima ideia.

Ele não chega a dizer, contudo, que um encontro pacífico seja impossível. “Para a coisa não degringolar, você precisa que os dois lados tenham uma estrutura ideológica que seja favorável à convivência pacífica de diferentes modos de vida”, diz Lopes. “Naquela época [referindo-se à chegada dos portugueses ao Brasil em 1500] não tinha. Você tinha uma ideologia de conquista europeia, e você tinha uma ideologia de conquista indígena também. Em outros lugares, a mesma coisa.”

Qual seria o segredo para atingir um estágio em que um encontro de civilizações não se transformasse em catástrofe? “Acho que depende muito de um estado, senão laico, talvez uma cultura em que haja essa promoção ativa da tolerância e da convivência de visões opostas. Minha esperança em relação a um contato interestelar é que esses caras, para terem chegado num nível desse, eles possivelmente tiveram de desenvolver uma coisa similar à nossa visão atual. Por outro lado, se os nazistas tivessem ganhado a Segunda Guerra Mundial e tivessem feito a corrida espacial, vai saber se não pode ter havido ‘nazistas’ vencedores em outra estrela?”

Esse, é claro, só um aperitivo da entrevista, sob medida para que o Mensageiro Sideral não saia muito dos trilhos na temática do blog. Mas nossa conversa na verdade girou muito mais em torno da fascinante história dos primeiros povos da América — as culturas perdidas que se desenvolveram em isolamento por cerca de 15 mil anos, por baixo, em nosso país-continente — e de como se deu o “embate” com os europeus no período colonial, a partir de 1500. O assunto é tema do sensacional novo livro de Lopes, “1499: O Brasil antes de Cabral”.

Claro, para não perder a viagem, falamos também de outro livro que o jornalista acabou de lançar, “Mitologia Nórdica”, e o Mensageiro Sideral aproveitou a oportunidade para extrair as previsões de “pai Reinaldo” para a oitava e derradeira temporada de “Game of Thrones” — história que, pelo lado da fantasia, é fortemente baseada na mitologia de Odin, Thor e seus amiguinhos. (E, olhe, se “pai Reinaldo” acertar em suas profecias, o inverno está mesmo chegando, viu?)

De quebra, falamos sobre jornalismo científico e o desafio de vencer a grande batalha atual contra o obscurantismo.

Confira a seguir a íntegra do papo, no mais novo episódio de CONEXÃO SIDERAL.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook, no Twitter e no YouTube

Blogs da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade