Astrônomos flagram uma estrela ‘nova’ na constelação do Lobo

Salvador Nogueira

Uma “nova” estrela apareceu no céu há coisa de cinco dias. E preste atenção às aspas, porque “nova” é só modo de dizer. Trata-se de um astro que já estava lá antes, mas subitamente aumentou seu brilho e se tornou visível da Terra.

Duas imagens feitas pelo astrônomo amador italiano Ernesto Guido mostram o antes e o depois da Nova Lupus 2016 (Crédito: Ernesto Guido)
Duas imagens feitas pelo astrônomo amador italiano Ernesto Guido mostram o antes e o depois da Nova Lupus 2016 (Crédito: Ernesto Guido)

A estrela foi detectada primeiro em imagens da ASAS, sigla para All Sky Automated Survey (Varredura Automática de Céu Inteiro), instalada no Observatório do Cerro Tololo, no Chile. Os estudos agora estão em andamento e observadores do mundo inteiro estão colhendo espectros, que sugerem que se trata mesmo de uma “nova” localizada dentro de nossa galáxia.

É importante fazer uma distinção entre “nova” e “supernova”. E trata-se de uma diferença de escala, como o próprio nome sugere. Ambas podem surgir pela detonação súbita de um cádaver estelar conhecido como anã branca, que atinge massa crítica ao roubar matéria de um astro companheiro. Mas enquanto, na nova, o surrupio da massa da vizinha é feito num ritmo tal a produzir fusão nuclear repentina do material, numa supernova, a quantidade de massa é tal que leva ao colapso do cadáver estelar, numa explosão cataclísmica. (Um mecanismo alternativo, e mais conhecido, para a produção de uma supernova envolve a simples morte de uma estrela de alta massa; o colapso por si só produz uma detonação violentíssima.)

“Novas são aumentos súbitos de brilho em sistemas de estrelas binários cerrados, provocados por detonações termonucleares em material acumulado no objeto compacto — uma anã branca — do par”, explica Gabriel Hickel, astrônomo da Universidade Federal de Itajubá (MG). “Essas detonações repentinas podem aumentar em mais de 50 mil vezes o brilho do sistema. Em algumas ocaisões é possível ver a olho nu, como uma estrela, onde nada antes aparecia, por isso o termo ‘nova’.”

Imagem feita pelo astrônomo Gabriel Hickel, da Universidade Federal de Itajubá (MG), mostra a nova (Crédito: Gabriel Hickel)
Imagem feita pelo astrônomo Gabriel Hickel, da Universidade Federal de Itajubá (MG), mostra a nova em contexto (Crédito: Gabriel Hickel)

Não é o caso, infelizmente, da Nova Lupus 2016 (assim chamada por estar na constelação do Lobo e ter sido detectada neste ano). Com magnitude entre 6,5 e 7, ela não é perceptível a olho nu, mas pode ser encontrada já com binóculos.

Esse brilho deve durar pelo menos por mais alguns dias, por vezes semanas, antes de a estrela voltar à baixa (e indetectável) luminosidade habitual.

Caso você queira procurar a nova, a constelação do Lobo fica na direção do sudoeste, do poente até por volta de 21h30.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook, no Twitter e no YouTube

Comentários

  1. No título do post, vemos a palavra “nova” entre aspas.
    Elas caíram bem, visto que a SUPOSTA juventude não provém de observações empíricas, mas uma crença a priori que estrelas se formam sozinhos, em um sistema ISOLADO “caótico”.
    Empiricamente, pela segunda Lei da termodinâmica, há um AUMENTO da entropia entre os sistema isolados (e na grande maioria dos sistemas fechados), não o contrário.
    Isso significa que, racionalmente e embasado nesta lei, o universo JÁ SURGIU em sua entropia mínima (organizado) e com o tempo, esta entropia foi aumentando (desorganizando)

    Para uma pessoa ter fé que o universo (sistema isolado) surgiu caótico e pelo tempo, SOZINHO (sem auxilio externo) diminuiu sua entropia ao ponto de “se organizar” em estrelas, é necessário ignorar os descobrimentos científicos, e com isso, retroceder na escuridão da ignorância.

    É uma pena que o obscurantismo ainda permeia grande parte da comunidade cientifica.
    Se não fosse por este atraso, certamente hoje estaríamos com muito mais conhecimento sobre os mecanismos naturais e muito mais evoluídos tecnologicamente. 😉

    1. Você é tão burro que não entendeu que “nova” entre aspas indica que esse é só o termo usado pelos astrônomos, e não a suposta (ou real) idade do astro.
      Incansavelmente burro! Parabéns! 🙂

      (A quem possa achar que maltrato os leitores por conta dessa resposta, não, não maltrato. Só os trolls recorrentes, como é o caso do Diogo.)

      1. Eu entendi sim, só utilizei o ensejo para uma reflexão verídica (ou tu negas que a “Evolução Cosmica\Estelar” não se baseia na fé que o universo começou com sua entropia máxima e com o tempo, diminuiu para depois crescer de novo?)

        P.S, todos que não concordam com sua crença e questionam os seus dogmas, são para ti, “Trolls”?

    2. Diogo, você não sabe absolutamente nada de Termodinâmica. Ao contrário do senso popular, entropia não está ligada diretamente ao nível de caos de um sistema. Se isso fosse verdade, seria impossível transformar espontaneamente um estado gasoso de uma substância (mais caótico) em um estado liquido (menos caótico).
      A entropia está ligada à irreversibilidade dos processos térmicos em geral. A 1ª Lei da Termodinânica diz que, num sistema fechado, a energia se conserva, logo é possível transformar, por exemplo, energia térmica em trabalho. O Universo, deste ponto de vista, é considerado um sistema fechado portanto, todo o conteúdo de energia interna dele é CONSTANTE, porém parte deste conteúdo está se transformando o tempo todo em outros tipos de energia, porém respeitando o Princípio da Conservação de Energia.
      Porém, apesar de ser possível transformar a energia de qualquer maneira, nem toda transformação energética é ESPONTÂNEA. Assim, embora, num sistema fechado seja possível, transformar energia térmica em trabalho, é impossível transformar TODA a energia térmica do sistema em trabalho, pois isso violaria a 2ª Lei da Termodinâmica, cujo enunciado é: “O calor não pode fluir, de forma espontânea, de um corpo de temperatura menor, para um outro corpo de temperatura mais alta.” (enunciado de Clausius) ou “É impossível a construção de uma máquina que, operando em um ciclo termodinâmico, converta toda a quantidade de calor recebido em trabalho.” (enunciado de Kelvin-Plank). Isto acontece porque, em processos espontâneos dentro de um sistema fechado a variação da ENTROPIA é SEMPRE POSITIVA. À medida que transformamos calor em trabalho, a temperatura do sistema diminui e a entropia aumenta, porém a velocidade com que a entropia aumenta desacelera. Numa temperatura de equilíbrio, a variação da entropia é ZERO e nenhum trabalho é gerado. Logo não há como abaixar mais a temperatura para gerar mais trabalho, pois isso implicaria em variação da entropia menor que zero, o que é impossível num sistema fechado, pois viola a segunda Lei.
      Trazendo para o Universo, considerando este um SISTEMA FECHADO, se este surgiu no Big Bang, a uma temperatura altíssima e ao longo das eras ele foi resfriando e esta energia térmica foi se convertendo em outros tipos, a ENTROPIA DO UNIVERSO ESTÁ AUMENTANDO. Como eu falei entropia não diz respeito ao estado caótico, simplesmente, mas sim apenas aos processos espontâneos. Num sistema fechado

      1. (cont. apertei ENTER sem querer)
        Num sistema fechado, em que a temperatura está espontaneamente caindo pois a energia térmica está se transformando em outros tipos de energia a entropia total do sistema AUMENTA SEMPRE.

      2. Diogo, você não sabe absolutamente nada de Termodinâmica.

        Será? Veremos.

        Ao contrário do senso popular, entropia não está ligada diretamente ao nível de caos de um sistema.

        Segundo dicionário, entropia é:
        1. [Física] Medida da desordem de um sistema.
        2. [Física] Medida da quantidade de energia que não é convertida em trabalho mecânico.
        3. Desordem ou imprevisibilidade.

        Segundo o mesmo dicionário, caos é:
        1. Confusão dos elementos antes da criação do universo.
        2. [Figurado] Confusão.
        3. Desordem.
        4. Perturbação.

        Fonte: Dicionário Priberam da Língua Portuguesa https://www.priberam.pt

        Analisando a semântica destas duas palavras, podemos ver que o “caos” é um sistema em sua máxima entropia.
        Diante disso, como podes dizer que um não se relaciona com o outro?
        “Caos” pode não ser uma palavra técnica, porém a sua semântica está vinculada a palavra entropia.

        Se isso fosse verdade, seria impossível transformar espontaneamente um estado gasoso de uma substância (mais caótico) em um estado liquido (menos caótico).

        Mas para haver esta transformação, o líquido deverá estar em um sistema ABERTO, tendo a influencia de um agente externo, que no caso é o calor/energia.
        A 2º lei não se aplica a sistemas abertos, mas ISOLADOS.
        Deixe o mesmo liquido em um sistema ISOLADO e veja se sozinho ele se tornará vapor.
        Agora faça o inverso, deixe o vapor em um sistema isolado e veja se sozinho ele não se tornará líquido.

        A 1ª Lei da Termodinânica diz que, num sistema fechado, a energia se conserva, logo é possível transformar, por exemplo, energia térmica em trabalho.

        ´

        Mas o problema não é a primeira Lei, mas a SEGUNDA.
        Apesar das duas leis serem parte da termodinâmica, uma não tem nada a haver com a outra.
        A primeira trata da conservação da energia APENAS e a segunda da ENTROPIA de um sistema INTEIRO (que é composto por Matéria, Energia, Calor, Trabalho, Entropia e Volume).

        Para que fique claro, a classificação dos sistemas é baseada na natureza e propriedades das suas respectivas fronteiras, no que atrela-se às entidades físicas que “fluem” através dele.

        Elas são:
        º SISTEMA ABERTO: onde há troca de Matéria, Energia, Calor, Trabalho, Entropia e Volume.
        º SISTEMA FECHADO: onde há troca de Energia, Calor, Trabalho, Entropia e Volume.
        º SISTEMA ISOLADO: não há troca alguma
        º SISTEMA ADIABÁTICO: onde há troca de Energia, Trabalho e Volume.
        º SISTEMA ISOCÓRICO: onde há troca de Energia, Calor e Entropia.

        A segunda Lei diz que quantidade de entropia de qualquer sistema ISOLADO termodinamicamente tende a incrementar-se com o tempo, até alcançar um valor máximo, ou seja, da “ordem” para a “desordem”
        O UNIVERSO por naturalmente ser “só”, é um sistema ISOLADO, pois a sua “fronteira” é o Ex-Nihilo, portanto, por esta lei, ele se originou com a entropia mínima, que com o tempo está aumentando.

        O Universo, deste ponto de vista, é considerado um sistema fechado portanto, todo o conteúdo de energia interna dele é CONSTANTE, porém parte deste conteúdo está se transformando o tempo todo em outros tipos de energia, porém respeitando o Princípio da Conservação de Energia.

        Só uma correção, o universo não é um sistema fechado. É um sistema ISOLADO.
        Se ele fosse fechado, com quem ele trocaria Energia, Calor, Trabalho, Entropia e Volume? Com o Ex-Nihilo? desde quando o “nada” pode trocar algo?
        O universo é isolado em sí mesmo.

        E a questão que indica o problema da crença, como disse anteriormente, não se trata da conservação de energia (1º Lei), mas da ENTROPIA do sistema INTEIRO (2º lei).
        Uma coisa pode estar inserido na outra, mas esta coisa NÃO É ÚNICA.

        Assim, embora, num sistema fechado seja possível, transformar energia térmica em trabalho, é impossível transformar TODA a energia térmica do sistema em trabalho, pois isso violaria a 2ª Lei da Termodinâmica

        Vamos lá, um sistema fechado, mesmo que transformasse TODA energia térmica do sistema em trabalho, NÃO violaria a 2º Lei da Termodinâmica pois este sistema “trocaria” Energia, Calor, Trabalho, Entropia e Volume de outro sistema maior, onde ele está inserido.
        Se o sistema maior, também for fechado, o ciclo se repetirá até ele encontrar um sistema ISOLADO, que por sua vez, não haverá troca com nada. Com isso a sua entropia aumentará, aumentando a cadeia subsequente de sistemas que está inserido em si, até TODOS sistemas se tornarem o “caos”.
        Simples assim.

        Trazendo para o Universo, considerando este um SISTEMA FECHADO, se este surgiu no Big Bang, a uma temperatura altíssima e ao longo das eras ele foi resfriando e esta energia térmica foi se convertendo em outros tipos

        Mas o ponto não é a energia térmica SOMENTE, mas o NÍVEL ENTRÓPICO do sistema POR UM TODO.
        Um sistema não é apenas composto por calor. Ele é composto por Matéria (partículas), Energia, Calor, Trabalho, Entropia e Volume (espaço).

        Na crença do Big Bang, as partículas estavam em um estado de entropia MÁXIMA, e sozinhos DIMINUÍRAM sua entropia (formando galáxias, planetas e vida), para depois, começarem a aumentar novamente.
        A contradição desta fé com a realidade, é que a interação é UMA VIA, ou seja, do “mais organizado” para o “menos organizado”.
        A 2º Lei da termodinâmica não permite que as partículas se “organizem” sozinhas. Por isso esta lei é uma forte evidência que o universo, ao contrário do que vocês imaginam, originou-se “perfeito” e com o tempo, está “decaindo” para o “caos”

    3. “Para uma pessoa ter fé que o universo (sistema isolado) surgiu caótico e pelo tempo, SOZINHO (sem auxilio externo) diminuiu sua entropia ao ponto de “se organizar” em estrelas, é necessário ignorar os descobrimentos científicos, e com isso, retroceder na escuridão da ignorância.”

      O que eu quero dizer com toda a minha explicação é que o universo JAMAIS diminuiu sua entropia, mesmo quando ele se “organizou” em estrelas, a entropia total do sistema chamado UNIVERSO, continuou aumentando. Se você quer usar a analogia de estar caótico ou não, na verdade no Big Bang o universo não surgiu caótico não, ao contrário, foi o momento em que o Universo estava mais organizado, pois era totalmente uniforme, inclusive sua temperatura. Foi com o passar do tempo que de maneira aleatória, a temperatura foi caindo de maneira desigual permitindo a condensação da matéria em locais diferentes, surgindo galáxias, estrelas e etc. Logo o processo de condensação da matéria para a formação de galáxias e estrelas, a partir do estado inicial, ao contrário do que você disse (e do senso comum) AUMENTA a entropia do universo, não a diminui.

      1. Nada como uma explicação sobre a Termodinâmica, de quem entende. Parabéns.
        Deve ser engenheiro.
        ( o DM, deve ter pego o banquinho e saído de fininho. rsrs)

      2. O que eu quero dizer com toda a minha explicação é que o universo JAMAIS diminuiu sua entropia, mesmo quando ele se “organizou” em estrelas, a entropia total do sistema chamado UNIVERSO, continuou aumentando.

        A tua explicação, como bem disse acima, falhou, pois considerou o universo como ENERGIA e CALOR apenas. Ela não considerou sua matéria (partículas) e tão pouco a “organização” desta matéria.

        Se você quer usar a analogia de estar caótico ou não, na verdade no Big Bang o universo não surgiu caótico não, ao contrário, foi o momento em que o Universo estava mais organizado, pois era totalmente uniforme, inclusive sua temperatura.

        Novamente, tu ERRAS por achar que o universo não é composto de partículas (considerando somente energia e calor).
        Dizer que na crença do Big Bang o universo estava organizado, é declarar que neste início JÁ EXISTIAM galáxias, estrelas e planetas.
        Se for isso que dizes, este tipo de “Big Bang” está de pleno acordo com a 2º Lei da Termodinâmica.
        No Big Bang que tu acreditas, galáxias, estrelas e planetas já estavam formados no início?
        Caso não, então ela entra em contradição com esta Lei.

        Foi com o passar do tempo que de maneira aleatória, a temperatura foi caindo de maneira desigual permitindo a condensação da matéria em locais diferentes, surgindo galáxias, estrelas e etc.

        Esta é uma visão muito pobre do que é uma galáxia, estrela e planetas. Está reduzindo drasticamente a complexidade, organização e informação contido nelas.
        Acha que fazer surgir galáxias, planetas e estrelas é só resfriar um ambiente quente?

        Logo o processo de condensação da matéria para a formação de galáxias e estrelas, a partir do estado inicial, ao contrário do que você disse (e do senso comum) AUMENTA a entropia do universo, não a diminui.

        Que condensação de matéria? Segundo a fé do Big bang, a matéria não existia no início.
        E outra coisa, como disse acima, achar que galáxias, estrelas e planetas são fruto de condensação, é DESCONSIDERAR toda complexidade e ordem que ela possui.

  2. Relação à espaço e tempo..imagino que essa estrela está vagando com uma velocidade surpreendente em direção à terra. Se não for o corpo estelar por inteiro poderá ser fragmentos desta estrela que com a luz que emite vem primeiramente ao nosso alcance visual e depois virá seus destroços.
    Diante a imensidão do espaço, não conhecemos e nem imaginamos as velocidades, pesos tamanho e grandezas que compõe o universo. por isso só observamos e nos limitamos aos poucos conhecimentos.

    1. Desculpe-me, mas nesse caso você está completamente enganado. É normal uma estrela, ao acabar o seu combustível nuclear, colapsar numa estrela anã marron, estrela de nêutrons ou até num buraco negro, e, ao fazê-lo, ela ejeta sua corona (superfície), numa grande explosão. Quando isso ocorre, seu brilho aumenta milhares de vezes e, por isso, nós passamos a vê-la melhor do que antes. Esse efeito é temporário, logo ela “desaparecerá” de novo aos nossos olhos.

  3. salvador , existe um aquecimento global eminente, eles tão falando na possível reativação da falha de san andreas. estaria só este o porque da FEMA ter enviado alerta e estar fazendo um suposto “simulação de treinamento”. dizem que esvaziaram o deposito de água potável do walmart faz tempo. e Já destribuíram caixões coletivos por variados pontos do globo.

    http://www.apolo11.com/imagens/2016/anomalia_climatica_gis_2016_20160928-110940.jpg

    http://www.apolo11.com/imagens/2016/anomalia_climatica_gis_2016_20160928-110940.jpg

    1. As falhas tectônicas têm a ver com terremotos, não com o clima terrestre… É melhor evitar confusão a respeito.

      1. Não é simples assim… Existem pesquisas que ligam os terremotos a CMEs, alterações do campo gravitacional ou abalos no campo eletromagnético. Talvez não tenha a ver com meteorologia. Veja, não estou afirmando nada, mas existem pesquisas a respeito.

        Links: http://super.abril.com.br/tecnologia/ondas-gravitacionais-terremoto-no-ceu
        http://www.thesuntoday.org/solar-facts/flares-and-earthquakes/

        Quanto a falha de San Andreas, toda a população já é avisada e treinada a espera do “big one” há muito tempo. Tinha uma amiga lá que andava com uma mochila todo dia no carro para um eventual terremoto.

        1. Sugiro que leia novamente seus links, em nenhum deles indica que há qualquer relação entre terremotos e atividade solar.

    2. o o bio sistema ressonante harmônico do planeta, tal como do sistema solar , esta multiplexado, estão variados fatores que influenciam , o deslocamento e reverberação das placas tectônicas, como o fator dilatação dos corpos, (como os azulejos que trincam quando dilatam ao sol, onde não tem espaço para tal.) assim explosões solares , orbitas mais próximas do sol devido a modificação de orbitas(apogeu e perigeu do sol “arrasto dos planetas”), como aquecimento global, ativam vulcões , que reverberam a ativar falhas geológicas etc.. quando eu enviei o link esta que vi que; havia enviado repetido, na verdade queria ter enviado o do buraco coronal do sol. o sol para se equalizar, vai ter que se reverter a um sistema magnético harmônico equalizado para se manter regenerado, dai vai se reverter em variadas ações e reações , que podem ter consequências na terra. assim também o nosso planeta, para se manter em equilíbrio, dai ja tem ice-bergs se desprendendo do polo sul e a falha de san dos EUA califórnia parece que vai se reacender. etc..

      http://www.apolo11.com/imagens/2016/buraco_coronal_campo_magnetico_26set2016_20160926-100814.jpg

      http://www.apolo11.com/imagens/2016/buraco_coronal_rx_26set2016_20160926-101127.jpg

      http://www.apolo11.com/imagens/2016/proeminencia_solar_set_2016_20160923-092646_big.jpg

      http://www.apolo11.com/imagens/2016/vulcao_de_fogo_20160921-100625_big.jpg

      http://www.apolo11.com/imagens/2016/alerta_terremoto_set_2016_20160930-080744_big.jpg

  4. Salvador, ouvi dizer numa conversa de bar interestelar que uma supernova do tipo que destrói uma anã branca é mais forte que uma de colapso de estrela! É verdade?

    Ps: pessoal reclamando do paywall: assino o UOL há anos e acho que pagar 19,90 por mês um bom investimento (acesso irrestrito a conteúdo de qualidade por valor justo). Será que teríamos qualidade sem ser pago? A rede está abarrotada de lixo, basta digitar o que você quiser no google. Ademais, em termos de divulgação científica, no Brasil, não há canal como o do Salvador. Mais um motivo (senão o principal) para investir vinte reais por mês 🙂

        1. Ou seja, colapso estelar é mais energético, mas menos brilhante (o que faz certo sentido, uma vez que nela a explosão acontece “debaixo” da camada exterior da estrela, e na anã detonada a explosão acontece na superfície dela, onde a luz já flui para o espaço desimpedida).

          1. Parece que sim. Há vários processos envolvidos, mas aí já não posso opinar hehehe..

            Li sobre esse assunto na Wikipedia. Muito interessante. Parece que, no ano de 1006, uma supernova do tipo que destrói anãs brancas iluminou os céus do nosso planeta por alguns meses, sendo mais brilhante que Vênus! Vários são os registros históricos a respeito.

            https://en.wikipedia.org/wiki/SN_1006

            Lembro que no ano de 1987 houve uma bem próxima que causou certo furor na comunidade científica, apesar de não ser tão brilhante: https://en.wikipedia.org/wiki/SN_1987A

            Muito bacana hehe.. pesquisa deflagrada a partir da sua reportagem 😀

    1. É isso aí, Gilmar! Como obter informação de qualidade se a fonte de informação não pode se dedicar exclusivamente a ela, tem que trabalhar em outra coisa para sobreviver? Infelizmente grassa a mentalidade ou da idade da pedra, em que as pessoas apenas colhiam o que precisavam na natureza, ou de crianças abastadas, que obtém o que querem dos pais sem reparar no esforço que eles fazem para supri-los…

      Não existe almoço grátis, nem informação boa grátis.

  5. Bom dia Salvador.
    Esse assunto me fez pensar em algo que está me perturbando há algum tempo e talvez alguém possa me ajudar.
    Lá vai.
    Imagine que você possa viajar instantaneamente pelo Universo – livre das amarras da velocidade – e que também possa viajar no tempo.
    Você se projeta para um local qualquer do Universo ao lado de uma estrela qualquer – há um bilhão de anos luz da terra – carregando um dispositivo capaz de disparar um laser poderosíssimo. Estando nesse local você dispara o lazer em direção ao nosso planeta azul e em seguida volta à Terra e se projeta no tempo um bilhão de anos à frente bem no momento em que o feixe de luz chega aqui. Você verá o momento em que os fótons tocam sua retina, é claro!
    Agora volte – nesse mesmo momento do futuro – ao lado da estrela escolhida e mire novamente o lazer em direção à Terra e dispare.
    Feito isso volte ao nosso pequenino planeta azul e faça as contas: Quantos anos você terá que se projetar no futuro para ver esse segundo feixe de luz no exato momento em que ele atinge a Terra?
    Obs: Hipoteticamente – apenas para facilitar nossa vida – não levaremos em consideração os movimentos: Da Terra em relação ao Sol. Do Sol em volta da Via Láctea. Da Via Láctea em relação ao seu grupo local.
    É possível chegar a uma conclusão mesmo que seja aproximada?

    1. Marcos, você tá partindo de uma premissa impossível, então não consigo nem seguir o raciocínio adiante…

    2. Acho que ele se refere à expansão do espaço-tempo… Localmente o espaço não dá mostras dessa expansão, só em termos de muitos bilhões de anos-luz ela é perceptível, então, eu acho que seria o mesmo tempo da “experiência” anterior… Mas, de repente, não seria e você conseguiria medir a velocidade de expansão do universo diretamente. 🙂

    3. Caro vou tentar, se você se desprender do fator espaço tempo, vai durar um segundo um instante, mas se caso não , se manter a questão do tempo e velocidade vai durar um bilhão de anos luz, mas se você só se desprender do fator tempo tem que calcular pela velocidade da luz media atingida que esta , 299 792 458 m / s
      ai multiplica o valor pelo numero se segundos de um ano para ver quantos metros percorre e converte para km.

      (3600) s x 24 x 365=( x )s no ano.

      299 792 458 m X (3600) s x 24 x 365=(x) m/s depois converte para hora.

      bom tentei.rsrsrsrs

  6. Salvador, meus parabéns pelo texto.
    Essa ” nova” está mais voltada para beirada da nossa galáxia ou mais central?
    E, nesse caso específico, haveria a possibilidade de um sistema planetário ao redor da estrela?

    1. Michel, se tinha planetas não interessa mais, a “chamuscada” apagou qualquer vida que tivesse lá… ; )

  7. gente eu deixei a pág ciência e saúde salva nos favoritos, e não bloqueia mais matéria nenhuma do Salva. agora se entrar pelo Uol não vejo nada. fácil resolver, bem mais fácil que reclamar.

        1. O dedinho dele coça, fazer o quê? Então, tome zapeadas…

          Ôpa, não é pra fazer com o dedinho isso que vc pensou não, JR…

    1. Eu lhes digo que o Eu(TM) faz falta, sim. Ele tem trazido bons comentários e dicas, quando não se dedica aos palavrões. 🙂

      1. Além do que ele intimida bastante essa fauna tosca que empoleira por aqui… os caras ficam se borrando de medo do Eu™.

        Campanha #VoltaEu™

  8. Salvador, tenho três perguntas sobre o evento.
    Ficaria grato se pudesse me responder. 😀

    1) é visível a olho nu?

    2) é visível a olho nu aqui no hemisfério sul?

    3) é visível a olho nu aqui no céu de São Paulo? a poluição não apaga esta estrela?

    1. bom, desconsidere as outras duas também. na pressa, passei o olho no artigo sem “ler” de verdade. essa ansiedade ainda me mata!! :-S

      “Com magnitude entre 6,5 e 7, ela não é perceptível a olho nu, mas pode ser encontrada já com binóculos”, ou seja, se não é visível nem com céu limpo, aqui em sampa sem chance mesmo! 🙁

      1. Ué, já tentou enxergar o céu noturno de dentro da cidade e do campo?
        Vais perceber que a poluição não permite que enxergues muita coisa.

  9. Cara para ver os posts esta tão fácil, não vou nem dizer se não eles podem dificultar. clica varias vezes no link mensageiro sideral da pagina.

  10. Essa obervação (na alteração do brilho) é inédita em toda a história da pesquisa cósmica?

    Ou há outros casos, em maior ou menor escala (pouca variação no brilho)?

  11. Salvador, creio que a explicação para uma supernova não é muito precisa. Tanto a nova quanto a supernova são provenientes de um sistema binário no qual existe uma anã branca e uma estrela secundária. A estrela anã (de maior massa) captura matéria da secundária e, no caso da supernova, a taxa de transferência de matéria entre as duas é mais alta se comparada ao da nova. Ao acumular material da estrela secundária, a anã branca explode. No caso de um sistema binário de alta massa, como a supernova, a explosão é bastante energética. O remanescente da supernova pode ser um estrela de neutrons ou até mesmo um buraco negro.

