Mensageiro Sideral

De onde viemos, onde estamos e para onde vamos

 -

Salvador Nogueira é jornalista de ciência e autor de 11 livros

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Astronomia: A atmosfera de uma superterra

Por Salvador Nogueira

Hubble identifica a composição da atmosfera de uma superterra, e não é nada como a da Terra.

O SABOR DAS DIFERENÇAS
O capitão Kirk não estava de brincadeira quando falou sobre explorar “estranhos novos mundos”. Conforme começamos a aprender mais sobre os planetas que orbitam outras estrelas, temos de estar preparados para incríveis surpresas.

55 CANCRI
Pegue, por exemplo, o mais interno dos cinco planetas detectados em torno de uma estrela bem parecida com o Sol, a 41 anos-luz de distância daqui. Conhecido como 55 Cancri e, ele foi alvo de uma honra singular: o primeiro planeta da classe das superterras a ter sua atmosfera analisada.

AUTÓGRAFO
O trabalho, feito por cientistas do University College de Londres, envolveu o uso do Telescópio Espacial Hubble. Quando o planeta passava à frente de sua estrela — o que acontece a cada 18 horas –, parte da luz estelar atravessava de raspão a atmosfera daquele mundo, carregando consigo a “assinatura” dos gases presentes.

COLUNA DO MEIO
O planeta tem aproximadamente o dobro do diâmetro da Terra, o que o coloca numa categoria intermediária entre os menores gigantes gasosos do Sistema Solar (Urano e Netuno) e o maior dos planetas rochosos por aqui (é nóis!). Daí o nome superterra.

ESTÁ NO AR
A análise mostrou que ele tem uma atmosfera em que predominam hidrogênio e hélio — gases ausentes nos mundos rochosos do Sistema Solar, mas comuns nos gasosos. E o que talvez seja mais curioso, os astrônomos também detectaram a possível presença de cianeto de hidrogênio — um gás tóxico que, no entanto, pode ter tido um papel como molécula precursora da origem da vida.

INOSPITALIDADE
O planeta, contudo, é totalmente inabitável. Ele orbita muito perto de sua estrela-mãe, o que faz com que a temperatura em sua superfície fique em torno de 2.000 graus Celsius. E estudos anteriores, feitos como o Telescópio Espacial Spitzer, mostram que ele possivelmente tem também intenso vulcanismo.

BÔNUS: A estrela 55 Cancri A e seus planetas, dentre ele o mencionado neste coluna, ganharam recentemente nomes populares oficiais da IAU. A estrela foi rebatizada Copérnico, e sua superterra esquisita, Janssen. Quer saber que papo é esse e qual é o nome dos outros planetas do sistema? Confira o vídeo abaixo, ou leia aqui!

A coluna “Astronomia” é publicada às segundas-feiras, na Folha Ilustrada.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook, no Twitter e no YouTube

Blogs da Folha