“Se houver vida em Marte, saberemos nos próximos 5 a 15 anos”, diz cientista

Se houver vida em Marte, “logo saberemos”. “E ‘logo’ significa nos próximos 5 a 15 anos.” É o que diz o astrobiólogo Charley Lineweaver, pesquisador da Universidade Nacional Australiana que causou frisson ao apresentar a hipótese de que provavelmente nunca encontraremos vida alienígena, pois na imensa maioria dos casos ela está destinada a ter uma existência curta e se extinguir pouco depois de seu surgimento.

De acordo com ele e seu colega Aditya Chopra, o que aconteceu na Terra nos últimos 4 bilhões de anos — tempo em que a vida tem persistido em evolução no nosso planeta, culminando no surgimento de uma espécie tecnológica — seria um evento extremamente raro. Ou seja, nada parecido teria se repetido em nenhum outro lugar suficientemente próximo a ponto de podermos encontrá-lo. Na prática, a hipótese da dupla, apelidada de “gargalo de Gaia”, equivale a dizer que estamos sós no Universo. (Confira o vídeo a seguir para um resumo rápido da ideia.)

Um dos testes propostos por Lineweaver e Chopra para sua hipótese envolve justamente a busca por sinais de vida em Marte. “Se encontrarmos evidência de vida presente em Marte ou Vênus que teve uma origem independente da vida terrestre, então isso seria evidência contra tanto a hipótese do gargalo de Gaia quanto a do gargalo da emergência [que sugere que as reações químicas prebióticas que dão origem à vida são raras]”, escreveram os autores, em seu artigo recém-publicado no periódico “Astrobiology”.

Ao longo do último fim de semana, Lineweaver travou um longo (e fascinante) debate por e-mail com o Mensageiro Sideral sobre o gargalo de Gaia e suas implicações, as perspectivas para a busca por vida em Marte e em Europa, o que as evidências sugerem sobre a existência de inteligência extraterrestre e as expectativas que podemos ter (realistas ou não) do comportamento de civilizações altamente tecnológicas pelo Universo afora. Para quem se interessou pela discussão iniciada por aqui na segunda-feira, é um prato cheio. Confira.

O astrobiólogo australiano Charley Lineweaver (Crédito: ANU)
O astrobiólogo australiano Charley Lineweaver, proponente da hipótese do gargalo de Gaia (Crédito: ANU)

Mensageiro Sideral – Eu sei que você abordou no artigo uma das possíveis críticas à hipótese do gargalo de Gaia, a de que talvez o Universo estivesse de fato cheio de vida em toda parte, e nós apenas não a tenhamos detectado (mesmo quando se trata de vida inteligente, baseada em princípios da SETI, está claro que não procuramos o suficiente ainda para fazer qualquer afirmação conclusiva exceto a de que “não parece haver qualquer civilização nas proximidades, num segmento muito pequeno da galáxia, que esteja nos enviando sinais de rádio”). Mas gostaria de submeter a ideia de que mesmo ambientes habitáveis duráveis no Universo provavelmente não são raros, dado que, por tudo que sabemos, Europa, em nosso próprio Sistema Solar, pode muito bem ter sido um lugar habitável por vários bilhões de anos, provavelmente ainda é e provavelmente ainda será por um longo tempo no futuro. Além disso, podemos entender sua provável habitabilidade sem precisar de qualquer regulação “de Gaia”. Como você responde a isso?

Charley Lineweaver – Você diz “está claro que não procuramos o suficiente ainda”. Eu não acho que isso esteja de modo algum claro, uma vez que não há razão para acreditar que uma civilização tecnológica capaz de construir espaçonaves permaneceria em torno de sua estrela de origem. Em outras palavras, uma vez que você tem uma civilização tecnológica, ela irá se espalhar e colonizar. Pelo menos essa é uma premissa comum que muitos consideram plausível.

Sobre Europa, a água lá está sob muito gelo e existe em Europa (e em outras luas) por causa daquele gelo. Há muitos outros oceanos sob o gelo no Sistema Solar e tenho certeza de que eles são comuns no Universo. Entretanto, ao mesmo tempo em que o gelo protege o oceano e permite que ele exista, ele o isola da atmosfera e dos fótons [partículas de luz]… Uma importante questão em aberto é quão efetivo é esse isolamento e se uma conexão com a atmosfera é necessária para o ciclo de nutrientes ou para as fontes de energia redox [química baseada em óxido-redução, que permite o uso e o armazenamento de energia para a vida] ou para os fótons que a vida precisa para sobreviver. Há um debate em andamento sobre se os ricos ecossistemas nas fossas hidrotermais na Terra poderiam existir sem a chuva constante de compostos orgânicos da zona fótica [região superior do oceano em que a luz é capaz de penetrar].

Eu argumentaria que é muito difícil… talvez até impossível para um ambiente ser estável e habitável por longos períodos de tempo. Isso seria particularmente verdadeiro no período formativo de um planeta ou lua, o primeiro bilhão de anos. Por exemplo, talvez a vida tenha emergido no oceano de Europa logo após a lua ter se formado. Nas primeiras poucas centenas de milhões de anos após sua formação, é possível que o oceano europano não fosse coberto por gelo ou talvez o gelo fosse muito fino. De qualquer modo, o bombardeio pesado primordial [de asteroides, mais comum nessa fase de formação do Sistema Solar] teria perfurado buracos no gelo o tempo todo e isso pode ter permitido o ciclo de nutrientes e a química redox. Mas o bombardeio diminuiu e Europa resfriou.

Se alguma vida que calhou de evoluir em Europa descobriu como concentrar sais ou produzir um pigmento escuro, isso poderia promover derretimento ou aquecimento em alguns lugares na superfície que poderiam (conforme Europa esfriou e o gelo ficou cada vez mais espesso) manter uma conexão química com a atmosfera. Eu não acho que saibamos muito sobre a evolução primordial de Europa (ou das outras luas grandes onde pensamos haver oceanos subsuperficiais), então estou inventando essa história. Mas nossa hipótese de regulação de Gaia sugeriria que as condições necessárias para a origem e a manutenção da vida não são necessariamente as mesmas e provavelmente não seriam estáveis.

Eu concordaria que o oceano europano e as temperaturas no fundo dele são agora estáveis. Se a vida pode emergir nessas condições e persistir, ainda não está de modo algum claro.

Mensageiro Sideral – E quanto aos extremófilos da Terra, seres capazes de viver nas condições mais inóspitas, como sob intensa radiação ou muito calor? Eles já não provaram que a vida é mais resiliente à extinção do que fomos levados a acreditar antes que os tivéssemos encontrado?

Lineweaver – Sim, acho que sim. Particularmente os mais profundos, a 1 ou 2 km de profundidade.

Mensageiro Sideral – E esses extremófilos não estão dizendo que, se já houve vida em Marte, ainda deveria haver alguma vida lá, talvez no subsolo, deixando-os apenas com o gargalo da emergência novamente?

Lineweaver – Bem, há possivelmente muitas camadas nesse “grande filtro”. Quais são mais importantes é difícil de dizer. A nossa nova camada, o gargalo de Gaia, não é sabotada pela resistência dos extremófilos. Acho que a ideia de que, quando a vida surge, ela é frágil é o modo mais plausível de pensar sobre os princípios da vida. Para se tornar “dura na queda”, a vida precisa evoluir, e isso leva tempo.

Mensageiro Sideral – Uma outra pergunta: quando eu digo que ainda não procuramos o suficiente, não me refiro apenas a SETI, mas também a buscas biológicas em nosso Sistema Solar. A única busca biológica em Marte foi feita pelas sondas Viking, em apenas dois sítios, seus resultados foram controversos e não disseram nada a respeito de ambientes subsuperficiais. Então, pelo menos para mim, parece que é cedo para dizer que não há vida neste momento em Marte. Das luas geladas, podemos dizer ainda menos. Então, quando o assunto é a busca por vida extraterrestre, ainda estamos basicamente na estaca zero. E mesmo se você olha pelo ângulo da busca por vida inteligente, pode ser que existam artefatos ligados a espaçonaves [extraterrestres] no Sistema Solar, e nós apenas não os encontramos, ou talvez viagens interestelares não sejam viáveis afinal de forma que a colonização nunca se torna a regra na galáxia, ou talvez viagens interestelares sejam praticáveis, e a maior parte da galáxia esteja colonizada, mas inteligências extraterrestres não se intrometem em sistemas com vida nativa (e o Sistema Solar se tornou vivo bem cedo em sua história)! Com tantas respostas alternativas, acho que é cedo demais para dizer que podemos apostar que inteligência extraterrestre é rara, para não falar em vida microbiológica persistente. Você não concorda?

Lineweaver – Há um debate interessante sobre a questão: se há vida num planeta, ela vai dominar o planeta e se tornar tremendamente óbvia? Ou talvez a vida possa permanecer no subsolo, levando uma existência não-óbvia? Não temos certeza… mas um pode provavelmente dizer com alguma confiança que vida em outras partes do Sistema Solar não é óbvia.

Sobre vida presente em Marte, eu concordo se você estiver se referindo a vida microbiana subsuperficial. Com algumas poucas sondas… especialmente aquelas que podem cavar e perfurar, logo saberemos. E “logo” significa nos próximos 5 a 15 anos.

Você diz: “Das luas geladas, podemos dizer ainda menos. Então, quando o assunto é a busca por vida extraterrestre, ainda estamos basicamente na estaca zero.” Talvez… Não vou contrariar isso.

Sobre a viabilidade de viagem interestelar, não vejo razão para ser inviável. Você não viu o filme “Interestelar”? Se permanecermos vivos, nossos futuros descendentes (ou seja, robôs inteligentes) certamente vão viajar por toda a galáxia. E não é necessário que isso se torne a regra… tudo que você precisa é de uma [ocorrência].

Há muitas estranhas e maravilhosas ideias para explicar o paradoxo de Fermi. Elas estão listadas no livro de Stephen Webb, “Where is Everybody? 50 solutions to Fermi’s paradox”. O gargalo de Gaia não está listado entre elas.

Martin Rees [astrônomo real britânico] me disse uns meses atrás que Webb estava para lançar uma nova edição… desta vez com 70 soluções. Martin escreveu o prefácio para ela. Como cientistas, nosso trabalho é tentar bolar hipóteses e avaliá-las. O gargalo de Gaia é uma nova hipótese que é, nós acreditamos, mais consistente com o que sabemos sobre a fragilidade da vida primordial num planeta jovem. Desde o artigo de 1998 de Maher e Stevenson sobre a frustração da vida por impactos, a maioria dos astrobiólogos tem presumido que, uma vez que a vida começa, ela persiste.

E com respeito a vida inteligente, eu acho que as evidências que de fato temos para avaliar a hipótese sugerem fortemente que ela não existe. Tente dar um google em “The Planet of the Apes Fallacy” para ver o que eu quero dizer. Com respeito a vida microbiana persistente, não tenho tanta certeza. Mas nossa ideia pode ser testada, como sugerimos no artigo.

Mensageiro Sideral – Fui ler sobre a “falácia do Planeta dos Macacos” [referência ao clássico da ficção científica, é a falsa ideia de que, se a humanidade fosse de algum modo destruída, algum outro animal necessariamente evoluiria para se tornar inteligente e tomar nosso antigo lugar, como se houvesse um nicho ecológico obrigatório para vida inteligente que a evolução sempre busca ocupar]. E concordo com você que as evidências apoiam a noção de que a inteligência não é um traço obrigatório da evolução, de forma que não podemos concluir com facilidade que de um planeta com vida sempre terminaremos com uma espécie inteligente.

Entretanto, também não podemos ignorar o fato de que grandes biosferas como a nossa irão, como você aponta, proceder com incontáveis “experimentos” evolutivos e é obviamente possível que um desses siga uma rota que eventualmente leve à inteligência. Então, minha opinião sobre isso é que não há mesmo um nicho para inteligência. Contudo, há um nicho para socialização — espécies sociais apareceram diversas vezes, em diferentes linhagens da árvore da vida, de forma que parece haver alguma convergência quanto a isso. E alguém poderia argumentar que a socialização gera a pressão de seleção para a inteligência, já que ser mais inteligente provavelmente ofereceria vantagens extra em contextos sociais. O quanto isso precisa ir adiante até que entremos na estrada para uma sociedade tecnológica, e com que frequência isso acontece numa biosfera, ainda estamos por compreender.

Vamos imaginar por um momento que sejam precisos 1 bilhão de “experimentos” naturais a gerar criaturas sociais até que um deles leve a inteligência superior. Considerando que cada biosfera vai fazer vários deles, essas chances são bem boas, numa galáxia com 200 bilhões de estrelas. Então, eu não vejo como um problema o fato de que não há um nicho claro para a inteligência. Isso é verdade, mas também é verdade que alguma pressão evolutiva teve de acontecer para nos levar dos australopitecos até o Homo sapiens.

O que eu acho que é antiquada é a ideia de que a vida necessariamente vá se espalhar por toda a galáxia se a inteligência aparecer. Tendências de redução do crescimento populacional na Terra, acompanhadas por preocupações crescentes acerca de impactos ambientais, nos mostram que não é obrigatório sempre expandir, expandir e expandir. Talvez sociedades avançadas se tornem tão sustentáveis que não colonizam nada além de seu próprio sistema solar, ou no máximo seus vizinhos estelares mais próximos. E isso é especialmente verdadeiro se terminarmos com descendentes robóticos, em vez de entidades biológicas. Robôs não têm nenhum instinto reprodutivo! Não há necessidade de colonização! Eles poderiam simplesmente viajar pela galáxia, colhendo conhecimento! E um pequeno robô alienígena poderia estar no nosso Sistema Solar agora, e poderia ser tão pequeno e discreto que nem notaríamos sua presença!

Meu ponto é: eu acredito fortemente que não sabemos o suficiente para fazer afirmações audaciosas sobre quão frequente ou infrequente vida ou inteligência deveriam ser. Não há dados suficientes!

Entretanto, fiquei fascinado pela hipótese do gargalo de Gaia, porque ela ataca o problema de a vida ser tão óbvia na Terra e, na melhor das hipóteses, ser muito sutil em todo o resto do Sistema Solar.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook, no Twitter e no YouTube

P.S.: A quem possa interessar, o Mensageiro Sideral estará nesta quinta-feira (28), às 15h30, na Campus Party, no Anhembi, em São Paulo, com uma apresentação sobre o passado e o futuro da exploração de Marte. No sábado (dia 30), mesmo horário, participo, no mesmo evento, de um debate sobre o impacto de Star Wars na indústria cinematográfica.

Comentários

  1. Gosto muito de saber sobre a vida no espaço. Desde criança querendo ou não estamos, só já estamos sabendo que á bacterias na aguá salgada. De marte. Obrigado por proporcionar e dividir está boa materia com agente. Abraço. Tudo de bom!

  2. Bom dia,

    Pelo que entendi, ele se refere, somente, a vida inteligente nos arredores do nosso Sistema Solar. Na minha opinião, na pior das hipóteses, de haver somente uma nós em nossa galáxia, isso nos dar, praticamente uma chance de vida inteligente em cada galáxia existente no universo, e já que existe milhões e milhões delas, a probabilidade é imensa.
    Hipóteses são bem-vindas, desde que baseadas no mínimo de razoabilidade e coerência científica.Entre as duas, prefiro está ao lado daquela que não afirma,e sim que nos traz outras alternativas para a explicação do fato.

  3. O tiroteio no blog está “cabuloso”, hein? Bem ao estilo “spaghetti western”. E do mesmo país dos westerns veio mais um pouco de gasolina na discussão dos ETs (O Salvador já deve ter visto a “octanagem” desta gasolina). Mas advirto, em “roteiros” de filmes americanos não há legendas em português:

    Seleção para os agentes dos X-Files:

    https://www.cia.gov/news-information/blog/2016/take-a-peek-into-our-x-files.html

    Arquivos que não terminam mais:

    http://www.foia.cia.gov/collection/ufos-fact-or-fiction

  4. Se a hipótese do astrobiólogo, sr. Lineweaver , estiver correta ele ,ironicamente, acaba com a astrobiologia até obtermos tecnologia para encontramos vestígios de vidas extintas, não menos importante e para isso surgiria uma nova cadeira , a’ astropaleontologia ‘.

    1. Também passei a ter problemas com o paywall. Primeira vez que observei esse problema foi dia 28/1, e até o momento não consigo mais logar.

  5. Bom, atendendo a pedidos do dono do blog, parei com essa babaquice de ficar discutindo com imbecis, clones e afins. Pra mim era bem divertido, já que não tenho nada mais pra fazer da vida, mas como ele mesmo disse, estava afastando os leitores que realmente gostariam de participar da discussão saudável. Eu encerro minha participação nesse post, e qualquer post feito por “Eu™” de agora em diante será feito por clones e admiradores. Especialmente os que possuem a palavra “Deus”, porque como todos sabem, nunca chamei deus nenhum de “Deus” com maiúsculas, pois não reconheço a existência deles.

    Beijos a todos e desculpem pela amolação.

    Mal ae, Salva.

    1. Tranquilo! Espero que todo mundo pare, porque estava ficando meio over o negócio. Nem sou contra uma briguinha de vez em quando, mas não podemos mudar o foco da bagaça.

          1. Ação que tomo somente em casos extremos. Considere isso meu “nuclear deterrent”. rs
            Apagando… 😉

          2. kkkkkkk… ri muito aqui.

            Abraço e tudo de bom, aproveito para parabenizar pelo excelente trabalho. Apesar de todas as besteiras até aqui, sou leitor assíduo e fã teu.

      1. Caraca! Salvador o que vc fez pra botar os caras na linha? De repente eles se acalmaram!!
        Um deles chegou até a ameaçar “segredos” do outro…rs

    2. Hiii hi hi…Ufa!! O baba ovo do ‘Euintein’ se comprometeu com o Salva ( tratamento de baba ovo ) de das babaquices de suas implicâncias com aqueles que frequentam o Blog. É isso aí, E(u)instein, humildade até o pai da Relatividade tinha. Abraços, zé ruela !!

  6. Salvador, e o tal planeta X (Nibirú para os íntimos), existe mesmo como propôs recentemente um astrônomo? Será que vai nos abalroar e destruir a vida tal como a conhecemos?

    1. Nibiru não existe. Planeta X (ou planeta 9, como os cientistas têm preferido chamar, justamente para não causar confusão com as lendas urbanas) pode ser que exista, ainda precisa ser descoberto, embora existam evidências fortes disso.

  7. Em ciências “hipótese” é um trabalho feito a partir de dados conhecidos. Uma “hipótese”, para ser válida, tem que estar baseada em dados científicos conhecidos ou em observação empírica (experiência pessoal ou social). Uma “hipótese válida” não é uma declaração de verdade científica. Hipóteses são elaboradas para serem testadas por observações posteriores, seja confirmando, seja refutando, seja reformulando.
    “Hipótese” é diferente de “teoria”. A grosso modo, uma “teoria” é elaborada a partir da confirmação de várias hipóteses feitas sobre o assunto estudado. “Teoria”, em geral, também não é uma declaração de verdade científica, mas é mais robusta e é elaborada a partir de proposições científicas já confirmadas.
    Ou seja, a hipótese do astrobiólogo Charley Lineweaver é perfeitamente válida, ainda que elaborada a partir de escassos dados científicos. No futuro, quando outros conhecimentos forem acumulados, ela vai ser, ou reformulada, ou confimada, ou refutada, ou abandonada.
    Nada impede que haja várias hipóteses paralelas e conflitantes, sobre um mesmo assunto.
    E é assim que caminha a ciência.

  8. Boa tarde!

    Já não encontraram traços de plâncton marinho no espaço, isso já não prova que a terra esta semeando vida no espaço?

    Vão descobrir vida em Marte e outros planetas sim!

    Abraços!

    1. Marcos, encontraram amostras na ISS, mas não está claro que ela veio da Terra por vias naturais (tipo, sem ajuda dos foguetes que levam todo o resto para lá).

    1. É uma nuvem de gás. Tem outra maior no canto da imagem. A concentração de poeira bloqueia a passagem de luz. A formação é comum em berçários de estrelas! 😉

  9. Salvador;

    Uma dúvida boba… A lua é atraída pela Terra, a terra pelo sol, o sistema solar pelo buraco negro no centro da galáxia e galaxia? A via lactea gira em torno de que afinal de contas? Alguma galaxia maior? Já sabemos isso? Temos alguma suspeita do que pode ser?

    Obrigado e parabéns pelo Blog. É o primeiro blog que acompanho fielmente e é incrível como já se passou 1 ano e meio e continuo com a mesma ansiedade para cada nova postagem.

    1. Luiz, primeiro deixe-me agradecer pelo seu depoimento. O maior valor deste blog é de fato os leitores e comentaristas assíduos. Vocês é que abrilhantam o espaço, indo além das simples postagens e aprofundando os temas tratados.

      Agora, voltando à Via Láctea, ela faz parte de um grupo de galáxias chamado de Grupo Local. São cerca de 50 galáxias que estão próximas umas das outras e interagem gravitacionalmente, se deslocando em torno de um centro de gravidade comum. A Via Láctea é um dos maiores membros, junto com Andrômeda, e as duas estão numa rota de colisão, que vai acontecer em 3 ou 4 bilhões de anos. Considerando que Andrômeda é um pouco maior, você pode pensar que a Via Láctea está “caindo” na direção de Andrômeda. rs

      Abraço!

      1. Só complementando a excelente resposta do Salvador, a colisão entre Andrômeda e a Via Láctea não deve ser destrutiva, pois o espaço entre as estrelas em ambas é muito vasto. haverá deslocamentos de sistemas e aglomerados estelares, mas raras colisões efetivas de estrelas ou sistemas.

        Puxa, o céu vai estar lindo daqui a 3 bilhões de anos!

  10. Salvador, porque a NASA que enviou sementes e água a Marte afim de verificar a possibilidade do desenvolvimento de vida vegetal.Parabéns pelo blog.

    1. A Nasa não fez nada disso! O que eles estão fazendo é um cultivo experimental de batata (em parceria com uma organização peruana) em condições “marcianas”, mas aqui na Terra.

  11. Crença acha, ciência estuda e acha que sabe. Redundância. P.ex. Eu TM (marca registrada) e Eu TM (marca registrada), sou idiota, pleonasmo.

      1. eu realmente sou muito ignorante. me desculpem por existir. vou embora desse blog e nunca mais vou voltar.

          1. Não cansa de zurrar não, bozolino burrildo? Eu tenho todo o tempo do mundo pra replicar cada um dos seus comentários imbecis zumbidores zurrentos, não canso. Nunca.

      1. Desculpem, sou tão burro que esqueci que não iria mais comentar aqui! Mau oswaldo, mau oswaldo!

  12. As declarações de Lineweaver são decepcionantes, mas eu não estou surpreso com isso. De fato, acho que elas estão plenamente de acordo com a arbitrariedade da hipótese formulada. Começa com a surrada frase “…daqui a 15 anos (não seriam 20?), teremos a confirmação”.

    A seguir, ao encarar o trabalho científico como sendo o ato de “bolar hipóteses e avaliá-las”, Lineweaver está dizendo o seguinte: “para explicar um fenômeno, posso formular qualquer absurdo e o restante da comunidade científica que se vire e trate de procurar formas de refutá-lo”. Assim, não havendo meios de refutar a hipótese – pois ela é óbviamente inverificável – segue que a especulação adquire um falso caráter de alternativa válida e, portanto, trata-se de um embuste.

    Porém, o mais escandaloso na entrevista foi a frase “…você não viu o filme Interstelar?”. Logo, para mim está claro de onde o distinto cientista o retira as suas idéias geniais: provavelmente dos almanaques do Flash Gordon e do Superman, passando pelas séries Lost in Space e Star Trek. A que ponto chegamos…

    1. Ele está falando de 15 para Marte especificamente. 20 é uma meta mais geral que inclui a sondagem da atmosfera de exoplanetas e a pesquisa da lua gelada Europa. 😉
      Sobre “Interestelar” e ficção científica de modo geral, acho que a estrutura dessas história é apropriada para tirar inspiração e reflexão sobre temas da ciência contemporânea. Afinal, muitos desses filmes são calcados em ciência de verdade (“Interestelar” teve como consultor científico Kip Thorne, grande especialista em buracos negros) e suas histórias compõem “experimentos mentais” à moda de Einstein. Óbvio que não podem ser interpretados literalmente (como outras obras que você julga mais apropriadas para inspirar cientistas também NÃO PODEM), mas são especulações úteis. Falo bastante sobre isso no meu livro “Extraterrestres”, tentando separar obras de ficção científica que fazem meramente alegorias humanas (como Star Wars) e outras que procuram realizar experimentos mentais sobre vida alienígena (como 2001).

      1. Salvador, parabéns pela entrevista! Esse Apolinário Messias é a antítese total do objetivo das suas matérias! Está claro ser um troll. Enfim… Pegando carona na pergunta do Luiz B. Quanto via Láctea em rota de colisão com Andrômeda em alguns bilhões de anos, o que realmente se tem ideia do que pode gerar dessa colisão? Quais as expectativas para tal evento, posto que provavelmente nós, os seres humanos, estaremos extintos do universo.

    2. Apô, preciso te lembrar que a teoria da relatividade já foi, há 90 anos, somente uma hipótese, que era considerada pela maioria como estapafúrdia, improvável…

      Um exemplo um pouco mais recente: A teoria do big-bang que, aliás, ainda é questionada por alguns “hard-knocks”…

      *obs: Não estou comparando diretamente as teorias que citei com a hipótese do gargalo de gaia, são dimensões completamente diferentes, lembrando que esta hipótese não é nada além de uma entre as 70 possíveis soluções ao paradoxo de Fermi. Porém, como ainda não temos provas de ela está errada, não podemos simplesmente atirá-la no lixo.

    3. Prezado Bruno, comparar a divagação de Lineweaver com a teoria da relatividade é dose cavalar. Ele não merece tal honra. A TR foi formulada tendo como base sólidos conceitos de Física e foi levemente antecipada por gigantes da Ciência como Lorentz e Poincaré. O artigo de Einstein sobre a teoria da relatividade especial é um exemplo de síntese e do poder da análise lógica, foi aceito imediatamente por uma das revistas de Física mais importantes da época. Não dá para comparar com essa ópera bufa de Lineweaver.

      Mesmo a relatividade geral, formulada anos depois, era muito mais do que uma “hipótese”. Ela era uma construção teórica sólidamente edificada sobre conceitos matemáticos que poucos na época dominavam.

      “A capacidade de fazer polêmica não deve se confundir com a capacidade de produzir conhecimento” (Apolinário Messias)

      1. Eita, Apolinário, vamos concordar desta vez! E acho que até o Lineweaver concordaria conosco!
        Só achei pouco modesta essa auto-citação sua no final.

        “Se é você mesmo que está falando, não precisa se citar. Seu nome já aparece no campo correspondente, indicando a autoria.” (Salvador Nogueira)

      2. É que eu achei a frase tão pertinente e original (!!!) que não resisti: assinei para evitar plágios…

  13. Saudações Marcianas.

    Sr. Salvador, por favor comente sobre a hipótese, dita por Ademar Gevaerd, com quem discutiu recentemente aqui na Folha, de que é improvável que o seres humanos tenham evoluido tão rapidamente em apenas alguns milhares de anos.

    Ontem, éramos nômades nas planices africanas e hoje temos sondas no solo de Marte. Segundo Gevaerd, talvez tenha havido um pequeno empurrão extraterrestre.

    Na escala de tempo do desenvolvimento deste planeta, da ordem de bilhões de anos, realmente…. é espantoso o quanto evoluímos nos últimos 2 ou 3 mil anos.

    Aguardo também a análise dos demais leitores.

    No mais, parabéns pelo trabalho.

    Pedro Luz – Osasco/SP

    1. A comparação do genoma humano com o do chimpanzé, com a contagem de mutações (e a consequente extrapolação da época em que viveu o ancestral comum entre as duas espécies), sugere que a divergência ocorreu cerca de 7 milhões de anos atrás, o que é corroborado pela evidência fóssil. A linhagem humana evoluiu gradualmente dali para frente, e o Homo sapiens, anatomicamente moderno, surgiu cerca de 200 mil anos atrás. Evolução cultural é muito mais rápida que evolução biológica. Em menos de 100 anos fomos de uma época em que não havia aviões até a conquista da Lua, o que dá uma boa medida de como a cultura avança. Então, uma vez que o ser humano ganhou sua capacidade atual, seu progresso tecnológico seria mesmo naturalmente rápido, sem depender de alienígenas. Assim como o registro fóssil, as análises de DNA também corroboram a noção de que a evolução da linhagem humana se deu sem intervenções bruscas (que sugeririam artificialidade). E, claro, ideias de que humanos teriam sido “engenheirados” por alienígenas antecedem em muito o Gevaerd. Já lia sobre isso em livros do Erich von Däniken quando era menino, e duvido que ele tenha sido o primeiro a ter a ideia. Infelizmente, é tudo cascata. São ideias incompatíveis com as evidências (assim, claro, como quaisquer afirmações criacionistas e antidarwinianas que você possa ouvir por aí).
      Abraço!

      1. Fica claro que nossa evolução cultural (digo, tecnológica) está em crescimento exponencial e isso me dá uma sensação de “medo” do que veremos nos próximos anos. A perspectiva é que nossa civilização irá se renovar (mudar sua forma de viver) a cada década em função dos grandes avanços que virão, em todos os campos do conhecimento humano. Chegaremos a um ponto em que doenças serão extintas mas mini-bombas nucleares poderão ser criadas por adolescentes depois de uma rápida leitura em algum blog. A velocidade desta evolução me assusta, dá a impressão de ser uma evolução sem controle. No mais, está definitivamente esclarecido o assunto. Obrigado.

        1. Martin Luther King disse uma vez que o crescimento espiritual do ser humano está muito defasado em relação ao seu crescimento tecnológico. “Temos mísseis telecontrolados e homens descontrolados”, disse ele.

          Você tem razão em ter receio, só não transforme isso em paranóia. 🙂

      2. A evolução entende para frente. Em 1 ano evoluímos mais que os 10 passados, os 10 passados mais que os 100, os 100 mais que os 1.000 é uma periódica, donde podemos ter ter tido milhões de anos atrás culturas extintas, inatingíveis, cujos resquícios estão perdidos, impossíveis de serem provados.

          1. “Evolução” aí é no sentido da adaptação ao meio, Oswaldo, nem sempre é para a frente, no sentido da inteligência… Uma população mais “bronca” pode ser mais bem sucedida do que uma mais inteligente, mas sem condições de reagir às mudanças.

      3. Tentando complementar a pertinente resposta, é preciso ver que a grande evolução se deu nos 150 mil anos anteriores aos últimos 2 ou 3 mil anos.
        Há 10 mil anos, o ser humano já tinha acumulado o progresso técnico, cultural e intelectual para obter todas as realizações posteriores. Ou seja, no limiar do surgimento do sedentarismo (e consequentemente das cidades) e bem antes da inveção da escrita.
        Na história da evolução humana é muito mais importante, por exemplo o domínio do fogo, a adoção da agricultura e de técnicas de armazenagem de alimentos, do que o avião ou as ondas em Marte.
        Quanto ao Erich von Däniken, é necessário dizer que a história, arqueologia e antropologia já explicou todas as construções que ele atribuia (e depois negou) a deuses astronautas.
        Boas leituras sobre o assunto estão nos volumes I e II da História Geral da África, que pode ser acessada gratuitamente no site da Unesco.

        1. Evolução cultural e tecnológica, você quer dizer… Evolução biológica é muito mais lenta e a nossa se tornou praticamente desnecessária, pois adaptamos o meio ambiente a nós, não mais precisamos nos adaptar a ele. 🙂

        2. Quis dizer exatamente isso – evolução técnica e cultural. Grato Radoico. Mas, na verdade, parece que houve alguma evolução biológica nos últimos 150 mil anos. Futuras pesquisas certamente vão esclarecer o assunto.

    2. Pedro, além da resposta do Salvador (que, aliás, dá show tanto nas postagens quanto nas respostas dos cometários), estou convencido de que sua pergunta é muito bem respondida por um best-seller de hoje.
      Se me permite sugerir outra obra excelente sobre a evolução da espécie humana, procure “Uma Breve História da Humanidade – Sapiens”, do autor Yuval Noah Harari. Tem a versão e-book na Amazon, comprei na black friday por R$ 7,00, um achado!

      1. Amor e ódio são dois sentimentos separados por uma linha tênue, miga.

        Eu sei que no fundo, lá no seu fundo, vc me ama!

        E o fã clube, já formou? Tô esperando!

        Beijo na bunda sedosa, mona.

          1. Vish, tá louca, miga?!! Posta, se cita, e depois responde a si própria.. menina, isso já é esquizofrenia, vá se tratar!

            Ah, esqueci que você é bipolar. Tem personalidade de Mosquito E de burra!

            KKK

          2. Quem aqui no bloq seria estúpido o suficiente pra postar e se citar? Até o momento só vi um e estou respondendo à ele. Podia ao menos assumir e minimizar o papelão, não acha?

  14. Acredito que o gargalo de Gaia se aplica para a vida como conhecemos na Terra, com sua gravidade, elementos, temperatura e posição no seu sistema planetário. Isso não quer dizer que a vida seja diferente em outros sistemas e talvez essa vida seja impossível de ser detectada porque não a entendemos e identificamos como vida. O que dizer de termos seres vivos do tamanho de planetas ou até mesmo de sistemas solares inteiros ? Ou mesmo seres compostos somente de energia ? Como eles seriam identificados ?

    Se apenas temos alguns poucos na exploração dos exoplanetas, que se mostram agora tão comuns quanto o nosso, a teoria é bem simplista e pessimista. O fato de não identificarmos sinais de vida não significa que ela não existe… Talvez a vida como a conhecemos só exista aqui, mas dizer que ela não existe mais em nenhum outro lugar soa no mínimo arrogante, egocêntrico e pouco aderente à estatística…

    1. Me parece que a discussão é sobre o paradoxo de Fermi, portanto vida inteligente. A vida em si pode estar espalhada por todos os lados, mas vida inteligente depende da formação de vida complexa e esta passa pela estabilização ambiental de Gaia.

  15. Salvador, gostei da conversa de vcs, embora acho meio estranho um astrobiólogo. Deve ser meio frustrante, né? Vc estudar algo desse tipo, sei lá… rsrs
    Mas deixa eu te perguntar uma coisa fora do contexto?
    Vi uma matéria do uol sobre a descoberta do maior sistema solar do universo.
    Mas o texto ta confuso demais, credo.
    Fala de uma distância orbital de bilhoes de quilometros, depois fala que na verdade é um trilhão.
    Depois fala que o planeta tem a massa 10 a 12 vezes a de Júpiter.
    Depois fala que o planeta tem pouca massa…
    Mano, vc não quer falar sobre isso? Porque o negócio ali foi feio, ohhh texto ruim rsrsrs.

    1. Alan, começando pelo começo, acho que astrobiologia é um dos campos mais empolgantes que tem hoje! É a ciência que engloba o estudo da origem da vida, os processos que moldam a evolução e conduzem a coisas como biosferas auto-sustentáveis e civilizações avançadas, o ambiente em exoplanetas, e, claro, a busca direta por evidências de vida no Universo! É tudo sensacional, e a área fará grandes avanços nas próximas décadas.

      Sobre a matéria do UOL, sim, é um assunto que posso vir a abordar mais para a frente. Mas, para você não se confundir, o básico é o seguinte: acharam um objeto que está gravitacionalmente preso a uma estrela, mas numa distância enorme dela. Sua massa estimada está na fronteira entre planeta gigante e anã marrom, mas seja como for a classificação, é um objeto que se formou provavelmente pela “receita” de fazer estrelas, não planetas. É interessante para mostrar que sistemas planetários podem ter escalas bem maiores que a do nosso (assim como menores que a do nosso), mas fora isso não é uma grande coisa. Não viola nenhum dos nossos modelos, nem desafia nada do nosso entendimento corrente. Na verdade, sistemas estelares binários com estrelas afastadas devem nascer pelo mesmíssimo mecanismo, e são supercomuns.

      Não sei se melhorou muito o entendimento (escrevendo 2h da manhã, e ainda com trabalho pela frente!), mas eu tentei. rs

      Abraço!

  16. Imaginem vocês um mundo com condições extremas de sobrevivência onde que somente os mais fortes sobrevivem ,vamos exemplificar , duas raças de seres sem inteligencia como leões e zebras ,se denotarmos pela cadeia alimentar seria fácil concluir que a zebra seria a primeira extinta ,neste caso sobraria apenas os leões ,carnívero e que passariam a ser herbívoro por necessidade ,fica claro que a especie a sobreviver seria a mais forte e adaptável as condições ambientais ,não seria diferente em marte se tivesse existido vida por lá ,mais fácil ainda denotar que se houve vida inteligente algum artificio ou forma já teria aparecido ,fica claro que a expedição em marte hoje é desviar os focos e atenções de um novo e ambicioso projeto muito distante daqui ,e mesmo que houver vestígio de vida por lá não passará de restos naturais biológicos.
    O ser humano esta procurando a vida somente no formato que ele conhece ,dependente de aguá ,oxigênio e outros atributos a vida esquecendo que talvez exista forma de vida lá fora alem do que possamos imaginar sem depender dos atributos que nós humanos precisamos para viver , difícil comentar algo que não caberia na cabeça de muitas pessoas mais oque é essencial a nossa vida pode ser veneno a outras e por isto ainda não fomos contactados se forem intelectos ,seriamos talvez como sal jogados sobre lesmas ,o ser humano é tão infecioso quanto qualquer rio poluído .

    1. Fabio,

      Há muito tempo atrás (lembro-me de brincar com esse programinha nos primeiros micros a que tive acesso, por volta dos anos 80) havia um joguinho que simulava populações de peixes e tubarões. O jogo tinha dois finais possíveis: ou o equilíbrio ou a extinção total. Isso porque, quando a população do predador aumentava muito, a de presas quase se extinguia, mas na geração seguinte os predadores morriam de fome, e a presa tinha espaço para crescer. O contrário também era considerado, pois se houvesse uma redução significativa no número de predadores, a população de presas aumentava, para em seguida reduzir drasticamente — tanto pela falta de alimento quanto pelo natural aumento de predadores que se seguia a um tempo de excesso de alimento (presas).

      Não sou biólogo, mas creio que isso acaba ocorrendo na vida real. Antes de seus leões se tornarem herbívoros pela falta de zebras, eles se extinguiriam, pois é uma adaptação que envolve a “reengenharia” do aparelho digestivo — algo que levaria muitos milhares de anos, ou milhões, talvez.

      Acho que só um fator externo pode desequilibrar a balança, mas se não houver alternativas (faltam zebras, vamos comer gnus!), creio que as soluções possíveis são extinção ou equilíbrio.

      sds.

  17. Solicito a devida correção do título do artigo/entrevista com o Astrobiologo Charley

    Lineweaver.Em de ” Se houver….. ” diga-se ” Se houve … “.Obrigatoriamente, o

    verbo deverá está no “pretérito perfeito ” e nunca no “Futuro do Subjuntivo”. Este

    indica a realização de um ato “passado de forma duvidosa” o que não é o caso

    em análise.

    Basta consultar um bom gramático para se fazer uma boa Ciência,porquanto m os

    conceitos,hipóteses e variáveis no campo científico não comportam o que diz a ma

    téria,em epígrafe.

    1. José, o título está correto. Ele não implica a existência de algo no passado, mas a existência de algo no presente ou no futuro próximo indicado pelo artigo. Não estamos falando de vida pregressa em Marte. Estamos falando de vida corrente em Marte. Abraço!

    2. Ué… Para mim esta claro, o objetivo é saber se existe vida em Marte hoje em dia.
      Não vi nada de errado no título.

      1. Olha que curioso: Ele quis mostrar conhecimento de normas cultas de português… Mas não entendeu o que leu!

  18. Dando crédito a quem merece

    Gerações de amantes de ficção científica deliciaram-se, por décadas, e sinceramente,
    espero que ainda se deliciem, com a trilogia Fundação, de Isaac Asimov.

    E o que tem isso a ver com as calças? Tudo. De cara, vamos lembrar que a trilogia
    foi escrita entre 1951 e 1953. Uma época em que afirmar que existiam exoplanetas
    era, pra dizer o mínimo, motivo de chacotas.

    Mas muito mais que ter inventado o termo “robótica” e as suas três leis (pra quem
    duvida, digite no google “as três leis da robótica”), vale lembrar:

    1- Asimov, na trilogia, conta a estória da colonização da galáxia pelos Humanos.
    E não vamos encontrar nenhuma citação nos 3 livros, de nenhuma outra inteligência
    superior não-humana na galáxia. Talvez com duas exceções: os habitantes do planeta
    Gaia, que no final, no livro Fundação e Terra, vamos descobrir ter sido fruto da
    intervenção direta de robôs, e um único ser que talvez não fosse humano, mas que
    seria um filho de Gaia renegado…ou um ser vindo de OUTRA galáxia.

    2-Na trilogia, os humanos procuram uma explicação para a Terra, e somente a
    Terra, ter dado origem a uma inteligência superior (no livro, eles aventam a hi-
    pótese da Terra ser rica em elementos radioativos, o que teria incrementado o
    ritmo evolutivo).

    3-Na trilogia, os robôs evoluem para a auto-consciência…e mais que isso, tor-
    nam-se Guardiões da espécie Humana.

    Durante anos me perguntei se Asimov teria sido antropocêntrico…ou visionário.
    E lendo agora a troca de mensagens entre o Salvador (o Nogueira, e não o Deus,
    por favor) e o astrobiólogo australiano, não conseguia parar de lembrar do Asimov.
    O cara formou gerações. E tenho poucas dúvidas: ainda guardamos do fantástico
    Sr. Isaac muitas das crenças expostas por ele em seus livros.

    Asimov rompeu com a ideia do sistema planetário único na galáxia. Rompeu com a
    ideia de que somente humanos poderiam ser auto-conscientes, ao dar consciência aos
    robôs…mas não rompeu com a ideia de que somos os “escolhidos” da galáxia: a única
    espécie biológica com tecnologia.

    Talvez seja a hora de dar um passo à frente.

    Um abraço.

    1. Imaginação + dados + informação + provas = Ciência
      Imaginação + imaginação + ficção científica = Entretenimento

          1. Depois do “tóin!” que o Salvador deu em alguns comentaristas acima, acho bom eu não polemizar com temas que nada contribuem para o debate.
            Mais que isso, eu te peço desculpas. Seu comentário (“Imaginação+Imaginação+Ficção Científica=Entretenimento”) não continha nenhuma carga agressiva. Já a minha réplica (“Entretenha-se.Você não vai se arrepender.Experimente também namorar. É bão tb, rs”) foi rude, prá não dizer infantil. I’m sorry!
            Um abraço.

      1. Ficção científica é a forma mais prazerosa de divulgação científica e de incentivo para a formação de novos cientistas.

    2. Eduardo, Asimov em “O Fim da Eternidade” diz que a humanidade, ficando na Terra, permitiu que outras espécies colonizassem a galáxia e, quando tentou, finalmente, partir, foi obrigada a retroceder e a minguar na Terra…

      Nos volumes que foram continuação à trilogia Fundação, especialmente em “A Fundação e a Terra”, ele deixa claro que os humanos, ao estabelecer o Império Galáctico, terraformou os planetas e impediu a evolução de espécies autóctones…

      Em “O Despertar dos deuses” (ou “Os próprios deuses” em tradução mais moderna e mais fiel), Asimov coloca vida inteligente num universo paralelo ao nosso (aliás, de forma genial).

      Assim, não concordo que Asimov tenha sido antropocêntrico, embora ele escrevesse para seres humanos e, portanto, puxasse a sardinha para o lado do leitor… 🙂

      1. Sim. Em muitos de seus contos e livros, Asimov fala de seres inteligentes não-humanos. Talvez
        o mais famoso seja “Nightfall” (“O cair da noite”).

        Quanto à terraformação dos planetas pelos Espaciais (os primeiros viajantes estelares), ela não poderia ser a causa da não-evolução de inteligências autóctones, porque, salvo engano (li esses livros há muitos anos), os eventos de Fundação se passam no ano 23.000 DC. Tempo escasso demais, em termos evolutivos, para que a terraformação fosse o elemento impeditivo do surgimento de vida inteligente mesmo nos 50 primeiros e mais antigos planetas colonizados.

        Mas nem é isso, eu penso. Os romances principais do autor são da série sobre os Robôs e a trilogia Fundação. E neles a única espécie biológica inteligente na Via Láctea são os Humanos.

        Por esse prisma, ele era sim, antropocêntrico…ou um visionário que acertou em cheio, e seríamos de fato a única espécie tecnológica da galáxia. Um abraço.

        1. Concordo, 23 mil anos é pouco em termos de evolução, eu me expressei errado. Mas um “império galáctico” humano impedirá que outras espécies se espalhem pela galáxia, ou teremos que formar uma federação Unida de Planetas democrática como em Star Trek. 🙂

          Para quem ainda não leu, recomendo O Fim da Eternidade (The End of Eternity)

    3. Acho Asimov o maior escritor de ficção científica de todos os tempos.
      A Trilogia é sua obra prima. Varei noites lendo, sem achar um ponto adequado para parar e dormir.

    4. Já li os dois primeiros livros da trilogia, estou gostando. Não tinha ideia de que foram escritos a tanto tempo. De fato Asimov levanta muitas questões interessantes em Fundação. É legal ver os fatos desenrolando das maneiras mais inesperadas…

      1. Graças a Fundação eu passei a me interessar por História (da humanidade)… Se você observar bem, Fundação é um livro de história que se passa no futuro. A história do passado, descobri, é também muito fascinante. Pena que as escolas a tornem chata, só decobera.

  19. Qual a diferença entre 5 e 15 anos, 50 ou 150, 500 ou 1.500? O que acrescentará ou não? O que determinará a descoberta ou não de uma bactéria unicelular no solo marciano, ou em qualquer parte do Universo? Esses são os questionamentos que estão sendo perdidos no blogue. Será que não houve na Terra, bilhões de anos atrás, uma raça dizimada pelo Sol, de alta tecnologia, que visitava constantemente todos os planetas conhecidos, nos quais deixou sua passagem e seus vírus? Ou será que essa raça conseguiu se miniaturizar, escapou do holocausto e mesmo possuindo o conhecimento de voltar ao natural, optou por continuar pequena, para não enfrentar escassez de nada e, vez por outra retorna ao tamanho normal, com suas espaçonaves e são confundidas com ET?

          1. Estava, mas aí vi que você também está aqui e decidi me matar. Melhor morrer do que ter que ler seus comentários.

            Tchau.

          2. Desculpe por ter te chamado de doença. Eu sou a doença, e você é a cura. Me cure com seu amor.

            Beijos, Douguinho

    1. O Oswaldo coloca uma questão importante, e eu tento responder:

      Por enquanto, temos a hipótese de que há vida extraterrena, o que muitos outros, especialmente os criacionistas, não aceitam. A descoberta, em que tempo for, irá acabar com essa discussão e libertará a humanidade para aceitação de um universo vasto e pulsante de vida.

      Essa aceitação terá profundas implicações filosóficas, influindo no progresso da nossa civilização. Claro, as religiões continuarão existindo, pois acharão em seus livros sagrados alguns parágrafos que poderão “confirmar” que ali sempre foi dito, nós é que não compreendíamos…

      1. Trata-se de uma hipótese nula, pois na realidade carece de elementos reais e está calcada em equações matemáticas.

  20. Não creio que a vida possa surgir a partir matéria não viva. Por isso, acho que seria interessante se procurassem, em nosso próprio planeta, por um ambiente onde alguma forma de vida estivesse surgindo a partir de matéria não viva, para que essa hipótese fosse definitivamente comprovada.

    Quanto a busca em nosso sistema solar, é bem provável que nesse instante estejamos infectando com vida cada um dos lugares em que enviamos nossas máquinas!

      1. Cara, corrija meu inglês mas eles não estão nem perto!

        “The electrical needs of life’s first organisms are only one of many puzzles. Other researchers are trying to figure out how organic materials, such as DNA, might have assembled from scratch. The ultimate goal is to fit all the pieces together into one amazing story of life’s origins.”

        O que eles estão produzindo em laboratório com sucesso moderado?
        Já dá trabalho ficar lendo os crentes religiosos, agora temos que ler crentes científicos…putz.

        1. Escrevi um capítulo inteiro sobre origem da vida no “Extraterrestres”, que mostra bem os sucessos e fracassos da pesquisa até agora. Mas não está muito longe de fechar essa conta, não.

          1. Salvador, por favor me corrija, assim como o EU TM: Proteína realiza metabolismo mas não replica, DNA replica mas não faz metabolismo. Precisa dos dois no mesmo lugar (probabilidade de uma multiplicada pela probabilidade de outra), ou RNA, mas RNA funcional é muito grande, precisa e borato, molibdato, deserto… tudo junto (mais probabilidades multiplicadas), mais eletricidade do artigo citado acima…

            Acredito que estamos no caminho pra ENTENDER, mas daí dizer que estamos perto de FORMAR RNA? Não força a barra não? Por isso disse que o EU TM é um crente, tanto quanto eu em acreditar que na verdade a origem da vida é a VIDA.

            Especulo que quando ENTENDERMOS, nos daremos conta que a solução mais plausível é que É IMPOSSÍVEL sem uma ajuda inteligente, chame isso do que quiser.

          2. Estamos perto de formar mesmo. Você mostra ter lido a literatura recente a respeito (ou pelo menos a minha literatura recente sobre a literatura científica sobre o tema), e já conseguimos produzir ribose de forma abiótica, que é um pedaço significativo de RNA. As bases nitrogenadas também são fáceis de fabricar por rota abiótica. O problema é que as melhores rotas abióticas até agora são “a seco”, e temos fortes evidências de que a vida surgiu no mar, sem falar desse vício que ela tem em água. Então, ainda há mistérios a desvendar, e só sintetizar RNA em laboratório não vai bastar para resolvê-los.

            Sobre a necessidade de uma ajuda inteligente, se ela for necessária, nós jamais ENTENDEREMOS. Porque entender pressupõe ciência, e ciência pressupõe explicações naturais. E se apelarmos para uma inteligência natural, teremos de explicar antes sua origem, o que nos traz à estaca zero. E se a inteligência for sobrenatural, está além do alcance da ciência (que se propõe a explicar o mundo natural), de forma que jamais entenderemos. Capisci?

          3. Sempre acho bonitinho quando falam, os “tijolos” que forma a vida… Fico me perguntando o que aconteceria se encontrássemos um tijolo de verdade em Marte. Um tijolo mesmo.

          4. Rs. Muito engraçado. Deixa pra lá.
            Mas vem cá, quais seriam as implicações se encontrássemos “tijolos” (qualquer indício de arquitetura alienígena, claro supondo que nós mesmos não somos evidências disso)?
            Já tá bem claro que logo logo encontraremos formas de vida simples, mas civilizações (ainda que extintas) não seria dramático demais?

          5. Li nada não, rs. Só o que você escreveu (elogio pra vc, crítica pra mim, mas que posso fazer, adoro ver TV).
            Mas isso não me impede de perceber que as vezes mesmos os amantes de papers adoram focar ao invés e abranger e a visão panorâmica do Universo acaba virando uma busca por confirmação das crenças ( tá bom, também sou tentado a isso às vezes…) .
            Mas vou insistir que nós believers não somos os únicos que chancelamos passos além da lógica corrente e dos papers.
            Quer ver uma coisa? Matemática, Probabilidade. Quais as chances de encontrarmos na Terra um ambiente , vá lá, 50% do necessário para a formação do RNA?
            Aí entra Dawkins com a suposição de sorte dele: Talvez não na Terra mas como o Universo é muito grande, a vida deve surgido em algum lugar.
            Pô, como relembraram vários aqui nos comentários, o Universo mal começou a ser compreendido e já temos um veredito materialista, ainda que a MATÉRIA do MATERIAlista seja 4% do Universo!
            Por isso falo do tijolo. O tijolo é só a metáfora de uma construção que necessariamente pressupõe o pedreiro.
            Cara, desde a década de 30 temos experiências começando a revelar algo além (imaterial?) no homem (ver J.B. Rhine). Mesmos com dados apontando para algo no mínimo BEM ESTRANHO, continuamos a nos vendar para ACREDITAR que a vida, mesmo contra todas a probabilidades em contrário, brotou, POR SORTE, dá água ou do deserto. Tudo bem, me cobre provas, como um amigo carente gostava de pedir aqui. É fácil pedir quando a máquina humana de produzir ciência é regida por quem direciona e decide o que deve ser investigado.

            Só uma última pergunta: já colocaram um monte de RNA em um meio ambiente favorável e já viram algo legal acontecer? Talvez seja uma pergunta idiota, não sou especialista, mas se tivesse a oportunidade, faria a engenharia reversa pra testar.

            Abraços!

          6. Na verdade, é o materialismo que permite calcular que 96% do Universo conhecido ainda não sabemos exatamente o que são. Por outro lado, já temos uma boa ideia do que NÃO são. 😉

        2. “Já dá trabalho ficar lendo os crentes religiosos, agora temos que ler crentes científicos…putz.”

          Ah sim, esqueci que vocês gostam de videozinhos do Youtube e posts curtos no Twitter. Mais do que 140 caracteres é mindblowing para alguns seres limitados.

          Da próxima vez eu desenharei, quem sabe fica mais fácil….

    1. Recomendo a leitura do livro de Addy Pross, “What is Life? How Chemistry Becomes Biology” (O que é vida? Como a Química se torna Biologia”). Fascinante, tem na Amazon.

      1. Radoico, pesquisei sobre esse livro, realmente acho muito interessante a origem da vida como ela é postulada. Porém a aguardo ansiosamente o dia em essa teoria for comprovada através de experiências ou mesmo observações reais na natureza.

  21. Muito interessante o debate. O mais legal, nesses casos, é ver o respeito mútuo e a abertura para o contraste de idéias, coisa que infelizmente não é o padrão nos comentários. Mas que bom que ao menos há um bom canal para divulgação científica e circulação de hipóteses interessantes sobre ciência e o nosso universo.

  22. MARTE NAOTEM VIDAENTELEGENTE , O PLANETA TA CHEIO DE PETIDSTA PORQUE O VERMELIO DO PETE!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! KKKKKKKKKKKKK

  23. A terra demorou quase eternos 4 bilhões de anos para surgir seres capazes de desenvolver tecnologia e mudar totalmente o planeta a vida inteligente deve ser rara e poucos conseguem prosperar sem se destruir

  24. O planeta Terra está para Gaia, assim como o surf estão para as ondas. A única conclusão que cheguei com esse tema é que cada planeta deva ter seu próprio “gargalo”. Algum cientista irá concluir que a vida em marte pode ser afirmada sustentando a teoria do “Gargalo de Tártaro”. Salvador parabéns pelo blog, sempre acompanho suas matérias mas estou achando que com o novo layout elas estão menores, se possível da uma enchida mais de linguiça, adoramos suas opiniões. Um abraço.

  25. Que Povinho Burro… Gasta milhoes para achar agua ou vida nessa porcaria de planeta….
    sendo que o planeta onde moram esta totalmente acabado, sem saude sem educacao, povo morrendo de fome, sem estrutura familiar…….
    E ainda tem esses BOSTAS que vem colocar no site …. que achou tal coisa no outro planeta a kilometros daqui!!

    O seu humando é pior que o lixo !! Pq é pior… pq o lixo AINDA dá para Reciclar ! agora o ser humano é dificiiiiiiii

    1. Me conte aqui, o que você tem feito pra ajudar o nosso planeta a se tornar um lugar melhor? Lembre-se que dar “likes” no Facebosta não conta!

        1. Chamem a SUCEN pra passar FUMACÊ no blog, tá tendo infestação de mosquito!

          Só que esse aí não transmite Dengue, Zica ou Chikungunya, transmite MALAria Sem Alça.

          KKKKKKKKKKKK

  26. PROMETHEUS, você é um louco, ta falando asneira, pois tem várias provas de existência de vida alienígenas, apenas nos ocultam a verdade. A própria Bíblia fala de gigantes na terra, de carruagens de fogo vindas do espaço, a maioria das pessoas se julga esperta e acham que andar com a bíblia de baixo do braço sem saber interpreta-la acha que ta fazendo uma grande coisa. E graças a ignorância de muitos como você que desacreditam na ciência e até mesmo em Deus é que somos seres não evoluídos. Existem milhões ou bilhões de galáxias e estrelas que nem conhecemos e alguns muitos ignorantes ou melhor seres arrogantes acham que somos os únicos seres no universo. kkkkk quanta arrogância do ser humano. Leia artigos de qualidade como O Livro perdido de ENKI que foi traduzido por Zecharia Sitchin de tábuas de argila de bilhões de anos atrás escrita deixada pelos Sumérios e você terá um outro conceito da existência de vida extraterrestre. As pessoas falam coisas sem terem cultura. E existem muito mais provas de vida extraterrestre a nossa volta do que você possa imaginar.

    1. Claro, afinal se está na “Bíbra” é verdade. Me conte, além de você, quantos burros falantes você conhece? E cobras?

    2. A vida é assim, cada um interpreta a bíblia à sua maneira, por suas palavras achas que gigantes são Ets? Amigo os gigantes eram filhos de anjos que deitarão-se com mulheres.

      1. Huahuhau! Muito engraçado! Fico imaginando como a Nasa poderia ter ocultado isso. Colocaram a gente no cenário do Show de Truman, para nenhum astrônomo poder ver o céu? 😛

          1. zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzZZZZZZZZZ.. ã? O que? Ah, acordei do meu sono de beleza! Agora pode vir tentar me engravidar de novo, lindo e querido Eu™!

            Sou sua!

          2. Mais uma vez usando meu nome (Eu™ sou idiota) pra expressar um desejo do seu íntimo? Não cola mais, a galera já sacou!

    3. Zecharia Sitchin é uma farsa, e vc caiu nessa!!!…
      Então os outros é que são ignorantes? Sei… kkkkkk

  27. Muito bacana ver como uma conversa com ciência de alto nível consegue buscar uma citação da ficção como ilustração de uma hipótese.

  28. Parabéns pelo blog Salvador
    Muito legal pessoas leigas terem a oportunidade de discutir ciência
    Não entendi tanta intolerância nos comentários sobre a opinião desse cientista
    Ele é um astrobiólogo, com toda certeza estuda isso há anos, o que já o faz merecer respeito.
    Creio que a opinião fora da curva em muitas situações é interessante, nem que seja para refletir mais, buscar novas perguntas, e nos preocuparmos em respondê-las.
    Enfim, melhora o debate e enriquece o conhecimento.
    Para finalizar, minha pergunta: não acha um pouco de presunção anunciarem um prazo para se ter certeza de algo que não sabemos?
    Falou em 15 anos para descobrir ou refutar a possibilidade de vida em Marte
    Já ouvi que em 50 anos teremos certeza se estamos sozinhos no Universo.
    Teremos a tecnologia suficiente para refutar completamente a existência de vida nesses prazos?

    1. É que a existência de vida em Marte depende de certas premissas que serão testadas nesse período. Por exemplo, a noção de um subsolo habitável será já verificada pelo jipe ExoMars, da ESA, marcado para voar em 2018. Teremos descobertas importantes pela frente, sejam os resultados positivos ou negativos!

  29. Sou mais pelo o que o CARL SAGAM falou; que existe vida inteligente no universo ,mais estao muito distantes de nos e nao tem (como nos) tecnologia suficiente para viajar no espaco e se comunicar.

    1. Ele nunca disse isso. Sagan era um forte proponente da SETI, e tinha esperança de travar contato com civilizações avançadas. Recomendo meu livro, “Extraterrestres”! Você pode ler enquanto corre na esteira da academia! 🙂

      1. Pelo visto você precisa lançar o livro em audiobook, tanta gente aqui que posta sem ao menos saber ler, tá fácil não!

        1. Pior é que, além de não saber ler, esse povo não entende o que lê, quando consegue ler algo… Com um audiobook entenderão o que está sendo dito? Duvido… por isso eles preferem ouvir “funk”…

  30. Porque não nos preocupamos com o nosso planeta terra, quando ainda existe possibilidade de recuperarmos o meio ambiente.

    1. Quem disse que não tem gente fazendo isso? Somos em 7 bilhões, tirando os imbecis desocupados, tem bastante gente trabalhando por aí em várias coisas simultaneamente.

        1. E não tá fácil não, vadão.

          Só o mosquito da MALAria Sem Alça já tá me tomando a maior parte do dia.

          Mas tudo bem, adoro ver ela cholar zumbir.

          KKK

        2. E esse:

          “Deus abençoe a todos

          Eu™ – 27/01/2016 7:55 pm -”

          Não sou Eu™. É apenas mais um querendo que eu bote um filho meu no bucho, mas já falei que não é possível engravidar outro homem pelo ânus. Vai ter que se contentar com adoção.

          1. Tava na cara que não era você… seria patético demais para um pseudo-ateu metido a saBICHONA das galáxias!
            HuahuauhuHAhauHUhauHA

        3. Vc podia inventar uma outra além dessa do mosquito da malária… tá parecendo aquelas piadinhas bobinhas de aluno da 5ª série.
          Ah, e antes que eu me esqueça: ZZZZZZZZZZZZZZzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
          Hauhauhauhuauhaaha…. tenha um bom dia, otário!

          1. Ah, só mais uma coisa: não abri nenhum desses links com as supostas piadinhas que vc tem postado, viu? Não sei se sua intenção era o meme ser exibido automaticamente nos comentários ou alguém realmente clicar pra abrir, mas enfim, não tá rolando! Tá fazendo papel de… hum… digamos… IDIOTA!

            Engraçado que vc ri da própria piada… cada retardado com sua mania!

  31. A terra é o centro do universo, estas historias de galaxias, multiverso, buraco nego , boson de higs , isso é só pra vender refrigerantes !

      1. COCA COLA zero nao funciona para perder peso,alem de nao ter o mesmo sabor da verdadeira,vai frequentar uma academiakkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

        1. Prefiro Coca Zero. Acho a normal muito doce e grudenta. Mas vamos combinar assim: você não me manda pra academia e eu não te mando pra escola. Fechou? 😉

        1. Na boa, mas acho que está na hora do EuTM e do EuTM sou idiota pararem com a brincadeira! Esse tipo de picuinha está indo adiante em detrimento dos leitores que querem ler coisas diferentes nos comentários e precisam ficar passando por toneladas de posts malcriados e sem sentido. Não sou de promover censura no blog, porque acredito estar lidando com pessoas capazes de exercer minimamente o senso crítico e o respeito ao próximo. Vamos parar os dois, por favor?

          1. É isso, Salvador. Eu estava afastado do blogue exatamente por essa coisa de briguinhas e piadas tolas e insultos em detrimento da Ciência. Aceito perfeitamente o Apolinário, dá graça e discussão, não muito científica, mas é válido. Agora, ocupar um espaço desses com bobagens…Já me havia manifestado que deve haver uma censura por sua parte, limitada a insultos e bobagens. Vamos ver se retorna o blogue a conversas de gente grande.

  32. Se há, ou houve, vida nativa em Marte, ainda é difícil comprovar. Porém, os “buracos quadrados” visíveis pelo Google Earth, na região de Deuteronilus Mensae, carecem de estudo e explicações.

    1. Na verdade, não. O que carece de explicação é por que o pessoal não consulta as cartas da Nasa ou da ESA, em vez de explorar Marte pelo Google Earth, que faz uma emenda automatizada (e imperfeita) das imagens, gerando “buracos quadrados” como artefatos?

      1. Como assim? Manda o link das cartas de Marte feitas pela NASA, por favor!

        PS: já passei horas no Google Earth me deleitando com os aspectos geológicos da superfície de Marte. Infelizmente até hoje não achei nada inusitado que pudesse sugerir a presença de vida. kkkkkkkk 😛

      2. Agradeço pela sua explicação. Infelizmente o link do Mars Trek não está abrindo. Existem outras fontes para ver os locais dessas emendas? Gostaria de procurar pelas coordenadas, por exemplo: 45°56’55.68”N, 23°37’36.66”L e 45°56’55.68”N, 23°32’17.52”L.

        1. Mauricio, estranho não abrir aí. Aqui abriu numa boa. E não sei o que há nessas coordenadas aí, porque não sou muito de entrar nessas teorias da conspiração. 😛
          Fui nessas primeiras coordenadas que você indicou. Não tem buraco.

  33. Grande porcaria Achar vida em outro planeta.. Qual a diferença que fara na vida humana no planeta terra? Nenhuma …….
    Bando de hipócritas nojentos filhas da putas……..
    Que nojo Dessa Especie Chamado ser humano ……..

    1. Eu sei, é duro de aceitar às vezes, mas você é humano também. Pelo menos, vejo coerência: na condição de humano, você se intitulou “Grande Porcaria”. 😛

  34. Acreditamos que não existe criação espontânea.
    Tudo que existe foi criado.
    Quanto mais inteligente mais complexo e útil a criação.
    É muita burrice acreditar que algo foi criado somente para ocupar espaço, sem utilidade.
    É muita pretensão do homem achar que o universo foi criado só para ele.
    Acredito que o homem pelas suas ações e crenças mostra se é ou não inteligente

    1. Ainda bem que CRENÇA e CIÊNCIA são duas coisas distintas, né não? Enquanto a primeira “ACHA”, a segunda ESTUDA.

    2. Segundo o pensamento “bíbrico”, o ser humano (aliás, tudo o que há de vivo no universo) foi inventado só para ficar de joelhos e adorando a Deus. Egocêntrico, não?

  35. Acho prematuro a afirmação de que a vida pode estar extinta em Marte. Recentemente encontramos água escorrendo pela superfície durante o verão marciano.

    Nossas sondas encontraram picos de gás metano sendo expelido pontualmente pelo solo em Marte.

    Assim uma hipótese tão taxativa e categórica como a defendida pelo astrobiologo, é no mínimo prematura, até porque, temos alguns indícios de que pode sim existir algo em Marte, no seu subsolo.

    Para mim também está claro que a exploração espacial não nos deu elementos suficientes para sustentar tal hipótese.

    Que astrobiologio é esse que aposta no pior dos cenários? Se não houver vida fora da Terra o seu campo de pesquisa e estudo será pobre e tristemente limitado.

    Aliás tal hipótese é contraproducente, torço para que ela nunca ganhe força, do contrário poderá desestimular a procura por vida alienígena.

    1. Não acho que a hipótese faça por estimular ou desestimular a busca. Ela só apresenta uma possibilidade. Em ciência, não bastam hipotéses; é preciso testá-las. E testada ela será, como o próprio Lineweaver diz. Em 15 anos, já teremos uma boa noção do potencial para vida em Marte.

    1. toda vez que a humanidade se achou especial, caiu FEIO do cavalo… acho melhor aposta pensar que somos apenas uma modesta civilização entre milhões de outras espalhadas pelo Universo

      1. A maioria das pessoas não sabem o que significa a palavra fato. Para eles, colocar “fato” no fim da frase torna ela automaticamente verdade. E ainda me surpreende o número de pessoas que usam a expressão “já foi provado”. Geralmente o “fato” vem da opinião de alguém, algum blog suspeito ou é simplesmente uma hipótese. Mas para eles “já foi provado”.

  36. Somos uma sociedade científica ridiculamente jovem. Não temos nem conhecimento nem equipamentos que ajudem a especular sobre fenomenos tão complexos como a formação da vida fora daqui. Penso que isso é uma discussão inócua, ainda mais se considerarmos que estamos todos surpresos com a recente e eventual descoberta de um nono planeta no Sistema Solar, ou seja, aqui no quintal de casa. Imaginem quando essa distãncia sair de milhões de quilômetros para anos-luz! Carl Sagan transformou todo o periodo de existencia da terra em 1 ano e todo o conhecimento que adquirimos se resumem aos ultimos 5 segundos ou algo assim. Isso significa que ainda veremos e descobriremos coisas que hoje não temos capacidade nem de imaginar. Precisamos ainda formar muito mais cientistas do que temos, gastar muito mais dinheiro em equipamentos e ainda lutar com a difícil equação de pobreza e subdesenvolvimento versus ciência (que não é uma coisa barata…). Enquanto isso, somente temos teorias para conversar, porque provar ou contestar qualquer delas ainda não nos é possivel. Bom 2016 a todos….

  37. que leitura bacana, muitas idéias interessantes, legal ver o Salvador defendendo a possibilidade de muita vida alienígena

  38. Minha nossa! Quanta baboseira, jamais encontraram vida fora do planeta terra. Deus criou galaxias para sua inteira contemplação, apenas isso, sejamos gratos por ele ter habitado este planeta e ter criado o homem, mas o arrependimento, vocês já sabem que existiu. Então parem de especulações infundadas , isso é mais nada que um canal para que os governos invistam trilhões e continue sustentando esses “bando de loucos“ com suas ideias mirabolantes..

    1. Considerando que Deus não criou telescópios para permitir a contemplação das galáxias, acho improvável que elas tenham essa função contemplativa. Até porque, se essa fosse a função, Ele nos teria colocado fora da Via Láctea, de onde contemplaríamos nossa própria galáxia muito melhor.

      1. kKKKKKKKKKK tenho que rir, você acha mesmo que quando falo em contemplação falo de nós? Não meu nobre, falo sim do próprio Deus e para sua contemplação ok?

        1. Deus criou algo para sua própria contemplação? Perfeito, vamos supor que sim. Então o que nós estamos fazendo aqui? Somos um acidente de percurso nessa atividade frenética de Deus para criar galáxias desabitadas? Porque, se Ele nos criou (e não estou dizendo que sim), então (1) podemos presumir que também podemos contemplar o Universo que Ele criou e (2) não há razão para achar que ele deixaria todas as outras galáxias desabitadas, se mostrou vontade de dotar pelo menos uma delas de habitantes.

          1. Salvador, take it easy: ele está apenas afirmando sua crença na ZOO HYPOTHESIS.. o que existe além do sistema solar é apenas uma realidade simulada para contemplação coletiva.

    2. Sério mesmo que você acredita nessas coisas que fala? Você acredita mesmo que deus criou bilhões de planetas e só aqui colocou vida? É serio mesmo que você não consegue pensar sozinho, além do que está escrito naquele livro de contos de fadas chamado bíblia e alem do que o Pastor fala na igreja..é sério mesmo?

    3. com dificuldade algo desperta meu senso de humor. Mas confesso que ao ler esse comentário, mal consigo terminar o meu, de tanto rir sobre as “certezas” trazidas, rs. Dou mais risada ao ver a paciência das respostas, tentando “mudar” as ideias. rs!

      Quanto ao debate, particularmente tenho esperança que a vida nos oceanos sob o gelo das luas não dependa da interação atmosférica, inclusive a evolução para vida complexa. Porém concordo com essa ideia de robôs e outras inteligências artificiais pelo espaço, descendentes da vida originária. Tenho comigo que nada se atentou ou esbarrou com a Terra nesse universo imenso. E de nossa parte, ainda não criamos a tecnologia correta ou usamos adequadamente a que já temos (SETI) para fisgar o que já pode estar na nossa cara. (e não estou falando de greys ou qualquer outra conspiração). Viajando um pouquinho, em crítica, também vale ressaltar que tudo o que se tem dito nessa hipótese, do Gargalo, parece se basear na fragilidade da vida carbonada, lastreada no DNA. Moléculas de outros elementos químicos da tabela periódica, que não os que compõe o que temos aqui por vida orgânica, poderiam por bem se organizar em outras estruturas moleculares bem mais resistentes, que não o DNA, de ordem a permitir a reprodução, multiplicação e até evolução inteligente de seres que surgiriam em ambientes até distintos do que temos por zona habitável (em síntese uma forma de vida distinta) evoluindo não pelo ambiente, mas por competitividade exclusiva. Pensando por esse viés, uma catástrofe antes do gargalo poderia não ser suficiente para extingui-los, pois sua evolução não teria se dado pela adaptação ao planeta, pois lá resistiriam como tardígrados. Estou usando o exemplo da estrutura mais resistente e da tendenciosidade só para reforçar que a hipótese do gargalo parece não ser legal. Ressalto que a tese contraria todo o histórico evolutivo de nosso próprio planeta, com vida frágil carbonada e que perdurou a catástrofes. Ela, a hipótese, se sustenta em uma indução muito questionável, e não provém de uma crível dedução, e particularmente acho que só ganhou holofotes por trazer de novo pro jogo a hipótese GAIA, que está em sintonia com os afãs ecologistas atuais.

  39. A afirmação de ser evoluído e inteligente é dado por nós mesmos dentro de um contexto limitado em que vivemos … para enxergarmos a realidade … teremos que olhar pra fora da caixa … mas muito fora mesmo que talvez fique longe de nossa percepção e realidade …

  40. Caro Salvador ! Embora, tenho certeza, não havia a intenção de haver um vencedor, nesse embate de inteligência e informação, devo dizer que, em minha modestíssima opinião, vc deu ” de relho “,- como dizem os gaúchos – no Lineweaver. Quando ele citou o filme ” Interestelar” , como possível prova de que viagens interestelares são, sim , praticáveis, bem… ele faz uma citação dessas e ao mesmo tempo acha que as bilhões de galáxias com suas bilhões de estrelas(casa galáxia) e seus trilhões de trilhões de planetas estão aí só para sacanear a imaginação das pessoas que procuram parceria no Universo. Eu acho que existe vida inteligente em profusão no Universo. Mas, como vc , acho que as viagens interestelares e, mais ainda , intergaláticas , talvez , sejam impraticáveis… ou não…rsrsrs. Grande abraço, Salvador !

    1. Fernando, achei as respostas do Lineweaver inspiradas e realmente não sinto que haja um vencedor no debate. Ele mesmo admite que o paradoxo de Fermi tem inúmeras respostas possíveis — 70, no novo livro do Webb! –, e ele modestamente só propõe mais uma delas. É que as pessoas às vezes acham que propor uma hipótese seja o mesmo que dizer categoricamente um fato. Lineweaver me pareceu bastante aberto a ver sua hipótese refutada. Ciência é feita deste modo!

    2. Concordo com Salvador, o tom de Lineweaver me pareceu bastante aberto, ele não quer e não bateu o martelo de forma alguma.
      Por outro lado ele juntou vários pontos para chegar na conclusão que chegou, não foi um chute ou imaginação, o resultado foi fruto de um trabalho sério. Porém muitos novos pontos poderão surgir, e muitos dos pontos ligados poderão ser apagados, sendo assim o resultado poderá ser outro. Mas isso só a pesquisa e o futuro dirá.

      Obs.: na minha opinião, eu não concordo com ele. Acho que o caminho é outro.

  41. Aprecio deveras esse espaço, contudo, deparo- me sempre com hipóteses disso e daquilo….hipóteses sao hipóteses….A terra ja foi o centro do universo ha muito tempo pessoal… …..

    1. Ainda bem que existem hipóteses. Assim temos a formação da ciência que nos fornece as tecnologias que melhoram fantasticamente a nossa vida. Sem hipóteses não há ciência.

    2. Enquanto houver curiosidade haverá perguntas e elas tentarão ser respondidas (as hipóteses são tentativas de responder às perguntas, as teorias são as respostas encontradas e comprovadas).

  42. Como de costume, uma ótima matéria. Matérias como esta, que nos fazem pensar e refletir são importantes para fazermos jus a nossa inteligência, fruto de bilhões de anos de evolução.

Comments are closed.