    1. Dúvida: eu pensava que uma supernova poderia ocorrer no caso de estrelas solitárias de muita massa (mais de 10 vezes a massa do Sol), ela tenderia a colapsar violentamente por causa da massa própria. Estava errado?

  12. Antecipando um chato de galochas:

    São olhos paradigmáticos eclodindo onde está por vir Hercólubus e Nemesys com o sol marrom em oposição. Essa atividade estelar em excesso prova que meus estudos mostram o alinhamento de Júpiter com lesmas fossilizadas de Marte. Veja o link em http://xatopracarai.com/Xrjfjesfjr4-0

    1. Faltou: – meus estudos alinhados no apogeu-perigeo capturando hercolobus/nibiru em peixes.
      Tudo isso com os olhos eclodindo do Salvador Nogueira quando lê estes absurdos. rsrs

  13. Algumas perguntinhas 🙂
    Sabemos a distância que está essa “nova”? Se é que é uma delas, esse evento emite neutrinos?

    1. Não para a primeira resposta (embora estimativas possam ser feitas com a análise apropriada das observações).
      E sim para a segunda, pois toda reação termonuclear produz neutrinos. O Sol produz neutrinos. Mas não na mesma quantidade de uma supernova, claro, onde há fuga em disparada de neutrinos.

  14. Pessoal, basta procurar no Google a manchete ”nova na constelação do Lobo”… não precisa ficar preso a esse jornaleco coxinha. De onde acham que o ‘colunista’ tira essas matérias?

    1. No caso, fiquei sabendo por manter contato com o Gabriel Hickel, astrônomo mencionado na matéria. Dei uma busca no Google e só achei a minha matéria na primeira página de busca. Então, talvez, quem quer saber primeiro das coisas tenha algum interesse em investir num jornal de verdade, em vez de apostar no glorioso mecanismo de busca da internet (que apresenta mais lixo que conteúdo, diga-se de passagem, e exige do internauta que ele saiba separar o joio do trigo melhor do que um leitor de jornal clássico).

      1. Isso aí, Luís. Se você quer informação de qualidade, deve pagar por ela. Jornalista também tem família pra sustentar, sabia?

        Ou então leia informação gratuita em sites e blogs financiados por quem tem interesse em divulgar determinada informação. A Carta Capital, por exemplo, é gratuita. Mas não se esqueça: se você não está pagando, você não é o consumidor e sim o produto.

    2. “Free” willy, com certeza não tira estas matérias do instituto nove dedos.
      Porque lá, não se conjuga verbos, não se fala plural, e costumam estocar vento e homenagear a mandioca.

      1. Poderia ser mais tolerante e menos preconceituoso, independente da (des)orientação política que você tem. Pessoas sérias tentam fazer isso, mesmo que não concordem. Obrigado.

        1. kkkkks! Como é sério, mais tolerante, menos preconceituoso e tem uma (enorme)orientação política, não perca seu precioso tempo porque não concordo. Obrigado.

    3. Só tem o artigo do Salvador informando esse fato no Google HUAHUAHUAHUA!!!

      CHUPA SOÇA INGRATO!! Se tá ruim vai pedir informação sobre a estrela do PT lá no partidão, porque essa anda bem sumida…

  15. procure “burlesco chrome” no Google amigos que estão reclamando do PayWall.
    (Tomara que não seja bloqueado meu post, mas se for eu entendo)

  16. Salvador, parabéns pelo seu trabalho, sempre aguardo por novas matérias ansioso. Obrigado por difundir o conhecimento científico!

  17. Vergonha. Em plena era da informacao a FOLHA ainda continua poibindo nao assinantes de verem as materias publicadas. ATUALIZE-SE FOLHA!

    SITE BLOQUEADO da minha lista.

    1. Uiuiui, subiu nas tamancas!
      Eu também não gosto do paywall, mas é a vida. Infelizmente as pessoas ainda precisam de dinheiro para viver, e para a Folha me pagar precisa ganhar algum também. Como diria o Elton John, it’s the ciiiiiiiiiircle…. the ciircleee of life! 😛

      1. Francamente, Salvador, nada tenho contra o paywall e não é porque sou assinante da Folha. Quando acesso sites de outros jornais, inclusive internacionais, eu compreendo que a produção de todo conteúdo jornalístico tem custos. Se o assinante não banca parcela desse custo, de algum lugar esse dinheiro está saindo e provavelmente não vamos gostar de constatar de onde ele vem ou a que preço ele está sendo angariado. É evidente que o seu lado “mensageiro” preferiria uma solução que viabilizasse maior difusão das notícias, e um site pago vai na contramão desse pensamento. Além disso, se a sua remuneração estiver atrelada ao número de visitas – e não sei se está, mas suponho que sim – você terá também motivos financeiros para não gostar do paywall. Mas eu gosto de pensar que blogs como o seu somente são possíveis porque os assinantes pagamos uma mensalidade.
        O contrário resultaria num incentivo ainda maior para sites caçadores de audiência a todo custo, como tem se tornado, por exemplo, o UOL. Basta ver a chuva de merda que cai por aqui sempre que a editoria do UOL escolhe uma manchete caça-níquel para atrair os leitores para cá. Um abraço.

