Terra e Lua, o casal mais incrível

Uma câmera da Nasa a bordo do sátelite Dscovr, da Noaa (agência de atmosfera e oceanos dos EUA), fez uma sequência de imagens espetaculares do planeta mais famoso do Sistema Solar e sua inseparável companheira. Veja a Lua transitar à frente da Terra, como se você estivesse num camarote a 1,5 milhão de km do nosso mundo.

Câmera EPIC, do satélite Discovr, registra a Lua passando à frente da Terra (Crédito: Nasa)
Câmera EPIC, do satélite Discovr, registra a Lua passando à frente da Terra (Crédito: Nasa)

E, se tiver uma janela perto e ainda estiver de dia, dê tchauzinho para o Dscovr (pronuncia-se “discover”). Ele está bem acima de você, fotografando nosso planeta continuamente de um ponto em que a gravidade da Terra e do Sol se equilibram. Por isso, ele está o tempo todo visualizando o lado iluminado da Terra. Olhe para o céu e, em algum lugar desse vaziozão, a 1,5 milhão de km, lá está ele. (Não tente fazer isso à noite. Nessa hora, o satélite estará fotografando o Japão, onde é dia.)

Duas coisas importantes a dizer dessa imagem: primeiro, a Nasa estuda o espaço, e o espaço inclui a Terra. Sim, é parte da missão da agência espacial americana investigar nosso próprio planeta. O satélite Dscovr é especificamente dedicado a isso e tem como foco pesquisar as transformações (leia-se “mudança climática”) que nosso mundo tem sofrido recentemente. O projeto foi durante muito tempo “empurrado” pelo ex-vice-presidente americano Al Gore, o que rendeu ao satélite o apelido de “Goresat”. Então, nem venha com aquela conversinha de “ah, como gastam dinheiro em coisas inúteis”. É do nosso futuro que eles estão cuidando, pessoal.

E a segunda coisa: quão espetacular é ver o lado afastado da Lua nesse ângulo? Daqui da Terra só vemos o lado próximo, sempre voltado para nós. Mas o lado afastado é interessante (e foi fotografado pela primeira vez em 1959, se não me engano, pela sonda soviética Luna-3). Tem muito menos daquelas bacias escuras (os chamados “mares” lunares, que, naturalmente, não são de água, mas de lava seca), e isso é um genuíno mistério lunar. Por que o lado afastado é diferente? Há possíveis explicações sobre o efeito do calor terrestre sobre a Lua, mas ainda é um caso que merece mais estudos. Temos tanto a aprender. Por isso precisamos ir até lá.

Agora, convenhamos, o que mais impressiona mesmo é a beleza. Nosso pálido ponto azul e sua eterna companheira, enlaçados numa valsa interminável ao redor do Sol.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook e no Twitter

Comentários

  1. Olá Salvador. Permita-me um comentário adicional. As imagens são belas, não há nenhuma dúvida. Mas, a rigor, a sonda DSCOVR é da NOAA, agência norte-americana para oceanos e atmosfera, a julgar pela informação do website oficial:
    http://www.nesdis.noaa.gov/DSCOVR/index.html

    Sim, a NASA está envolvida, tem instrumentos instalados na sonda, parabéns! Assim como a própria USAF. Mas só para lembrar que nem tudo que está relacionado com ciência ou astronomia se aplica única e exclusivamente à “NASA”.

  2. Salvador, belo artigo, belíssimas fotos. Mas… em vez de usar a palavra “Lua”, que soa como lugar comum, de tanto que nos acostumamos e nem percebemos o quão ela é importante (um dos fatores que impulsionou a vida, com suas marés), deveria usar a palavra “Selene”, que soa muito mais poética e combina melhor com este artigo… Abraços.

  3. Caríssimo Salvador e demais internautas, reza a lenda que Lua resultou do um grande impacto de um planeta com aproximadamente o tamanho de Marte com a Terra há bilhões de anos.

    Parte do material resultante do impacto foi atirado para espaço (e talvez a exemplo de Saturno, a Terra pudesse até te tido um anel formado pelos destroços!), uma parte dos destroços veio se aglutinou pela foça da gravidade e formou a Lua.

    Bom, existem evidências físicas na Terra dessa colossal colisão?

    Pergunto isso porque uma vez cogitei a hipótese de que as fendas que formam as placas tectônicas, bem como, o próprio tectonismo do nosso mundo seria, em hipótese, resultado desta colisão.

    Explico melhor, quando a Terra sofreu esse grande impacto, a maior parte da hipotética Theia afundou em direção ao núcleo do nosso planeta, assim quando esse material todo acresceu ao nosso núcleo o diâmetro da Terra logicamente se expandiu de imediato, a nossa crosta assim rachou-se por completo.

    Essas “cicatrizes” deram origem as rachaduras que foram o conjunto de placas tectônicas do nosso planeta.

    Confesso que é uma hipótese simplória, mas o que você (e demais blogonautas) acham desta proposição?

    “Este post foi um oferecimento de Maionese Airlines, viaje conosco.”

    1. Victor, não há resquícios na Terra do impacto por dois motivos. Primeiro: a pancada foi tão forte que deve ter derretido a superfície inteira da Terra. Segundo: depois que isso aconteceu, ainda teve uma pancadaria cósmica de asteroides que durou até mais ou menos 3,8 bilhões de anos, derretendo e ressolidificando a superfície da Terra diversas vezes.

      Ainda assim, há pistas de que de fato a Lua é fruto de uma colisão. O maior deles talvez seja o fato de que a Lua é muito menos densa que a Terra. Enquanto nós temos um núcleo de ferro, a Lua possivelmente é inteira de rocha — como se feita de um pedaço das camadas mais externas da Terra, e não um objeto que se formou do mesmo material que produziu os planetas (e era mais enriquecido em ferro).

      Outra dica recente foi a descoberta de amostras geológicas que representariam a composição de Teia, o objeto que bateu com a Terra para formar a Lua. Eu falei sobre esse trabalho no ano passado, numa matéria da Folha: http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/2014/06/1472790-pesquisa-confirma-formacao-da-lua-a-partir-de-colisao.shtml (O texto também mostra uma hipótese recente e bem concreta para explicar as diferenças entre o lado afastado e o lado próximo da Lua.)

    2. Olá Victor,
      Legal sua ideia, mas não procede por uma questão de linha de tempo.
      A colisão de Theia (corpo que colidiu com a Terra) ocorreu a mais de 4,5 bilhões de anos, quando nosso planeta estava ainda em formação. Muitos efeitos geológicos ocorrem nos bilhões de anos seguintes e a superfície sofreu muitas mudanças nesse tempo, mas as “rachaduras” são relativamente recentes, algo em torno de 500 milhões de ano.
      Sendo assim, as “rachaduras” não são frutos da colisão ou do dilatamento da Terra.

      1. Pois é, parti da premissa errada que as placas tectônicas eram tão antigas quanto a Terra e outra, não vislumbrei na hipótese que numa colisão dessa magnitude ambos os corpos envolvidos se derreteriam totalmente em razão do calor e da energia gerados, como bem me explicou o Salvador.

        Comecei a pensar nessa baboseira muito porque a Terra é o único planeta rochoso do sistema solar que tem uma Lua e placas tectônicas e que ambas as características únicas poderiam ter uma gênese comum. Mas foi bobagem minh! Já deixei pra lá kkkkk

  4. Reparou que aos 15 segundos aparece um ponto em cima da Terra, rsrs. Fica mais facil ver sem maximizar a tela, se maximizar o ponto fica bem embaixo do T da palavra “Earth”.
    Reparem no Ovni kkk.

    1. Sim, é um Objeto.
      É Voador.
      E Não é Identificado

      OVNI

      MAS também pode ser artefato da câmera, pode ser reflexo do Sol em algum objeto em órbita (satélite? ISS?), pode ser tanta coisa.

      😀

      1. Caro Vicente, tenho mais de 70 anos e sou graduado em jornalismo e química pela PUC-Rio além de metade da graduação de psicologia na UFRJ. Hoje, apesar de velhinho faço pós-graduação de química e física aplicadas na universidade de HARVARD.
        Faço jornalismo para um grupo de deputados da oposição no RJ, isto mesmo sou atuante ainda hoje.
        Permita-me fazer uma sugestão para o seus comentários > mostre com fatos e exemplos o que a pesquisa astronômica e cósmica trazem de benefícios para a Humanidade. Sinto em alguns comentários de seus leitores que é um *desperdício* se *torrar* tanto dinheiro naquelas atividades.
        O que o CERN pode trazer de benefício para a Humanidade ? Você e eu sabemos, mas tem uns caras aí que não sabem.
        Que você continue com o seu sucesso e conte comigo para divulgar sua obra para os meus 7,3 milhões de *espiadores*.
        Com todo o carinho e respeito,
        Pedro Cunha
        Copacabana, Rio de Janeiro, RJ

      2. Em nenhum momento eu disse ser uma nave espacial alienigena :P.

        ISS, realmente tem grande chances de ser.

      3. A ISS não deve ser.
        Ela orbita a mais ou menos a 400km de altura, e olhando para o vídeo algo nessa altura fica bem próximo da superfície da Terra.

        O ponto brilhante q aparece, pela proporção, esta muito longe da Terra e se for um objeto deve ser bem grande.

        Não tenho a mínima ideia do que pode ser, acredito que possa ser um problema na imagem, nada mais.

  5. Salvador,
    O que impede que a Lua colida com a Terra? Considerando que os dois atros possuem uma força gravitacional se atraindo, mesmo com a força centrifuga, isso não deveria fazer com que se aproximassem mais e mais até encostarem? Tem algo a ver com o campo magnético? Tem algum caso assim registrado? Grato

    1. Não. É só a gravidade em ação. Ela atrai a Lua na direção da Terra, mas a velocidade da Lua é tal que ela permanece sempre caindo na direção da Terra numa órbita elíptica. Na prática, a Lua ESTÁ caindo na Terra, mas numa trajetória que faz ela sempre “errar” o alvo.

        1. Eles entrariam em órbita se voassem tangencialmente à Terra e estivessem na velocidade certa para compensar a atração gravitacional. É uma das hipóteses para as luas marcianas, por exemplo — podem muito bem ter sido asteroides capturados. Mas normalmente asteroides não voam nessa trajetória tão precisa. Em geral, ou eles batem, ou seguem em sua rota em torno do Sol, apenas modificada pela gravidade da Terra.

  6. Salvador, bom dia!
    Daqui da Terra (de qquer ponto) vemos a Lua se movendo pelo céu. Resultado de dois movimentos: da Lua, em seus 28 dias e da Terra em suas 24 horas.
    Mas como a Lua mantém sempre a mesma face voltada para a Terra, como seria a visão da Terra vista da Lua? Existe algum artefato que tenha gerado esta visão ao longo de uma órbita lunar?
    abs,

  7. Só se for um casal homo, pois os dois são femininos. Se a Lua é uma parte desprendida da Terra, a composição deve ser igual e a lava é o resfriamento do magma que foi junto. Se não conseguimos influenciar em nosso próprio planeta, quanto mais no espaço, a não ser que estejamos procurando o local para a próxima bomba. O nosso planeta é lindo e único.

    1. A Terra é linda e única, do mesmo modo que cada um de nós é um ser humano único (só gêmeos idênticos não são únicos, mas cada um terá uma trajetória única de vida).

      E isso não quer dizer que outros planetas, em condições parecidas com a nossa, não possam ser lindos e cheios de vida e com suas histórias únicas…

      1. O único problema é que não existem planetas como a terra, não adianta nem procurarem.

        1. Genial. Agora confirma a hipótese de que não existem planetas como a Terra sem procurar. Ah, não precisa confirmar? Então não é ciência. Porque ciência precisa confirmar. E aqui neste blog, perdoe-me, a gente valoriza ciência. Não achismos. 😉

          1. Se falou que não existe, mas não quer testar, é achismo. Sinto muito. Só não é achismo aquilo que a gente testa e confirmar. Aí chama ciência. O conhecimento pode ser dividido entre duas grandes vertentes: achismo e ciência. Normalmente, tudo começa com achismo e, se posto à prova, pode virar ciência no fim. Se não é posto à prova, continua sendo achismo e pode acabar incorporado à religião, ao misticismo, à superstição, à filosofia… take your pick!

        2. Parem as prensas! Avisem a NASA que o oswaldo acabou de dizer que não adianta procurar, porque não vão achar!

          oswaldo para presidente do mundo, agora!

          Tem meu voto, vadão!

    2. Cara, hoje você viajou bem… ou não é o Oswaldo de sempre ou tem algum barato que você tomou que também quero experimentar….

      1. Sempre viajo bem, sempre em alfa. Não necessito de baratos e nem caros, mas se tiver necessidade de excitar fale com o Eu (marca registrada) e veja como se vira.

    3. Só se for um casal homo, pois os dois são femininos

      Parafraseando o Radoico:

      “Tanto faz, são dois corpos celestes assexuados. Nós é que procuramos categorizar tudo, até os seres inanimados.

      Para os gregos antigos, a Terra era uma deusa e a Lua outra deusa, ambas femininas.

      O Sol, para nós, é masculino, para os alemães, é feminino (die Sonne).”

      Volta pra casinha, oswaldo.

    4. Femininos no portugues. Em alemao, por exemplo, sao masculino (Der Mond – lua) e feminino (Die Erde – Terra)…

    1. Não, o “lado oculto” da Lua nunca se apresenta para nós. Ele fica sempre voltado para o espaço.

    2. A chamada “Lua Nova” é o período em que a Lua está do lado diurno da Terra, isto é, do lado que o Sol está iluminando. E a face que se apresenta para nós é a mesma que a das outras fases da Lua.

    3. Cara, eu crio um átomo em casa faz anos… encontrei ele pequenino e sem energia… dei comida, carinho… hoje ele é feliz aqui em casa, latindo e sempre abanado o rabinho, acompanhado do casal de gatos Anion e Cation (ela odeia esse nome), além dos seis ramsters que também tenho…. Up, Down, Botton, Top, Strange e a Charm….

  8. Os cientistas do mundo não conseguem fazer sequer um atomo de hidrogenio, o mais simples que existe.
    Ou um casalzinho de mosquitos que se reproduzam ou mesmo dar vida a uma folha morta.
    No entanto se julgam como o apice da criação.Acima de Deus.Os cientistas apenas usam o que já existe.mais nada

      1. Então é o Eu que inferniza minhas noites de sono? Caramba, que descoberta impressionante!

        Então o Elguajiro descobriu que os cientistas só estudam o que já existe na natureza?
        Demorou um pouco, mas está no caminho certo.

    1. Uma hora são os Nibirutas, outra hora são criacionisbirutas, agora tem os Kardecisbirutas . Quando ao invés de vir aqui escrever besteiras , eles primeiro deveria ir estudar um mínimo de física . Ao invés de ler livros de espiritismo , vai ler livros de física .

    2. Elguajiro, meu caro, é óbvio que os cientistas só podem estudar o que de fato existe. Estão a procura de respostas para inúmeras perguntas que intrigam a humanidade desde os tempos primordiais. Estudar lendas, mitos e seres como, fadas e duendes, ficou para pessoas que tem muito tempo a perder com futilidades, que não trazem nada, a não ser a continuidade e as amarras dos grilhões do misticismo. Ciência é o único farol a iluminar a escuridão da ignorância humana.

    3. Elguajiro, lamento te informar, mas você está totalmente enganado quando diz que o homem é incapaz de criar um átomo de hidrogênio ou um simples mosquito. O homem criou DEUS, você quer mais? O maior poder de criação está dentro dentro de si próprio e o cérebro humano é extremamente suscetível a alucinações.

  9. Luz é energia.Materia é luz coagulada.Se vc acelerar a materia até certo ponto ela se transforma em luz.
    Se vc congelar a luz em +- 300 graus abaixo de zero ela vira materia.
    Na Dinamarca congelaram a luz e fizeram um chip com apenas seis atomos.
    Pois bem, isto está escrito no livro A genese de Kardec de 1870.Karakas!!!( O homem não sabe é nada).

    1. Não, ninguém nunca fez átomos com luz. Embora, de fato, matéria e energia sejam intercambiáveis. O duro é você achar uma aspa do Kardec que relacione isso à velocidade da luz, como em E=mc2.

      1. Não fizeram atomos com luz.Presta atenção.Congelaram a luz e ela virou atomos.
        Não sei como, mas foi feito na dinamarca.
        saiu na internet, inclusive com imagens.

        Os espiritos tem bilhões de anos e sabem muito, só não ensinam pq cabe ao homem descobrir por si mesmos, ou não haveria merito.Karakas!!!(Assim como não ensinaram aos homens das cavernas , não ensinam ao homem moderno.Qd muito inspiram.)

        1. Você entendeu tudo errado. Sei do experimento de que você falou. O que acontece é que eles usam uma nuvem de átomos ultrafrios (note, os átomos já estão lá) para frear a luz. A luz de um laser entra lá, dá sua energia aos átomos e para. Ou seja, ela não vira um átomo. Ela dá mais energia a um átomo já existente e, com isso fica sem energia, aí para. Com um outro laser eles ativam e desativam o “freio” de luz. Ao soltar o freio, o átomo devolve a energia à luz, que volta a viajar na velocidade padrão.
          Note que rolou troca de energia entre fótons (partículas de luz) e átomos, mas a luz não virou matéria.

          Sobre a idade dos espíritos, não saberia dizer. Só sei que, até agora, o que eles disseram a quem os escuta não ultrapassa em geral os conhecimentos da época de quem os escuta. Por isso, os textos de Kardec — ditados ou não por espíritos, aí fica a gosto da crença de cada um — têm tantos vícios de linguagem e de conceitos da ciência do século 19.

          1. Gostei demais do trecho: “Sobre a idade dos espíritos, não saberia dizer. Só sei que, até agora, o que eles disseram a quem os escuta não ultrapassa em geral os conhecimentos da época de quem os escuta. Por isso, os textos de Kardec — ditados ou não por espíritos, aí fica a gosto da crença de cada um — têm tantos vícios de linguagem e de conceitos da ciência do século 19.” Alguém já viu algum “espírito” falar de física quântica? KKKK

  10. Lindas as fotos. Só não entendi por que a lua é uma mulher e a terra é um homem nesse casal..

    1. Tanto faz, são dois corpos celestes assexuados. Nós é que procuramos categorizar tudo, até os seres inanimados.

      Para os gregos antigos, a Terra era uma deusa e a Lua outra deusa, ambas femininas.

      O Sol, para nós, é masculino, para os alemães, é feminino (die Sonne).

      1. Estou respondendo em português, para nós, a não ser que o radioco seja nórdico.

    2. Caro Daniel, note que não o texto não se referiu ao sexo dos astros. Foi apenas sua mente que interpretou assim, talvez devido ao uso de abordagem poética no texto e ao emprego dos artigos dentro das normas da língua portuguesa. Talvez também devido ao entendimento normal de significados dentro da nossa sociedade. Confesso que também fiquei com uma imagem semelhante a sua. Mas como disse o Radoico, com toda a pertinência, astros não tem sexo.

  11. Salvador,
    sempre curti muito reportagens sobre os mistérios que cercam o nosso satélite, mas internet, muitas vezes é terra de ninguém. Muitos ainda hoje duvidam que o homem realmente pousou na lua, e outros acham que o homem nunca retornou lá, devido a coisas que foram vistas no nosso satélite, principalmente no lado oculto. Será que existe algo tão próximo do nosso planeta, uma verdade que poucos sabem, mas que existe receio de ser revelado ? Será que houve realmente as missões secretas Apollo 18, 19 e 20 ? Aqueles supostos áudios captados por radio amadores durante o pouso da Apollo 1, onde mensagens codificadas relatavam a presença alienígena na lua são válidos ? Apesar de ter muita coisa fake publicada, confesso que os vários mistérios que cercam esse nosso satélite, apesar de muita coisa ficar no lado especulativo, me fascinam até hoje.
    Abraços.

    1. Tudo isso é realmente falso, invencionices. Eles desceram na Lua e não viram nada de extraordinário, a não ser o ambiente desconhecido e novo que exploraram.

    2. Permitam-me brincar um pouco.
      Sobre a Apolo 18 vi um filme. Mas era muito ruim, após 5 minutos mudei de canal.
      Quanto aos áudios da Apolo 1, só pode ser o da sua explosão em terra.

      1. Triste evento, que mostra a coragem dos astronautas, pois a cada lançamento – ou simples teste – eles só tem a esperança de voltar, nunca a certeza.

  12. Salvador, me surgiu uma duvida, pode me ajudar?

    Essa foto (http://blog.livecontent.co/wp-content/uploads/2015/05/terra_vista-da-lua_1024x768.jpg) é muito famosa e foi tirada pela NASA.

    Veja que a Terra aparece bem menor do que na foto tirada acima. Observando que esta foto sua foi tirada atras da lua (satélite———-lua———terra), a foto da NASA supracitada não deveria ter uma Terra maior ja que era apenas (lua———terra)?

    Obrigado e um abraco.

    1. As fotos feitas na Lua não usaram nenhuma forma de ampliação. As do Dscovr contam com um telescópio para ampliar a imagem.

  13. Alguns dizej que o afastamento da Lua da Terra a 3cm por ano se deve ao efeito maré, o que não vejo fundamento físico. Porque não choque de meteoritos acelerando sua velocidade orbital? Impossível ser um queijo suiço sem efeito algum.

  14. Emociona ver a amiga e fundamental para nós estarmos aqui, a Lua, “vigiando” a Terra, solicita e solidária. A nossa existência tem grande “culpa” da Lua. Tá levando “pancadas” de meteoros, meteoritos a milhões de anos. Um escudo. É linda. Alguns comentários escrevem q a linda Terra é única. É sim. No contexto de q só Ela está no q chamamos de Sistema Solar na Via Láctea. A Natureza (Ele) criou bilhões de galáxias. Trilhões de estrelas. E uma quantidade imensurável de planetas e suas luas. A Terra é uma joia raríssima do Universo sim, mas com certeza não é a única joia, a única perfeita em localização, tamanho, tempo de vida, seu Sol na medida e distância certa, ao contexto de gerar vida, de tantas e lindas formas. Nos confins, ou até mais perto, sabemos lá onde, do Universo, outras ¨bolinhas” lindas e azuis e sua Lua, companheira, existem. Deus não joga dados. Ele não fez tanto, e tão gigantesco e tão organizado e caótico, e mutante Universo para que alguns aparelhos terrestres ficassem batendo fotos, lindas, claro.

  15. Salvador Nogueira, tenho profundo respeito pelo seu trabalho. Tenho 74 anos mas sou movido a curiosidade.
    Sempre fiquei intrigado e querendo ver imagens do lado oculto da lua. Tem algum link ou site onde possa ver?
    Salvador, apesar da minha idade, trabalho 10 horas por dia, respondo pelo departamento de imprensa de um grande sindicato patronal, namoro há sete anos, fumo e bebo meus Hi-Fi… rs rs
    Grande abraço

    1. Salvador, aproveitei sua dica e fui dar uma olhada na Lua usando o Google Earth… muito legal mesmo, não sei como não fiz isso antes.

      Me intrigou uma cratera gigantesca do lado oculto, usando a régua do aplicativo deu quase 600Km de diâmetro!

      É isso mesmo? Sabe algo a respeito?

        1. Ualll! E aqui pertinho, na nossa Lua.

          E eu que achava a cratera Tycho incrível, agora mais essas 🙂

  16. Nos tratam como néscios. Acham que todos somos coxinhas desinformados e ignorantes. Bonito é o arremate.

    Lá está ela bonita, linda e coisa e tal. O cosmético toma conta do “jornalismo”.

    1. Acho só que vale a pena enxergar também a beleza no mundo, em vez de tão somente a informação.
      Mas desculpe se você se sentiu néscio com o texto. Não foi a intenção. 🙂

    2. Puxa Franklin, injusto seu comentário.

      Da uma olhadinha nos outros posts do Salvador (os links estão do lado direito da página).
      O Salvador sempre tomou o cuidado de agradar a todos os tipos de leitores, sério e profundo em alguns artigos, leve e divertido em outros, poético quando convém. Enfim, falar de ciência não precisa ser necessariamente sisudo ou técnico demais.

      Como Salvador, e muitos outros, eu me encantei com vídeo, aliás, sempre me encanto quando vejo tamanha beleza.

      Apreciei e muito o post do Salvador, e pode ter certeza, não sou um cara desinformado ou ignorante.

      Fascínio é a força que move uma paixão, e muitos aqui são apaixonados pela astronomia e na visão do apaixonado a beleza aparece em cada detalhe.

  17. Dá para ver bem que a lua não gira. Então nesse momento do vídeo seria lua nova aqui na terra?

      1. Salvador, parabéns pelo blog e pelas ‘sempre fascinantes e surpreendentes’ informações! Agora, fiquei com uma dúvida: reparou que no curto vídeo a Lua aparece sempre com sua sombra sobre a Terra na mesma posição? Sim, entendo que o Sol está por trás do Dscovr, iluminando a Lua e a Terra, mas a sombra da Lua não muda nem um pouquinho sua posição, parecendo até um recorte e sobreposição na imagem da Terra! 🙂 Será efeito de ótica? Grande abraço, Marcelo

        1. Não é a sombra. A rigor, a sombra da Lua nem está se projetando sobre a Terra (caso contrário, teríamos tido um eclipse solar no dia 16 de julho). É que o satélite captura imagens em três filtros (R, G e B), para depois compor a imagem colorida a partir de três fotos PB. Nisso, como os objetos se movem de uma foto para outra, gerou aquele artefato, uma pequena borda. Se você olhar na foto, em zoom, vai ver que é meio verdinha. Abraço!

  18. Mais uma demonstração cabal da excepcionalidade do nosso planeta. Nossa querida Terra é muito mais do que um “pálido ponto azul”…

    1. Até tirarmos fotos de outros pálidos pontos azuis, ela continua sendo única. Mas, até aí, Marte também é único. Saturno? Único. Júpiter? Único. Vênus? Único. Mercúrio? Hmm, internamente único; por fora é a cara da Lua. Netuno e Urano são bem parecidos entre si também. Ainda é cedo, com base nessa amostrinha, para chutarmos quantas Terras há por aí. Mas aposto que um monte. Não há nada de particularmente incomum na Terra. É só a composição padrão no tamanho certo e na distância certa do Sol. (Não vamos entrar na discussão de vida, OK? Estou só dizendo que deve haver toneladas de mundos com oceanos azuis de água salgada e nuvens branquinhas lá fora!)

      1. Eu também gostaria que tais planetas existissem, embora não exista nada que justifique essa suposição…A excepcionalidade da Terra reside exatamente na reunião das características ideais para o florescimento da vida.

        É pouco provável que isso possa ter sido reproduzido em outro local. Ele não permitiria…

        1. Apolinário, está claro que Deus não abomina água líquida no resto do Universo. Aliás, claramente, ele é fã. Porque lugares onde antes achávamos que não haveria água líquida, como nas luas de Júpiter e Saturno, na verdade tão cheios d’água. Então, planetas com água na superfície são só uma questão de nível de radiação estelar. Já vimos que planetas do tamanho da Terra fora do Sistema Solar têm a mesma composição básica da Terra (silicatos + metais). Água é abundante no Universo inteiro. E o nível de radiação, em muitos desses planetas, é permissível. O que pode dar errado? 😉

          1. A existência de água por si só não significa muito. O que sabemos por nossa Ciência é que os elementos necessários para o surgimento da vida devem ser ajustados num grau de complexidade imenso, como que feitos de maneira quase artesanal. E não sou só eu quem diz isso. Gosto muito de uma frase do Professor Simon Conway-Morris:

            “But the other part of it is that we don’t actually know what life is at all. We’re good at studying it and so forth, but we don’t understand how it coheres, how it shows extraordinary homeostasis. Clearly it’s a physical and chemical system, but it’s one that works in an arrangement which would leave any engineer green with envy”

          2. Pois é, o Simon Conway-Morris tem dito umas coisas que o deixariam arrepiado. Mas logo, logo eu escrevo!
            E, sim, não estou discutindo a presença de vida. Só de habitabilidade, como definida atualmente pela maioria dos cientistas (água em estado líquido, compostos orgânicos, gradientes de energia para reações químicas complexas). Obrigado pela conversa racional e criteriosa! 🙂
            Abraço!

          3. ” excepcionalidade da Terra reside exatamente na reunião das características ideais para o florescimento da vida.” -> vida IGUAL A NOSSA. Mas outras propriedades podem gerar outro tipo de vida…nada impede que outra espécie sobreviva apenas com nitrogênio por exemplo…

          4. Admiro a obsessão do Apolinário por vida em outros planetas. O colega distorce qualquer assunto para abordar o tema de sua obsessão.

          5. Apolinário, o grande partidário da “Rare Earth hypothesis” aqui do blog hehehe 😛

          6. Nossa…que Deus glorioso!!!
            Criador deste mundo e de muitos outros.
            E existe um pensamento…que este universo pode estar dentro de um átomo.
            A gloria é toda dele. 🙂

        2. Apolinário, não seria mais gratificante pensar que Deus é livre para fazer o que Ele quiser?

          Aos invés de pensar que Deus não permitiria um outro mundo tão magnifico como o nosso, pense que Ele faz o contrário disso, cria inúmeros mundos magníficos!

          Deus é livre! O universo é Dele! Ele fez um universo insondavelmente grande e encheu ele de incontáveis mundos! Mundos únicos em si, porém, todos seguindo as mesmas regras que podemos entender.

          Deus é muito mais esperto que nós, ele usa poucas regras para criar uma complexidade de mundos que só agora podemos deslumbrar… e conhecendo um pouco dessas regras podemos deduzir o que Deus tem feito por aí. É legal compartilhar com Deus esse conhecimento, e deduzir que pelas regras Dele, Ele deve ter feito muitas outras “Terras” por aí.
          A humanidade já deduziu isso faz tempo, agora temos a tecnologia para começar a ver esses outros mundos que Deus fez.

          Eu acho isso maravilhoso, olhar para o céu e ver cada vez mais longe aquilo que Deus faz por aí.

          E não vejo a mínima razão em trancar Deus numa redoma limitada à nossa capacidade de compreensão daquilo que Ele é faz.

          Liberte Deus e verá que tudo vai ficar diferente.

        3. As razões pelas quais o Apolinário Messias não aceita “a possibilidade” de existir outros mundos parecidos com o nosso, capazes de sustentar vida são infantis, fruto do seu orgulho e da sua vaidade.

          A vaidade do Apolinário diz que temos que ser o centro da criação, pois só assim teremos uma ligação especial com o Deus católico. A vaidade do Apolinário manda que sejamos a obra-prima de Deus, ou seja, sem concorrentes.

          A probabilidade de sermos uma ocorrência única num universo quase que infinito em sua magnitude é discutível em termos de percentuais, mas não é nula, tendo em vista o conhecimento astronômico atual que possuímos.

          Posições medievais como a do Apolinário não condizem com este blog, cujo intuito exalta os feitos da ciência. Justificar um posicionamento com base na bíblia ou mesmo na visão de Deus, é abandonar o campo do debate científico e adentrar no nebuloso campo da religião.

          A Bíblia já foi desmentida tantas vezes na história que fica até chato repetir. Aliás, a igreja historicamente é uma sucessão de erros quando adentra no campo da ciência e da liberdade de pensamento.

          Não custa lembrar o pobre Giordano Bruno que morreu queimado na fogueira da Santa Inquisição. Ou mesmo quando Galileu Galilei que foi obrigado a negar as suas ideias, ocasião em que a Igreja tentou banir o heliocentrismo. Sem se esquecer do Charles Darwin e a descoberta que a vida evolui e se adapta às pressões do meio, garantindo a sobrevivência dos mais “fortes”.

          Aliás, a igreja continua errando até hoje quando adentra no campo da ciência, a par das recentes polêmicas envolvendo as pesquisas com células-tronco.

          Desde Galileu e Copérnico os homens descobriram que não são o centro do universo e que a bíblia nada mais é do que um apanhado de histórias mitológicas despida de verdades científicas. Apolinário Messias, se todos pensassem iguais a você a Terra seria o centro do sistema solar, talvez nem redonda seria. UFA!

  19. O que estou achando estranho é que já ouvi algumas dezenas de vezes que o planeta terra não é uma esfera perfeita e na sequencia de fotos ela é bem redondinha…Afinal to achando que isso aí é uma mentira!!! A terra não é redondinha como nas fotos, então qualé a verdade heim gente?

    1. A Terra não é perfeitamente esférica, é ligeiramente achatada. Mas é uma diferença mínima, de 43 quilômetros (diâmetro equatorial de 12.756 km, diâmetro polar de 12.713 km). Você não vai ver isso numa foto. Para todos os efeitos, é esférica. 😛

      1. É o que você disse numa outra ocasião: 4,99 pode ser 5 para a Física, jamais para a Matemática.

        Matematicamente, a Terra não é esférica, mas o que são 43 km em 12700? 🙂

    2. Olá,

      Não é perfeita não, na verdade o nome técnico seria “esferóide oblatado”. Claro, como temos atmosfera, não percebemos as deformações (bem mais aparente na lua, que não possui atmosfera). Veja um trecho do curso do Observatório Nacional:

      “Hoje, ninguém mais pode ter dúvidas sobre a forma da Terra. Ela não é
      perfeitamente esférica uma vez que o diâmetro de um pólo ao outro é 42 quilômetros
      menor do que o diâmetro no equador. No entanto, é errado dizer que
      a Terra tem a forma de uma tangerina. O diâmetro da Terra no equador é de
      cerca de 6500 quilômetros e a diferença de 42 quilômetros não significa muita
      coisa a não ser que a Terra é muito menos achatada do que qualquer tangerina
      ou parente dela.
      As medições mais recentes, bastante precisas e delicadas feitas principalmente
      por satélites artificiais, mostram que o nosso planeta tem uma forma
      que se assemelha, muito ligeiramente, a uma pêra. Mas, cuidado ao afirmar
      isto. A Terra não tem a forma de uma pêra! Se quiser ser técnico, diga que a
      Terra tem a forma de um esferóide oblatado.”

      1. Veja, ilustre passageiro, o belo tipo faceiro
        que se encontra ao seu lado.
        No entanto, acredite, quase morreu de bronquite,
        Salvou-o o Esferóide Oblatado!

        1. Desculpem-me, não consegui resistir… 🙂

          O termo “esferóide oblatado” é tão estranho para mim que me lembrou do “Rum Creosotado” e a famosa propaganda que nós, idosos, nos lembramos da infância, nos bondes em São Paulo.

          Pelo menos me ajudou a decorar o formato da Terra 🙂

          1. Eu™ comentou em 06/08/15 at 4:13 pm

            Amigo, chega que tá ficando feio. Vá estudar (GEOMETRIA), pra começar.

            Radoico comentou em 07/08/15 at 2:54 pm

            Desculpem-me, não consegui resistir…

      1. Vai sim. A cada ano se afasta quase 4 cm da terra…
        Ta certo que o sol ja vai ter chego por aqui antes da lua tomar seu rumo separada da terra, mas se nao fosse por isso teríamos um afastamento gradual até a lua nao mais orbitar a terra (se nao me engano levaria uns bons 100 bi anos)

        1. De 4 em 4 cm, se afasta. Mas nunca irá embora (ou seja, nunca se desprenderá do campo gravitacional da Terra). Esse é meu ponto.

          1. Salvador,
            Vamos repassar os conceitos de gravidade: A gravidade não tem limite de alcance. Por isso podemos dizer que a Lua sempre estará sob efeito da gravidade da terra, assim como todo o universo o está.
            Mas por outro lado, temos que pensar no sistema inteiro, e em todos os seus subsistemas.
            Aqui, daria para dizer que a Lua, ao se afastar da Terra, estaria se aproximando de outros corpos celestes e algum deles poderia passar a ser a principal força, forçando a Lua a orbitá-lo. Sob o conceito da órbita, seria bem possível que a Lua passasse a orbitar algum outro corpo, caso sobrevivesse. Acho que aqui no blog quando ouvimos dizer que a Lua estaria se livrando da gravidade da terra, significaria dizer que ela deixaria de orbitar a terra.

          2. Pense na gravidade da Terra como uma prisão para a Lua. O que quero dizer é que ela nunca vai se livrar dessa prisão. Ela está presa à órbita da Terra para sempre, a não ser que você esteja esperando a passagem iminente de um Nibiru da vida.

            É verdade que a gravidade não tem limite de alcance — pelo menos não na sua descrição clássica; não sei o que acontece se você quantiza a gravidade, o grande desafio da física hoje. Ainda assim, para todos os efeitos práticos, podemos delimitar a ação gravitacional pelo “poço” gravitacional que um objeto produz em torno de si.

          3. Você tem razão Salvador,
            Afinal o que faz com que a lua se afaste é o efeito de maré que ela causa na terra. Então a taxa de afastamento que atualmente é de 4cm, vai diminuindo à medida em que a lua vai se afastando. Mesmo que o tempo disponível fosse infinito, o afastamento da lua estaria limitado ao efeito de maré causado na terra, que fica limitado pela dureza da terra. E ainda existe o limite da sincronização da rotação da terra, também que é capaz de anular o efeito de maré. A equação não é muito simples, porque entra o efeito de maré do sol também. Possibilidade de Ressonâncias futuras, etc… Deixemos isso de lado, porque está ficando muito complicado.

  20. A imagem é uma das mais belas que já vi em toda a minha vida. Impressionante mesmo! É um balé cósmico, um dueto sinfônico e uma dança sem erros, encantador e gélido ao mesmo tempo. Tive a imensa felicidade de presenciar em 1992, um eclipse solar. Foi algo deslumbrante, lindo e curioso. Vi seis estrelas no céu, iluminação pública acessa, urubus voando em direção as árvores, galinhas entrando em galinheiros e uma abóbada solar (coroa solar) indescritível. Usei a famosa chapa de raio-x e observei todos os movimentos, desde o início, até o súbito “reaparecimento” da estrela. Tudo isso, lá para às 15:00 h (três da tarde). Quase 4 (quatro minutos) de rara beleza de um fenômeno inesquecível.
    Parabéns, Carl Sagan brasileiro, pelo post inquietante e lindo ao mesmo tempo!

  21. O que me intriga é que o lado mais “exposto” da Lua parece ter menos crateras que o lado que fica voltado pra Terra.

    1. Acho que em termos de crateras, o lado oposto tem mais. O que o lado próximo tem mais são os “mares”, que podem parecer crateras a olho nu, mas não são.

  22. Caro Salvador, Antes de mais nada, parabéns por ajudar a divulgar ciência.

    O texto entre aspas é um resumo retirado da Wikipédia;

    “Vácuo, por definição é a ausência de matéria em certa região do espaço, enquanto o “éter” é uma hipotética substância, postulada pela maior parte dos cientistas até o início do século XX, que em síntese defendiam a ideia da inexistência do vácuo na natureza. Pela teoria científica do século XIX, o Éter seria o meio de propagação da luz, assim como o ar é o meio de propagação do som.”

    Mas filosofando um pouco sobre o assunto,

    Sabemos calcular, e verificar experimentalmente, como uma onda eletromagnética se propaga no espaço-tempo, até que pode se “condensar” em fótons em determinadas ocasiões/situações. Mas não sabemos como elas se propagam (bem como as forças elétrica, magnética e gravitacional.). Até a fluidez do tempo é afetada localmente pela massa e velocidade com que se percorre uma região do espaço.

    Poderíamos sugerir que fora do limite de nosso universo, seria o “vácuo absoluto” pois não existiria o espaço, tempo e energia?

    Se considerarmos isso, o espaço contido no limite de nosso universo poderia ser visto como o “éter”, um meio físico no qual a energia (condensada ou “expandida”) existe e se propaga.

    Saudações.

    1. Horácio, o éter tinha propriedades bem definidas no século 19. Aquele éter não existe. Chamar o espaço-tempo de éter é “roubalheira científica”. E falar do que há fora do Universo é metafísica. Abraço!

      1. Caro Salvador, acho que não me expressei bem nas minhas idéias,

        Pelo que sei o Big Bang não foi uma explosão no sentido da palavra, pois explosão presume a expansão de algo em um determinado volume.

        A teoria do Big Bang afirma que, partindo de uma singularidade, teve o inicio da expansão do nosso universo, que possui um volume (em anos luz^3 ?) em expansão, e por consequência uma superfície limitada (em expansão até o momento). O que existiria fora dessa fronteira é realmente suposição metafísica, mas por definição, o que exista fora desse limite, não pertence ao nosso universo, certo?

        O que quis dizer foi em relação ao Éter foi;

        “Recapitulating, we may say that according to the general theory of relativity space is endowed with physical qualities; in this sense, therefore, there exists an ether. According to the general theory of relativity space without ether is unthinkable; for in such space there not only would be no propagation of light, but also no possibility of existence for standards of space and time (measuring-rods and clocks), nor therefore any space-time intervals in the physical sense. But this ether may not be thought of as endowed with the quality characteristic of ponderable media, as consisting of parts which may be tracked through time. The idea of motion may not be applied to it.”

        Recapitulando, podemos dizer que de acordo com a teoria da relatividade geral, espaço é dotado de qualidades físicas; Neste sentido, portanto, existe um éter. De acordo com a teoria geral do espaço de relatividade sem éter é impensável; para tal espaço além de não haver propagação da luz, mas também não há possibilidade de existência para os padrões do espaço e tempo (réguas e relógios), nem, por conseguinte, quaisquer intervalos espaço-tempo no sentido físico. Mas este éter não pode ser pensado como dotado com característica de qualidade de mídia ponderáveis, como consistindo de partes que podem ser rastreadas através do tempo. A idéia de movimento não pode ser aplicada a ele.

        Albert Einstein

        Fonte:
        http://www-history.mcs.st-and.ac.uk/Extras/Einstein_ether.html

        Como sugestão para criar um artigo interessante:
        http://ntrs.nasa.gov/archive/nasa/casi.ntrs.nasa.gov/20110015936.pdf

        Saudações.

        1. Veja o uso da expressão “in a sense”, ou seja, “em certo sentido”. Mas o éter clássico, aquele necessário para a propagação das ondas de luz, esse não existe e foi a dispensa dele um dos cernes da relatividade restrita.

  23. Impressionante a órbita desse satélite para conseguir captar essas imagens. Apogeu deve passar dos 600 mil km, né? Eu achava que a Terra seria menor, em relação à Lua, avistada dessa posição. Imagino que seja devido a lente utilizada estar aproximada da Terra, em foco, e criou esse efeito. A olho nu a proporção bem parecia diferente, acredito.

    1. A distância é 1,5 milhão de km. A proporção é um pouco alterada (a Lua está 400 mil km mais perto do satélite do que a Terra) de fato. Lado a lado, a Lua pareceria um pouco menor.

    1. E para se vingar você demonstrou como compactar quantidade maior ainda em tão poucas palavras?

  24. Tenho certeza que não foi você que escreveu a chamada desta matéria na home do UOL, mencionando a Lua vista do seu “lado escuro”.

  25. Tenho certeza que não foi você que escreveu a chamada da matéria na home do UOL, mencionando a Lua vista do seu “lado escuro”.

    1. Entendo que o certo seria ‘lado obscuro’, do ponto de vista terrestre, já que não o vemos.
      Sem querer criar celeumas…
      Mas, coincidentemente, pela posição do satélite-fotógrafo, a imagem mostra o lado obscuro da Lua, no escuro…

  26. É muito bom ver este blog do Salvador Nogueira, dá alento , base para pensar o quanto não conhecemos do “mundo”, sou admirador , se tivesse tempo/capacidade , como queria entender astronomia considerando que , lógico , teria que aprender física e outras coisinhas mais, mas já me detenho em contemplar isto como, além de ciência, porque não filosofia ( que também não sou conhecedor)? Parabéns pelo site, que vai ainda ter muito mais gente interessada…Abraço

  27. Gostei a parte “planeta mais famoso do sistema solar”. E a Terra é o que é por causa da lua e vice-versa. Caramba, só de pensar que enquanto estas imagens eram captadas, eu estava girando dentro desta bola azul quase solta no espaço… Para quem gostou do lado escuro da lua a inda não viu este video: https://www.youtube.com/watch?v=_N–DiEJse0.

  28. Fantásticas imagens! Creio que é a primeira vez que ambos os astros aparecem inteiros e juntos

  29. Linda imagem do planeta e de sua companheira inseparável.Companheiras que dançam um belo balé intergalático há milhões de anos neste grande sistema solar.
    É maravilhoso saber que eu habito um planeta tão belo e,ao mesmo tempo,frágil.Realmente o grande cientista Carl Sagan(1934-1996) tinha razão em ter dito que somos todos feitos do mesmo pó das estrelas,pois o Universo é grandioso e o planeta onde vivo é maravilhoso.

  30. Gostaria de ver fotos mais proximas e cheia de detalhes dos sinais que o homem pisou na lua. Por que não tem? Se tira foto de Plutão, e não tem da Lua?
    Quando procuro por essas imagens, as fotos são com algumas setas indicando alguns equipamentos, equipamentos esses são apenas pontos na imagem.

    1. Quando se mostra Fotos tiradas pelos astronautas dizem que é montagem. Quando é tirada por satélite dizem que sao pontos irreconhecíveis.
      Fica difícil… Sir, Keep your burrice…

      1. Pior, o que tem de gente no Instagram da NASA (e de outros sites) dizendo que essa foto (e a animação) são montagens, não tá escrito.

        Não adianta, quem é burro não possui conhecimento sempre irá duvidar das conquistas humanas, não importando o quão bem registradas elas sejam.

        🙁

  31. A lua nao tem movimento de rotação em seu proprio eixo.A rotação existe em relação ao sol, qdo ela dá uma volta ao redor da terra.Por isto vemos a mesma face.Tõ certo ou tô errado?

    1. A Lua tem movimento de rotação e coincide com o de translação em torno da Terra. Mas, claro, com relação à Terra, é como se ela não girasse.

      1. É como se uma patinadora estivesse de mãos dadas com um patinador enquanto esse gira no próprio eixo.

  32. Pq a lua não cai na terra ou se afasta, visto que a terra viaja ao redor do sol a 100 mil km por hora +-.
    Isto nao acontece pq a força magnetica, como um imã, impede que ela caia, e a força da gravidade impede que ela se afaste.Um imã de um lado atrai,do outro repele outro imã.

    No universo não existe vacuo, tudo está repleto do fluido cosmico universal, que os “cientistas” chamam de materia escura.Quem viaja pelo espaço,ets,retiram combustivel deste fluido unversal, do qual tudo que existe no universo é feito.
    Estas afirmações estão no livro A genese de kardec, de 1870 por aê. Acredte se quiser.

    1. Nossa, nada a ver. É a gravidade que mantém a Lua em órbita, e só. A velocidade orbital dela, combinada à atração gravitacional com a Terra, faz ela descrever uma elipse. Newton fez essas contas no século 17. 😉

      E não existe fluido cósmico universal. Essa é uma ideia do século 19. E Kardec não fala em “matéria escura”. Fala no “éter”, que estava em voga no século 19. Infelizmente, os espíritos do século 19 não sabiam mais que os físicos da mesma época. 😉

        1. A força magnética (ou eletromagnética, já que as forças elétrica e magnética já foram unificadas faz um cadinho de tempo) ocorre quando você tem corpos magnetizados com polos opostos ou iguais interagindo entre si. Ela influi, por exemplo, nas auroras, ligadas aos polos magnéticos da Terra. Mas não tem nada a ver com as órbitas dos planetas e das luas. E muito menos com espíritos.

      1. Sem entrar no mérito da religião, antes de Chico Chavier morrer ele chamou três pessoas e passou uma senha diferente para cada uma delas. A ideia era de que, quando ele ” voltasse” falaria a senha e as pessoas saberiam que era ele mesmo. Chico morreu em 2002 e até agora, nada. Falando da Lua que é o que interessa, creio que há muitos mistérios a serem descobertos. O problema é que nada vem a publico e tudo que é dito sobre isto não é levado a sério.

        1. É que os mistérios que de fato existem são os científicos. Não aquelas cascatas de bases alienígenas… 😛

    2. Meu amigo, você está confundindo as coisas. Essa historia de ímã, não tem pé nem cabeça. A Lua está onde está como resultante das forças gravitacionais e a inércia de um movimento caótico iniciado há vários milhões de anos. Fluido cósmico universal é uma realidade, mas não da forma fantasiosa com a qual você se refere (combustivel de ET’s e etc…). Os espíritas que se aventuram a comentar sobre estes assuntos necessitam de estudos aprofundados para não trazer a filosofia codificada por Kardec com tanto zelo à lama do misticismo e consequentemente ao seu descrédito.

    3. Euguarijo . Não tem essa de “acredite se quiser” . A ciência não é feita de acreditar. E sim de provar . A ciência prova o que ela alega . O livro de Kardec não prova nada. Pelo contrario temos provas que suas alegações são falsas .

    4. Um dia cairá…..primeiro a lua se afastara cada vez mais da Terra depois tanto a Terra quanto a lua ficarão com a mesma face voltada uma para a outra girando em torno de um ponto fora da Terra. Devido a força da gravidade, a lua rachará ao meio. Metade irá para o espaço e a outra metade cairá sobre a Terra. Que bom que não estaremos aqui para ver o desastre.

    5. Ih, apareceu mais um que fugiu da escola e passou a acreditar no que não se pode provar. E ainda pensa que sabe mais do que muita gente neste mundo. Como o nosso ensino está tão ruim.

  33. Nessa foto a lua não deveria estar um pouco mais clara? Por que não há mais brilho na superfície do satélite natural? Tá tão escura!

    1. A Lua é bem menos brilhante que a Terra. Para pegar os dois na mesma foto, a Lua vai parecer mais escura mesmo.

    2. Como a superfísie da Lua é feita de um material basáltico da época de sua formação, ela é muito escura. Sua reflexão no espectro visível é em torno de 7% do que vem do Sol. Se o solo lunar fosse branco, como a areia da praia, num dia de Lua cheia teríamos uma noite tão iluminada que pareceria dia.

  34. Lindas imagens. Só é uma pena que a cada ano, a Lua se afasta um bocadinho da Terra, até que num futuro longínquo seguirá seu próprio caminho…

    1. Não, nunca irá se desprender. Vai parar de se afastar quando a Terra tiver a rotação em sincronismo com a translação lunar. Mas isso vai levar mais tempo do que o que resta ao Sol. Então a Lua ficará aí enquanto houver Terra… 😉

      1. Interessante, não sabia disso, tinha lido antes em outro lugar que daqui a tanto milhões de anos a Lua estaria bem distante do Terra, e traria caos e tal, bacana aprender que um dia daqui a tantos milhões de anos se estabilizará e continuará por aqui.

  35. Caramba!… ela parece tão… PRÓXIMA! o.O Num primeiro momento, é fácil ficar com um “pé atrás” e pensar numa montagem. Mas, tendo a chancela do Salvador, o melhor a se fazer é deixar o queixo cair e curtir tal belíssima imagem sem precedentes! Fantástico! =)

    1. É o ângulo. Mas a Lua está a 400 mil km da Terra (e presumivelmente 400 mil km mais perto do Dscovr que a Terra).

    2. Que há montagem, sim, há. Mas não nesta imagem, e sim em todas as que foram sacadas nas “missões” lunares.
      Uma questão de profundidade, se a Lua está 400.000 km mais próxima da Terra do que a CCD do explorador, isso comprova que é FISICAMENTE impossível qualquer sistema ou instrumento ocular registrar a “pequeneza” do planeta Terra nas muitas imagens “realizadas” em solo lunar. Não, antes que os dogmatas da ciência política (sim, alguns cientistas servem a propósitos da política) criem explicações em linguagem de “ciencietês” sem detalhar métodos, faça uma experiência simples de percepção: Coloque a palma da mão, qualquer mão, aberta e frente a linha de visada de seus olhos na maior distância possível. Esta distância será a extensão do seu braço. Depois aproxime a mão em direção do nariz e explique-se qual a percepção visual você teve. Mais próximo dos olhos, maior a percepção da dimensão tridimensional de perspectiva. Mais longe, menor.
      Então, esta foto significa que algo está errado em comparação com as imagens das “missões” lunares e grande parte dos cientistas defendem dogmas e não observações fáticas, fundamentais para o desenvolvimento da metodologia científica.
      Quando alguém lhe der uma explicação de causa, peça-lhe um método para constatar o fenômeno e certificar-se de que não se trata de falácia de autoridade, tão comum nos dias de hoje no meio acadêmico e científico, tal como eram na época de Copérnico, mas com a religião. Exemplo do método, foi o que fiz ao te sugerir observar a palma da própria mão com esta distante e próxima de seu foco visual.

      1. Não há nada de errado. Essa foto é feita com um telescópio a 1,5 milhão de km da Terra (e a 1,1 milhão de km da Lua). As fotos feitas na Lua não usaram nenhum tipo de aumento e registraram a Terra a 400 mil km de distância. O resto é chororô.

        1. Se eu entendi bem, nas fotos da Apollo feitas na lua, captaram exatamente como a gente veria estando lá na lua. Já essa do telescópio é ampliada?

          1. Exatamente como a gente veria é meio forçar a barra. Quando tiramos uma foto sem ampliação, não é exatamente como a gente veria, mas como a óptica da máquina fotográfica vê. Então, as fotos na Lua foram feitas com a óptica da câmera.

      2. Comecei a ler seu comentário mas após a terceira palavra só deu pra entender MIMIMI MIMIMI MIMIMI. O bom é que choro é livre, e os EUA foram à Lua 6 vezes.

          1. Que há montagem, sim, há. Mas não nesta imagem, e sim em todas as que foram sacadas nas “missões” lunares.

            Arrã. Ô. Entende bem. Pra caramba.

      3. Mas nem com os chineses tirando fotos dos locais onde os americanos pousaram na Lua este pessoal teimoso que nem um burro empacado deixa de achar as mesmas besteiradas conspiracionistas de sempre. O primeiro sujeito que escreveu um livro contestando os pousos das missões Apollo só queria fazer um dinheiro se aproveitando do ceticismo ignorante de muita gente.

  36. Sensacional, Salvador! Ver o lado “escuro” da Lua (como era popularmente chamado no passado), com a Terra ao fundo é mesmo emocionante, como disse o Eu(TM).

  37. Da pra perceber o reflexo do sol na porção central da terra (mais aparente depois que a lua passa do centro)

  38. Caramba! Que imagem linda!

    Salvador, sabe-se por que tem essas linhas retas saindo radialmente de alguns pontos na lua?

  39. Salvador,

    A sequência de imagens dá a impressão que a Lua translada na mesma velocidade angular que a Terra rotaciona, mas isso não é verdade. A Terra gira mais rápido. Há algum motivo especial para esse aparente sincronismo nas imagens?

    1. A Lua percorre aproximadamente 12º por dia em sua órbita. O efeito do sincronismo está esquisito mesmo. Dá a impressão que a NASA travou a imagem da Terra para obter uma imagem não borrada dela, já que a sequência foi obtida em dias diferentes.

      Desta vez o EUTM terá que engolir….tem montagem mesmo.

        1. Sem falar na perspectiva (e distância) do satélite, aliado ao campo de visão telescópico da câmera. Tudo isso influencia na maneira como se vê a Lua se movendo em relação à Terra.

        2. A única explicação seria mesmo um ângulo de visão muito pequeno, aliado à distância Terra- Lua, Lua-satélite.

          OK Eu TM , Não é montagem. Mas não vou seguir sua outra orientação!

          1. Só para finalizar a discussão:

            Analisando a foto no começo do post, e considerando o satélite a 1,5milhão de km e, arredondando, a Lua a 400 mil km da Terra, o disco da Terra aparece como aparente 0,5°. Já o da Lua próximo de 0,18 °. No vídeo dá para calcular a rotação da Terra em aproximadamente uns 70° durante a passagem da Lua, ou seja, cerca de 4,6h (não estou utilizando os dados privilegiados mostrados pelo Salvador.). Em 4,6h a Lua se desloca em sua órbita cerca de 2,3º, já que completa os 360º aproximadamente em 1 mês. 2,3º corresponderia a aproximadamente 10 diâmetros da Lua na foto acima. Ou seja, está tudo compatível. Não tem montagem.

            Fiz as contas para não ter que seguir as recomendações do Eu TM.

          2. Mandou bem, Paulo!

            Agora está claro para mim que é uma questão de ângulo / distâncias e que a Lua só andou poucos graus.

            Vendo isso, seria legal se a Dscovr também divulgasse umas fotos de um ângulo e zoom que deixasse clara a real distância entre a Terra e a Lua. A maioria das pessoas não tem noção de como 400 mil Km é uma distância grande mesmo proporcionalmente ao diâmetro da Terra.

  40. Muito, mas MUITO emocionante.

    Fiquei horas vendo a imagem e a animação.

    E já adiantando aos que vão falar que é “fake”, “montagem”, “photoshop”:

    VÃO TOMAR OS SEUS RESPECTIVOS ÂNUS.

    Obrigado.

    1. Caramba, Eu! Causando no meiobit e aqui também? Rsrsrs.
      Realmente, a animação é muito emocionante mesmo!
      Salvador, em determinado momento da animação aparece um pontinho (mais ou menos “às 10 horas” de um relógio). Seria Vênus ou Júpiter?
      Obrigado pelas imagens!

      1. Putz, boa pergunta. Alguém tem que pegar um software de planetário e bater com a data e hora da foto… rs

        1. “VÃO TOMAR OS SEUS RESPECTIVOS ÂNUS.”

          Essa nova hein, fico imaginando a cena de alguém tentando tomar o próprio ânus? WTF

          KKKKK

          1. Realmente o Salvador extrapolou a inocência da matéria com seu pseudônimo. Se virou muito bem.

      2. Não pode ser Jupiter, pois o planeta esta alem do Sol em relação à Terra, e assim está atrás do equipamento, na filmagem. O mesmo acontece com relação a Venus. O Sol, Jupiter e Venus estão atrás.

Comments are closed.