Mensageiro Sideral

De onde viemos, onde estamos e para onde vamos

 -

Salvador Nogueira é jornalista de ciência e autor de 11 livros

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Astronomia: A matéria escura existe mesmo?

Por Salvador Nogueira

Físico holandês propõe nova teoria da gravidade e diz que matéria escura não existe.

A NOVA LEI?
O físico holandês Erik Verlinde, da Universidade de Amsterdã, está causando depois que apresentou, no fim do ano passado, uma nova teoria da gravidade. Ela sugere que a misteriosa matéria escura, tão buscada pelos pesquisadores, mas até hoje nunca encontrada, na verdade nem existe.

DEPOIS DE EINSTEIN
Se ele estiver certo, sua teoria — que sugere que a gravidade na verdade é um fenômeno emergente e não uma força fundamental — deve substituir a relatividade geral de Einstein como a visão mais refinada que temos da gravitação. São sapatos enormes para calçar, mas a teoria acaba de passar por seu primeiro teste.

FUNCIONOU
Um estudo com 33 mil galáxias recém-publicado observou o padrão de lentes gravitacionais que elas produzem, e os resultados são consistentes com as predições de Verlinde — embora ele as tenha apresentado de forma bem simplificada.

Lente gravitacional registrada pelo Hubble produz um anel de Einstein. Ou seria um anel de Verlinde? (Crédito: Nasa/ESA)
Lente gravitacional registrada pelo Hubble produz um anel de Einstein. Ou seria um anel de Verlinde? (Crédito: Nasa/ESA)

JÁ FUNCIONAVA
Até aí, truco. As observações também são consistentes com a boa e velha relatividade geral. Mas, para isso, você tem de incluir nessas galáxias uma dose cavalar de matéria escura — e é isso que os astrofísicos têm feito há 40 anos. Mas, convenhamos, inventar um ingrediente para fazer as coisas funcionarem não é solução ideal e deixa a dúvida: a matéria escura existe mesmo ou seria só um remendo para salvar a relatividade?

DESAFIOS ADIANTE
Se for um remendo, não podemos negar que é o melhor remendo até agora para explicar algumas observações. O exemplo mais gritante é o do Aglomerado da Bala, em que a colisão violenta de dois grupos de galáxias parece ter separado a matéria escura do resto. Será que a nova teoria, ainda embrionária, poderá explicar isso?

E AINDA TEM O UNIVERSO
Por fim, há a cosmologia. Os modelos atuais que explicam tão bem a evolução do cosmos desde o Big Bang dependem da matéria escura. Já a teoria de Verlinde sequer foi investigada nesse contexto e seu próprio criador admite que é cedo para emitir qualquer julgamento. Ou seja, ainda não jogue fora a matéria escura. Podemos muito bem precisar dela novamente logo mais.

A coluna “Astronomia” é publicada às segundas-feiras, na Folha Ilustrada.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook, no Twitter e no YouTube

Blogs da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade