Mensageiro Sideral

De onde viemos, onde estamos e para onde vamos

 -

Salvador Nogueira é jornalista de ciência e autor de 11 livros

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Astronomia: O elo perdido

Por Salvador Nogueira

Nós temos essa mania de classificar as coisas. Mas, convenhamos, o Universo não está nem aí para isso.

OGLE-2013-BLG-0723: Sol-planeta-lua ou sol-anã marrom-planeta? (Crédito: Caltech)
OGLE-2013-BLG-0723: Sol-planeta-lua ou sol-anã marrom-planeta? (Crédito: Caltech)

TRÊS GUARDA-CHUVAS
Qual é a diferença básica entre estrelas, planetas e satélites? A primeira categoria, que inclui o Sol, reúne os astros que têm luz própria. A segunda é feita de objetos quase esféricos, sem luz própria, que giram em torno de uma estrela e são dominantes em sua órbita – como a Terra. A terceira, que inclui a Lua, consiste em objetos que orbitam planetas.

FAÇA-SE A LUZ
A luz própria das estrelas depende de quanto gás ela conseguiu reunir durante sua formação a partir de uma nebulosa. Se há massa suficiente, a pressão interna atinge um ponto em que os átomos de hidrogênio começam a grudar uns nos outros. A energia gerada no processo é o que “acende” a estrela.

ABORTOS ESTELARES
Há casos, contudo, em que a quantidade de gás reunida é insuficiente para o “fiat lux”. Temos aí uma espécie de feto estelar abortado, conhecido como anã marrom. Depois que esfria, ela se parece mais com um planeta gigante gasoso, como Júpiter, do que com uma estrela.

FORMAÇÃO DE PLANETAS E LUAS
Tanto estrelas bem-sucedidas como suas versões abortadas produzem discos de gás e poeira no seu entorno, que dão origem a planetas. A Terra nasceu do disco que se formou em torno do Sol. Planetas grandes também geram luas pelo mesmo processo.

UM “ELO PERDIDO”
Agora, dê uma olhada no sistema recém-descrito pelo grupo do astrônomo polonês Andrzej Udalski, a 1.600 anos-luz da Terra. É um objeto com 70% da massa da Terra orbitando um objeto com 30 vezes a massa de Júpiter, que por sua vez orbita uma estrela com 10% da massa do Sol.

E AGORA?
Identificado pela sigla OGLE-2013-BLG-0723, o sistema desafia classificações. Seria uma lua orbitando um planeta em torno de uma estrela? Ou um planeta em órbita de uma anã marrom ao redor de uma estrela? O Universo não se importa com nomes…

A coluna “Astronomia” é publicada às segundas-feiras, na Folha Ilustrada.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook e no Twitter

Blogs da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade