Astrônomo descobre ‘Halley brasileiro’

A equipe do Observatório Sonear, em Minas Gerais, ataca novamente, desta vez com a descoberta de um cometa que tem órbita similar à do famoso Halley. Tá bom pra você ou quer mais?

Imagem obtida pelo italiano Ernesto Guido, com o Observatório Siding Spring, confirmando a descoberta do "Halley brasileiro" (Crédito: Ernesto Guido)
Imagem obtida pelo italiano Ernesto Guido, com o Observatório Siding Spring, em 31 de agosto, confirmando a descoberta do “Halley brasileiro” (Crédito: Ernesto Guido)

O astro foi batizado de Pimentel, em homenagem ao astrônomo amador Eduardo Pimentel, membro do grupo que fez a descoberta, ao analisar imagens colhidas pelos telescópios do observatório, em 24 de agosto. As instalações do Sonear — bancado totalmente com recursos privados — ficam na zona rural da pequena cidade de Oliveira, a 130 km de Belo Horizonte.

“A órbita deste cometa é classificada como do tipo Halley, ou seja, com período maior que 20 anos e menor que 200 anos”, destaca Cristóvão Jacques, que lidera o esforço do Sonear.

Trata-se do quarto cometa descoberto pela equipe em menos de dois anos de operação e o primeiro deles classificado como periódico, ou seja, com uma órbita elíptica que o traz periodicamente para a região interna do Sistema Solar. O pessoal do Sonear já havia descoberto o primeiro cometa 100% brasileiro, e agora eles encontraram o primeiro cometa periódico descoberto no Brasil. No hemisfério Sul, desde o fim do 2013, não tem para mais ninguém.

Imagens da descoberta do cometa, colhidas pelo Sonear em 24, 27 e 31 de agosto. (Crédito: Sonear)
Imagens da descoberta do cometa, colhidas pelo Sonear em 24, 27 e 31 de agosto. (Crédito: Sonear)

O observatório é, por definição, amador (ou seja, operado sem remuneração), mas seus resultados são de um profissionalismo incrível. Projetado originalmente para descobrir e rastrear asteroides que pudessem ameaçar à Terra, ele já descobriu 15 novos objetos desse tipo. Felizmente, nenhum deles vai colidir conosco.

Por seus esforços, o Sonear (sigla para Southern Observatory for Near Earth Asteroid Research) recebeu recentemente o Prêmio Edgar Wilson de 2014, concedido pelo Smithsonian Astrophyisical Observatory, nos Estados Unidos.

O NOVO COMETA
Registrado junto à IAU (União Astronômica Internacional) com a sigla P/2015 Q2, o cometa Pimentel completa uma volta inteira ao redor do Sol em 21,3 anos. A exemplo do Halley, ele também tem uma órbita dita retrógrada — o cometa avança na direção oposta à dos planetas — e bastante desalinhada com relação ao plano do Sistema Solar.

A órbita do cometa Pimentel. A órbita vermelhinha é a de Marte, e a laranja, a de Júpiter. (Crédito: IAU)
A órbita do cometa Pimentel. A órbita vermelhinha é a de Marte, e a laranja, a de Júpiter. (Crédito: IAU)

Sua aproximação máxima do Sol (periélio, para os íntimos) acontece a 1,82 unidades astronômicas de distância do astro-rei. Na prática, isso quer dizer que o cometa nunca adentra sequer a órbita de Marte. (Uma UA é definida como a distância média Terra-Sol, aproximadamente 150 milhões de km.)

É uma órbita bem mais larga, portanto, que a do cometa Churyumov-Gerasimenko, que recebeu, no ano passado, a visita das sonda europeia Rosetta e do módulo de pouso Philae (ambos ainda estão lá). Isso significa que o Pimentel provavelmente jamais chegou perto o suficiente do Sol para sofrer transformações muito significativas. Em outras palavras, ele é uma relíquia praticamente intocada da época em que os planetas ainda estavam se formando, 4,6 bilhões de anos atrás.

“Meu palpite é que esse cometa veio da nuvem de Oort e em algum momento foi capturado pela ação de Júpiter e levado a se tornar periódico”, diz Jacques. “Mas para confirmar isso seria preciso realizar simulações complicadas da evolução dele.”

Uma coisa, contudo, é certa: por ser periódico e ter um periélio perto da órbita de Marte, ele seria um ótimo candidato para futura visitação por uma espaçonave.

Quem sabe um dia a Agência Espacial Brasileira decide mandar uma sonda não-tripulada para explorar de perto o cometa Pimentel? Pode parecer um cenário improvável hoje, a julgar pelo estado vergonhoso do nosso programa espacial, mas pense bem: esse cometa dá uma volta no Sol a cada 21 anos e provavelmente não sairá dessa toada nos próximos milhões de anos. Temos tempo para planejar…

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook e no Twitter

Comentários

  1. Salvador,
    Obrigado pelas notícias do espaço e boas discussões. A paciência de responder vem de onde? Ah ah ah ah! Foste professor? Continue altivo e sereno. Abraços.

  2. Ô, Salvador, como é q vc aguenta tanto besteirol e ainda se dá ao trabalho de responder? Escrevo apenas para parabenizá-lo por seu blog e, mais ainda, os bravos mineiros amadores que lá em Oliveira fazem um trabalho profissionalíssimo usando dinheiro do seu próprio bolso. Pena que sejam avessos a contactos e não pareçam aceitar doações. Mas leem o seu blog e se interessam pelas discussões, o Cristóvão que escreveu lá em cima deve ser o próprio Cristóvão Jacques, tal o conhecimento que demonstra dos processos de financiamento da NASA e das universidades americanas. Além de telescópios, claro. Trabalhar dessa maneira já foi um dia minha frustrada ambição. Bravo para você e os rapazes de Oliveira!

    1. Ola Fonseca,

      Não sei porque acha que somos avessos a contatos, pois procuramos responder todas as indagações que recebemos. Infelizmente por se tratar de uma propriedade particular não temos condições de abrir as portas do observatório para o público além do que os nossos telescópios não permitem observação visual direta. Fazemos este trabalho de divulgação ao publico no CEAMIG em Belo Horizonte ( http://www.ceamig.org.br). Estamos também abertos as doações e até já recebemos algumas. Só não aceitamos doações daqueles que insistem em querer uma contrapartida com fins comerciais.

      1. Meus parabéns pelo trabalho maravilhoso que têm desempenhado com esforços próprios. Vocês são uma prova de que podemos sonhar com um país desenvolvido, capaz de realizar trabalhos sérios de ponta, a despeito da mentalidade tacanha de nossos governos perante a Educação e a Ciência.

  3. Salvador, boa tarde
    Por um acaso esse observatório recebe visitas do publico?
    Oliveira é muito próximo daqui (Piumhi) e seria muito interessante conhecer o trabalho dos caras

  4. Salvador Nogueira, eu tenho feito comentários aqui sobre certas proezas científicas. Nem sempre concordo com a voz geral. Eu sou realmente um pouco cético com certas “descobertas”, e coloco isso nos meus comentários. Sempre vem o aviso de esperar a moderação. Mas nunca vejo essa liberação. O fato de eu discordar é motivo para não publicar meu post?

    1. Publico todos. Só besteira, mas não acho que besteira seja motivo para barrar comentários.

  5. Se não me falha a memória, os americanos já estiveram nesse cometa nos idos dos anos 50. No fim dos anos 60 eles chegaram à Lua. Então vamos comemorar esse feito cantando a canção de Luiz Gonzaga e Zé Dantas: “que mentira, que lorota boa, oi que mentira que lorota boa”.

    1. Na verdade, se você se refere ao Halley, os europeus estiveram nele, mas foi em 1986, com a sonda Giotto.
      Nah, você não se refere a isso. Você é só um daqueles que acham que o homem nunca pisou na Lua, mas nunca foi estudar a questão.

