Astronomia: Os destaques espaciais de 2017

Salvador Nogueira

Dois eclipses solares, fim de missão a Saturno e uma corrida para a Lua marcarão 2017.

SOL ENCOBERTO
O ano de 2017 terá dois eclipses solares visíveis do Brasil, um em 26 de fevereiro e outro em 21 de agosto. Em alguns locais do globo eles serão totais, mas, por aqui, apenas parciais. Enquanto o primeiro será visível nas regiões mais ao sul do país, o segundo só se exibe aos moradores do extremo norte. Em ambos os casos, será uma ótima oportunidade para ver a Lua passando à frente do Sol e os terraplanistas malucos se debatendo para explicar o que de fato está acontecendo ali.

O FIM DA CASSINI
Depois de quase 20 anos, a missão da sonda Cassini a Saturno chegará ao fim. Entre abril e setembro de 2017, a espaçonave fará voos rasantes sobre o planeta, passando mais perto dele que os anéis, e enfim mergulhará em sua atmosfera, terminando como uma estrela cadente no céu saturnino. O final apoteótico fornecerá informações valiosas sobre a estrutura interna de Saturno e ajudará a entender a origem e a idade de seus majestosos anéis.

Imagem da Cassini revela detalhes do planeta Saturno. Sonda chegou ao planeta dos anéis em 2004. (Crédito: Nasa)
Imagem da Cassini revela detalhes do planeta Saturno. Sonda chegou ao planeta dos anéis em 2004. (Crédito: Nasa)

O NOVO CAÇA-PLANETAS
Enquanto algumas missões chegam ao fim, outras têm seu início. Um novo satélite caçador de exoplanetas da Nasa, o Tess, deve ser lançado em dezembro de 2017. Seu principal objetivo é descobrir uma nova baciada de mundos potencialmente similares à Terra em nossa vizinhança interestelar e, com isso, identificar alvos que possam ter sua composição química estudada.

UM PEDACINHO DA LUA
Ao longo de 2017, a China pretende lançar a sonda robótica Chang’e 5, que viajará até a Lua para colher uma amostra de sua superfície e trazê-la de volta à Terra. Em 2013, os chineses realizaram o primeiro pouso suave na Lua desde 1976, com a Chang’e 3. Agora, tentarão pela primeira vez trazer um pedacinho da Lua de volta para a Terra.

O jipe Yutu fotografa o módulo da Chang'e-3, que o trouxe até a Lua em 2013. (Crédito. CNSA)
O jipe Yutu fotografa o módulo da Chang’e-3, que o trouxe até a Lua em 2013. (Crédito. CNSA)

CORRIDA MALUCA
E, por falar em Lua, até 31 de dezembro de 2017 diversas equipes privadas internacionais tentarão levar seus veículos ao solo lunar e, com isso, ganharem uma bolada de US$ 20 milhões, oferecida pelo Prêmio X Lunar Google. Quem chegar primeiro leva. Vai valer a pena acompanhar.

BÔNUS: O CÉU DE JANEIRO/2017

A coluna “Astronomia” é publicada às segundas-feiras, na Folha Ilustrada.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook, no Twitter e no YouTube

Comentários

  1. Eclipses são fenômenos mais que comuns.
    Acho que até hoje, somente um me chamou a atenção.
    Era um eclipse total do sol, aconteceu próximo ao meio dia, escureceu bastante tipo crepúsculo, fazendo com que as aves retornassem para suas árvores para dormir.
    Elas foram enganadas, tadinhas, porque minutos depois clareou tudo de novo, .. kkk!

    1. Eclipses lunares são bem comuns. Eclipses solares dependem mais da geometria e costumam ser menos frequentemente visíveis. O último visível em São Paulo, se não me engano, foi no longínquo 2001. O último visto em algum lugar do Brasil foi em 2006. Então, se você tem a lembrança de muitos e frequentes eclipses solares, melhor não sair falando por aí, a não ser que queiram que saibam a sua idade… 😉

      1. Tú já quer complicar.
        Eu falei que eclipses são fenômenos comuns e apenas o eclipse total do sol é que chama mais a atenção.
        Eu só testemunhei UM, “the last”.
        Acho que tu tens mais jeito de ter vivido vários eclipses total do sol, .. kkk!!

  2. Salvador, parabéns pelo excelente blogg.
    Continue firme, não deixe os malucos e os chatos como o Diogo sei lá das quantas diminuírem o seu gosto por este magnífico trabalho.
    Um ótimo 2017, com muito sucesso.
    Que você continue iluminando os ignorantes (mas curiosos) em astronomia como eu e tendo uma paciência de Jó, ou melhor, de elefante com os simplesmente ignorantes .
    Abraços

  3. Final de ano e as famílias se reúnem…
    Este ano os mais velhos relataram um cometa que foi visto no início dos anos 60…
    …eles eram crianças na época, mas dizem que o brilho valia umas 20 luas cheias…
    Do oeste do PR ele era visto próximo do amanhecer olhando para o sudeste…

    Alguma dica de que cometa era???
    Vamos ver algo parecido algum dia???

    1. Sei não que cometa era. O último espetaculoso foi o Hale-Bopp, nos anos 1990. O próximo? Sei não sinhô… cometas são pouco previsíveis em seu brilho e muitos são descobertos em sua primeira passagem pelo Sol, então um pode perfeitamente vir de surpresa por aí… 😉

    2. Hale-Bopp foi pequeno… Lembro dele…
      Achei alguma informação falando do Ikeya-Seki em 1965…
      A cauda ocupava 1/4 do céu… Espetáculo…
      Talvez só o Halley em 1910 tenha sido mais espetacular neste último período em que temos alguém ainda vivo para contar…

  4. Salvador!
    Quando que veremos um sistema de propulsão mais ágil e mais moderno?
    Desde sempre, observo esse mesmo sistema de catapulta para arremessar sondas em direção a outros planetas. Parece que nunca vamos sair daquela década de 60/70.
    Não existe nada, nenhuma pesquisa que possa projetar uma nave anti-gravitacional ou algo parecido? .. abs,..

    1. Não usamos catapultas, usamos foguetes. Por ora, é o melhor que temos. Propulsão iônica pode ser melhor para algumas missões e tem sido usada, como no caso da sonda Dawn ao cinturão de asteroides. Mas por ora não temos nada muito melhor ou saído da ficção científica, como dobra espacial ou antigravidade…

      1. Não usamos o “Efeito Catapulta”?
        E como é que uma sonda é arremessada, aproveitando o movimento de rotação da terra?
        O nome técnico pode não ser catapulta ou efeito estilingue, mas o efeito é o mesmo.
        Ex:
        Uma sonda com destino a Saturno, ela pode e deve se valer desse efeito catapulta a partir da Terra, dar uma estilingada em Marte, outra em Júpiter para finalmente chegar em Saturno, um verdadeiro “tour”.

        1. Ah sim, mas aí a sonda já foi lançada. Usamos estilingues para ganhar mais velocidade apenas. Mas o lançamento em si — o despregar do campo gravitacional da Terra — não é feito com estilingue. (E você tem razão que ela pega o movimento de rotação da Terra como impulso inicial, mas isso só poderíamos evitar se freássemos o planeta… não é exatamente algo com que contamos, é mais como algo que não podemos evitar e portanto usamos em nosso favor.)

  5. Profecias de cataclismos provocadas por aproximação de um novo Planeta em nosso sistema solar interior não podem ser 100% desconsideradas , visto que existe o caso dos Planetas Errantes. Mesmo não ocorrendo uma colisão ,sua simples passagem seria catastrófica, e claro, uma catastrófica falta de sorte considerando o tamanho do Cosmos. Considerar que o possível Planeta 9 seja o tal Astro das professias não tem sentido, pois as órbitas dos planetas do Sistema Solar estão estáveis há bilhões de anos. Nibiru não tem sentido. Um Planeta Errante teria.

  6. Serão eventos maravilhosos, não vejo a hora de acontecerem. Na sua opinião, qual desses será o mais impactante cientificamente? Prezo muito o ramo da investigação a procura de vida extraterrena (a mais simples possível….), portanto o que mais me chamará a atenção será o lançamento do satélite Tess, pena que acontecerá somente no final do ano. Quanto a “morte” apoteótica da Cassini, o que mudará no entendimento atual, se for acaso, for comprovado a existência de um núcleo sólido no gigante gasoso? Abraços!

    1. Kennedy, o que mais me interessa aí é a missão Cassini e estou olhando mais para os anéis de Saturno do que para seu interior. Começam a crescer as evidências de que eles talvez sejam “recentes” (100 milhões de anos), o que implicaria que Saturno tinha um outro sistema de luas internas que colapsou e gerou o novo sistema de luas mais internas e anéis — incluindo Encélado. Isso poderia explicar por que o bichinho ainda está terrivelmente ativo, cuspindo água de monte. Em compensação, reduziria em muito a chance de encontrarmos vida lá — ou traria a perspectiva de assistirmos aos passos iniciais da vida! Abraço! 🙂

    1. Nada de novo no front, mas em alguns anos essa hipótese vai se provar correta ou errada. Ele não tem muito onde se esconder, agora que estamos procurando por ele… 😉

  7. Ué, o que o eclipse tem a ver com a Terra ser plana ou redonda? Todo mundo SABE que o Sol e a Lua são redondos (ou esféricos), isso a gente vê todo dia, só o que vai muda é que um vai passa na frente do outro. A Terra é que é plana porque é o centro da Criação e mesmo assim é esférica. Que mania desses ateístas, eu hein…

    1. Para calcular a trajetória do eclipse, você precisa levar em conta a esfericidade da Terra. Tente projetar de onde o eclipse será visível usando um modelo de Terra plana… 😉

    2. Salvador, ele está de trollagem. Só para provocar. Não perde tempo.
      Nem a Dilma acredita nisto. E olha que ela queria estocar vento! Fora a homenagem a mandioca.rsrs

      1. Ninguém merece isso. E mesmo que haja alguém que mereça (e ao longo da história há candidatos sérios, admito), o torturador é que não merece ter de torturá-lo. É preciso ter zero empatia, ser um psicopata, para querer torturar alguém até a morte. Menos. 😉

    3. “A Terra é que é plana porque é o centro da Criação e mesmo assim é esférica.”

      Tentei, mas não consegui acompanhar o raciocínio. Vcs devem usar um tipo de lógica diferente, né?

    4. Cara, até o Papa já falou que a terra é redonda, que ela é que dá voltas no sol etc.
      Está sem ter o que fazer? Vá trabalhar, rezar, estudar, sei lá.

  8. Porque a Garatea não entra nessa disputa do google. Seria bem vindo 20 milhões de dólares em prêmio, não? Não dá pra adiantá-la?

    1. O desafio envolve pousar, andar 500 metros na superfície e transmitir imagens e vídeos em alta resolução da superfície. Os concorrentes já estão nessa há uma década. O plano da Garatéa é muito mais modesto — um orbitador, que é como se começa nessas coisas — e só tem voo garantido para 2020, graças a uma parceria com os europeus. Note que o custo da nossa missão é inferior ao valor do prêmio. Se fosse um módulo de pouso, o custo seria bem maior que o do prêmio.

      1. Interessante…. o prêmio é menor do que o valor estimado do custo da missão. Soa como um incentivo ao desenvolvimento de tecnologias mais baratas.

  9. Na verdade a ideia de que a Terra é esférica existe desde o século VI a.C., e surgiu com Pitágoras.
    Não podemos nem dizer que acreditar numa “terra plana” seja um retrocesso, já que esta ideia de que durante a Idade Média haveria uma “crença na Terra plana” foi forjada no século XVIII, não é verdadeira. É burrice mesmo… 😉

      1. Que eu saiba, o século XVIII não era mais Idade Média, era Idade Moderna. Idade Média terminou no fim do século XV.

      2. Bom, Pindamon……, pir pir poróró..pó..pó. Terraplanista.
        Como só está trollando no Blog e o Salvador tem muita paciência.
        Não quero te ofender como fez a outrem, mas para esclarecer aos bons seguidores do Blog:
        – Idade Média iniciou no Séc.V e terminou no Séc.XV. Séc.XVIII já estamos na idade moderna há um bom tempo. Foi um Período de Transição, considerada como um Período de Revolução Social.

  10. Olá Salvador, feliz translação nova. Acompanhei os melhores eventos de 2016 e agora as perspectivas para este ano, mas uma coisa ainda me aflige: será que deram jeito no problema que impossibilitava a Juno de encurtar sua órbita sobre Júpiter? Vou morrer frustrado se eu não souber definitivamente se os gigantes de gás tem ou não núcleo rochoso

    1. Por enquanto decidiram não encurtar a órbita para não arriscar a espaçonave. Ela pode produzir a mesma ciência na órbita atual, mas de forma muito mais lenta… então você não deve morrer sem saber. 😉

  11. Um grande abraço a todos e feliz 2017.
    Terraplanistas, o que eles falam de Eclipses? Qual a desculpa deles?
    Salvador, tem algum palpite de quem irá ganhar a corrida á Lua? Chineses? Indianos?
    Cassini: Será que consegue transmitir alguma coisa quando, entrar na atmosfera?

    1. Dei um Google no Forum da Flat Earth Society e há controvérsias. Há quem diga que o eclipse ocorre quando uma “Lua-sombra” entra na frente do Sol, mas não a Lua verdadeira, porque, segundo eles, a Lua verdadeira tem luz própria. Há quem aposte que é a Lua mesmo que entra à frente do Sol. Mas ninguém apresentou uma explicação satisfatória para a trajetória do eclipse, que depende basicamente da esfericidade da Terra… rs

      Sobre a corrida para a Lua, acho que os indianos estão em ótima condição de vencer.

      Sobre a Cassini, acho que, entrou na atmosfera, acabou. Porque não terá como apontar a antena para a Terra a fim de transmitir dados…

    2. É engraçado as teorias dos terraplanistas, Lua-Sombra….quanta bobagem. kkks
      Séc.XXI e ainda temos de ler estes absurdos.

  12. Não parece uma relação assaz empolgante, mas duas delas cobrem o ano inteiro com sobra. O caça planetas da sonda TESS, que nos deixará ligado a cada dia. A corrida da lua sim, pode apresentar um espetáculo bizarro se for politizada. Mas entre os grandes anúncios de 2016 estavam novas descobertas e novas teorias todas atraentes, como sempre. Acredito que neste ano a matéria escura vai ser abolida pois algo que não se vê, não se calcula, não se sabe do que é feito, provavelmente é nada (O nada é uma faca sem lâmina cujo cabo foi perdido). Suspeito que esta teoria de matéria escura tenha sido lançada por Mandrake(TM) e defendida com unhas e dentes por Lothar.

    Piccareta Espertini

    1. Geisa, desde 1999 dizem que iria se chocar com a Terra. Todo ano inventam uma data, e nada.
      Já era para estarmos extintos de tanta colisão com Nibiru “tas” !!
      90% dos Nibirutas, já desistiram de arrumar desculpas. rsrs

      1. Nibiru??? PUTZ, mais um???
        Eu já estava com meu bunker prontinho pra encarar o Hercóbolus, e agora me vêm com este tal de Nibiru…

Comments are closed.