        1. Edouard, eu não ganho por audiência, mas claro que uma boa audiência é um incentivo para a Folha manter e valorizar o blog. E adoraria que houvesse solução alternativa para a Folha que não passasse pelo paywall, mas respeito que a administração julgue este ser o melhor caminho.

        2. A solução alternativa ao paywall seria explorar o conceito de bigdata, reunindo informações sobre os usuários e “nos vendendo” para anunciantes com propagandas direcionadas para cada perfil. Todos os grandes sites fazem isso, acredito que o lucro seria até maior.
          É uma pena as matérias do Salvador não estarem acessíveis à todos, por isso utilizo bloqueadores de paywall (sem peso na consciência) tanto que o paywall foi construido em uma linguagem de programação que roda no computador do cliente e não no servidor por isso acho que tenho direito de filtrar o que meu computador interpreta de informação “ou não”.
          abraço à todos.

          1. Seria maravilhoso sustentar só com anúncios, mas a verdade é que anúncios de internet têm efeito muito menor (e por isso valem muito menos) que anúncios da antiga mídia impressa. Então, o que antes era um jogo equilibrado entre sustentação com anunciantes e assinantes (tanto que o jornal de papel sempre foi barato, e há até mesmo a possibilidade de jornais impressos gratuitos, como o Metro, que é ruim e tem equipe pequena, mas é gratuito) agora virou um jogo desequilibrado. A estrutura do jornal — que é o que lhe confere qualidade, ou seja, bom número de jornalistas, com nível adequado de experiência, talento e especialização — está encolhendo para atender aos novos tempos, e a contribuição dos leitores passa a ser maior.

            Veja que temos uma situação bizarra em que quem mais ganha com a publicidade de internet, graças ao esquema de bigdata, são as empresas que NÃO precisam pagar pelo conteúdo, como Facebook e Google (dono também do YouTube). E as que produzem conteúdo agora precisam viver com uma fração dos recursos que tinham no passado para entregar um bom produto. É o colapso da indústria do jornalismo como a conhecíamos.

          2. É verdade, Salvador! Para o Facebook, NÓS fornecemos gratuitamente o conteúdo… E recebemos “presentes” como o envio de nossos dados do Whatsapp para o Facebook.

            Sinceramente, tomara que o “hello” faça sucesso, assim essa porcaria de Facebook vai para o vinagre.

    2. A Folha está se atualizando, infelizmente, para pior… Nos anos 80 ela vendia 800 mil exemplares por dia e, somando os grandes jornais do país, havia 1,5 milhão de exemplares diários. Na década de 50, os jornais publicavam DUAS edições POR DIA.

      Hoje a Folha tem 186 mil assinantes DIGITAIS, o que é 51% do seu total de assinantes (portanto, tem cerca de 180 mil assinantes do formato papel, muito pouco para pagar os custos de um jornal de sua qualidade). E tem 20 milhões de leitores por dia.

      Hoje, eu assino os dois, a Folha E o UOL, e não sou rico, dou extrema importância à boa informação. Faça você o mesmo, gaste menos de um real por dia, menos do que o preço de dois copos de leite, para manter uma fonte de informações que você gosta, senão não estaria aqui!

      1. Eu fiz melhor, assinei o Estadão. Ambos, Estadão e Folha, são disparados os melhores jornais do País, inclusive online. Mas o Estadão está um pouco à frente na qualidade da informação. A Folha se perde um pouco ao tentar agradar gregos e troianos.

  18. Se não é uma nova, é o que? Por que o aumento repentino do briho?? E por que vai diminuir daqui a dias???

    1. Tende a ser uma nova. Mas sem todos os dados, cientista não afirma nada. Pode ser algo que nunca vimos antes, ué? Veja a estrela de Tabby, por exemplo. Fenômeno nunca visto antes. Ninguém sabe o que causa. Mesma coisa. E o brilho vai diminuir daqui a dias, ou semanas, se for mesmo uma nova — por que é assim que novas se comportam. Rola uma explosão e depois acabaram os fogos de artifício.

      1. Então acredita-se ser uma nova, mas ainda sem dados suficientes para afirmar. De todo modo é interessante pensar que essa explosão ocorreu há centenas de milhares de anos e cinco dias.

Comments are closed.