Astrônoma brasileira publica livro gratuito para crianças (e outras dicas para todas as idades)

Quer um livro gratuito para introduzir astronomia aos pequenos? Tem vontade de participar de um concurso da Nasa? Que tal aprender mais sobre astrobiologia, o estudo da vida no Universo, num site atraente e rico em conteúdo? E bora aprender sobre ondas gravitacionais numa palestra de divulgação aberta ao público? Seus problemas acabaram! Confira a seguir várias iniciativas de cientistas no Brasil para espalhar as boas novas do espaço.

PARA CRIANÇAS:
AS AVENTURAS DE PEDRO, UMA PEDRA ESPACIAL
A astrônoma brasileira Duilia de Mello, da Universidade Católica da América, nos Estados Unidos, é mais conhecida por seus trabalhos com o Telescópio Espacial Hubble, mas também faz um trabalho importante na área de divulgação científica. E ela acaba de escrever um livro infantil que pode ser baixado gratuitamente na internet.

Ilustração do livro "As Aventuras de Pedro, a Pedra Espacial" (Crédito: Duilia de Mello/Sheila Vieira)
Ilustração do livro “As Aventuras de Pedro, a Pedra Espacial” (Crédito: Duilia de Mello/Sheila Vieira)

“As Aventuras de Pedro, uma Pedra Espacial” conta a saga de um meteorito que caiu em nosso planeta e ajuda a reconstruir toda a história do nosso Sistema Solar. Voltado para crianças entre 6 a 9 anos, ele é recheado de ilustrações que combinam desenhos e fotografias espaciais reais, distribuídos ao longo de 30 páginas.

Para ler e baixar o arquivo em PDF, clique aqui.

PARA JOVENS:
PARTICIPE DE UM CONCURSO DA NASA
O Centro Ames de Pesquisa, da Nasa, realiza um concurso anual internacional focado no tema da colonização espacial (em habitats orbitais, mas não em planetas ou outros corpos celestes). Realizado desde 1994, ele é voltado para alunos que cursam entre o sétimo ano do Ensino Fundamental e o terceiro ano do Ensino Médio. E o pesquisador brasileiro Ivan Gláucio Paulino Lima, atualmente no Ames, está determinado em fazer crescer o número de participações brasileiras. Ele chegou a fazer uma peregrinação por várias cidades brasileiras no início do ano para alavancar a quantidade de inscrições nacionais.

Ilustração de segmento de uma colônia espacial com gravidade artificial por centrifugação (Crédito: Nasa)
Ilustração de segmento de uma colônia espacial com gravidade artificial por centrifugação (Crédito: Nasa)

Há categorias para submissões individuais (uma por aluno, grupos pequenos e grupos grandes), separadas por idade, e a participação pode ser tão simples quanto uma ilustração — contanto que seja original. O material precisa ser enviado, em duas vias, pelo correio, ao Ames Research Center, e professores que resolvam aplicar à classe inteira a atividade devem enviar todos os resultados juntos.

O prazo está apertado — o material precisa chegar lá até 1o de março, mas Lima não desencoraja. “Se não der tempo neste ano, não tem problema, os alunos poderão se preparar bem para o ano que vem”, diz o cientista. Mãos à obra!

Clique aqui para verificar as regras do concurso (em inglês).

PARA ADULTOS:
UMA PALESTRA DE ONDAS GRAVITACIONAIS
Na próxima quinta-feira (18), às 19h, no Instituto de Física Teórica da Unesp, em São Paulo, rola uma palestra aberta ao público proferida pelo professor Riccardo Sturani, um dos participantes da colaboração LIGO, responsável pela primeira detecção de ondas gravitacionais. Ele é italiano, mas fala português muitíssimo bem, e deve dar uma perspectiva sobre o que podemos esperar do futuro da astronomia de ondas gravitacionais.

Flyer da palestra de Riccardo Sturani sobre ondas gravitacionais (não é preciso levar um desses para comparecer; é só chegar chegando). (Crédito: Unesp)
Flyer da palestra sobre ondas gravitacionais (não é preciso levar um desses para comparecer; é só chegar chegando). (Crédito: Unesp)

A palestra faz parte da programação da série “Física ao Entardecer”, que a Unesp realiza regularmente em seu campus à R. Dr. Bento Teobaldo Ferraz, 271 (em frente ao metrô Barra Funda). Se você estiver em São Paulo e tiver curiosidade sobre as tais ondas gravitacionais, o programa é imperdível.

PARA TODO MUNDO:
UM SITE INTERATIVO SOBRE VIDA NO UNIVERSO
É um dos sites mais fascinantes sobre astrobiologia que eu já vi. Produzido pelo pessoal do Observatório do Valongo, ligado à Universidade Federal do Rio de Janeiro, o site do Projeto ViU (acrônimo para Vida no Universo) traz imensa quantidade de conteúdo certificado por pesquisadores sobre a cada vez mais fervilhante área científica que versa sobre a compreensão da vida no contexto mais amplo do cosmos.

Página de abertura do site do Projeto Vida no Universo (Crédito: Projeto ViU)
Página de abertura do site do Projeto Vida no Universo (Crédito: Projeto ViU)

Vale a pena conferir, clicando aqui.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook, no Twitter e no YouTube

Comentários

  1. Sr. Salvador,

    Este ano a oposição de Júpiter coincidirá com o Dia Internacional da Mulher.

    A LINNEA (LIga Norte Nordestina de Astronomia) possui uma exposição gratuita sobre as mulheres na Astronomia e na Astronáutica. É só baixar:

    http://goo.gl/Q3GSr3

    Aos membros de clubes, planetários e observatórios trata-se de um acessório importante para incrementar qualquer atividade ligada na data acima.

    Um abraço,

  2. Consigo acessar normalmente os posts do Mensageiro Sideral mesmo sem ser assinante da folha, mas desde que este seja o mais recente, os antigos realmente estão restritos aos assinantes. Minha solução é checar diariamente se um post novo está disponível.

  3. Boa tarde a todas(os). Parabéns à Astrônoma pela iniciativa, assuntos relacionados à Astronomia estimulam a criatividade de jovens e adultas(os), e portanto o maior interesse por matérias como Biologia, Física, Matemática, Química etc. São difíceis de serem compreendidas??? Não!!! Basta se consultar e levar as(os) filhas(os) regularmente à(ao) Oftamologista, dentre outras áreas da Saúde. Enxergar bem é fundamental para qualquer Ser humano. Nogueira, foi exibida há pouco tempo, num Canal de TV paga, uma matéria em que um Cientista mexicano desenvolveu um fórmula que teoricamente torna possível de se viajar no tempo, e que essa notícia foi analisada e bem recebida pelas(os) Acadêmicas(os) especializadas(os) nessa área. Você tem alguma informação a respeito desse assunto??? Abraço. Jorel Cantídio.

    1. Jorel, viagem no tempo é teoricamente possível. Mas ninguém sabe como fazer ou se dá para fazer mesmo. É apenas teoricamente possível. Abraço!

      1. Olá, Nogueira, bom dia. Concordo contigo que ainda seja só teoricamente possível, até porque por enquanto ainda não temos tecnologia tão avançada para realizá-la na prática, acredito que acontecerá muito em breve, e com uma ajudinha de fora. Você como especialista da área está sabendo que há poucos dias foi noticiada a comprovação da possibilidade da Teoria de Einstein formulada por ele no século passado. Então… RSRSRS. Abraço, ótimo final de semana e parabéns pelas postagens!!! Jorel Cantídio.

    1. Só os católicos? E somente nas redes sociais?! Então percam suas esperanças pois muitos que comentam aqui e que demonstram toda a sua ignorância cultivada após muitos cultos cristãos de lavagem cerebral (e lava mesmo, muito mais branco, basta ler o que eles escrevem tentando nos convencer de suas crenças) são “trolls” de outras seitas cristãs e este blog não é uma rede social no estrito sentido do termo. Não sei qual é a do Apolinário e nem a do Oswaldo, mas eles não vão deixar o blog em paz na Quaresma.

      1. Esses fanáticos são como drogados. Não faz sentido discutir com eles. Ainda não sei se é melhor ignora-los ou concordar com tudo.

    1. Cara julia_pink2, eu não cobro pela informação. Eu meramente publico a informação para o meu público, seja ele qual for. Se a Folha determina que meu público é preferencialmente o dos assinantes, posso até não gostar (como não gosto), mas não vou deixar de informar por causa disso. Quando o blog nasceu, ele não tinha essa restrição, e eu publicava do mesmíssimo jeito. Não é porque o jornal decidiu impor essa restrição que vou deixar de informar quem quer que esteja disposto a ler.

      Aparentemente, deu certo até com você, que, a julgar pela crítica, não é assinante, mas deu seu jeito de estar aqui. 😉

      1. Só é necessário estar logado em alguma rede social,
        quando trocou a aparência do blog, tive algum problema,
        alem disso salvador deve receber alguma coisa da FOLHA,
        SE ELA NAO TIVER ASSINANTES NAO TEM COMO PAGAR SALVADOR, E FICA DIFICIL ELE PUBLICAR alguma coisa aqui.

    2. Em tempo, não sabia que o paywall bloqueava o texto, mas não os comentários. Sorry. Lamento o inconveniente.

      1. Conheço a Duilia em dois ENAST’s. É uma pessoa extremamente competente e simpática. Gostaria muito receber o livro pois recebo muitas crianças e jovens no Observatório. Enviar para : Observatório Astronômico de Piracicaba, Rua Cristiano Cleopath, 1902, B. dos Alemães, Piracicaba, SP, 13419-310

        1. Caro Nelson, o livro foi publicado digitalmente. Você pode baixá-lo pelo link e, se desejar, imprimir em qualquer impressora. Abraço!

  4. Vários amigos meus de bom gosto falam muito bem de vocês.

    Agora, embora não pretendendo fazer concurso na Nasa e ávido para ler esse livro sobre astronomia brasileira, espero receber a publicação.

    Cordialmente,

    Antonio.

  5. Todas as sugestões são interessantes. Menos a última. Infelizmente, o site do projeto ViU é apenas um exemplo de grandiloquência verborrágica. Como faltam os dados científicos, os fatos concretos que corroborem a tese central da vida fora da Terra, sobram apenas os aspectos filosóficos, fartas linhas de especulação leviana e, naturalmente, o repúdio pela explicação mais racional de todas que é a ação de Deus – alternativa solenemente ignorada pelos criadores do site. Um exemplo chocante é a preocupação dos autores em fazer com que a “hipótese da Terra rara” não seja encarada como uma “manifestação criacionista”, embora seja absolutamente evidente uma profunda ligação entre ambas as cosmovisões. Assim, um site que poderia ser uma importante janela para uma discussão profunda sobre as origens do Universo e da Vida, passa a ser mais uma mera propaganda da ladainha ateísta. Lamentável.

    1. Desculpe, mas Terra Rara não tem nada a ver com criacionismo. Falo isso depois de ter entrevistado um dos autores e lido outros livros de outro. Aliás, se você ler o livro que versa sobre a hipótese que ficou conhecida como “Terra Rara”, verá que os autores defendem fortemente que vida deve ser comum no Universo — só não vida animal e inteligente.

      Agora, lamentável é você querer que os caras façam um site científico enfiando criacionismo nele. Por mais que você, em sua visão distorcida, patética e enviesada do mundo, ache que é saudável misturar ciência com religião (sem nem mesmo pensar duas vezes em qual religião se basear, se a ideia é misturá-la com ciência), os cientistas não são obrigados a concordar. Ainda bem.

      1. Realmente não sei por quê tanta polêmica. Todos sabem que a vida surgiu a partir da iggdrasil, a árvore do universo, e que esta vida foi abençoada pelas mãos de Odin, e tem sido mantida em segurança pelo martelo de Tor, que nos livra das investidas dos gigantes de gelo…

    2. Os autores da hipótese admitem Vida abundante no Universo apenas no nível microbiano, não no nível complexo. Além disso, mesmo que os autores não observem, a “hipótese da Terra rara” claramente reforça a idéia bíblica de que somos os escolhidos, que temos uma missão cósmica especial. Por fim, relacionar as descobertas científicas sobre a origem do Universo e da Vida com a religiosidade não só é salutar como é inevitável.

      1. Não, não reforça. Note que eu também posso formular a hipótese do Marte raro, mostrando que a formação de um planeta com o tamanho de Marte é bem complicada, e que planetas maiores que ele são mais comuns e abundantes. Isso não faz de Marte de forma algum “escolhido”, muito menos os potenciais marcianos que tenham existido lá. Ser raro e ser escolhido são duas coisas bem diferentes. Ser raro é factual. De uma amostra X, se poucos forem como Y, Y é raro. Você pode quantificar. Ser escolhido presume que alguém separou Y da amostra X, e isso de modo algum está claro. Note que todos os fatores envolvidos na formação da Terra (como distância ao centro galáctico, tipo de estrela-mãe, massa, densidade, composição, presença de uma Lua de grande porte) são comuns, triviais até. O que a hipótese da Terra Rara enfatiza é que é incomum encontrar todas essas características num único objeto. (E note que muitas delas podem não ter relevância alguma para a vida, pelo que sabemos até agora, o que pode tornar sua inclusão uma complicação desnecessária.)

        Por fim, note que a Terra durante a maior parte de sua história (4 bilhões dos 4,6 bilhões de anos que tem) foi desprovida de vida complexa. Ou seja, durante a maior parte de sua história, ela não era escolhida? Ué.

      2. “Além disso, mesmo que os autores não observem, a “hipótese da Terra rara” claramente reforça a idéia bíblica de que somos os escolhidos, que temos uma missão cósmica especial.”
        “ESCOLHIDOS?” PARA QUÊ? Provavelmente se o Apolinário se considera um dos “escolhidos” é patético para todo o Universo um exemplar como ele para representar a raça humana. Retrógrado, fanático e avesso a qualquer avanço científico. Seu mundinho é ainda aquela da terra chata, geocêntrico e de um deus que abre mares e para a rotação da Terra. Isto quando não esta praticando genocídio contra os povos não escolhidos. Lamentável. Eu não sei porque ele participa deste blog já que ainda vive no século XIV.

    3. Que ironia. O Apolinário acaba sendo um “ateu científico” com essa atitude. Pra quem disse que gosta de Ciência com c maiúsculo…

    4. Toda e qualquer hipótese que não possui meios de ser testada não passa de grandiloquência verborrágica. A hipótese da existência de um criador não passa disso.

      Contudo, eu vislumbro uma maneira de se chegar ao “meio do caminho” entre criacionistas e ateus. Essa maneira seria considerar Deus (e aqui pode-se encaixar qualquer crença) não como um criador, mas como se este fosse o próprio universo, a própria existência em si.

      Nessa visão, não temos um ser consciente, uma inteligência superior, alguém inquestionável e ao mesmo tempo mitológico, mas sim, tudo o que pode ser conhecido, testado e aprendido pela empreitada humana, e a melhor maneira que nós encontramos para realizar a acresção de conhecimento é o método científico.

      Ao verificarmos que o universo “nasceu”, está crescendo, e que em dezenas de quatrilhões de anos vai se apagar completamente, estamos na verdade reproduzindo um ciclo de EXISTÊNCIA, porquê não? Obs: Existência não significa necessariamente vida.

      Ou seja, não seria uma criatura, viva e consciente de sua própria existência, mas o meio essencial para que vida como a conhecemos seja capaz de surgir a partir dele.

      Considerar porém, que a vida (principalmente a evoluída e inteligente) não é o objetivo principal desta existência, e sim apenas um resultado diante das talvez infinitas possibilidades. Dessa forma, vida seria rara, porém, extrapolando para um universo tão infinito quanto, dificilmente não haveria duplicação de resultados.

      Mesmo que eventualmente nunca consigamos captar sinais emitidos por outra civilização inteligente, nada impede que continuemos tentando, afinal, a ciência busca provar aquilo que existe, e não o contrário, e através dessa busca em descobrir o existe “lá fora” estamos entendendo e conseguindo explicar cada vez mais sobre este tal universo/deus/whatever/etc…

      P.S.: Seria este um “meio campo” viável? Se você não for excessivamente bitolado, tire um tempo para pensar sobre isso… explicaria tranquilamente sobre onipresença e infinitude…

  6. Salvador, obrigada pelo magnífico trabalho de divulgar esse conhecimento apaixonante!!!
    Amo seu trabalho, simples, prático, acessível!!
    Obrigada!!!!

  7. Ai Unesp <3, sou suspeita para falar kkkkk
    Que pena que moro longe, mas da para aproveitar as outras dicas! Muito legal 🙂

  8. Não resisti: o bordão do Casseta & Planeta foi uma homenagem ao ViU? Pena que no espaço não tem ékiu.

    Amplexos.

  9. Boas iniciativas aqui divulgadas. Conhecimento é para ser compartilhado e você sabe compartilhar, Salvador. Parabéns e continue firme nessa sua missão!

    1. Consegui acessar e baixar o livro. Deve ser o tráfego intenso ou servidor que está lento. Ah! O livro é meio pesadinho, demora para carregar.

Comments are closed.