Mensageiro Sideral

De onde viemos, onde estamos e para onde vamos

 -

Salvador Nogueira é jornalista de ciência e autor de 11 livros

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Astronomia: Juno investiga o interior de Júpiter

Por Salvador Nogueira

Aos trancos e barrancos, a Juno começa a revelar o que existe no interior de Júpiter.

O DESAFIO DE JÚPITER
Depois de mais de quatro meses em órbita de Júpiter, a sonda Juno não está tendo vida fácil. Até agora, após passar de raspão pelo gigante gasoso três vezes, apenas em uma delas foi possível colher imagens e resultados científicos.

BANHOS DE RADIAÇÃO
A dureza já era esperada. Com seu campo magnético megamasterblaster, Júpiter é cercado por cinturões intensos de radiação, capazes de fritar os circuitos de qualquer espaçonave convencional. Ao passar a apenas 4.100 km do topo das nuvens jovianas, a Juno precisa atravessá-los repetidas vezes.

CORRIDA MALUCA
A órbita da sonda foi projetada para reduzir ao mínimo essa exposição, permanecendo o menor tempo possível nos cinturões. Ainda assim, a Juno tem sofrido uma série de problemas técnicos que estão deixando os cientistas de cabelo em pé.

BUGADA
No dia 19 de outubro, ela deveria fazer uma manobra de ajuste que encurtaria o tempo que leva para completar uma órbita de 53 para 14 dias. Mas uma falha no sistema de combustível fez com que os gerentes adiassem a manobra, com medo de perder a sonda de vez. E, para tornar tudo ainda mais dramático, no mesmo dia, seu computador de bordo entrou em “modo de segurança”, sobrevoando Júpiter sem registrar nada.

CIÊNCIA LENTA
A próxima passagem só deve acontecer em 11 de dezembro. E, para evitar riscos, a órbita de 53 dias será mantida. “O único impacto dessa decisão é que eu terei de ser paciente, porque obteremos os dados científicos lentamente”, brincou Scott Bolton, cientista-chefe da Juno.

O QUE JÁ SE APRENDEU
Apesar dos reveses, os resultados até aqui são fascinantes. Os cientistas já descobriram que a estrutura de nuvens se estende a uma profundidade de pelo menos uns 400 km. Também constataram que o campo magnético e as auroras jovianas são ainda mais intensos do que se imaginava. Pouco a pouco, a Juno vai cumprindo sua missão: desvendar a estrutura interna do maior planeta do Sistema Solar.

BÔNUS!
Não se esqueça de ficar de olho na “superlua” da noite desta segunda-feira (14), a mais próxima da Terra em 68 anos. A próxima superlua vem no mês que vem, mas a próxima tão perto assim, só em 2034. Confira também os demais eventos celestes do mês!

A coluna “Astronomia” é publicada às segundas-feiras, na Folha Ilustrada.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook, no Twitter e no YouTube

Blogs da Folha