Não estamos prontos para o contato

A humanidade não está pronta para fazer contato com vida extraterrestre. Essa é a conclusão a que chegou o neuropsicólogo Gabriel De la Torre, da Universidade de Cádis, na Espanha, com base em entrevistas feitas com 116 estudantes universitários da Espanha, dos Estados Unidos e da Itália.

Ei, tem alguém aí fora? Somos meio bobocas, mas estamos aprendendo...
Ei, tem alguém aí fora? Somos meio bobocas, mas estamos aprendendo…

O trabalho, recém-publicado no periódico “Acta Astronautica”, sugere que os terráqueos ainda têm muito a aprender para desenvolver o que De La Torre chama de uma “consciência cósmica”. “Nosso estudo empírico mostra uma deficiência de conhecimento astronômico e relacionado ao espaço entre os participantes da nossa amostra, mas suspeitamos que esse seja um efeito generalizado”, escreve o espanhol. “É interessante notar que as comunicações globais atuais não parecem afetar nossa consciência global ou cósmica. Com base nos resultados de nosso estudo, a maioria dos fatores transcendentes para preocupações existenciais continuam a estar relacionados com a religião em vez de a ecologia ou a cosmologia.”

Sem meias-palavras, o estudo mostra que o ser humano, na média, ainda é muito ignorante e supersticioso para lidar com o conceito de vida fora da Terra. Osso duro de roer, não?

Você pode achar que essa é uma preocupação meio precipitada, uma vez que ainda não encontramos nem uma mísera bactéria alienígena, que dirá uma civilização extraterrestre. Mas vamos combinar que isso pode mudar do dia para a noite. Não mais que de repente, a Nasa pode descobrir algo espetacular em Marte, ou os esforços de busca por sinais de rádio alienígena podem finalmente ouvir uma transmissão de outra civilização nas profundezas do espaço. E aí, o que acontece?

Essa é a preocupação de De la Torre. Não é a primeira vez que o espanhol tenta se manter um passo adiante de um problema cósmico. Ele participou, por exemplo, do projeto Mars-500. Conduzido por russos e europeus para testar os efeitos psicológicos de uma viagem tripulada a Marte, o esforço simulou todas as etapas da jornada para ver se humanos não ficam zuretas depois de mais de um ano em isolamento completo, numa apertada espaçonave.

Caso os “simulonautas” ficassem todos malucos, saberíamos que a melhor ação seria evitar uma viagem a Marte e pronto. (Felizmente, eles não ficaram malucos.) Mas essa não é uma opção no caso de um contato com uma civilização alienígena. Quais seriam os resultados de um contato? Seria só mais uma notícia espetacular, esquecida no dia seguinte? Ou a população global seria tomada por um frenesi religioso, interpretando a descoberta como um sinal do fim do mundo ou alguma outra coisa que levasse a um mergulho ainda mais fundo na superstição? Ou será ainda que o contato nos levaria a fazer uma releitura de nosso papel no cosmos, talvez para melhor?

Não dá para saber. Mas é justamente para evitar os piores desfechos que muitos comunicadores de ciência — dos quais o maior representante com certeza foi Carl Sagan — tentam há tempos aumentar nosso nível global de “consciência cósmica”. Ou seja, fazer a humanidade perceber que estamos muito longe de ser o centro do Universo, e ao mesmo tempo nos oferecer um renovado senso de reverência pelo cosmos que habitamos e, com toda probabilidade, compartilhamos com outros seres inteligentes.

A questão é: será que isso explica por que ainda não fomos contatados?

PRIMEIRO CONTATO

É uma coisa pouco comentada entre os defensores da pesquisa SETI (sigla inglesa para “busca por inteligência extraterrestre”). Para detectar um sinal, é preciso que a civilização alienígena esteja enviando transmissões exatamente em nossa direção. Ou seja, eles precisam querer nos contatar.

Os esforços atuais (e poucos) na chamada SETI ativa — em que nós enviamos sinais na direção de outras estrelas, na esperança de, em algumas décadas, receber uma resposta — sugerem que essa transmissão pode ser feita a esmo, sem saber se há alguém lá que possa nos ouvir. Mas isso não faz muito sentido para alienígenas que, presumivelmente, têm mais tecnologia que nós — ainda que não muito mais.

A própria humanidade está no limiar de desenvolver instrumentos capazes de caracterizar planetas fora do Sistema Solar e, quiçá, identificar neles sinais de vida. Será que o passo seguinte será encontrar sinais de vida tecnológica? Será que, num horizonte de 100 anos, teremos a capacidade não só de detectar oxigênio, vapor d’água e clorofila num mundo alienígena, como também poderemos identificar, por exemplo, as luzes artificiais de cidades extraterrestres?

É bem possível. E isso por sua vez implica que é improvável que os extraterrestres transmitam um sinal para nós a esmo, sem ter pelo menos uma vaga ideia de que tem alguém aqui na Terra capaz de escutar. Eles podem estar nos espiando nesse exato momento. (Os fãs de ufologia acham até que eles fazem isso pessoalmente, em espaçonaves, mas aí já é algo que foge ao escopo da ciência.)

Por outro lado, qual critério seria adotado por uma civilização alienígena para a busca de contato? Será que eles simplesmente usam como critério a longevidade? Olham para a Terra e pensam: “Bem, aí está um mundo com criaturas inteligentes. Se elas permanecerem por lá nos próximos cem anos e sobreviverem, talvez valha a pena nós os convidarmos para tomar parte na Sociedade Galáctica.”

Ou despacham espaçonaves, a despeito das incríveis dificuldades envolvidas no voo interestelar, para nos ver de perto e medir nosso nível de “consciência cósmica”?

Na clássica franquia de ficção científica “Jornada nas Estrelas”, o primeiro contato só é permitido uma vez que uma civilização adquire capacidade de voo interestelar — ou seja, só quando o contato é inevitável. Será que seria esse o critério adotado por possíveis alienígenas?

Essa ideia de que os extraterrestres estão lá fora, mas deliberadamente evitam contato com a humanidade, é genericamente conhecida como “hipótese zoo”. É como se vivêssemos numa reserva ambiental, enquanto os alienígenas esperam que estejamos prontos para nos juntar a uma comunidade multiplanetária.

VOLTANDO AO CHÃO

Talvez tudo isso não passe de vãs especulações, e não existam extraterrestres inteligentes num raio de mil anos-luz ou mais. Caso isso seja verdade, é bem possível que jamais passemos por uma situação de contato. Pelo sim, pelo não, De la Torre indica o que devemos fazer para nos preparar. Para ele, todo projeto SETI deveria vir acompanhado de um forte componente educacional — um esforço para ensinar a tantas pessoas quantas for possível que somos habitantes de um pequeno globo em meio a um Universo infinitamente vasto, um oceano cósmico que pode ainda ter muitos outros planetas habitados.

Bem, o Mensageiro Sideral não poderia concordar mais. Este blog nada mais é que um multiplicador de “consciência cósmica”. O ser humano encontrou na ciência um mecanismo poderosíssimo para a investigação do mundo natural e seria criminoso restringi-lo a uns poucos “escolhidos”, deixando o resto à mercê do obscurantismo e da ignorância. Mesmo que nunca façamos contato com outras inteligências no Universo, não pode haver mal em tentarmos expandir a inteligência por aqui mesmo. Vamos nessa?

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook

Comentários

  1. Não estamos sós, mas isolados nesta imensa vastidão do universo que vivemos. Todo ser vivo tem uma característica comum: explorar o ambiente dentro das possibilidades que lhes são inerentes e dadas pelo meio ambiente. Não acredito na tese que se algum extraterrestre souber na nossa existência esperaria um determinado momento para manter contato. Se não há contato é porque não há compatibilidade tecnológica ou pelo incapacidade de transpor as dificuldades de transpor barreiras físicas de tempo e espaço.

    1. exato….

      Também acho bobagem esta teoria de que haveria um cuidado especial por parte dos extra terrestres. se não aparecem é porque não conseguem chegar até aqui…

  2. Não acredito em seres extra-terrestes, pois tal como nós, são todos mentirosos.

    P.S.:

    Acompanhe o tutorial da receita do disco-voador. Basta clicar na inscrição de meu nome.

    1. Bom dia Paulo Negreiros. Muito interessante seu blog mas me permita uma observação. Neste seu post sobre disco voadores, sua teoria fura no momento em que afirma que o toroide em volta do circulo polar ártico vai subir, uma vez que a bicicleta vai se posicionar entre meio dia e 3h do relógio, pressionando o teto do toroide. Na verdade a posição máxima atingida pela bicicleta, e para uma velocidade infinita, será “3h”. Você está se esquecendo de considerar as forças impostas pelo próprio toroide sobre a bicicleta. Se você retirar a Terra de seu exemplo, com qualquer velocidade diferente de zero (considerando o toroide fixo de alguma forma) a bicicleta vai direto para posição “3h”. Se você volta com a Terra, a gravidade vai ser apenas uma componente a mais atuando sobre a bicicleta, fazendo com que se aproxime da posição 3h apenas com velocidades maiores. Mas a bicicleta nunca vai superar a posição 3h. É muito comum uma interpretação imprecisa da física e se chegar a resultados inusitados. Algo semelhante se faz ao tentar explicar o tão procurado “moto contínuo”. Diversos “modelos” são criados e a primeira vista parecem bem verossímeis. O problema é disseminar conceito errados e difundir idéias completamente erradas.

      1. Grato, Paulo.

        Dê uma nova olhada no blog. Você vai entender por que o toroide voa e por que os neutrinos do CERN realmente ultrapassaram a velocidade da luz.

        Infelizmente, o clero preferiu jogar a sujeira embaixo do tapete.

        1. Os neutrinos não viajaram mais depressa que a luz. E os próprios pesquisadores que sugeriram isso já admitiram o erro. Não é uma conspiração “todos contra os descobridores”. É “todos contra ninguém”.

          1. Efeito Dunning-Kruger.

            Quando criança, fiquei fascinado com imãs. Não tinha a menor idéias de seus princípios, mas “intuí” minha primeira invenção: um motor Perendev. Lógico, nenhum motor desses funciona.

            O último golpe dado com esse “motor”‘ foi aplicado por uma “empresa” da Irlanda:

            Orbo – um solene fiasco testemunhado por físicos e empresários.

            Quando comecei a estudar rádio, conheci sistemas simplificados de modulação em amplitude (AM). Sabia que um canal de AM é limitado pelas faixas laterais de uma portadora. Fiquei imaginando que as faixas laterais do AM eram um “defeito de projeto”.

            Se assim fosse, poderia muito bem criar um sistema de AM sem geração de faixas laterais muito mais estreito.

            O resultado prático seria aumentar do número de emissoras numa determinada faixa do espectro.

            Cheguei a intuir um sistema de variação de amplitude pela somatória de duas ondas, uma fixa e uma de fase variável.

            Fiquei sabendo, através de literatura especializada, que havia um sistema semelhante inventado por um pesquisador norte-americano, o sistema AMPLIPHASE criado trinta anos antes da minha “intuição”.

            Foram necessários muito estudos e pesquisa para entender que a informação de uma emissora em AM vem através das faixas laterais.

            Batalha perdida?

            Hoje existe a modulação em fase, uma espécie de AM sofisticado, capaz de transmitir mais informações que as previstas por Shannon (teoria da informação) e Niquist (teoria da amostragem), através de linhas telefônicas.

            Através dessa técnica, uma linha telefônica de 3000 Hz de largura de banda é capaz de transmitir 56 K bits/segundo.

            Uma emissora de AM no padrão DRM- Digital Radio Mondiale é capaz de transmitir áudio em qualidade superior ao analógico sem o aumento da largura de banda.

            A conclusão que tirei dessa lição:

            “Alguns limites da ciência e tecnologia são impostos à maioria, para reduzir a concorrência entre pesquisadores.”

          2. Parece que houve uma briga interna entre os pesquisadores. Mas não tenho informações de que tenha sido por conta de divergência no resultado do experimento.

        2. Negreiros,

          Intuir e ter novas idéias é o que move as ciências. E para fazer as intuições que você faz tem de ser inteligente e conhecer a base dos princípios físicos que você discute. Mas você deliberadamente ou não, retira da discussão os aspectos que vão contra a nova ideia que tenta defender. Em um outro post seu, você defende que o desvio para o vermelho observado em estrelas poderia vir da absorção seletiva das frequências mais altas de luz. Mas desvio para vermelho não é ausência de azul. Os diversos espectros da luz se desviam para o vermelho, incluindo ai as raias de absorção. A primeira olhada sua “intuição” pega os mais desprevenidos de surpresa e alguns até ficarão em dúvida. Mas com isso você apenas está disseminando conceitos errados. Quanto à banda lateral de AM, quem estuda transformada de Fourier e as técnicas de modulação sabe que a informação útil do AM está realmente nas bandas laterais. No processo convencional das rádios AM existe um desperdício de banda porque ela aparece espelhada em volta da portadora. Outros métodos de modulação são mais eficientes e estes aspectos são amplamente estudados pela engenharia. Nada contra intuir novas idéias. Só seria desonesto se você subtrair conscientemente conceitos que conhece e que vão contra a “anarquia” que quer provocar.

          1. Paulo,

            É um grande prazer receber suas críticas, feitas de forma honesta e respeitosa.

            A teoria do big-bang (como toda teoria deveria ser) não é uma unanimidade entre a comunidade científica.

            Esse assunto foi discutido há anos no extinto fórum de física do IFUFF. Na ocasião não houve oposição à minha idéia sobre o desvio para o vermelho. (O que não quer dizer nada).

            Se o ruído eletromagnético do cosmos (provavelmente de origem térmica) cresce a razão de três decibéis por oitava, as frequências mais baixas SEMPRE terão uma vantagem na discriminação de um sinal desejado sobre um sinal indesejado, através relação “sinal desejado”/”ruído indesejável”.

            Nas minhas divagações procuro não esconder as evidências que vão contra minhas “intuições”. Recentemente, em minhas postagens sobre a gravidade radial (defendida por muita gente que acha que a gravidade não existe), demonstrei que a recente queda da sonda americana sobre a Lua colocou a GR em cheque. A idéia da gravidade radial, decorrente do big-bang, sobrevive por um fio: ainda ninguém mediu a gravidade sobre solo lunar.

            Sobre seu excelente conhecimento de telecomunicações, acrescento que aquilo que permitiu a transmissão sonora em alta qualidade em AM foram os avanços nas técnicas de compressão. Você deve saber muito bem disso.

            Sobre o toroide gasoso, convido-o a pensar um pouco mais no caso.

            Cada dia que passa aumenta a minha convicção de isso é uma visão real e não uma miragem.

            Há um paradoxo implícito no toróide quando posto no espaço ou sobre a superfície de qualquer planeta.

            Quando o tunel toroidal está no espaço, o gás circulante referencia apenas ao centro do toroide; quando o toroide é posto sobre a superficíe da Tera, o gás circulante passa a referenciar-se ao centro desse planeta – Um movimento duplamente radial.

            Afinal, há ou não uma relação inercial / gravitacional entre os corpos?

            Quanto à minha posição iconoclasta, esta minha forma de ser. Procuro tratar a física pelo caminho irreverente do humor.

            Mas nunca me esqueço: Conhecimento é poder.

            Poder traz indesejável figura da autoridade, deplorada também por Einstein.

            Para mim, o limite da velocidade da luz imposta ao universo é uma coisa
            terrivelmente castrante, própria de quem detém o poder.

            Faço a citação de uma frase do colega Robson Conti, participante do fórum “fisica2100”, uma raridade portuguesa que dá voz à dissidência científica:

            “Pois com toda a nossa tecnologia, naves, sondas, supercomputadores, aceleradores e orçamentos bilionários, ainda não sabemos o básico e nos afundamos cada vez mais na areia movediça de nossas teorias e métodos limitados, os quais produzem montanhas de paradoxos, em uma absurda situação na qual a única certeza que temos é da incerteza (quântica) e a única coisa absoluta é a relatividade.”

          2. “Quanto à banda lateral de AM, quem estuda transformada de Fourier e as técnicas de modulação sabe que a informação útil do AM está realmente nas bandas laterais. No processo convencional das rádios AM existe um desperdício de banda porque ela aparece espelhada em volta da portadora. ”

            Paulo,
            O espalhamento do espectro, (usado na Segunda Guerra na comunicação entre caças “Spitfire” para despistar os inimigos) por si somente não amplia a quantidade de informações transmitidas por uma portadora de rádio. Uma transmissão analógica de FM em banda estreita (que espalha-se no espectro) transmite a mesma quantidade de informação que uma emissora de AM em banda estreita.
            Corrija-me se eu estiver errado.

    1. Osame,

      É o que penso e inclusive já fiz alguns comentários neste sentido. O fato de nunca termos sido visitados pode significar muitas coisas. Entre elas a não existência de tais civilizações tecnológicas com habilidade para viagens interestelares. Ou a raridade das mesmas, afetando a disseminação destas civilizações pela galáxia. A conclusão de que elas não estão próximas é quase óbvia pois já nos teriam encontrado. Não podemos esquecer que para atingirmos o grau tecnológico dos humanos, gastamos alguns bilhões de anos. Ou seja, a maturação de uma civilização é da ordem de grandeza da idade do universo. Dizer ainda que 1 milhão de anos, por exemplo, nos separam da condição de civilização interestelar, é muito precipitado, pois estas viagens implicam em conhecimentos físicos que não dominamos e nem sabemos se atingiremos. A verdade pode ser muito menos excitante do que esperamos e simplesmente seja impossível superar a velocidade da luz ou dobrar o espaço- tempo etc. Podemos estar presos a bolhas separadas pela impossibilidade de superarmos o que pregam as leis físicas atuais. O conhecimento infinito, que possibilita todas as realizações que desejamos, pode simplesmente não ser realidade.

      Mas estatisticamente, o fato de ainda não termos sido visitados, implica fatalmente na baixa velocidade de difusão das civilizações, pela ausência, raridade ou impedimentos de ordem física. Este fato joga contra as reais possibilidades de contato com extra terrestres

  3. O Salvador num torneio de paciência, não aquele das cartas de baralho, mas nas relações humanas acho que superaria a qualquer monge tibetano ou o mais paciente ser da Ásia.

    Ele privilegia aos leitores de forma gratuita e didática matérias que certamente poucos se darão ao trabalho de vasculhar na imensidão da web para melhorarem seus conhecimentos e logo surgem os opostos, os religiosos, os atleticanos… Fico curioso para tentar entender quais seriam os sentidos para digladiarem assuntos diversos que nada acrescentam; como não sou psicólogo não vou me atrever a “clinicar” ou rotular ninguém, mas com o perdão da palavra, eles enchem o saco!

    Aos religiosos de todas as linhas de crenças eu pergunto: religiosidade não é assunto de foro íntimo? Não é para você fazer uma introspecção e buscar a sintonia com Deus? Se, sim, o local ideal seria um retiro longe da turba e dos burburinhos urbanos e não em blogs que divulgam a ciência. Sou católico apostólico romano porque vilipendiaram o meu direito de opção e afirmo de boca cheia que hoje “sou ateu graças a Deus”, isto é paradoxal, mas em verdade, acho difícil encontrar um ateu puro porque todos nós necessitamos do apoio Dele nas nossas agruras, mas não sou mais refém de nenhuma crença ou religião então, tenho Deus em meu coração e não faço falsos testemunhos doutrinários. Então, eu recomendaria àqueles que têm na religião o seu tema mais importante, que se esforcem, estudem teologia e cresçam na matéria, aprendam como produzir belas redações, editem livros e finalmente implorem ou consigam junto as direções dos portais de web permissão para publicarem suas crenças em um blog, provavelmente terão milhões de acessos, mas, por favor, deixem o Salvador e os leitores que se interessam em astronomia ou assuntos relacionados ao espaço e ciências em geral colocarem seus assuntos e/ou opiniões em paz. Renovo aqui a minha opinião que Deus nada tem a ver com religiões e se escreveu alguma coisa foi unicamente a Tábua dos Dez Mandamentos, que, se, seguíssemos em parte ou na íntegra o mundo já seria muito melhor; todo o resto são produções que buscam atender ao ego do autor, lucros nas vendas, controle de massa pelo terrorismo e enriquecimento. Vide os milionários que permeiam nas TVs.

    De modo radical, eu faria uma sugestão ao Salvador que solicitasse ao especialista em Tecnologia de Informática do UOL ou da Folha de S. Paulo para instalar um filtro onde textos com apologia às religiões não passassem para a divulgação.

    Vamos refrear a vontade de escrever assuntos que fogem ao tema do blog. Obrigado.

  4. Acho um tema interessante que atiça a imaginação.
    Acredito que a civilização vai ficar dividida se pintar alguma notícia de vida lá fora.

    Vai depender do que descobrirmos. Se for algo a nível celular, acredito que vai gerar muitas discussões filosóficas e religiosas, uma rediscussão científica, incentivo a uma busca mais intensa, mas acho que não nada tão histérico.

    Agora se houver uma comunicação, algo inteligente, aí muda de figura. Temos em nosso subconsciente a percepção de que os aliens podem ser hostis ou amigáveis, em face dos muitos filmes, séries, livros e documentários que já vimos. Daí as reações podem ser das mais diversas como apego maior a religião, medo exagerado, preparação militar, adoração esotérica, negação total, haveria muita agitação, mas teríamos muitas discussões inteligentes e ponderadas.
    Seria uma mudança radical no modo como vemos o universo e nossa posição nele, levaríamos algum tempo para absorver o choque, mas acho que boa parte da população mundial receberia com certa tranquilidade.

  5. Salvador Nogueira, vocês querem provas concretas, mas procuram no lugar errado. Não dá pra trazer nenhum objeto pois os contatos se dão em outros níveis, outros níveis de consciência. Poderiam acontecer tb nesse nível que estamos, mas é raro e não é o que eles querem.

    1. Bem, então somos obrigados a colocar em dúvida. Como distinguir um contato desse tipo de uma alucinação?

      1. Ainda que ocorra de captarmos um sinal qualquer… ainda que um sinal nosso seja percebido por alguém… em termos práticos nossa solidão é absoluta! Jamais haverá tempo para se entabular um diálogo, para trocar experiências, para aprender qualquer coisa … É impossível viajar à velocidade da luz e as distâncias estelares são intransponíveis… O mais provável é que civilizações de todo tipo pereçam a todo instante, imperceptíveis umas às outras, isoladas na imensidão escura e silenciosa… assim ocorrerá conosco… Quando a vida se extinguir na Terra ninguém haverá para prantear por nós….

        1. Depois que o último homem tiver morrido, o último animal e planta tiver perecido, depois de passadas muitas eras e o próprio Sol e a Terra tiverem se extinguido, mesmo depois que todas as outras estrelas do Universo tiverem se apagado e só reinar a escuridão, cinco minúsculos e inertes pedaços do que um dia foi a nossa civilização ainda estarão vagando pelo imenso, desolado e escuro oceano cósmico numa viagem eterna rumo ao nada, tal como cinco garrafas lançadas ao mar por algum náufrago numa ilha perdida. Seus nomes : Pioneer 10, Pioneer 11, Voyager 2, Voyager 1 e New Horizons.

  6. Tema inspirador, pesquisa interessante, resultado óbvio.
    Sou tímido e pessoalmente preferia que um contato ocorresse fora do meu tempo de vida, os problemas gerados suplantariam os benefícios e a satisfação de minha curiosidade, poderia mesmo ser impossível ,tirando a matemática não vejo como ocorreria um entendimento mutuo, com uma inteligência não humana, silencio seria a melhor opção.
    Sorte a minha que as coincidências necessárias: Intenção de se comunicar; existência de uma civilização no mesmo tempo e com tecnologia parecida, mesma forma de percepção da realidade,sejam um pouco difíceis de ocorrerem, pelo menos todas juntas, em um curto espaço de tempo.
    Alias, tempo e amostragem , é o que falta,rs, pois o objeto de estudo é inimaginavelmente grande.Aposto minhas fichas que vida microscópica, talvez bacteriana exista aqui por perto, em alguma das luas de jupiter ou saturno.
    Inté.

  7. Consciência global ou cósmica, fatores transcedentes, parece-me expressões dando roupagem nova para crenças antigas, travestidas de cientificidade. Panteísmo puro.
    Para se preocupar com contatos extraterrestres é preciso, primeiro comprovar que eles existam de forma irrefutável. Mesmo através de comparação de luz, cor, sombra que supostos planetas semelhantes à terra façam em outras estrelas semelhantes ao sol, não nos dão prova cabal que existam outros seres inteligentes. Existem barreiras intransponíveis como as distâncias, que pela tecnologia que dispomos hoje, são insuperáveis. É colocar os carros diante dos bois.

    Comprovadamente, contudo, como o próprio articulista disse: “Não foi descoberta uma mísera bactéria alienígena” que possa comprovar algo parecido com o que existe aqui neste planetinha singular. Então o Salvador, o autor do texto, começa a demonstrar esperança, expectativa, confiança, fé, quase uma crença de que, como os antigos esperavam e acreditavam nas promessas de seus profetas, sacerdotes, ele crê que de uma hora para outra, o nosso novo oráculo da modernidade a “Nasa” venha nos dar a resposta para o sentido da vida.

    Caminhando em círculos. Sempre esperando que a resposta venha do alto, das estrelas, como se fazia há milhares de ano através da astrologia.
    O imaginário popular está permeado de ficção científica, das fantasias dos filmes de Holliwood, contudo pensamento crítico, comparativo, nenhum.
    Qual a diferença na crença na vinda de um messias, ou em acontecimentos que partem de “vãs especulações” como disse o autor. Respondam como superar uma medida de distância equivalente 10 trilhões de quilômetros (10 elevado a 16 metros, perto de 6 trilhões de milhas ou o famoso MIL ANOS-LUZ).
    Então ele se entrega: “temos que nos preparar, pode ser que não aconteça, mas se acontecer, devemos estar preparados”. Não, não é mera coincidência com algumas religiões que nos ensina que não sabemos quando vai acontecer determinado acontecimento extraordinário, mas se acontecer e quando acontecer devemos estar preparados.
    Obscurantismo e ignorância, velhos argumentos de antigas religiões utilizadas pelas modernas religiões apenas para desacreditar as concorrentes.

    1. James, desculpe comentar seu comentario, mas gostaria de lembrar que o estudo foi feito partindo do pressuposto que o primeiro contato ainda não ocorreu,então não entendi bem o “…Para se preocupar com contatos extraterrestres é preciso, primeiro comprovar que eles existam de forma irrefutável…”.
      E distancia para comunicação não é assim tão insuperável, se a fofoca for boa da para esperar por um lag de 1000 anos, fora que sempre vai ter algum louco querendo usar algo como entrelaçamento quântico para transferir informação, mas pulsos de laser já quebra bem um galho.

  8. Uma coisa que me incomoda um pouco nesse raciocínio de distâncias é o fato de convivermos, aqui mesmo, na Terra, com diversos mundos/seres que só podemos perceber – ou intuir sua existência – através de recursos externos, por exemplo, as bactérias: não as vemos a olho nu, mas elas estão aí, por toda a parte! Porque então não pensar, também, na possibilidade de existência de seres vários (extraterrenos mesmo) JÁ coexistindo conosco, porque não pensar sobre formas outras de interação, que não sejam sinais mensuráveis/perceptíveis, ou ou, que talvez a possibilidade de contato dependa de uma adaptação fisológica do ser humano,… de ampliarmos as portas da percepção ( ficou meio chavão, mas é isso mesmo >:D ), hm?

  9. Ainda que captássemos um sinal vindo de uma civilização inteligente é provável que sua fonte esteja distante demais para qualquer efeito prático… Não perduraríamos tempo suficiente para que nossa resposta fosse ouvida… Não teríamos tempo para um encontro… A vida na Terra estaria extinta antes de que qualquer mensagem, informação ou conselho pudesse surtir qualquer efeito…. E tudo isso ainda que fosse possível viajar à velocidade da luz…. A solidão da raça humana é brutal e definitiva… O Criador, se existe, abandonou o ser humano neste cantinho escuro e insignificante e daqui não haverá jamais qualquer alternativa prática de escapatória… A humanidade não poderá colonizar os demais planetas do sistema solar… Não tempo para chegar em exoplanetas…. Não há tempo para nada a não ser nossas pobres divagações sobre a eternidade…. Nossa única e remota chance de transcender nossa limitada existência física é transplantar nossa consciência para uma máquina com fonte de energia nuclear e resistente à passagem do tempo… Só dessa forma, ao cabo de bilhões de anos, é que poderíamos aportar em algum lugar viável e despertar do sono semi eterno para reconstituir nossa identidade…. Nosso destino inescapável é o nosso fim silencioso, desapercebido…..

  10. Talvez seja a religião o ponto da questão. A medida que a entermos como uma evolução da cognição, deixarmos de ser arrogantes e entendermos que somos parte desta imensa natureza cósmica, então o homem, que um dia habitou cavernas e usou ferramentas rudes, estará pronto para o contanto com seus criadores/irmãos.

  11. Todos os casos ufológicos são farsas ? A Ufologia têm estudiosos sérios como Stanton Friedman, Jacques Vallée, Allan Hynek, James Mcdonnald. Por que a mídia ainda os ignora. Há algum de estranho em tudo isso.

    1. Paulo, não há nada de estranhos. Siga o link no texto. Sem dúvida há casos inexplicados. O problema é que eles não são passíveis de estudo, portanto escapam do alcance da ciência. De que adianta discutir avistamentos se não há como verificar nossas hipóteses? Se eu lhe mostrar a foto de um ovni, legítima que seja, e disser que é uma astronave alienígena vinda de Sírius, você tem como refutar ou comprovar? Eis aí o problema da ufologia como ciência — ela não é passível de verificação.

      1. Olá Salvador, acho interessante suas respostas, sempre elaborando um lado sério mesmo quando as perguntas são óbvias ou até mesmo sem nexo, preciso desenvolver um espírito “tranquilidade” para também responder desta maneira, muitas vezes a própria pergunta da pessoa já irrita. Valeu pelas respostas.

        1. Roger, muitas vezes não aguento e dou uma cortada também. Mas idealmente é bom responder direito. Afinal, se a pessoa está comentando, por mais que venda críticas e certezas, ela padece de dúvidas…

    2. Paulo, a Ufologia não tem nada de sério. Ela não segue os preceitos básicos da metodologia científica, não permite experimentação controlada, nem resultados palpáveis, nem avanços tecnológicos. Ela usa de sensacionalismo e forçação de barra, ou seja, é uma pseudociência. Por isso os discos voadores tem a mesma credibilidade dos CDs, DVDs e fitas cassete voadores.

  12. Sem meias-palavras, o estudo mostra que o ser humano, na média, ainda é muito ignorante e supersticioso para lidar com o conceito de vida fora da Terra. Osso duro de roer, não? Os Nibirutas estão ai para mostrar o quanto a humanidade é ignorante e supersticiosa . Se eles existirem e estiverem observando, vão achar a humanidade bem atrasada por ainda ter a superstição de crer que o Universo foi criado por um deus.

  13. Acho que não é ponto de preocupação, a humanidade terá um hiato gigante de tempo entre a notícia da detecção de outra forma de vida inteligente e um real contato com eles. Nesse meio de tempo vamos ter muito o que filosofar, e se acostumar, à respeito.

    A eletrônica… a tecnologia da informação de um modo geral, caminha num ritmo muito mais acelerado que nossa tecnologia de propulsão. O projeto do rocketdyne F-1, motor do Saturno-V, é de 1955, e os computadores da USAF eram então sistemas pneumáticos! Passaram-se quase 60 anos, o F-1 ainda é o motor mais potente criado pleo homem, no entanto os computadores melhoraram muito, e continuam seguindo a quase inexorável lei de Moore!

    Não sabemos nem fazer fusão nuclear direito… ainda queimamos querosene para ir ao espaço!
    O desempenho de baterias elétricas é pífio! No que diz respeito a impulsionar um propulsor VASMR, do Dr. Chang Diaz.

    Detectá-los é uma coisa, chegar lá (ou trazê-los aqui) é outra, bem diferente!

  14. Porque presumivelmente formas de vida extraterrestres seriam mais inteligentes que nós, ou mais avançadas tecnologicamente ?

    Penso ser muito mais plausível que existam tanto formas de vida mais inteligentes e avançadas, quanto formas de vida mais rudimentares, e não necessariamente bacterianas.

    De qualquer forma, mesmo sendo mais avançadas, também nada garante a capacidade de realizar um voo interestelar, quem dirá intergaláctico.

    A mera detecção de emissões já seria fenomenal, mas a não ser que exista alguma forma de vida no próprio sistema solar, duvido que seja possível o contato ao vivo nos pelo menos próximos 100 anos.

    1. Formas de vida mais inteligentes que a nossa é plausível, é só você pegar o 14 bis e compará-lo com os mais recentes aviões, veja que salto em 100 anos, uma civilização mais antiga sem as travas para o desenvolvimento como houve em nosso planeta, esta muito mais avançado do que os terráqueos com certeza. Pegue a Caravela dos portugueses e compare com os grandes Transatlânticos de hoje. Olhe a medicina do medievo e compare com a medicina atual. Perceba, avanços gigantescos em um período de 700 anos e não se esqueça que a liberdade mesmo para criar sem restrições só veio com a Revolução Francesa, século XVIII.

  15. O q me deixa pasma é saber que realmente acreditam não existir ainda contato com extraterrestres neste Planeta. Eles estão aqui, sempre estiveram, sempre houve o contato e cada vez mais humanos estão fazendo contato. É tão difícil entender isso?

    1. Lidia, o que me espanta é a gente acreditar em uma coisa tão incrível sem provas concretas. Como diz o Neil deGrasse Tyson, se um — só um — dos abduzidos conseguisse trazer qualquer coisinha que fosse da espaçonave, poderíamos testar sua composição isotópica e determinar que não é da Terra…

      1. Pois é. Os humanos acreditam em cada coisa sem provas concretas que eu vou te contar, hein Salva? Até em “arquitetos mágicos”!

        1. É justamente isso que me faz não ser contra religiões. Parece que somos programados geneticamente para ter fé. A questão é ser criterioso. Deixar a fé para os lugares onde não há substituto.

          1. Na verdade eu acredito que o problema não seja a religião (ou a falta de), a fé (ou a falta de). E sim os exageros. O “extremismo”, que tanto falam por aí. Se cada um cuidasse da própria vida e não tentasse se meter na dos outros (isso vale pra todas as partes envolvidas), não teríamos tantos problemas no mundo.

            MAS isso infelizmente é utopia.

          2. Concordo contigo, menos na parte da utopia. Um dia a gente chega lá. 😉

          3. Será que somos programados para se ter fé? Já assistiu o filme “O enigma de Kaspar Hauser”? O filme é baseado na vida de Kaspar Hauser, onde mostra uma pessoa que não sofre influência de cultura alguma, e não desenvolve crença alguma. Se não assistiu vale a pena conferir.

    2. Lídia, até hoje não apareceu um único indício plausível de que a Terra já tenha sido visitada por seres extraterrestres. Nenhum dos supostos casos de contato sobreviveu ao crivo rigoroso da investigação científica. São crendices populares, nada mais.

  16. Em suma, a ciência está encurralada por dois fanatismos. De um lado, a religião; de outro, a pseudociência. A massa de comentários neste blog demonstra isso…

    Salvador, aqui na FSP há um time de jornalistas que, entre outros temas, sempre aborda esta questão ou assuntos relacionados. Entre outros colunistas, o Hélio Schwartsman, se não me engano, já falou sobre isso; o Marcelo Gleiser volta e meia toca no assunto, e, é claro, o Reinaldo Lopes (cujo blog inteiro pode-se dizer que aborda a questão). Vocês poderiam organizar um caderno especial ou um livro de ensaios (ou ambos!). Seria ótimo, não?

    1. Heitor, seria sim. O difícil talvez fosse entrarmos em acordo editorial sobre o que publicar e que posições apresentar. Hehehe

  17. A chamada “hipótese zoo” é uma realidade há 60 anos e na verdade eles estão aqui vivendo entre nós. Mas isso não é importante, pois eles não podem interferir com nosso livre arbítrio. Para que estivéssemos de fato preparados, deveríamos começar pelo autoconhecimento profundo e mudar a natureza humana: remover a escória bandida, abolir o uso do dinheiro, eliminar a fome na África, reduzir as desigualdades sociais, unificar os países num governo único democrático, e parar de estuprar o meio-ambiente. Mas como sabemos isso é impossível pelos padrões atuais. Então só nos resta esperar.

  18. Talvez , os sinais enviados pelo planeta Terra estejam viajando no tempo e quem sabe daqui uns 200, 300 anos ou mais extraterrestres estejam recebendo os sinais, isso se tiverem tecnologia, mas dependendo de seus estágios tecnológicos daqui 200 anos podem estar com tecnologias desenvolvidas para receberem os sinais como aconteceu aqui na terra com os avanços tecnológicos nos últimos 200 anos ; bem como os sinais extraterrestres estão viajando no tempo e estão por chegar, porém já estamos preparados tecnologicamente, ao menos para recebe-los.

  19. De fato, a consciência cósmica é de fundamental importância para cessar a delapidação do planeta Terra e assim não tenha seu curso de vida interrompido ; talvez um dia seja incluído no currículo escolar, ensino fundamental ou médio, a Cosmologia como matéria.

  20. Há muita casuística sobre seres e artefatos alienígenas na terra até mesmo no passado. Inclusive tivemos até resposta da mensagem de arecibo. Mas a mídia normal não informa estas coisas. Parece até que em vez de os ETs estárem evitando contato, o homem ou os representantes destes é que evitam de todas as formas tal acesso a este tipo de informação! A ciência nega fatos que desconhecem até que se prove ao contrário (o que eles não entendem eles preferem ignorar).

    Quem não quer o contato é a própria civilização terrestre arraigada nas religiões de sua ignorância.
    O homem ainda não aprendeu a conviver com as suas próprias diferenças, agora imaginem, aparececerem algum seres de diferentes padrões biológicos de que conhecemos! Primeiro os governos ainda nas suas políticas de domínio levariam uma série de ataques sem mesmo antes destes anunciarem o que querem. Ainda bem que estes sabem se defender, pois uma tecnologia de atravessar sistemas estelares, o homem nem chegaria perto. Ou será que ele é capaz?

    “Quando o homem fizer seu contato, ele saberá que isto já havia acontecido bem antes disso.”

    1. Cláudio, temos de tomar cuidado com a credulidade. A resposta à mensagem de Arecibo foi obviamente produzida por humanos. Por isso a mídia não informa (pior, às vezes informa, e ainda trata como mistério o que obviamente é uma fraude).

  21. De fato, a consciência cósmica é de fundamental importância para que cessem a delapidação do planeta Terra, para isso, quem sabe um dia, o currículo escolar no ensino fundamental ou médio contemple a cadeira de Cosmologia .

  22. Uma pergunta pertinente. Sabendo das implicações que tal evento causaria; caso esse contato já houvesse acontecido, ou provas irrefutáveis de vida fora da Terra já tivessem sido descobertas, seria prudente divulgá-las?

    1. Bem, é uma boa pergunta, de fato. Pior: se o estudo estiver correto, temos de aceitar que quem quer que estivesse escondendo as evidências estaria com a razão em não divulgá-la. Por outro lado, não acredito que existam essas provas. Guardar segredo é muito difícil. Note que o Obama não conseguiu nem guardar segredo do seu sistema de espionagem online…

  23. Acho que não é muita criatividade minha imaginar que, um alienígena por aqui sofreria uma tentativa de captura por alguma grande nação a fim de conseguir vantagens em novas tecnologias ao invés do contato amigável.

  24. Caro Salvador, vamos combinar: Nós não temos NÍVEL intelectual e emocional para um contato com civilizações extraterrestres! Infelizmente a humanidade, como um todo, não está preparada para uma empreitada dessas! Mas…civilizações nos observam!!

  25. A doutrina espirita de Alan Kardec, e Chico Xavier, tem uma religião que se acredita juntar a ciência e a religião, e também vidas em planetas evoluídos.

  26. Eu acredito que um dia encontraremos seres ETs. e será possível trocar conhecimentos. Estudos afirmam que isso já vem acontecendo. Creio que a humanidade somente acreditará, se um ET aparecer materialmente, mas, tentarão matá-lo e exterminá-lo. De minha parte, adoraria “pilotar” a espaçonave deles. Por fim, torço pela ciência.

  27. Boa tarde,Salvador…e se aqui mesmo na Planeta Terra,sem procurar noutro espaço…elesjá se reunem digamos..intraterreno.ou no mar…eles não estao ainda querendo se conectar conosco…e nós ficamos procurando fora do Planeta…eles estão ao nosso acance nas florestas..não tem aldeias indigenas sendo descobertas..com seres que nunca saberiam nada desta nossa civilização avançada globalizada, eles nem imaginam que saindo dali (digo os indigenas) tem civilizações desconhecidas a eles…o mundo eh tao grande, como saberemos se não vivem entre nós, habitando os corpos humanos.estuando ao nosso lado…o que me diz??eh do outro mundo?? não eh real……diga-me algo…grata

    1. Acho tudo isso muito fantasioso, Maria Thereza. Pode ser? Pode ser. Mas afirmações extraordinárias exigem evidências extraordinárias. Até hoje não vi nenhuma evidência de uma civilização intraterrena ou de alienígenas vivendo entre humanos disfarçados.

  28. Amit Goswami faz uma tentativa de unir a física com a metafísica em seu livro o Universo AutoConsciente, em que ele propõe, com base nos preceitos da física quântica, que a matéria é fruto da consciência, tendo em vista que o observador influi na realidade. Segundo ele em seu livro a Física da Alma, a “alma humana”, tem uma estrutura quântica. Afirma que a “Consciência Universal”, que estabele a realidade que nos cerca, será objeto da física no futuro, e não das religiões. A Ciência procura a verdade, enquanto que as religiões maqueiam a verdade. A Ciência derrubou o antropocentrismo e o geocentrismo. Porém Einstein afirmou que simplesmente através da física, não conseguiremos chegar à verdade, enquanto que Stefen Hawking, afirma que a força gravitacional criou tudo que existe, e que Deus não existe, pois na singularidade que gerou o Big Bang, o tempo não existia, era uma dimensão espacial, logo se o tempo não existia não haveria um Deus antes, pois não havia o antes para haver um Deus. Hoje se fala na Teoria do multiverso, e, portanto, um tempo antes do nosso universo. Há muita coisa para ser descoberta e provada. A Ciência é o caminho. Os alieníginas, possivelmente já têm a resposta…

  29. E se os prováveis seres extraterrestres também não tiverem “consciência cósmica” ?
    E também se acharem o centro do Universo e não estiverem a fim de procurar ninguém?

    Só sei que se o Universo for infinito, este continuará a se expandir infinitamente… desculpem a redundância! O contrário, se for finito, vai chegar uma hora que vai parar de se expandir e o que acontecerá? Implodirá? E tudo o que existe e existiu foi pra nada?

  30. Na minha opinião existe a vida alienígena no universo , só acho que devemos ter cautela e não ficar mandando mensagens para todos os cantos do universo ; vai que existem seres parecidos com os humanos que gostam de escravizar os outros .

  31. Um contato hoje seria uma verdadeira catástrofe…., apenas para os religiosos.
    Penso o quão seria útil uma mensagem cósmica para a humanidade no atual momento. Não tenho a menor dúvida que seria muito mais benéfico que maléfico, aliás, maléfico é ver pessoas ignorantes debruçadas num livro escrito por outras pessoas mais ignorantes ainda do passado em que, não tendo conhecimento algum das leis naturais, registravam conforme seu conhecimento da época.

    Vejam o exemplo, por exemplo quando deus diz a Moisés o que deveriam ou não comer…

    …” das aves do céu, não comereis o morcego.”

    Me pergunto, quem não sabia que morcego é um animal mamífero? deus ou os nossos antepassados?

  32. “tomada por um frenesi religioso” com certeza não, as religiões estão vacinadas contra isso, uma vez doutrinada a pessoa não perde a crença da noite para o dia, é preciso educação científica para readquirir o livre arbítrio. Quando a ciência tirou, no século XVI, desse mísero planeta, o título de centro imóvel do universo, pouca coisa mudou. Na verdade ainda hoje bilhões vivem no mundo “aristotélico” Preferem viver enganados, é mais gostoso. Essa é a condição humana.

  33. Sigamos caminhando fazendo o bem, cumprindo a regra de ouro: não fazer ao outro o que não queremos que nos faça, independentemente de religião e ciência, assim saberemos compreender e discernir entre o que é mundo/universo e o que é apenas planeta/sociedade/família/eu.

  34. A religião foi criada para empanar a verdade. No fundo, o homem (aquele que detem o poder, claro) sabe perfeitamente o que existe lá fora.
    De fato, o ser humano na condição que hoje está não se encontra preparado para a verdade.

  35. Acho estranho que, mesmo sabendo que na região de Coprates Chasma, em Marte, haja monumentos, ninguém diz nada sobre isto.
    Que houvesse alfinetes lá, já seria razão para uma barulhenta investigação….que dirá com monumentos imensos….
    Será que nem Salvador Nogueira se importa com isso?

    1. Marcos, isso não passa de uma ilusão de ótica chamada pareidolia. A famosa “face de Marte” é outro exemplo disso. Não existem construções artificiais na superfície de Marte.

  36. O livro CONTATO de Carl Sagan mostra de forma bastante interessante como seria a repercusão mundial, tanto do ponto de vista religioso, como sócio e econômico de um contato alienígina.

  37. Se, e quando, acontecer, será provavelmente sem um cursinho preparatório. Vamos ter que encarar essa nova realidade e viver com as consequências. Para bem ou para mal.

  38. Salvado acabaram de dar a noticia:

    Astrônomos localizam estrela ‘irmã’ do Sol perdida no espaço
    Com formação semelhante, HD 162826 está flutuando pela Via Láctea a cerca de 110 anos-luz da Terra, perto constelação de Lyra”

    Pode ser que a terra tenha uma “prima” por ai…será?

    1. Eu vi essa notícia no fim da semana passada. Vou escrever sobre isso em breve. 😉

  39. A minha geração , nem sonhava com os computadores,que se mostrados,na minha infância com certeza,diria ser de outro Planeta.
    Devemos esperar,não tem outro jeito.Acredito em evolução,precisamente genética,que transforma toda
    sequencia cromossomaticas,gerações seguidas.

  40. alguns filmes já exploraram esses encontros, dos que eu me recordo:

    1-independence day: exército americano dá conta do recado e nave alienígena é contaminada com vírus, na nova versão os ETs virão com o Norton AV atualizado;

    2-transformers: até cuspe de soldado americano mata alienígena robo;

    3-distrito 9: são escravos, tem tecnologia mas é nóis que manda, na fita;

    4-ET: do telefone minha casa, ele é bonzinho gente!

    5-star wars: tem sabre de luz, coisa impossível, mas tem;

    6-star trek: bem, ae rola tudo, nem vou falar dos podres;

    Do filme que aborda o tema de forma semelhante à matéria, tem “Contato”, baseado no livro do Carl Segan, onde pretendem enviar o cientista mais religioso para falar e ensinar a palavra do nada e coisa louca. Felizmente um infeliz fanático religioso mata seu cumpadi de reza e a cientista (jodie foster) vai lá pra sei lá donde.

    um contato é algo difícil, seria preciso uma tecnologia tremenda, algo do tipo você ter um supercomputador quântico do tamanho de um smartphone para poder fazer vários cálculos extremamente complexos para poder navegar, fora que a espaçonave deve ter uma tecnologia que ninguém ainda imaginou. Sabemos que o avião mesmo só se aperfeiçoou depois de um bom tempo, se até agora não temos nada melhor que o ônibus espacial, que já se aposentou…

    as tecnologias mais promissoras para substituir os foguetes de explosão estão longe de proporcionar uma viagem de curto prazo.

    sobre a galera ficar doida, oras, tem a experiência da falsa invasão marciana anunciada via rádio, povo ficou louco.

    a religião é um perigo, queira ou não, cada vez mais a tecnologia nos mostra que não estamos sozinhos, temos além de possíveis vizinhos com tecnologia avançada, visto que o universo é bem antigo e nada impede de nosso egoísmo de estarmos sós ser mais um erro como no caso do geocentrismo, quando a visão religiosa obrigava a se aceitar a Terra como o centro do universo.

    do outro lado temos uma vastidão de pessoas que não querem aceitar um mundo sem religião, sem almas e sem eternidade.

    Sabe, até gosto da abordagem dos filmes da marvel sobre o deus thor ser na verdade um alien com tecnologia avançada, isso não é impossível. Quem imagina que criaturas divinas, se é que isso poderia existir, iriam nos dar a capacidade de viver para sempre, vai sonhando. Um deus thor é possível, seria um Tesla com armadura que consegue concentrar corrente elétrica.

    a verdade é que a religiosidade é um bom argumento para justificar atrocidades: torturas, assassinatos em massa, pedofilia, incesto, escravidão etc, tudo isso é justificado pela religião, está na bíblia dizendo que pode, porque certo fodão bateu no peito e jogou a culpa na sua divindade.

    muita coisa foi e é feita por conta da fé, como as pirâmides, construções de templos etc, lembrando que a “fé remove montanhas”.

    mas se não estamos preparados, pode apostar que os aliens estão e o assunto é sério.

    muito dificilmente teríamos um contato amistoso, é muito fácil descobrir nossos problemas.

    eu acho que criaturas inteligentes e que tenham a tecnologia para nos visitar, não o fariam tão facilmente, é perigoso para eles, então, bastaria colocar uma sonda em órbita e pronto. A coisa não é como em filmes, nem da forma como o pessoal conspira. Se viessem a pousar em nosso solo, com certeza é porque eles sabem que nos superam belicamente.

    outra coisa, uma civilização tão avançada já deve ter superado a questão da primazia religiosa, então eles devem valorizar muito a própria vida evitando conflitos, talvez até vivam mais tempo por conta do conhecimento que possuem.

    a próxima geração de telescópios vão confirmar ou refutar muita coisa, especulemos enquanto podemos.

  41. O ser humano não aceita nem mesmo outros seres humanos que tenham algumas características diferentes da sua (lingua, aspecto físico, grau de instrução ou riqueza, origem, etc), portanto, é óbvio que não aceitaria alguém de fora

  42. Não existe alma, nem Deus, nem nenhuma continuidade após a morte. Nada perdura no Universo. A todo instante galáxias inteiras desaparecem… A distância nos impõe uma solidão definitiva… É muito improvável o contato entre formas de vida inteligente originadas em diferentes planetas não porque elas não existam, mas porque a velocidade da luz é pequena frente às distâncias estelares… A Terra desaparecerá quando o Sol se expandir e ninguém mais no Universo se dará conta…

    1. Ai o diabo estará aqui para colocar uma cruz com uma placa no lugar que antes havia a terra com os seguintes dizeres:

      “Aqui jaz o homem!” Viveu, comeu envelheceu e morreu”

  43. Se utilizarmos a probabilidade (que a Ciência adota para algumas questões) para uma resposta mais concreta da sobre a existência de vida no Universo, podemos afirmar com uma grande porcentagem de certeza que sim, existe vida fora do planeta terra e possivelmente outras civilizações, que tanto podem ser mais avançadas ou mais primitivas que nós.

    O homem tem o egocentrismo enraizado em sua mente. Mais do que achar que somos o centro do Universo achamos que somos melhor que nosso próximo. O egoísmo esta incrustado na sociedade, “salve-se quem puder”, “antes ele do que eu”, “cada um por si e Deus por todos”, etc.

    Dificilmente a consciência cósmica será amplamente difundida numa sociedade que possui indivíduos que apenas lutam para sobreviver. Se pararmos para pensar, a maioria da população mundial não são tão diferentes dos nossos irmãos, os homens das cavernas, pois naquela época eles caçavam e lutava para manter sua vida, dia após dia, hoje o homem em vez de caçar animais para sua subsistência, ele “caça” dinheiro mas para o mesmo fim.

    Acredito que ainda vai demorar um bom tempo para que o homem se veja menor do que o núcleo de uma célula perante o Universo.

  44. Somos muito ignorantes e supersticiosos. Dominamos a energia nuclear e armas de destruição em massa. Portanto, somos muito perigosos do ponto de vista alienígina.

  45. Gostei da materia parabéns. Bem polêmica rsrs.
    Dificil definir o rumo da humanindade. Muitos tem respostas diferentes para “Quem somos?” De onde viemos?” “Para onde vamos?”
    Alguns encontram suas respostas na religião, outros não. O fato é que a curiosidade do ser humano o levou de uma faísca ao bater duas pedras para satelites, GPS e acesso a informação instantenea em qualquer parte do mundo.

    Estou muito feliz por vivermos nessa época. Tantas perguntas a serem descobertas, e as respostas a essas perguntas moldarão a humanidade.

    Concordo porém que ainda não estamos prontos para contatos. Mal conseguimos nos entender, quanto mais uma civilização alienigiena…. Pensando melhor… Se for um ET no padrão FIFA pode vir! kkkk

  46. Mais uma vez, um ótimo texto. Parabéns!
    Discordo radicalmente de quem acha que o conteúdo do texto tem alguma incompatibilidade com religião. Muito pelo contrário, acho que a aderência é de 100%. Não com uma religião dogmática, talvez, mas com uma visão abrangente de que “há muitas moradas na casa do Pai” e somos todos parte de uma grande Criação, sobre a qual nós, na nossa infância cósmica-evolutiva, não conhecemos ainda sequer uma partícula infinitesimal!… Mas temos uma eternidade pela frente.

  47. Se analisarmos a humanidade hoje e conseguirmos tirar uma média do comportamento humano, podemos dizer que somos violentos e ignorantes. Odiamos aqueles que são diferentes de nós, mesmo dentro da nossa própria espécie, e tiramos vantagens daqueles que não são da nossa espécie, os animais. Ninguém vai lá de fora vai querem conhecer gente como nós enquanto formos assim e Deus não permitirá que tenhamos conhecimento suficiente para sairmos daqui e levarmos a ruína para outras civilizações, enquanto formos primitivos como agora.

  48. A vida extraterrestre é algo provável e mais sólido que acreditar que somos os únicos no universo. Talvez os contatos nunca ocorram devido às dificuldades de uma viagem espacial. Quando dizemos que os ETs têm mais tecnologia, estamos dando apenas um chute do tamanho do universo, pode ser tão difícil para eles quanto para nós. Mas, se utilizarmos o comportamento humano como base para esses contatos, procurá-los é um risco enorme para a humanidade. Eu acredito que nós não estamos prontos mas, muito mais que questões religiosas, minha curiosidade está em como proteger a Terra caso os contatados tenham a mesma ideia de conquista dos humanos. Que tecnologia teremos para enfrentar uma raça com domínio do espaço e conhecimento em viagens interplanetárias. Será que alguma raça alienígena já captou nosso sinal e está em nossa direção? Levando em consideração as distâncias entre os sistemas solares, eles chegarão em nossa órbita em 50, 100, 200 anos.

Comments are closed.