Plutão, seu lindo!

As imagens voltaram a fluir na modorrenta transmissão feita pela sonda New Horizons dos confins do Sistema Solar, e os cientistas estão simplesmente embasbacados. Imagens feitas logo após a aproximação máxima de Plutão, em 14 de julho, revelam o intrigante relevo do planeta anão e dão pistas da existência de um ciclo “hidrológico” por lá, não muito diferente do que se vê na Terra.

Montanhas e planícies de gelo encantam os cientistas. Isto é Plutão. (Crédito: Nasa)
Montanhas e planícies de gelo encantam os cientistas. Isto é Plutão, visto pela New Horizons a 18 mil km de distância. (Crédito: Nasa)

Palavra nenhuma, contudo, é capaz de descrever a beleza da imagem acima (a propósito, clique nela; maior fica ainda mais incrível). Ela revela os montes Norgay e Hillary (em homenagem aos “conquistadores” do cume do Everest) à beira da planície Sputnik (lembrança ao pioneiro satélite artificial) em meio a diversas camadas da atmosfera, com brumas sinuosas a correr muito perto da superfície.

“Além de serem visualmente estonteantes, essas névoas de baixa altitude indicam mudanças meteorológicas que acontecem no dia a dia de Plutão, do mesmo jeito que acontecem na Terra”, disse, em nota, Will Grundy, chefe da equipe de composição de imagens da New Horizons e astrônomo do Observatório Lowell, em Flagstaff (de lá foi descoberto Plutão, em 1930, por Clyde Tombaugh).

E quanto ao tal ciclo “hidrológico”? Bem, não é exatamente hidrológico, porque não envolve água, nem propriamente grandes fluxos de líquido. Ainda assim, diante das temperaturas gélidas de Plutão — ao redor de -240 graus Celsius –, temos um ambiente em que o nitrogênio da atmosfera (mesmo gás que compõe majoritariamente o ar na Terra) pode se condensar em flocos de neve e, em alguns pontos, se tornar quase liquefeito, a ponto de fluir pelo solo.

É um ciclo porque o nitrogênio parece fluir entre os três estados e fazer o mesmo papel que a água faz nas geleiras polares da Terra. “Não esperávamos encontrar pistas de um ciclo glacial baseado em nitrogênio em Plutão”, disse Alan Howard, da equipe de geologia da missão. “Conduzido pela suave luz solar, ele é diretamente comparável ao ciclo hidrológico que alimenta as calotas polares na Terra, onde a água evapora dos oceanos, cai como neve e retorna aos mares por fluxos glaciais.”

“Plutão é surpreendentemente parecido com a Terra nesse quesito, e ninguém havia previsto isso”, completou Alan Stern, o cientista-chefe da missão.

Abaixo, mais algumas novas e embasbacantes imagens. Que missão.

As brumas de Plutão, sobre um solo acidentado e geologicamente rico. Uau. (Crédito: Nasa)
As brumas de Plutão, sobre um solo acidentado e geologicamente rico. Uau. (Crédito: Nasa)
Uma visão geral da planície Sputnik, em Plutão (Crédito: Nasa)
Uma visão geral da planície Sputnik, em Plutão (Crédito: Nasa)
E os fluxos de gelo de nitrogênio indicados no recorte. (Crédito: Nasa)
E os fluxos de gelo de nitrogênio indicados no recorte. (Crédito: Nasa)

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook e no Twitter

Comentários

  1. Caro Salvador,boa tarde.Estou sempre lendo seu Mensageiro (deveria ate mudar de nome para “Hiper Interessante “) Pois é bem melhor que “aquela revistinha”.Mas hj resolvi te escreve pois tenho uma informação muito importante para voce e seus leitores.Nos estamos sozinhos nessa imensidão toda.É ate uma noticia muito triste pois vai decepcionar muiiiiiita gente.Mas……
    Veja que o universo tem um monte de bilhões de anos.Nossa terrinha tem uns 4 .Nossa civilização tem …. fazendo força uns 100.000 anos.Muito novinha né não ?Mas com essa idade avançamos um bocado.SE houvesse outra civilização ,nós ja teriamos detectados.Pode ate ser que haja algum microbio por ai mas vida inteligente !!?? Com certeza não .Ate porque SE houve outra civilização ou mesmo vida inteligente,ela estaria aqui mesmo em nosso quintal.ou em um sistema (solar) proximo.Ai com certeza ja teriamos detectado.Sinto pela má noticia mas ….
    abraços.

    1. Jmingo, você está sintetizando o paradoxo de Fermi. Enrico Fermi se perguntou: “Se há vida inteligente aos montes lá fora, onde está todo mundo?”
      A sua conclusão é uma das possíveis respostas — não vemos ninguém porque não há ninguém. Mas há outras. Podemos, por exemplo, imaginar que há vida inteligente em toda parte, mas ela não se aventura em voos interestelares, por desinteresse ou, mais provavelmente, por alguma inviabilidade física. Ou podemos pensar que a vida inteligente surge aos montes, mas se extingue antes que visite outros sistemas planetários (estamos quase fazendo isso por aqui). Podemos também imaginar que há vida inteligente aos montes, mas eles evitam contato conosco, tratando a Terra como uma “reserva ambiental”. E podemos pensar que, embora haja vida aos montes, ela talvez esteja suficientemente espaçada para que não encontremos ninguém nas redondezas. Enfim, como se vê, há muitas possíveis respostas. Por isso vale a pena testar cada uma dessas hipóteses pelo caminho científico. A SETI convencional, por exemplo, parte da premissa de que civilizações NÃO visitam outros sistemas planetários; em vez disso, transmitem sinais de rádio — uma forma muito mais econômica de travar contato com outra inteligência no Universo. A busca por sinais testa essa hipótese.
      Abraço!

  2. Caro Salvador, sou acompanhante de seu Blog desde o início mas nunca fiz comentários porém, diante dessa nova realidade das explorações espaciais modernas, não há como ficar de queixo caído. Também sou cético quanto a comprovação de óvnis, embora com certeza haja alguns enigmas sem explicação. Abrindo a foto diretamente no site da NASA, http://www.nasa.gov/sites/default/files/thumbnails/image/nh-apluto-wide-9-17-15-final_0.png é possível observar 3 rastros na tênue atmosfera plutoniana. Sabe se há alguma informação oficial referente a isso? ou seria somente astros ou luas que deixaram rastros devido ao tempo de exposição da foto?

    1. Ian, contei pelo menos cinco rastros, e todos exatamente na mesma direção, o que significa que só podem ser estrelas de fundo registradas durante uma exposição mais longa.

  3. Salvador, e imagens coloridas, vamos ter? Entendo que tem coisa pacas ainda, mas, e as imagens em cores? Poxa, nove anos atrás já tínhamos foto colorida..rs..abraços e sou seguidor amador da ciência!

    1. André, já tivemos algumas imagens coloridas e decerto teremos outras. Mas essa imagem não teremos em cor. Ela foi tirada com um único filtro, num momento crítico da missão, que precisou acomodar uma longa sequência de comandos e de uso dos instrumentos quase simultaneamente. Então não houve tempo para fazer três imagens iguais, com três filtros diferentes, para produzir a versão colorida dessa imagem.

  4. Saudações,

    Caro Salvador, existe a possibilidade de uma formação química de moléculas similares às orgânicas, e talvez baseadas em Germânio, nessas condições de Plutão, assim como elaboraram uma hipótese baseada em Silício para as condições de Titã?

    1. Acho improvável. O problema, tanto em Plutão como em Titã, é que nesse friozão as reações químicas são muuuuuuito lentas. Então, mesmo que consigamos uma química não-convencional apropriada para a vida, ela provavelmente evoluiria muito, muito, muito devagar…

  5. Imagens deslumbrantes e surpreendentes de Plutão. A mesma surpresa ,décadas atrás, quando as primeiras naves automáticas passaram raspando pelo sistema joviano,revelando uma espécie de mini sistema planetário em volta de Júpiter com luas surpreendentes ,além de qualquer expectativa na época. No fim da década de 60 se achava que nosso sistema solar era ausente de vida com exceção da Terra. O que se sabia da Lua, de Marte e Vênus era realmente desanimador. Quanto mais os planetas e luas afastados e mais frios. No fim da década de 70, o panorama já era outro. Mesmo Marte surpreendeu com as missões de pouso, e vida, fóssil ou existente em algum nicho escondido ainda é uma possibilidade.Nas décadas seguintes com a exploração mais detalhada através missões orbitadoras em Júpiter e Saturno a expectativa de encontrarmos vida mesmo que muito primitiva em alguma lua joviana ou saturniana é algo cada vez mais provável. As próximas missões que comportam inclusive landers pousadores podem resolver a questão. O sistema solar continua a nos surpreender mesmo em locais longínquos e muito frios. É um estímulo poderoso para a continuidade das explorações .

    1. Na verdade, a equação de Drake não tem uma resposta exata no momento. E as estimativas para civilizações na Via Láctea vão de 1 (só nós) a milhões (uma em cada esquina da galáxia). A verdade é que não sabemos qual é a probabilidade de haver vida inteligente lá fora.

      1. Se existe vida fora da Terra, Deus a colocou bem longe de nós pra não correr o risco de a contaminarmos com nossa corrupção, avareza, estupidez, robalheira, hipocrisias e politicagem barata. Não importa o quanto procuremos, não acharemos nada. Ou melhoramos nossa convivencia, acolhendo nossos irmãos refugiados que sofrem ou nosso futuro é transformar a nossa Terra num planeta inabitável como os que encontramos em nossa volta

    1. Possível até é. A Voyager 1 tirou uma foto da Terra a distância equiparável. Mas acho que, a olho nu, só os gigantes — até porque os demais estariam todos muito perto do Sol.

  6. Já está na home da folha, então logo chega alguém falando do gasto da missão, dos cientistas que trabalham a vida inteira com isso, dos famintos da áfrica ou dos políticos mortalmente odiados.

    1. Então, esse “alguém” foi você! Mas ganhou um ponto. Foi bastante travesso ao tentar disfarçar.

    1. Nesta mesma página tem um direcionamento para outra matéria, esta sobre Ganimedes, que também é ótima.

    1. Se não me engano, as montanhas têm entre 3 e 4 km… A largura total da foto mais ampla representa um horizonte de 1.250 km.

  7. Salvador, sinta a alegria do pessoal com as fotos de um planeta frio e sem vida, agora, tente imaginar o júbilo do ser humano ao sentir na alma a presença do Criador de tudo isso.

    1. E tente imaginar que algumas pessoas não são obcecadas com Criadores e levam suas vidas em termos das realizações HUMANAS… Elas existem, pode apostar. 😛

    1. Você é muito engraçado, Roger! Obrigado pela audiência, cara! A cada comentário mais um clique! Valeu mesmo! 🙂

    2. Roger se você não é capaz de fazer nada que presta na vida, não fique achando que outras pessoas não são capazes de fazer nada também e inventam tudo. Vai se tratar.

  8. São coisas que nos definem. Desde tempos imemoriais, em que nossos ancestrais venceram os primeiros cursos d’água, as primeiras florestas, os primeiros mares, passando pelas Grandes Navegações, pelos primeiros Satélites, pelo Projeto Apolo, pelas Voyagers, somos impulsionados pelo desejo de expandir fronteiras. Nosso “mundo” vai ficando mais amplo.
    Só que, cá entre nós, Vai dando uma sensação esquisita de solidão esse negócio de vagar pelo universo e não achar vida em outros lugares…

    1. Bem, as navegações através dos oceanos encontraram vida nova, e quando apenas esperavam encontrar aquilo que já conheciam não foi? Então não desanime ainda, bravo poeta!

  9. Salvador, será que tem jeito de editar a primeira foto, acrescentando pequenas setas a indicar os montes Norgay e Hillary?

    Aliás, a região com aparência de coração não tinha recebido o nome de Tombaugh? Mudou para Sputnik, ou estou confundindo regiões diferentes?

    1. O coração inteiro é a Tombaugh Regio. A parte mais lisa dentro dela é o Sputnik Planum. Então Sputnik fica dentro de Tombaugh. 😉

  10. Salvador, será que tem jeito de editar a primeira foto, acrescentando pequenas setas apontando para os montes Norgay e Hillary?

    1. Por favor, recuse este comentário, quando o enviei o site pediu que fizesse login, então pensei que não tivesse funcionado e o enviei de novo, só que o que enviei depois ficou mais completo. Valeu!

    2. Os montes Norgay são essa cadeia mais ao centro, e os montes Hillary são aqueles lá no fundo, no horizonte.

  11. As imagens são de encher os olhos!!! *_*
    Esta imagem de Plutão é maravilhosa!
    Precisamos voltar lá algum dia!

  12. Malditos Yankees,

    Nos venderam as mentiras sobre pousos na Lua, e agora esse absurdo. Todos esses mundos não nos pertencem, nem mesmo Europa. 😛

          1. Não da pra brincar, procure por: TODOS ESTES MUNDOS SÃO SEUS EXCETO EUROPA.

            Leia o livro, é muito bom, pesquise o autor.

      1. a palavra plutão significa deus do mundo dos mortos ,uma manera disfarçada de dizer satanas ,o establishment a qual é controlado pro grupos maçonicos inventou esse planeta e fez uma viagem fake no proprio planeta inventado

          1. Caro Salvador, com esses comentários estapafúrdios, não só este como os de criacionistas e afins, seu Blog corre o risco de receber premiações como blog de humor ao invés de ciência…

          2. Nunca vi blog receber prêmio de qualquer tipo pelo que escrevem os comentaristas. A despeito disso, na média dos blogs, acho que o meu tem um público seletíssimo. Muita gente bacana e inteligente comenta aqui com frequência.

        1. AHAHHAHAHA

          Leu na página do Facebosta “Terra Plana”, que é uma paródia que tá tirando sarro dos ignorantes como o roger, e vem num blog de CIÊNCIA DE VERDADE achando que tá abafando.. mas só tá é PASSANDO VERGONHA!

          Idiota!

        2. “a palavra plutão significa”… Errado, amigo! Plutão É o nome dado pelos romanos ao deus que comanda o reino dos mortos, que, para eles, junta céu e inferno. Para os gregos e os romanos, TODOS iam para o reino dos mortos, o qual tinha uma área especial apenas para os heróis, chamada “Campos Elíseos”, comparável ao Paraíso da mitologia cristã.

          Hades é o nome grego, Plutão o nome romano para o mesmo deus.

    1. Existem duas possibilidades: estamos sozinho no universo ou não estamos. E qualquer uma delas é interessante.
      Se “eles” existem, ótimo, vamos trabalhar para melhorarmos como civilização e merecer fazer parte de uma comunidade espacial – mesmo não sendo para a nossa geração;
      Se “eles” não existem, ótimo também, está em nossas mão a responsabilidade de dar um sentido maior para tudo isso aí fora para além do “expandir e esfriar”!

  13. Estou como os cientistas da Nasa: embasbacado. E perplexo, ninguém adivinhou ou conjecturou sobre este belo fenômeno! Simplesmente coisa de outro mundo.

  14. Mas o sol consegue iluminar um planeta tao distante a ponto de formar sobras tao definidas? Impressionante.

        1. Realmente, são fotos fake criadas pelos Iluminatti, por ordem dos Reptilianos, como já comprovaram Giorgio A. Tsoukalos, Erich von Däniken e David Icke…

          Perdoem-me os outros colegas leitores deste Blog se por acaso este meu comentário provocar diarréias, mas não adianta insistir ou discutir com gente que deixou de acreditar em Papai Noel e Coelhinho da Páscoa apenas para acreditar em outros mitos como terra plana, design inteligente, etc…

  15. Não imaginava que fosse assim tão iluminado… nem que recebesse tanta luz do sol a ponto de aparecer imagens tão estonteantes

    1. A luz em Plutão, ao “meio-dia”, equivale à nossa iluminação perto das 18 horas. É surpreendentemente iluminado!

    1. A New Horizons tinha duas câmeras, uma com resolução mais alta em PB, outra com cor (e espectroscopia) e menor resolução. Para produzir imagens coloridas, seria preciso sobrepor a informação de cor da que tem menos resolução com a nitidez da outra. Esse processamento não foi feito nesta foto ou porque não há duas imagens feitas exatamente do mesmo ângulo entre as duas câmeras ou porque ainda a imagem colorida correspondente ainda não foi transmitida pela New Horizons.

  16. Olá Salvador, empolgante! Ainda espero muitas surpresas desta missão!
    Por oportuno, tire-me uma dúvida: considerando a velocidade da New Horizons durante essa jornada, basta uma partícula do tamanho de um grão de arroz na trajetória da sonda para ir tudo por água abaixo! Neste caso, como monitoram estes riscos aqui da Terra? Existem sensores que conseguem fazer essa detecção com tempo suficiente para manobras de desvios ou, nestes casos, não chocar com nada minúsculo pela frente é pura sorte?

    1. Não é só “pura sorte”. Claro que sorte faz parte, mas temos que considerar que o espaço é muito, muito vazio. Então a chance de você bater em alguma coisa é naturalmente pequena…

  17. Os aficionados pelo alpinismo devem estar ansiosos por ir a Plutão escalar todas estas montanhas. Aliás, já sabem qual é o ponto de maior altitude do planeta, Salvador?

  18. Salvador, existe uma região na foto maior, –esquerda, superior –, que se parece, precariamente, com o litoral da Antártida. Como se fossem placas poligonais desmanchando-se em placas menores. No site da Nasa tem um fotografia mais evidente. Pode ser nitrogênio sólido “trincando” e caindo num “mar” como icebergs? Ou estou chutando alto?

    1. Dificilmente. Plutão não tem as mesmas características que definem os atuais 8 planetas. Essa classificação não é algo subjetivo, tem critérios, e Plutão não atende a esses critérios.
      Mas nem por isso Plutão é menos interessante. Pelo contrário, é empolgante saber que algo menor do que nossa Lua pudesse ser tão surpreendente!

  19. Lindas fotos!Realmente o Universo e o nosso sistema solar são maravilhosos,porém é uma pena que o ser humano esteja destruindo o próprio planeta que é seu lar neste sistema grandioso.
    As fotos de Plutão são maravilhosas,sempre vale à pena ver novas imagens da New Horizons!
    Abraços para você,Salvador!

  20. Salvador, as diversas camadas da atmosfera não estão muito altas? Proporcionalmente, as nossas aqui na Terra seriam uma faixa muito mais fina. Estou errado?

    1. Sim, a atmosfera é muito mais expandida — e tênue — em Plutão. Lembre-se de que a gravidade lá é um nadica…

  21. Uaaalll… Belo título Salva, já diz tudo 🙂

    Plutão, imaginado como planetinha simplório, se revelou um planetinha de grandes deslumbres!

    Show 🙂

Comments are closed.