Mensageiro Sideral

De onde viemos, onde estamos e para onde vamos

 -

Salvador Nogueira é jornalista de ciência e autor de 11 livros

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Astronomia: O plano da Nasa para descobrir vida fora da Terra na próxima década

Por Salvador Nogueira

Astrônomos delineiam o futuro do estudo dos exoplanetas, à procura de uma nova Terra.

PLANETAS E MAIS PLANETAS
A equipe do queridíssimo satélite Kepler não se cansa de descobrir exoplanetas. Na última leva, foram 1.284, dos quais nove podem guardar semelhança com a Terra. Mas entre poder ser e ser, vai uma distância. E esse é o percurso que os astrônomos querem percorrer agora.

A GRANDE PERGUNTA
O Kepler foi só o começo. Sua missão era responder a uma pergunta angustiante: vale a pena gastar um caminhão de dinheiro em equipamentos caros para estudar planetas potencialmente parecidos com a Terra? Só valeria se eles existissem aos montes, e foi isso o que o satélite da Nasa conseguiu demonstrar.

EM BUSCA DOS ALVOS
Agora, entramos numa nova etapa. Não queremos mais saber quantos eles são, mas onde estão os mais próximos, aqueles que poderemos de fato verificar se são mesmo habitáveis. Para isso, em 2017, a Nasa vai lançar o satélite TESS. Ele fará o mesmo serviço do Kepler, mas focado em estrelas mais próximas, espalhadas por todo o céu.

O SUPERTELESCÓPIO
De posse desse novo catálogo de descobertas, a partir de 2018 a coisa esquenta, com o Telescópio Espacial James Webb. Seu espelho segmentado de 6,5 metros – quase o triplo do que tem o Hubble – acaba de ser concluído.

ASSINATURAS
O Webb será capaz de algo prodigioso: detectar os gases na atmosfera dos planetas descobertos pelo TESS. Conforme eles transitarem à frente de sua estrela-mãe, parte da luz estelar passará de raspão por seu invólucro de ar, carregando consigo a assinatura das moléculas por onde teve de atravessar.

A BUSCA POR VIDA
Saberemos assim se esses mundos, a exemplo do nosso, também têm gases como oxigênio, dióxido de carbono, vapor d’água e metano em suas atmosferas. Na Terra, o oxigênio jamais estaria onde está não fosse pela presença de vida. A esperança dos cientistas é encontrar traços similares em outros mundos e, com isso, quem sabe, fazer a primeira detecção de vida fora da Terra.

A coluna “Astronomia” é publicada às segundas-feiras, na Folha Ilustrada.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook, no Twitter e no YouTube

Blogs da Folha