Bora ver as Perseidas esta noite?

Salvador Nogueira

Na virada desta quarta (12) para quinta-feira, acontece o pico de uma das mais famosas chuvas de meteoros anuais, as Perseidas. E os astrônomos estão prometendo um ano particularmente ativo para elas. Boa notícia para os amantes da observação celeste.

Imagem com 51 meteoros das Perseidas registrados em 2004 por Fred Bruenjes. No céu, você não vê tudo isso de uma vez, claro. Ele foi capturando um de cada vez e depois consolidou numa foto só. (Crédito: Nasa)
Imagem com 51 meteoros das Perseidas registrados em 2004 por Fred Bruenjes. No céu, você não vê tudo isso de uma vez, claro. Cada meteoro foi capturado individualmente e depois foram combinados numa foto só. (Crédito: Nasa)

O nome da chuva é derivado da constelação de Perseu, de onde parecem emanar os meteoros. Por isso, a observação acaba sendo muito melhor para quem está no hemisfério Norte. Ainda assim, também se pode ver do lado de cá do equador, embora com menos intensidade.

“Na madrugada do dia 13, as regiões Norte e Nordeste do país devem esperar taxas máximas de 40 a 95 meteoros por hora. Já as regiões Sudeste e Centro-Oeste deverão ver entre 10 e 30 meteoros por hora, no mesmo horário. A região Sul não deve esperar taxas maiores que 7 a 15 meteoros por hora”, diz Gabriel Hickel, astrônomo da Universidade Federal de Itajubá (MG).

Lembrando que esses números valem para as melhores condições de observação possíveis — sem nuvens, com pouca poluição luminosa e atmosférica e visualização do céu inteiro. Não espere ver 30 meteoros por hora em São Paulo. Mas, se você tiver paciência, pode ver alguns.

E o melhor é que, além de o nível de atividade da chuva estar maior neste anos, um dos dois picos previstos coincide exatamente com o horário ideal para observação aqui no Brasil — madrugada de quarta para quinta, entre as 3h e as 6h da manhã. Também contribui para a visualização o fato de que, neste ano, a Lua estará nova durante a chuva, o que significa que não haverá brilho dela no céu noturno para atrapalhar.

As Perseidas são produzidas pela entrada na atmosfera terrestre de pequenos detritos do cometa Swift-Tuttle, astro que passa pelas redondezas do Sol a cada 133 anos. Quando nosso planeta cruza a órbita do cometa, em intervalos de 12 meses, encontra a nuvem de detritos deixada por ele. Essa chuva já é observada regularmente há mais de 2.000 anos — trata-se, antes de mais nada, uma incrível oportunidade de comunhão com nossos ancestrais que viveram milênios atrás. Pense nisso por um instante. Uou.

COMO OBSERVAR
“Para ver uma chuva de meteoros, você só precisa dos seus olhos, uma cadeira de praia e motivação”, explica Hickel. “Não há região específica do céu a olhar. O ideal é procurar um lugar escuro, longe da poluição luminosa das grandes cidades, com o horizonte livre, e deitar-se em uma cadeira de praia, de modo a ver o máximo do céu possível.”

O melhor horário para tentar ver alguma coisa é a partir das 3h da manhã, quando Perseu já está acima do horizonte Norte. Mas você não precisa olhar naquela direção. Os meteoros podem aparecer em qualquer parte do céu. Agora, se você traçar uma linha na direção contrária ao do movimento deles, ela o levará até a constelação de Perseu (é o conceito de “radiante”, que serve para identificar a origem da chuva).

Hickel destaca a importância da paciência na observação. “Não espere um show pirotécnico. Observe por pelo menos uma hora para ter chance de ver um número razoável de meteoros.”

Se, por acaso, você não conseguir observar de quarta para quinta, ainda pode tentar nos próximos dois ou três dias, quando ainda deve haver alguma atividade ligada à chuva. Alternativamente, pode acompanhar a chuva pela Nasa TV, que vai transmiti-la ao vivo em paralelo com uma programação sobre ela entre as 23h de quarta e as 3h de quinta (pelo horário de Brasília). Para isso, basta clicar no vídeo abaixo!

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook e no Twitter

Comentários

  1. Uns seis anos atrás observei uma que foi fantástica.
    Foi por volta do meio de Julho.
    Eram objetos pequenos que pareciam “emanar” da região entre a Constelação do Aquário e de Peixes.
    Eram vários, as vezes mais de um, e eram “lentos”, não aqueles bólidos clássicos dava pra acompanha-los por um bom tempo até desaparecerem.
    Você tem noção de que chuva é essa?
    Sempre tive essa duvida porque não é a Eta Aquaridea, nem a Oriônidas.

  2. Salvador,
    Voce sair um pouco do tema.. Fique a vontade para nao publicar se for a caso.

    Sempre tenho um pe atras e procuro tirar minhas proprias conclusoes com respeito as teorias que a mocada tras a tona, ex.. UFOs, aliens.. etc..

    Mas visitei um site no Facebook aqui https://www.facebook.com/JourneytotheSurfaceoftheMARS e tem tanta imagem com pedras e superficies que lembram fosseis ou vasos ou outros objetos que as vezes e dificil colocar uma explicacao simplesmente de natureza geologica, erosao, etc… algumas formas sao perfeitas e complicadas demais.

    Seria interessante ver uma materia a respeito.. desmistificando (ou nao) estas fotos.

    Abraco

    1. Já fiz uma outro dia sobre a “pirâmide”. É tudo pareidolia. E, ainda que não seja, precisamos de provas indiscutíveis. Afirmações extraordinárias exigem evidências extraordinárias. Uma coisa que parece muito um fóssil, mas pode não ser, não conta. Tem que ser uma coisa que É um fóssil, além de qualquer dúvida. Senão não vale. Abraço!

  3. Aqui em Avaré/SP eu vi três, em 50 minutos de observação. Fantástico apreciar as maravilhas que Deus criou!!

  4. Estou em Marabá no Pará e acabei de ver meu primeiro meteoro às 23:25. Foi pura sorte estava olhando a apenas dois minutos. Depois disso passei quase dez minutos e não vi mais nada. Mas vou ficar olhando mais um pouquinho já que você disse que aqui no norte é um dos melhores lugares para observar. Quem sabe a sorte não aparece novamente!!!

    1. Vai melhorando conforme a madrugada for chegando. Após as 3h, Perseu já está no horizonte Norte, e isso ajuda.

  5. Oi Salvador,
    Aqui do Sul, Florianópolis, melhor tentar procurar no N, NE ou NW… se é que vai dar pra ver alguma coisa daqui.

  6. Olá Salvador, será que conseguirei visualizar algo nos céu do Jalapão? Moro em Mateiros – TO. Sou professora de História e gostaria de juntar um grupo de alunos.

    1. Provavelmente sim, Kesia. Mas o melhor horário para observar é meio ingrato, a partir das 3h da manhã!

  7. PELA RELAÇÃO DOS DETRITOS FEITO PELO METEORO EU ACHO QUE O BRASIL AINDA ESTA EM DESVANTAGEM PELO AQUELE 7X1 CONTRA A ALEMANHA ,COM ISSO O PODER DE POSTAGEM DA DILMA FALADO NHEM NHEM NHEM FEZ COM QUE A MAISA DO SBT SEJA ELEITA NO ANO QUE VEM !

  8. Salve, salve, Salvador!

    Duas dúvidas: quando veremos o Swift-Tutlle por aqui novamente, ao invés de ver apenas a lindíssima chuva de estrelinhas cadentes provocada por seus detritos? Se cruzamos sua órbita todos os anos, é possível uma colisão em passagens futuras?

    Grande abraço e boa chuva, amigo!

    1. 2126. Possível é, mas já determinaram que a órbita dele é bem estável e que não teremos esse encontro cataclísmico nos próximos 4.000 anos, com uma ótima margem de confiança (99,999%).

  9. Olá Salvador, em seu texto há a informação: “Essa chuva já é observada regularmente há mais de 2.000 anos”. Você tem mais detalhes desses primeiros registros?

    1. Eu não gostaria nem um pouquinho de ser você, Oswaldo. Deve rolar uns pensamentos bem chatos e insuportáveis ai nesta sua cabeça. Quem fez você ficar assim? Foi a igreja? Foi a dureza da vida? Ou foi má influência do Apolinário?

      1. Geraldo,

        Ele é daquele tipo de pessoa que atrapalha a festa dos outros por puro despeito. Adora vir aqui só para encher o saco. Realmente conviver com a própria falta de graça deve ser terrível para ele.

        Mas pode ser carência mesmo. Birra de mal amado.

    2. Verdade, Oswaldo. Você tem razão!! Então, deixe os desocupados sem o que fazer para o lado e vá você fazer algo relevante. Quem sabe no silêncio do seu pensamento encontre algo a mais, que essa vã futilidade que você prega.

  10. Salvador, permita-me abusar um pouco de sua paciência.

    Nos comentários do Mensageiro Sideral tive a oportunidade de saber que havia um Curso de Cosmologia online, gratuito, ofertado pelo Observatório Nacional e me inscrevi.

    Acabei de terminar o curso e gostaria de agradecer tanto ao blog como ao comentador que trouxe a informação e ao Observatório Nacional.

    Gostei muito do curso, recordei muitas coisas que aprendi na faculdade, aprendi muitas coisas mais e tenho agora uma visão melhor desse apaixonante tema, que é o Universo em que vivemos.

    Recomendo o curso aos apaixonados pelo tema que seguem o Mensageiro Sideral.

    http://astroaprendizagem.on.br/daed/index.php

      1. Valeu, Salvador, Edinaldo… Desculpe-me por não citá-lo, mas não tinha certeza se tinha sido você o “comentador”, agora estou certo que sim 🙂

      2. Eu agradeço, também. Fiz o curso e estou muito feliz em ter recebido os certificados, hoje. O conhecimento dado no curso foi tão amplo que até deixei o Salvador em paz por estes tempos.

        1. Menos dúvidas a perguntar 🙂

          De qualquer forma, acompanhar o Mensageiro Sideral é essencial, para se manter atualizado e aprender mais.

  11. Salvador, desculpe a ignorância mas eu tenho de perguntar. Nosso planeta cruza a órbita do cometa a cada 12 meses… pelo que entendi, a Terra ‘passa’ onde o cometa já passou. Existe algum risco de uma aproximação perigosa do planeta com esse cometa?

        1. Satélites e a estação são feitos para resistir aos impactos. O Bill Cooke, da Nasa, estava falando disso e mostrando a estrutura do casco da estação para resistir a impactos.

  12. Salvador por favor me tire uma dúvida.
    Existiria algum risco nesse momento em que a Terra atravessa o rastro deste cometa, a ISS ser atingida? E se (hipoteticamente), os astronautas estivessem fazendo uma EVA, poderia atrapalhar os trabalhos?

    Abraços..
    Ulisses. Santa Cruz Cabrália-Ba

    1. É uma boa pergunta. Os detritos são muito pequenos, e o casco da ISS é feito para resistir a eles. Mas com certeza bate lá uma poeirinha ou outra. Não sei se há protocolo especial para EVA, mas desconfio que eles evitam o procedimento no auge das maiores chuvas anuais.

        1. Bem, acabo de pescar isso numa matéria da National Geographic, que faz sentido.

          Still, during any meteor shower, “satellites and the ISS are at some risk of collision with particles,” said Raminder Singh Samra, staff astronomer at the H.R. MacMillan Space Centre in Vancouver, Canada.

          “However, other than avoiding spacewalks, there isn’t much the space station can do to avoid such hazards, aside from hoping the damage is minimal.”

  13. Vou tentar ver do telhado do meu prédio, duro será explicar pro zelador que estou tentando ver a “Perseida”, ele vai pensar que sou voyeur, que estou espiando alguma vizinha trocando de roupa..rsrs.

  14. Me sinto tão desafortunado com os eventos cósmicos! Parece que quase tudo que ocorre de mais interessante é melhor visível em parte ou no todo no hemisfério norte. Cometas, eclipses solares, chuvas de meteoros… Será que só eu tenho esta impressão?

    1. Entendo você. Tenho muita vontade de ver um eclipse total do sol e ver a aurora. Por falar em aurora: Salvador procurei em 3 ou 4 sites o assunto. Em um deles alguém comentou que esteve no sul do Chile e que consegui avistar; em outro dizem que não é possível, já que o campo magnético da Terra é fraco aqui e mais forte pros lados da Nova Zelândia. Bem ao sul de nosso continente é possível ou não ver a aurora? Eclipse total do sol por aqui nem se fala. Então, vamos aproveitar o que o céu nos dá de bonito.

      1. Elis, se houver atividade solar suficiente, é possível sim ver auroras no sul da América.

    2. Perseidas total só no hemisfério norte? Novidade.. Nem me lembro quando foi o último eclipse solar total aqui, nos EUA e Europa tem quase todo ano, cometas e meteoros idem, auroras polares então nem se fala, até em Los Angeles, Londres e Lisboa já foram vistas, aqui nem na Terra do Fogo, porque essa preferência pela parte mais rica do globo? Alguém explica?

      1. Leia Nelson Rodrigues. Principalmente “À Sombra das Chuteiras Imortais”. A explicação que você quer, ele já deu.

    3. No dia que a estrela Eta Carinae explodir será o maior espetáculo astronômico da história e será visível apenas no hemisfério sul. Vamos ficar um mês sem noite.

  15. Salvador, alguém já sabe o que foi aquele objeto de luz verde que foi visto nos céus do RS e, Uruguai e Argentina semana passada? Foi lixo espacial ou algum meteoro de tamanho um pouco maior do que uma estrela cadente? ONVI eu sei que não era. Os ETs não torcem pelo Palmeiras. Ou torcem? Sei lá.

    1. Provavelmente meteoro. Mas pode ter sido lixo espacial também. Como ninguém achou resquício, vai saber…

  16. Salvador, sei que não tem muito com o assunto.
    Mas você poderia me informar um telescópio para comprar, no qual um amador poderia iniciar a contemplação do universo.
    Não disponho de um capital grande para essa aquisição!
    Se puder dar a dica, eu lhe agradeço!

    1. Outra dica (fazendo um “merchandising” rsrsrs):

      Dicas e comentários sobre como adquirir o primeiro telescópio:
      https://unidospelaastronomia.wordpress.com/2015/05/01/dicas-e-comentarios-sobre-como-adquirir-o-primeiro-telescopio/

      COMPLEMENTO DO ARTIGO “Dicas e comentários sobre como adquirir o primeiro telescópio”:

      https://unidospelaastronomia.wordpress.com/2015/05/01/complemento-do-artigo-dicas-e-comentarios-sobre-como-adquirir-o-primeiro-telescopio/

  17. Não vou poder ver esse show universal, aguardarei pacientemente meu pai celestial autorizar uma chuva de meteoros ao anoitecer de um dia de agosto qualquer, quem sabe ainda nesta década.

  18. Salvador sempre tive uma dúvida.
    Todo cometa, asteroide, meteoro e meteoritos que existem em nosso sistema solar, estão em rotação com o sol, ou seja, o numero é finito, e seria um dia quem sabe cataloga-los todos ?
    Ou existe a possibilidade destes astros estarem perdidos via lactea a fora e um dia entrar em nosso sistema solar podendo colidir ou não com um dos planetas/luas ?

    1. Eles são finitos, mas vai ser bem complicado contar todos. Mesma coisa com as estrelas da Via Láctea. São finitas, mas vai contar uma por uma…

    1. O céu aqui na minha região (leste paulista) anda limpíssimo. Vou ficar de tocaia no alto da Serra da Paulista.

  19. Há 22 anos atrás eu vi esta chuva de estrelas no céu do Japão. O céu estava limpo e fazia um tremendo frio, mas fiquei acordado para ver. Foi umas das coisas mais incríveis que vi até hoje as estrelas pareciam estar bem perto. Hoje acordarei para ver, apesar de ser de SP tomara que eu tenha sorte.

  20. A uns 40 ou 50 km de Goiânia, é bem fácil de apreciar a chuva. Mas, pra quem deve acordar às 6 da manhã, fica difícil, muito difícil fazer essa pequena viagem. 🙁

  21. Em 2006 (ou 07) apreciei essa chuva, com grande intensidade, em Paraty. Parei de contar porque era uma quantidade muito grande de meteoros. Observei ainda 6 bólidos. Apesar de todos os anos tentar observar (claro que na coincidência de noites abertas), nunca mais consegui ver nada digno de registro, nem em Paraty, onde morava, nem em Macaé, onde moro atualmente.
    Como disse o Salvador, é um exercício de paciência. De preferência deve-se (acho eu) dispor de, no mínimo, 3 horas de observação, pois a quantidade de ocorrências não é linear ao longo da noite. E às vezes as ocorrências são em maior quantidade nas noites anteriores ou posteriores. Boa sorte.

  22. Algumas questões:
    1- Qual o tamanho do cometa Swift-Tuttle? Se vai deixando detritos para trás a cada passagem próxima do Sol, chegará um momento em que o cometa desaparecerá totalmente?
    2- O rastro de detritos é permanente? Isso explica o fato do fenômeno da chuva de detritos ocorrer a cada 12 meses, apesar do cometa se aproximar do Sol apenas a cada 133 anos?
    Grato

    1. 1- Não desaparecer, mas esgotar seu material volátil, virando um cometa morto.
      2- O cometa passa, mas a trilha ffica.

    1. Pois é, e todos se lembram que durante a campanha eleitoral a candidata prometeu centenas de meteoros. Absurdo! Mentira atrás de mentira.

    1. Morei em Sampa e ficava triste por ocasião desses eventos.

      Hoje moro em Macapá, região amazônica – pouca luminosidade e um pouquinho acima da latitude zero. Aqui será muito bonito, tenho certeza!

      Boa e linda ‘chuva’ para todos!

  23. CARL SAGAN brasileiro, qual o melhor ponto de observação para um morador de uma cidade grande, mais de dois milhões de habitantes, sem ter que se deslocar para a praia ou outro lugar mais deserto? O terraço de um prédio é uma boa opção?

    1. Quanto mais campo de céu você tiver, melhor. E só paciência compensa poluição luminosa…

Comments are closed.