  6. Salvador,a Nuvem de Oort fica antes ou depois do Cinturão de Kuiper?
    Desejo um imenso sucesso para o seu mais novo livro.
    Abraços para você,Salvador!

  7. Infelizmente planejar é uma palavra que não consta no dicionário da nossa governANTA…. quem sabe um dia isso muda.

    1. Programa Espacial é algo que não consta no dicionário de quem financia campanha eleitoral no Brasil (seja o partido que for).

      Aliás, esse dicionário só tem dois verbetes: 1. Obras faraônicas (empreiteiras) pagas com endividamento público (bancos) e 2. Corrupção.

  8. Como é que a nasa não descobriu isso antes?A nasa,sei não…………………!NUVEM DE OORT,Será?………….

      1. Sempre desconfiei que os estadunidenses só veem metade do Universo rsrsrs. Estão ferrados a vida só existe no nosso hemisfério.

        1. Oswaldo, mais uma vez, obrigado pela audiência cativa! Muitos cliques! Continue assim!

    1. O unico observatorio da NASA que poderia fazer este tipo de descoberta é o WISE, mas ele esta restrito a uma pequena faixa do céu tanto do Sul como do Norte, já que ele está no espaço. Os observatórios profissionais em terra geralmente são investimentos de Universidades. A NASA distribui uma verba anual para a manutenção das atividades destes observatórios que fazem buscas de asteroides com orbitas proximas a da Terra, como Observatorio Catalina localizado no Arizona e o PanSTARRS localizado no Havai.

  9. O que devemos nos ufanar é o fato de um brasileiro, principalmente mineiro (baiano cansado Kkkkk) haver descoberto um Cometa. É uma façanha para dar inveja a muitos Argentinos e outros ermanos, por aí

    1. sou mineiro e não somos baianos cansados…
      Pensa bem antes de falar merda…pensa bem…
      Comentário de merda…se é mineiro ou está em minas…a rodoviária e o aeroporto estão abertos…vai pra la e compre uma passagem pra merda.

    2. Antes de imputar aos mineiros eventual predicativo, deveria voltar à escola e estudar um pouco de espanhol.

      Assim, quem sabe, aprenderá a escrever “hermanos” da forma correta.

  10. Salvador, As descobertas do Sonear são de causar inveja á muitos outros financiados por grandes corporações ou governos, sem dúvida. Mas tenho uma pergunta. Após o pouso do modulo Philae, da sonda Rosetta, no cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, verificou-se que a água existente neste cometa não é a mesma água existente na Terra, botando por terra a teoria que tratava disso. E agora ? De onde veio a água para o nosso Planeta ? Qual é a teoria proposta atualmente ? Forte abrc.

    1. Paulo, a água da Terra é compatível com aquela presente nos asteroides, e não nos cometas. Sinal de que ela deve ter sido incorporada ao planeta pelos próprios objetos que colidiram para formá-lo, e não numa etapa posterior, semeada por cometas. É por aí que seguem os modelos atualmente.

      1. Sem discussão, já disse anteriormente sobre águas diferentes, mas você insiste no H2O, do qual o Universo está cheio e existe abundantemente.

        1. Água = H2O. Não existe água de outro tipo. Aí terá outro nome. Mas, se faz questão, estou falando de monóxido de dihidrogênio. 😛

          1. Acho que ele estava se referindo ao fato de você ter dito que a água dos cometas é diferente da água dos asteroides.

          2. Oh fuck. As duas são monóxido de dihidrogênio. Um átomo de oxigênio, dois de hidrogênio. O que muda é a proporção de isótopos, que denuncia a origem. Mas não vou explicar não. Ele que dê um Google em “isótopo” e descubra. Tou cansado da preguiça dele.

  11. Nogueira ,
    o que frustra muitas vezes são as informações iniciais de um determionado assunto , mas que não ocorre o desdobramento e consequentemente o desvendar do misterio …veja só
    1- Philae , informações inicais davam conta do sucesso da missão , mas de repente a mesma provavelmente aterrisou em uma região de pouca luminosidade e pelo visto nunca mais teremos noticias da mesma
    2- Pontos luminosos de Ceres , a principio burburinho de especulações , mas que tambem não devem levar a solucão do que se trata a origem do mesmo
    3- New Horizons , imagens iniciais fantasticas , mas a partir desse momento só em 1 ano teremos mais novidades …..
    Dispenso comentarios do pretendente a caedeira …se é que me entende.

    1. 1- O Philae produziu grandes resultados durante as 63 horas em que operou. Aqui, reportei-os: http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/2015/07/1662350-solo-de-cometa-onde-sonda-pousou-e-mais-rico-do-que-o-esperado.shtml A sonda chegou a recarregar suas baterias e fez contato com a Rosetta em junho, mas o contato foi intermitente e insuficiente para voltar a operá-la. Com o periélio, não houve mais contato. Vão continuar tentando agora, conforme o nível de atividade do cometa se reduza. Mas aí também reduz o Sol e a chance de recarregar as baterias. Difícil.

      2- Os pontos brilhantes de Ceres ainda darão o que falar. A Dawn já iniciou sua terceira órbita científica e logo teremos imagens melhores dessa região. E ainda haverá uma quarta órbita científica, a meros 400 km da superfície. Então é só uma questão de tempo. Em breve teremos novidades. Mas não espere ver ETs. Os cientistas estão entre gelo, vapor d’água e sais para explicar os pontos brilhantes.

      3- A New Horizons retomará o descarregamento de imagens agora no dia 5 de setembro. Os caras planejaram o download de forma a cortar o envio de imagens no começo, francamente, para dar férias ao pessoal que trabalha com imagens, que praticamente não dormiu durante as semanas que antecederam e sucederam o sobrevoo. A gente fica aqui, de boa, só curtindo os resultados, mas os negos precisam TRABALHAR neles para a gente ter o que ver. A partir deste mês devemos ter mais novidades.

      Moral da história: tá todo mundo trabalhando. Temos de agradecer por ter tantas missões e tantas novidades ao mesmo tempo. Imagine uma época em que tudo que você tinha era uma sonda em Marte ou ainda um sobrevoo rápido de uma sonda em Júpiter…

      1. obrigado pelos comentarios ….mas é dificil controlar a ansiedade no que diz respeito a essa época em que estamos vivendo ( tantas missões ao mesmo tempo ) . pena que nossa estadia seja muito curta ( tempo x espaço ) para o que vem por aí .

  12. Êita, Salvador… a simples sugestão de uma missão brasileira vai acender uma multidão de pseudo-indulgentes alegando ser absurdo despender recursos enquanto a fome e a miséria no país bla bla bla.

    Para o “desespero” do Eu™.

    1. Ainda mais que o post foi pro rotativo da home do UOL…

      A chuva de chorume tem tudo pra ser uma tempestade, hoje.

      Hold on to your hat!

  13. Salvador, supondo que vc foi convidado para dar um passeio na tardis e pode escolher 3 destinos em qualquer época, quais seriam?

    1. Boa pergunta. Teria te pensar um pouco. Não tenho a menor nostalgia pelo passado. Talvez aproveitasse uma das viagens para conhecer Galileu, o Mensageiro Sideral original. As outras duas viagens, mergulharia no futuro.

  14. Excelente divulgação Salvador,

    Realmente gostaria que houvesse algum desafio para a Agencia Espacial Brasileira realizar.

  15. descobrir objetos usando modelo heliocentrico é bem engraçado quando em verdade o sistema solar é geocentrico com o planeta terra parado no centro do universo tendo um sol pequeno com 60 kilometro de diametro em movimento numa dstancia de 7 mil kilometro da terra dando volta a terra em um angulo de 23 graus ,a detecção q a terra esta parada foi feito pelo cientista albert michelson com um experimento chamado michelson -gale ,todo o universo gira em volta da terra basta ver um time lapse do céu

    1. ha diferença entre a ciencia do Establishment controlada por um pequeno grupos de pessoas muito poderosas ligado a sociedades secretas como maçonaria entre outras ,controlando e mudando descobrimentos cientificos a pelo menos 150 años passando de pai para filho , a existencia da ciencia real praticada por alguns cientistas no mundo são sufocada e esquecidas deixando de ser publicadas em revistas de renome q é controlado pelo Establishment

        1. Mais um que leu aquela página infeliz do FB (que se passa por “séria” foi criada para tirar sarro dos “geocentristas/terraplanistas”) e não percebeu que foi enganado!

          KKK

        2. É sério o comentário do cara ai de cima sobre o geocentrismo ? Deve ser uma dessas brincadeiras de Internet, só pode !

          1. Pior que não, cara. E o menino é tão leigo nos argumentos que ele basicamente pegou um apanhadão de coisas que leu lá na página fake do “Feicebuque” e escreveu misturando tudo, sem acentuação, sem nada.

            É só ignorante mesmo, tadinho.

        3. salvador nogueira deixa de ser preguiçoso,acostumado a receber comida na boca em vez de procurar pesquisar serio afundo sobre temas cientifico procure q o senhor vai encontrar muitas provas cientificas q o sistema solar é geocentrico isso foi mudado pela nasa entre outros orgãos pq implica temas religiosos teologicos etc por exemplo ha um video de alunos de fisica dos eeuu enviou um balão ate a estratosfera e a camera mostra no horizonte uma linha reta o planeta é plano no tem a curva mostrada pelas fotos da terra pela nasa ,uma pergunta para o senhor como um foguete sai da terra sendo q motores a reação de gases no tem força onde nao tem massa de ar ja q é o choque dos gases de alta velocidade q sai do motor se choca com a massa de ar fazendo o foqguete subir ,outra pergunta como um foguete q basicamente é feito de aluminio pode ficar intacto na termosfera da terra q tem temperaturas de 1500 a 2000 graus sendo q o aluminio tem ponto de fusao a 900 graus entre outros metais ?

          1. Obrigado pela audiência! Sobre o funcionamento de foguetes, o New York Times deu um “erramos” lindo em 1969, depois de ter criticado as pesquisas do Robert Goddard décadas antes. Pesquisaí. É muito divertido. 🙂

          2. Você deveria primeiro aprender a escrever. Depois, comece a estudar um pouquinho só e vai ver as ASNEIRAS que você está falando. Depois estude mais um pouco e envergonhe-se do tempo que você era ignorante e escrevia merdas em comentários de blogs sérios.

          1. Isso que eu chamo de leitura seletiva.

            Two donuts of seething radiation that surround Earth, called the Van Allen radiation belts, have been found to contain a nearly impenetrable barrier that prevents the fastest, most energetic electrons from reaching Earth.”

            Provavelmente o cara só leu a parte em negrito, teve uma epifania e, na pressa de querer contar aos amiguinhos do hospício que a NASA mesmo disse que os cinturões são impenetráveis, nem leu o resto.

            Ou, se leu, não entendeu. Ou se fez de louco.

            KKK

            De qualquer forma, FAIL mais uma vez.

    2. O experimento de Michelson só provou que a luz se move sempre à mesma velocidade, não que o Universo é geocêntrico. Patético esse seu comentário. É graças a ignorantes assim que a revolução copernicana ainda segue em andamento.

      1. salvador nogueira esperava mais do senhor pois ser desonesto para procurar parecer inteligente nao significa q o senhor esta dizendo uma verdade sua pagina é muito fraca com temas inocentes sobre ciencia quando se compara com um jornal como a folha de são paulo , quando o senhor disse sobre o experimento de michelson o senhor apenas esta falando de um dos experimentos feito por ele mas nao disse nada sobre o experimento michelson -gale

          1. Salvador, se eu fosse você nem respondia esse pessoal.
            As perguntas só tem um intuito, que é de tirar com o blog.
            Quem lê e comenta tem que gostar do assunto e não ficar achando motivos para todo o seu trabalho de nos informar estar errado.
            Pessoal de igreja é complicado, se não acredita fica quieto e vai rezar!!!
            Gosto dos comentários, por que é como se fosse um complemento do que você escreveu, a maioria das vezes você informar mais respondendo nossas perguntas do que no próprio texto.
            Ai vem uns alienados desses e quer acabar com tudo.
            Essas pessoas que se escondem atrás da bíblia só querem ver o caos!

        1. O experimento de Michelson–Gale–Pearson (não é só Michelson–Gale, não existe um experimento só do Michelson e do Gale) servia para medir a velocidade de ROTAÇÃO da Terra e tentava provar a existência do éter luminífero, não tendo ABSOLUTAMENTE NADA A VER com heliocentrismo.

          Michelson continuou a acreditar na existência do éter até o fim de sua vida, mesmo após a teoria da relatividade de Einstein ter elegantemente demonstrado que esse meio era completamente desnecessário.

          FAIL mais uma vez.

      1. Acho que não. Não tenho ideia da idade dele e do seu grau de instrução, mas é o suficiente para ler bobagens e insuficiente para refletir sobre elas…

    3. Já não bastavam Apolinário e Oswaldo, agora tem o Roger também para nos aporrinhar por aqui!

    4. Pelamor Salvador! Faz tempo que não leio os comentários, parece que o poço de ignorância só se aprofunda mais e mais! kkkk… E depois tem gente que estranha a situação política do país, hehehe… imagine esses “Einsteins” votando… O que mais me surpreende é a insistência em continuar na ignorância e querer convencer os outros!! Esse comportamento só pode ser reflexo de Brasília :))

  16. Salvador, hj vc foi hilário!!
    Nas atuais e futuras situações brasileiras, o SONEAR já está fazendo milagres. Agora, esperar que a AEB planeje, quanto mais desenvolva e envie uma sonda para explorar o Pimentel??? Nem nos melhores exercícios mentais eu consigo vislumbrar tal feito!
    Voltando à realidade, PARABÉNS equipe do SONEAR! Vcs estão mostrando que se tirar o “des”governo de nossas vidas, o brasileiro é competente, trabalhador e inteligente!
    abs,

    1. Estão fazendo milagres sim, com certeza, quanto a AEB investir em algo do gênero, basta algo tão simples e ao mesmo tempo tão improvável, aprendermos a votar…

      1. Sei lá. Até hoje não vi um candidato que se importasse com programa espacial, em nenhum partido. De todos que já disputaram a Presidência, apostaria que o mais preocupado teria sido o Enéas Carneiro. Mas eu prefiro não ter programa espacial do que ter tido o Enéas como presidente…

        1. Não precisa ser necessariamente um candidato que se preocupa com programa espacial, um que se preocupe com avanços educacionais e científicos já seria um bom começo, mas o problema não é exatamente o presidente, projetos assim são melhor desenvolvidos no congresso e senado, é por isso que citei o “aprendermos a votar”

          1. Na verdade, projetos assim têm que nascer no Executivo. Precisamos de um bom ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação. Vai ver quem senta nessa cadeira atualmente…

  17. Salvador, como voltou a baila citações de tempo, 4,6 bilhões de anos, e em artigo anterior houve menção sua sobre o assunto, e, tive com amigos um palpiteodromo generalizado, qual a hipótese da origem desse ponto que provocou a explosão que deu início ao Universo: física ou metafísica?
    Feliz com o Pimentel. Nada de novo Halley, ou Halley brasileiro: é o Pimentel.

    1. Física, e da mais sólidas. Decaimento de elementos radioativos em meteoritos, cuja origem remonta à origem do Sistema Solar. As medidas são compatíveis com medições de idades de rochas da Lua, de Marte e da Terra. Tudo se encaixa e aponta para essa idade, 4,6 bilhões de anos.

      1. Acho que o vadinho estava se referindo ao Big Bang:

        “qual a hipótese da origem desse ponto que provocou a explosão que deu início ao Universo: física ou metafísica?”

        Pra variar, misturando as bolas de novo. Confundindo a idade da Terra com a do Universo.

        1. Ah, ele está falando de Big Bang?
          Difícil formular uma hipótese sobre algo que não sabemos como é — caso do instante t=0. Mas há várias. Uma é que havia outro Universo antes desse que sofreu um Big Crunch, outra é que Universos se sucedem e expandem até se tornarem totalmente inócuos e “esquecerem” até mesmo do tempo, até que uma flutuação quântica cria um novo Universo depois da pasmaceira anterior (Roger Penrose tem trabalhado nesse modelo). Outra é que o Universo tenha nascido de uma flutuação quântica e isso tenha sido um evento único. E também há a hipótese do multiverso, em que Universos surgem o tempo todo e só calhamos de estar num deles. Lee Smolin defende que cada buraco negro gera um novo Universo e que a configuração dos Universos evolui para produzir o maior número possível de buracos negros (o que ele chama de “seleção natural cosmológica”, para desespero de quem odeia o Darwin). Mas até agora não há evidência concreta que aponte para um ou outro modelo. Estão procurando pistas na radiação cósmica de fundo que possam apontar numa ou noutra direção, e a teoria do Smolin faz algumas predições que até agora não foram contrariadas por observações, mas eu não colocaria minha mão no fogo por nenhuma dessas hipóteses.

          1. É, normalmente as pessoas optam pelo caminho mais fácil. A diferença é que a ciência não se permite “acreditar”. Precisa testar. Por isso dá mais trabalho. Mas se você prefere acreditar que o Universo foi criado pelo Monstro do Espaguete Voador, é um direito seu.

          2. E há, ainda, a teoria de que os buracos negros transformam toda a matéria que atraem em informação de como é formada a matéria e arremessam tudo, através do espaço/tempo, ao início do universo, onde o Big Bang está sempre acontecendo. Nada se cria, nada se perde, tudo se transforma.

          3. Como neste caso, por ora, é apenas uma questão de opinião, qual dessas três hipóteses agrada-te mais, Salvador?

          4. Não tenho preferência, sinceramente. Não tenho dificuldade em lidar com a ideia de que, algumas coisas, jamais saberemos. Aliás, o mundo seria muito sem-graça se pudéssemos saber de tudo.

          5. Eu já acredito que nunca deixará de ter graça, quanto mais descobrimos respostas, mais questões surgem…

          6. Exato. Mas se pudéssemos saber tudo — chegar ao fim das perguntas –, aí perderia a graça.

          1. Pois é, oswaldo. Pra você ver o quão burro você é, precisa de outras pessoas pra traduzir a estupidez que você faz questão de zurrar.

            Mas deixa estar, vou voltar a te ignorar. É mais saudável mentalmente.

          2. Acho que deveriam criar um sinal de pontuação que designasse ironia. Talvez assim conseguíssemos evitar certas ofensas que nos são dirigidas quando somos mal interpretados.

          3. Droga, não aparece para mim. Vou repetir, espaçando:

            : – P

            Juntando-os, é um riso com a língua de fora

    2. Salvador, sendo o início de tudo de uma só vez, ou tendo voltas, ou formando-se de qualquer maneira das hipóteses avençadas, volto a perguntar: físico ou metafísico.

      1. Algumas coisas, físicas. A hipótese do Penrose, por exemplo, faz previsões sobre a polarização da radiação cósmica de fundo, ou seja, oferece teste observacional. Outras coisas, como a simples hipótese do multiverso, metafísico. Não há como testar a existência de Universos aos quais não temos acesso. Então, tem de tudo um pouco.

Comments are closed.