Mensageiro Sideral

De onde viemos, onde estamos e para onde vamos

 -

Salvador Nogueira é jornalista de ciência e autor de 11 livros

Perfil completo

Publicidade

Eclipse solar comove e bate recordes de audiência

Por Salvador Nogueira

A comoção era prevista e foi confirmada. O eclipse solar desta segunda-feira (21) foi o programa de maior audiência da história da Nasa, desde que ela começou a transmitir eventos ao vivo pela internet.

Em meados da tarde, a transmissão oficial da agência espacial americana já havia atingido 4,4 milhões de pessoas e respondia por 87% de todo o tráfego de internet dos sites ligados ao governo americano.

Até mesmo o presidente Donald Trump entrou na onda do eclipse e foi flagrado observando o Sol — sem qualquer forma de proteção para a visão, apesar de todas as recomendações exaustivamente divulgadas.

Eclipses solares totais são fenômenos relativamente comuns e acontecem em média, em algum lugar do mundo, a cada dois anos. Às vezes, a frequência é menor. Neste ano, já é o segundo.  O fenômeno acontece quando a Lua, em sua órbita ao redor da Terra, passa à frente do Sol, projetando uma sombra sobre o planeta.

O que tornou este especial foi justamente a faixa em que ele é total cruzar o território dos EUA de oeste a leste. Com isso, muitas regiões habitadas foram agraciadas pela oportunidade de vê-lo.

X

O evento também teve uma intensa bateria de observações. Aviões e mais de 50 balões estratosféricos foram lançados. Um deles, ligado ao Projeto Kuaray, da Universidade de Brasília e do Clube de Astronomia de Brasília, filmou o eclipse em 360 graus.

Tratou-se também de importante ocasião para estudar a coroa solar — a atmosfera estendida de nossa estrela, ainda pouco compreendida e de difícil observação da Terra, salvo quando há um eclipse.

NA TERRA E NO CÉU

E até mesmo da Estação Espacial Internacional, numa órbita a 400 km de altitude, o eclipse foi observado. Lá, de um ponto de vista privilegiado, os astronautas viram com clareza a sombra da Lua avançando sobre a Terra.

No Brasil, o fenômeno foi visível de forma parcial, nas regiões Norte e Nordeste, e foi acompanhado por centenas de pessoas reunidas em pontos de encontro de observação nas principais capitais.

Quem perdeu, não precisará esperar muito para ver um novo eclipse total do Sol. O próximo acontece no dia 2 de julho de 2019, e a faixa da totalidade vai cruzar Chile e Argentina. No sul do Brasil, novamente, será parcial.

O fim do eclipse em João Pessoa (PB), registrado por Marcelo Zurita

Nos EUA, o próximo eclipse com alinhamento similar a total acontece em 2023 (na verdade, será anular, em que ainda resta um anel do Sol exposto). Nessa mesma ocasião, a faixa da fase anular cruzará o Norte e o Nordeste do Brasil.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook, no Twitter e no YouTube

Blogs da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade