Mensageiro Sideral

De onde viemos, onde estamos e para onde vamos

 -

Salvador Nogueira é jornalista de ciência e autor de 11 livros

Perfil completo

Publicidade

Astronomia: O ‘parto’ do Sistema Solar

Por Salvador Nogueira

Meteoritos revelam quanto tempo levou o ‘parto’ do Sistema Solar, há 4,56 bilhões de anos.

NASCE O SISTEMA SOLAR
Um novo estudo com participação brasileira conseguiu estimar o tempo que durou a nebulosa solar – o disco de gás e poeira que formou os planetas em torno do Sol nascente. A nuvem gasosa deve ter se dissipado por completo cerca de 4 milhões de anos após o início do surgimento do sistema.

ACABOU O GÁS
Esse foi o tempo, portanto, que os planetas gigantes Júpiter e Saturno tiveram para reunir seus enormes invólucros gasosos, há 4,56 bilhões de anos. Depois disso, a configuração do sistema todo já estava mais ou menos definida. Mas como os cientistas podem ter chegado a uma estimativa tão precisa? O segredo estava inscrito no interior de meteoritos.

CRONÔMETRO NA ROCHA
Alguns minerais dessas rochas espaciais vêm com um relógio natural embutido. Isso porque incorporam urânio em sua composição, mas não chumbo. Só que urânio decai e se transforma em chumbo com o passar do tempo, a uma taxa bem conhecida. Ao verificar quanto há de cada um, é possível estimar a idade.

O COMEÇO
Meteoritos estudados pela mesma equipe em 2014 tinham idade de 4,567 bilhões de anos e traziam indícios de estarem sob um campo magnético de 5 a 50 microteslas – condições que só poderiam ser geradas num ambiente permeado por gás.

O FIM
O novo estudo, publicado na “Science”, foi liderado por Benjamin Weiss, do MIT, e contou com participação de Maria Elizabeth Zucolotto, do Museu Nacional, no Rio de Janeiro. O grupo datou meteoritos um cadinho mais novos – 4,563 bilhões de anos –, e neles já não se vê mais campo magnético apreciável (apenas 0,6 microtesla). Sinal de que a nebulosa já estava dissipada pela ação do vento solar a essa altura.

O RECOMEÇO
É bonito quando vemos que tudo se encaixa. Ao observarem nebulosas similares em sistemas planetários nascentes, os astrônomos estimam sua duração típica entre 2 milhões e 6 milhões de anos. O Sistema Solar, pelo visto, esteve bem alinhado com a média de seus irmãos no cosmos.

BÔNUS: O céu de fevereiro, com dicas para o eclipse solar do próximo dia 26!

A coluna “Astronomia” é publicada às segundas-feiras, na Folha Ilustrada.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook, no Twitter e no YouTube

Blogs da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade