Mensageiro Sideral

De onde viemos, onde estamos e para onde vamos

 -

Salvador Nogueira é jornalista de ciência e autor de 11 livros

Perfil completo

Publicidade

Astrônoma americana quer fazer caça de planetas como a Terra em observatório brasileiro

Por Salvador Nogueira

O projeto para a busca de cem planetas gêmeos da Terra pode se expandir pelo céu do hemisfério Sul. De acordo com Debra Fischer, pesquisadora da Universidade Yale e coordenadora da iniciativa, há planos para instalar uma réplica do instrumento caçador de Terras no Observatório Soar, telescópio brasileiro no Chile. Caso aconteça, colocará o Brasil no primeiro time dos caçadores de planetas.

Fischer esteve no Brasil para a Reunião Anual da Sociedade Astronômica Brasileira, que se realizou neste semana em São Paulo. Lá, ela detalhou como pretende encontrar planetas com a massa da Terra, em órbitas similares à nossa em torno de estrelas similares ao Sol. Em termos de parâmetros básicos, é o mais perto que se pode chegar de gêmeos terrestres.

A essa altura, já conhecemos um punhado de planetas rochosos e de porte similar ao da Terra fora do Sistema Solar, mas praticamente todos eles giram ao redor de estrelas de menor porte, como as anãs vermelhas, ou estão a muitas centenas de anos-luz da Terra, como é o caso da maioria dos mundos descobertos pelo satélite Kepler, o grande caçador de planetas da Nasa. Foi o suficiente para provar que planetas similares em massa e diâmetro são abundantes no Universo, mas ainda não temos uma amostragem boa o suficiente de mundos desse tipo ao redor de estrelas próximas e que sejam mais parecidas com o Sol.

A busca por planetas parecidos com a Terra em estrelas como o Sol vai começar (Crédito: Nasa)

O Projeto das Cem Terras pretende fechar essa lacuna. Para realizá-lo, Fischer está desenvolvendo um novo instrumento, chamado Expres. Trata-se de um acrônimo simpático para Espectrógrafo de Precisão Extrema, um equipamento que já está sendo construído e deve ser instalado no Telescópio Discovery Channel do Observatório Lowell, no Arizona, com seus 4,3 metros de abertura. O início das operações está marcado para novembro deste ano.

O que o instrumento faz é medir com alta precisão a “assinatura de luz” das estrelas, o que os cientistas chamam de espectro. Sabe-se que o espectro sofre um deslocamento para trás ou para a frente, conforme a estrela está “indo” ou “vindo” com relação a nós — algo que ela faz ao ser induzida por planetas ao seu redor a realizar um bamboleio gravitacional, conforme eles giram ao redor dela. Medindo o tamanho e a frequência dos bamboleios da estrela, é possível descobrir a massa aproximada e o período orbital dos planetas que estão ao seu redor.

Contudo, a observação estaria limitada ao céu do hemisfério Norte. Daí a ideia de instalar uma réplica aperfeiçoada do experimento no Soar, chamada de Sorceress. A vantagem de replicar o trabalho seria conseguir construir o instrumento em pouco tempo — 18 meses. Mas Fischer ainda está buscando financiamento, cerca de US$ 5 milhões, para alavancar a iniciativa.

Confira a seguir a entrevista que o Mensageiro Sideral fez com Debra Fischer, em mais um episódio de CONEXÃO SIDERAL.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook, no Twitter e no YouTube

Blogs da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade