Mensageiro Sideral

De onde viemos, onde estamos e para onde vamos

 -

Salvador Nogueira é jornalista de ciência e autor de 11 livros

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Astronomia: Supertempestades solares salvaram a Terra de congelar, diz estudo

Por Salvador Nogueira

Supertempestades solares salvaram a Terra de se tornar um planeta congelado no passado.

SEGREDO BEM GUARDADO
A nossa Terra tem sido um ótimo abrigo para a vida nos últimos 4 bilhões de anos, recebendo exatamente a quantidade de energia do Sol necessária para manter o clima ameno. Mas esse fato intriga os cientistas. Pelo que sabemos, não era para ter sido assim.

O SOL DO PASSADO
O mistério é conhecido como o paradoxo do jovem Sol fraco e consiste no fato de que nossa estrela-mãe evolui ao longo do tempo. Há 4 bilhões de anos, ela era 30% menos brilhante do que é hoje. Ou seja, o nível de radiação que chegava à Terra era muito menor — insuficiente para mantê-la habitável, mantidas as outras condições.

QUEBRANDO O GELO
No entanto, o registro geológico sugere que água líquida fluía pela superfície terrestre já naqueles tempos. Qual o segredo? Em essência, o efeito estufa da atmosfera primitiva tinha de ser proporcionalmente mais poderoso que o atual, para compensar o nível de energia solar menor.

GASES-ESTUFA
A hipótese mais simples era que houvesse muito mais gás carbônico no ar da Terra primitiva, mas não é o que sugerem as evidências baseadas em amostras de solo antigas. Alguns cientistas tentaram apostar em amônia, que pode ser um poderoso gás-estufa, mas é instável demais para isso. Metano também não funciona. O problema parecia insolúvel. Até agora.

FRACO E FURIOSO
O grupo liderado por Vladimir Airapetian, do Centro Goddard de Voo Espacial, da Nasa, pode ter descoberto a solução. E ela envolve outra característica do Sol primitivo — o maior número de supertempestades solares naquela época.

REARRANJO
Essas enormes ejeções de partículas do Sol conseguiam penetrar o campo magnético da Terra e interagir com a atmosfera, quebrando moléculas de nitrogênio e dióxido de carbono. O resultado era a recombinação dos átomos, produzindo óxido nitroso — um supergás-estufa, capaz de manter a Terra aquecida, mesmo com a baixa radiação solar da época. Problema resolvido.

MÃOZINHA PARA A VIDA
Curiosamente, as mesmas reações também levam à produção de cianeto de hidrogênio — uma molécula precursora de outros compostos orgânicos essenciais à vida. Ou seja, além de preservar o clima ameno, as supertempestades solares do passado também podem ter ajudado na química precursora da vida.

COMO TESTAR TUDO ISSO?
Airapetian e seus colegas sugerem que vale a pena usar o Telescópio Espacial James Webb, que tem lançamento marcado para 2018, para procurar sinais de óxido nitroso e cianeto de hidrogênio em exoplanetas jovens e potencialmente similares à Terra. Talvez eles estejam neste exato momento reencenando lances importantes do passado do nosso planeta. O estudo foi publicado na “Nature Geoscience”.

A coluna “Astronomia” é publicada às segundas-feiras, na Folha Ilustrada.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook, no Twitter e no YouTube

Blogs da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade