Mensageiro Sideral

De onde viemos, onde estamos e para onde vamos

 -

Salvador Nogueira é jornalista de ciência e autor de 11 livros

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Neste carnaval, não perca o desfile dos planetas!

Por Salvador Nogueira

Prepare-se. Neste sábado de carnaval, virada do dia 6 para o dia 7, o céu noturno irá proporcionar um imperdível desfile de todos os planetas visíveis a olho nu.

A folia começa no horizonte leste (onde nasce o Sol) por volta das 22h, quando entra na avenida — não a Sapucaí, mas a eclíptica — o glorioso Império de Júpiter. Depois, lá pela 1h da manhã, é a vez dos Acadêmicos de Marte. Não muito mais tarde, às 2h30, chegam os Unidos de Saturno. Lá pelas 5h, para fechar a madrugada, desfilam os Caprichosos de Vênus e Mercúrio e, por fim, a União da Lua, antes de o raiar do Sol anunciar um novo dia.

É uma boa dica para você, folião que gosta de admirar as coisas do céu (e, incidentalmente, pode não estar tão interessado em ver as mesmas bundas de todo ano, das mesmas mulatas de todo ano, nas mesmas pseudofantasias de todo ano, sob o mesmo ritmo hipnótico de todo ano, como se o carnaval fosse uma versão tupiniquim do Dia da Marmota).

OCASIÃO ESPECIAL
Os mais atentos já devem ter reparado que nos últimos dias os planetas têm se oferecido com mais facilidade aos amantes da observação celeste. Contudo, Mercúrio ainda estava meio arredio, pois ele estava nascendo no horizonte apenas pouco tempo antes do próprio Sol, o que acabava por ofuscá-lo muito rapidamente no fim da madrugada. Na virada do dia 6 para o 7, contudo, esse problema é minimizado, pois o primeiro planeta a contar do Sol atinge seu afastamento máximo, da perspectiva da Terra, com relação ao astro-rei, o que facilita sua observação.

É importante lembrar que o fato de os planetas estarem todos mais ou menos alinhados no céu não é, por si mesmo, nada surpreendente — afinal, suas órbitas em torno do Sol estão dispostas todas aproximadamente no mesmo plano. O bacana é todos estarem no lado “noturno” do céu, por assim dizer, dando-nos uma rara visão dos cinco planetas clássicos numa mesma cena.

Se estiver nublado no sábado, contudo, não desanime. Os próximos dias devem oferecer condições similares de observação, e o mês de fevereiro ainda tem mais algumas surpresas.

CHUVA DE METEOROS E JÚPITER
Na virada de segunda para terça-feira (8 para 9), pleno feriado por tanto, rola também o auge da chuva de meteoros das alfa-centaurídeas. Como o nome sugere, as estrelas cadentes têm radiante na estrela Alfa Centauri, a mais brilhante da constelação do Centauro, que você pode encontrar das 22h em diante na direção do horizonte Sul. (Dê uma olhada no vídeo para conferir a carta estelar.)

E Júpiter permanece como uma atração permanente — o “desfile das campeãs”, por assim dizer — durante o mês, na constelação de Leão. No dia 24 (uma quarta-feira), ele estará facinho de encontrar, a cerca de um grau da Lua. E cinco dias depois, no atípico 29 de fevereiro (posto que o ano é bissexto), ele oferece um prêmio especial para quem telescópio: entre as 20h34 e às 21h20 (horário de Brasília) será possível observar o trânsito das sombras das luas Io e Europa (duas das quatro descobertas por Galileu em 1610) por sobre a superfície iluminada do planeta.

Na real, o mês de fevereiro terá três ocorrências similares, nos dias 22, 26 e 29, mas só a terceira ocorrerá num momento em que coincide com as horas do céu noturno aqui no Brasil.

E se chover ou estiver nublado? Não desanime, folião, pois ainda haverá mais uma chance de ver um trânsito das sombras em horário propício no dia 8 de março — mesma data em que Júpiter atinge sua oposição com relação ao Sol (estando, portanto, mais favorável para observação aqui na Terra).

Por enquanto é só. Mas fique ligado no Mensageiro Sideral para saber as últimas novidades do espaço e conferir mais dicas de observação do céu!

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook, no Twitter e no YouTube

Blogs da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade